conecte-se conosco


Política MT

Xuxu Dal Molin comemora resultados de missão na China

Publicado

Foto: Ronaldo Mazza

Foto: KATIANA PEREIRA

O deputado estadual Xuxu Dal Molin (PSC-MT) comemorou o resultado da missão Brasil x China cumprida em maio de 2019, com liderança da ministra da Agricultura Tereza Cristina. Dal Molin representou o estado de Mato Grosso nas reuniões com autoridades chinesas em Xangai e Pequin, na China. Além disso, foi cumprida agenda em Tóquio e Niigata, no Japão; Hanói, no Vietnã; e na cidade de Jacarta, na Indonésia.

Na segunda-feira (9/9), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) recebeu um comunicado da GACC, órgão de sanidade chinês, informando a habilitação dessas plantas para a exportação de carnes para o país asiático.

Dos 25 frigoríficos habilitados, 17 são produtores de carne bovina, seis de frango, um de porco e um de asinino. As empresas já podem exportar imediatamente. Com a decisão do órgão de sanidade chinês, o número de plantas habilitadas passa de 64 para 89.

Somente em Mato Grosso, foram habilitados sete plantas frigoríficas, seis são indústrias produtoras de carne bovina e uma irá vender carne suína e de frango. Segundo Dal Molin, esse resultado também representa mais investimentos, mais empregos e aumento natural na arrecadação do Estado. “Essa notícia é o resultado da Missão Ásia que participamos em maio deste ano. Abrir mercado para a carne brasileira foi o nosso principal objetivo nessa viagem”, disse o representante de Mato Grosso na missão.

Leia Também:  Investigado pelo STF, ex-senador Maggi pede ao ministro Fux para ser julgado no TRE/MT

Outra vitória a ser comemorada pelos mato-grossenses é o avanço das tratativas para que o Governo de Mato Grosso instale um escritório de negócios na China. A ideia foi apresentada pelo deputado Dal Molin e tem sido apoiada por diversos deputados estaduais.“O ano de 2019 já pode ser considerado um ano de vitórias”, lembrou o parlamentar ao rever os números do mercado entre Brasil e China.

A quantidade de carne bovina matogrossense enviada para o gigante asiático cresceu 58%, somente em 2019. As exportações passaram de 9,859 mil toneladas em 2018 para 15,574 em 2019. Foram mais de 75 milhões de dólares negociados nos primeiros sete meses de 2019 com a China, 60,9% em comparação com o mesmo período do ano de 2018.

Moção de aplausos

Diante do sucesso da missão na Ásia, o parlamentar fez indicação para que a Assembleia conceda Moção de Aplausos à ministra Teresa Cristina e ao Secretário de Comércio e Relaçoes Internacionais do MAPA, Orlando Leite Ribeiro, pelos relevantes trabalhos pela expansão do mercado mato-grossense na Ásia.  

Leia Também:  Deputado propõe o fim da Lei Kandir; MT pode receber R$ 68 bilhões

Vejam as novas indústrias habilitadas em Mato Grosso:

1. Frigorífico Redentor – Bovino – Guarantã do Norte

2. Vale Grande Indústria e Comércio – Bovino – Matupá

3. Naturafrig Alimentos – Bovino – Barra do Bugres

4. Marfrig Global – Bovino – Tangará da Serra

5. Marfrig Global – Bovino – Várzea Grande

6. Agroindustrial de Alimentos – Bovino – Rondonópolis

7. BRF – Suíno e Frango – Lucas do Rio Verde

Fonte: ALMT
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

Governador defende reformas para reduzir custos da máquina pública e reforça que sociedade precisa ser ouvida

Publicado

Na AMM, Mauro Mendes falou sobre a necessidade das reformas previdenciária e tributária para o país [F – Christiano Antonucci]

O governador Mauro Mendes defendeu, no Encontro Municipalista realizado pela Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), nesta segunda-feira (18), a necessidade das reformas previdenciária e tributária para o país.

Contudo, na avaliação dele, é preciso que a sociedade seja ouvida, para mitigar os impactos das mudanças.

“É muito importante que o Brasil tenha coragem de fazer revisões em alguns dos seus marcos jurídicos, que ao longo dos anos sempre foram muito criticados pela nossa população. Essas revisões têm que ser feitas com responsabilidade, olhando para os fatos presentes, podendo ser boas para o país, para os Estados e para o cidadão brasileiro. Nós temos que ter a coragem de tomar algumas medidas, mas precisamos ter a responsabilidade de entender os seus impactos e mitigá-los”, destacou.

Um exemplo dado pelo governador foi relacionado a extinção de municípios, que está prevista em um dos projetos apresentados pelo Governo Federal. “É um tema bastante polêmico e temos que ter muito cuidado para que não cause danos irreparáveis para esse país”.

Leia Também:  Investigado pelo STF, ex-senador Maggi pede ao ministro Fux para ser julgado no TRE/MT

“Nós temos que rediscutir o fluxo do poder público desse país. O estado brasileiro, com todos os seus entes, Estados, Município e governo federal, custa muito para o bolso do cidadão. Esse é um ponto que necessita ser discutido e que traz consequências e, por isso, temos que tomar muito cuidado na sua implementação”, ponderou.

Diálogo

Aos prefeitos e a bancada federal e estadual que estava presente na AMM, Mauro Mendes ainda destacou a necessidade do diálogo entre os Estados, municípios e Congresso Nacional, “para que uma reforma tributária, que eventualmente venha a ser construída e aprovada, contemple a todos e que seja ouvida a voz do cidadão”.

O governo deverá contar com o apoio da Bancada Federal com relação ao projeto que prevê modificação na cobrança do ICMS e que poderá prejudicar diretamente o Estado. Ele ressaltou que, caso esse projeto seja aprovado, haverá a necessidade da criação de um fundo de compensação.

“O problema é que Mato Grosso é um estado que produz muito e o consumo é pouco. Temos uma baixa densidade populacional. Se nós formos tributar só no destino, certamente Mato Grosso perde, pois a nossa capacidade de produzir é muito maior que a nossa capacidade de consumir. Durante décadas essa lógica não foi usada, e agora que nós temos uma grande capacidade de produzir, essa lógica não pode ser mudada, sem que seja criado um fundo de compensação para esses estados, como é o caso de Mato Grosso. Porque nós praticamente teríamos uma grande perda de ICMS, caso isso seja aprovado da forma como está”, ponderou.

Leia Também:  Câmara Setorial Temática contribui para Plano de Cargos de ACSs e ACEs de Sorriso

O evento contou também com a participação dos senadores Jayme Campos e Wellington Fagundes, a deputada federal Rosa Neide e os deputados estaduais Max Russi, Ondanir Bortolini, o Nininho, e Valdir Barranco, além do presidente da AMM, Neurilan Fraga, e de Glademir Aroldi, presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Continue lendo

Política MT

STF manda investigar eleição da Mesa da Câmara Federal; deputado de MT é alvo

Publicado

Carlos Bezerra, ao lado de Eduardo Cunha: alvos do STF

G1 e TV Globo – O relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin, determinou a abertura de inquérito para apurar se o ex-deputado federal Eduardo Cunha comprou votos de outros deputados em 2014 para se eleger, em 2015, presidente da Câmara dos Deputados. As informações sobre possíveis irregularidades na eleição foram reveladas na delação premiada do ex-executivo da J&F Ricardo Saud.

A decisão de Fachin foi assinada na semana passada. Nesta segunda-feira (18) o caso deve ser encaminhado para a Presidência do STF decidir sobre se deve ir para um novo relator.

Inquérito envolve 18 políticos:

o próprio Eduardo Cunha;

três atuais deputados federais – Carlos Bezerra (MDB-MT), Mauro Lopes (MDB-MG) e José Priante (MDB-PA);

14 políticos que não tinham foro no cometimento dos supostos crimes ou que tinham cargos diferentes do que exercem agora – Newton Cardoso Júnior, Soraya Santos, Vital do Rêgo, Fernando Jordão, Geraldo Pereira, Manoel Júnior, Marçal Filho, Henrique Alves, Leonardo Quintão, Saraiva Felipe, João Magalhães, Toninho Andrade, Alexandre Santos e Sandro Mabel.

A reportagem tenta contato com os envolvidos no inquérito instaurado por Fachin (leia ao final desta reportagem o que disseram os que já responderam).

Leia Também:  Com pauta trancada, deputados devem votar vetos está semana

O ministro levou em consideração a decisão do Supremo que restringiu o foro privilegiado a atos ocorridos no cargo e que tenham relação com a função – suspeitas durante a eleição, por exemplo, são consideradas fora do mandato.

De acordo com a Procuradoria Geral da República (PGR), o grupo recebeu R$ 30 milhões no ano de 2014 para que Eduardo Cunha fosse eleito “para fazer contraponto à então presidente Dilma Rousseff”.

Conforme a delação, o dinheiro teria sido repassado por doações oficiais, entregas em dinheiro vivo, e emissão de notas fiscais frias, sem a prestação do serviço.

Eduardo Cunha está preso no Rio de Janeiro, no presídio de Bangu. Ele foi preso em outubro de 2016 por ordem do então juiz Sergio Moro, atual ministro da Justiça, e ficou mais de dois anos no Paraná.

Uma apuração sobre tema parecido está em andamento no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, conforme a PGR, e por isso os políticos sem foro devem responder naquele tribunal. Para a PGR, apenas os três parlamentares devem responder no Supremo.

O ministro Fachin, no entanto, mandou abrir inquérito contra os 18 pelas suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro. “Nessa medida, encontrando-se a pretensão calcada ao menos em indícios – colaboração e documentos que a corroboram, o contexto há de ser posto à prova ‘opportuno tempore’, à luz das garantias processuais constitucionais. Impende, portanto, acolher o intento ministerial de investigar, isto é, perquirir, colher elementos, inquirir, enfim reunir dados que ensejem a formação da ‘opinio delicti”, decidiu Fachin.

Leia Também:  PF pede prorrogação de investigação contra deputado por superfaturamento de R$ 7 milhões em obra de aeroporto

O ministro lembrou que o inquérito para apuração de fatos “não implica, por evidente, qualquer responsabilização do investigado”.

Fachin pediu que o presidente da Corte, Dias Toffoli, mande o caso para ser sorteado para um novo relator por não ter relação com fraudes na Petrobras. Caberá ao novo relator decidir sobre o chamado desmembramento, ou seja, o envio da parte dos políticos sem foro para o TRF-1.

Leia o que disseram os políticos que responderão ao inquérito:

José Priante (deputado federal/MDB-PA) – Fui surpreendido com a informação da abertura de um inquérito, no Supremo Tribunal Federal, no qual eu constaria como um de seus investigados. O fato averiguado seria a suposta compra de votos pelo então Deputado Eduardo Cunha para viabilizar a sua eleição para a Presidência da Câmara dos Deputados. Tenho o maior interesse em que tal acusação seja passada a limpo e que a verdade seja apurada. Eu jamais vendi meus votos e exijo que o inquérito tenha prosseguimento para que os fatos sejam elucidados. É falsa, portanto, a imputação. Coloco-me inteiramente à disposição do Supremo Tribunal Federal e das autoridades do Ministério Público e da Polícia Federal.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana