conecte-se conosco


Jurídico

TJ e Corregedoria mantêm decisão de juíza de Poconé que afastou donos de cartórios por fraudes

Publicado

A juíza que manteve cartorários fora se baseou em fatos e provas sólidas, entente o TJ

DA REDAÇÃO

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ/MT), por meio do desembargador Carlos Alberto da Rocha, presidente do TJ,  e do corregedor-geral , desembargador Luíz Ferreira da Silva , rejeitaram recursos de defesa e mantiveram a decisão da juíza da comarca de Poconé , Katia Rodrigues de Oliveira, que em 10 de abril , afastou o tabelião Aloysio Rodrigues do Prado e sua filha, tabeliã substituta Elisângela do Prado Amaral .

Eles são peças de processo e sindicância que apuram improbidade, fraudes, emissão e certificações de documentos de forma ilegal e outras procedimentos jurídico-adminstrativos que ainda estão em curso, cuja tramitação deve continuar de forma acelerada. Atualmente, o Cartório do 1º e 2º Ofícios estão sob intervenção do TJMT.

Na decisão, o presidente do TJ afasta qualquer possibilidade de retorno dos tabeliães nos próximos 90 dias , inclusive ratificando a decisão da magistrada da comarca com inúmeras outras sindicâncias ainda a serem julgadas. O desembargador Carlos Alberto da Rocha também não viu comprovada, no argumento dos dois investigados, qualquer vício na decisão da juíza ao afastá-lo preventivamente.

Leia Também:  Apresentação de defesa relativa a outro processo não acarreta revelia

Já o corregedor-geral substituiu o responsável pelo cartório do 2. Ofício, que também era o tabelião Aloysio pela interventora, Katiuscia Sumaya C. Miranda que no segundo ofício à tornou interina . A reportagem entrou em contato com interventora e a mesma negou de conceder entrevista. A juíza da comarca está de licença .

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Jurídico

Confira a programação da Rádio Justiça para esta quinta-feira (18)

Publicado

Confira a programação da Rádio Justiça para esta quinta-feira (18)

Revista Justiça
Nesta quinta-feira o juiz Herval Sampaio Júnior continua comentando o artigo por artigo do Novo Código de Processo Civil (CPC). Ele está no parágrafo 1º do artigo 496, que trata da Remessa Necessária. Já o quadro Resolução de Disputas e Conciliação conta com a participação do juiz auxiliar da Vice-Presidência do Tribunal Superior do Trabalho e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho Rogério Neiva. No quadro Direito Eleitoral, a participação do mestre em Ciência Política e especialista em Direito Eleitoral Alessandro Costa, que falará sobre a proposta de reforma eleitoral. O Revista Justiça também vai falar sobre um aplicativo que será criado para ex-detentos procurarem emprego e qualificação no Distrito Federal. A especialista em Direito Penal Jéssica Marques vai comentar a ideia, que é uma parceria do Governo do DF com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O programa lembra ainda que o prazo de envio da principal declaração de pessoa jurídica termina no final deste mês. Quem vai explicar melhor as regras é o advogado e especialista em Direito Tributário Amauri Melo Filho. O Revista Justiça também vai falar sobre os cuidados com a saúde vascular devido a chegada do inverno, pois pessoas com problemas de circulação devem ter atenção redobrada. O convidado é o médico angiologista Bruno Morrison. Outro assunto abordado é projeto "Detran nas Cidades". Toda semana, um ônibus do órgão vai estar em uma região administrativa do DF para ajudar aqueles que estão com pendência no licenciamento do carro. Quem vai explicar os detalhes sobre a novidade é o assessor de comunicação do Detran-DF Glauber Peixoto. Por fim, o programa destaca a realização de evento sobre reforma tributária que ocorrerá no auditório da OAB/DF no dia 31 de julho. O coordenador da Subcomissão da Reforma Tributária da Ordem dos Advogados do Brasil do Distrito Federal Wesley Rocha irá analisar as propostas já apresentadas. Quinta-feira, às 8h00.

Leia Também:  Agenda do presidente do STF, ministro Dias Toffoli, para terça-feira (28)

Giro pelo Mundo
No Giro pelo Mundo desta quinta-feira é destaque que o Facebook defende plano de moeda virtual no Senado dos EUA, enquanto a Colômbia pede à ONU para seguir por mais um ano com o acordo de paz com as Farc. O ouvinte também confere que, em reunião de ministros do G7 na Europa, a França diz que quer um imposto mínimo mundial para as multinacionais da Internet, como Google, Facebook e Amazon. O Giro pelo Mundo também recebe a participação da advogada e jornalista Isolete Pereira, que conta o que é notícia na Argentina, diretamente de Buenos Aires. Quinta-feira, às 11h00.

Defenda seus Direitos
O Defenda Seus Direitos desta quinta-feira fala sobre Direito do Trabalho e Direito Previdenciário. Na coluna Direito do Trabalho, a advogada Cintia Fernandes fala sobre a Comissão Interna de Prevenção de Acidente (CIPA) e explica como ela deve ser composta, quais os benefícios para os empregados e quais são consequências de sua inexistência nas empresas. Já no quadro Direito Previdenciário, o advogado Leandro Madureira fala sobre decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que determina a segurado que trabalha em condições especiais contar tempo de auxílio-doença não acidentário especial. O colunista fala sobre as modalidades de afastamento e explica o que é atividade especial e os afastamentos temporários do trabalho. Por fim, o quadro Entrevista fala sobre férias. O especialista explica o que mudou com a Reforma Trabalhista, quais são as regras para o trabalhador tirar férias e de que maneira as empresas podem administrar o direito. Quinta-feira, às 13h00.

Leia Também:  Presidente da OAB agradece Justiça Eleitoral por empréstimo de urnas eletrônicas

Justiça na Tarde
O programa desta quinta-feira aborda os direitos da pessoa com deficiência, o projeto que cria prêmio para policial que apreender arma de fogo irregular e ainda explica se a sonegação de impostos pode resultar em prisão. Para discutir os temas, o Justiça na Tarde recebe especialistas nessas áreas. Quinta-feira, às14h00.

Radionovela Justiça em Cena “A Farra dos Gatos”
Aristeu Couto Duarte é um ricaço que descobriu que está na pindaíba. No mesmo dia que ele decidiu hospedar o irmão procurado pela polícia por instalar ligações clandestinas, ficou sabendo que a mulher empresária foi presa por desvio de dinheiro. Resumindo, Aristeu está sem nenhum tostão porque suas contas bancárias estão bloqueadas. Aí tudo foi desmoronando. Sua TV a cabo deixou de funcionar, mas o irmão, Luís Carlos, fez um “gato” e restabeleceu a programação. Agora foi a vez da energia elétrica ser cortada e Aristeu se encontra em um dilema: vai fazer mais uma gambiarra em sua casa? Radionovela em diversos horários na programação e versão compacta aos sábados e domingos, às 20h30.

Rádio Justiça
A Rádio Justiça é sintonizada em 104,7 FM no Distrito Federal e pode ser ouvida pelo site www.radiojustica.jus.br. Acompanhe a programação e siga a Rádio Justiça pelo Twitter no endereço http://twitter.com/radiojustica. Participe dos programas! Envie dúvidas e sugestões sobre temas ligados ao Direito para nosso whatsapp: (61) 9 9975-8140.

Fonte: Rádio Justiça

Fonte: STF
Continue lendo

Jurídico

Presidente do STF determina suspensão nacional de processos sobre compartilhamento de dados fiscais sem autorização judicial

Publicado

Presidente do STF determina suspensão nacional de processos sobre compartilhamento de dados fiscais sem autorização judicial

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, determinou a suspensão nacional de todos os processos judiciais em andamento no país que versem sobre o compartilhamento, sem autorização judicial e para fins penais, de dados fiscais e bancários de contribuintes. A questão está em discussão no Recurso Extraordinário (RE) 1055941, com repercussão geral reconhecida (Tema 990), que foi incluído na pauta de julgamentos do Plenário do dia 21 de novembro. O processo tramita em segredo de justiça.

Pela decisão do ministro Dias Toffoli, ficam ainda suspensos, em todo o território nacional, inquéritos e procedimentos de investigação criminal atinentes aos Ministérios Públicos Federal e estaduais que foram instaurados sem a supervisão do Poder Judiciário e de sua prévia autorização sobre os dados compartilhados pelos órgãos de fiscalização e controle (Fisco, Coaf e Bacen).

O caso

O recurso paradigma foi interposto pelo Ministério Público Federal (MPF) contra acórdão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) que anulou ação penal diante do compartilhamento de dados obtidos pela Receita Federal com o MP para fins penais.

Para o TRF-3, a quebra de sigilo bancário para fins de investigação criminal ou instrução processual penal está sujeita à prévia autorização judicial. Mas o MPF contesta tal decisão sob o argumento de que o STF, no julgamento do RE 601314, com repercussão geral, julgou constitucional a Lei Complementar (LC) 105/2001 e a quebra de sigilo bancário pela Receita Federal sem a necessidade de intervenção do Judiciário.

Leia Também:  Ação contra lei que permite pulverização aérea no combate ao Aedes aegypti está na pauta desta quinta-feira (4)

ADIs

Sobre a questão, o ministro ressaltou que no julgamento das Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) 2386, 2390, 2397 e 2859, todas de sua relatoria, em que se reconheceu a constitucionalidade da LC 105/2001, o Plenário foi enfático no sentido de que o acesso às operações bancárias se limita à identificação dos titulares das operações e dos montantes globais mensalmente movimentados. “Ou seja, dados genéricos e cadastrais dos correntistas, vedada a inclusão de qualquer elemento que permita identificar sua origem ou [a] natureza dos gastos a partir deles efetuados, como prevê a própria LC 105/2001”, ressaltou.

Ressalva

Em sua decisão, o ministro Toffoli lembrou que a contagem do prazo da prescrição nesses processos judiciais e procedimentos ficará suspensa, conforme decidiu o STF no julgamento da questão de ordem no RE 966177, quando assentou entendimento pela suspensão do prazo prescricional em processos penais sobrestados em decorrência do reconhecimento de repercussão geral.

O presidente do STF, entretanto, ressalva que a suspensão nacional determinada não atinge as ações penais e/ou inquéritos ou Procedimentos de Investigação Criminal (PICs) nos quais os dados compartilhados pelos órgãos administrativos de fiscalização e controle, que foram além da identificação dos titulares das operações bancárias e dos montantes globais, ocorreram com a devida supervisão do Poder Judiciário e com a sua prévia autorização.

Leia Também:  Apresentação de defesa relativa a outro processo não acarreta revelia

Comunicação

O ministro Dias Toffoli, ao final da decisão, determina que a Secretaria Judiciária do STF adote as providências cabíveis, “quanto à cientificação dos órgãos do sistema judicial pátrio e dos Ministérios Públicos Federal e estaduais”.

Ele solicita ainda informações pormenorizadas a respeito do procedimento adotado em relação ao compartilhamento de dados e o nível de detalhamento das informações aos seguintes órgãos: Procuradoria-Geral da República (PGR), Tribunal de Contas da União (TCU), Receita Federal, Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Procuradorias-Gerais de Justiça e Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

AR/AD

Leia mais:

17/4/2018 – STF analisará compartilhamento de dados pelo Fisco com o MP para fins penais sem autorização do Judiciário

Fonte: STF
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana