conecte-se conosco


Carros e Motos

Wrangler, o mais off-road dos jeeps já chegou ao Brasil

Publicado

A nova geração do Jeep Wrangler, ícone da marca, está sendo lançada oficialmente no Brasil, com a chegada da versão Sahara às 191 concessionárias Jeep, nas carrocerias de duas e quatro portas. O SUV com maior capacidade off-road do mundo foi inteiramente renovado, com nova mecânica, mais moderna e eficiente, e um nível de tecnologia sem precedentes na história do modelo.

LEIA MAIS: Primeiro SUV elétrico da Audi está pronto para ganhar as ruas

Ícone da marca, o novo Jeep Wrangler chega ao mercado brasileiro combinando sua história lendária – com origem no pioneiro Jeep Willys MB de 1941 – com uma inigualável combinação de capacidade off-road, design autêntico da Jeep, liberdade ao ar livre, motorizações avançadas e eficientes, comportamento dinâmico superior no asfalto e uma série de recursos inovadores de segurança e tecnologia.

Produzido na fábrica original da Jeep, em Toledo, Ohio (EUA), a nova geração do Jeep Wrangler está disponível na versão de acabamento Sahara, sempre com capota rígida removível e dividida em três partes. Esta última, com mais espaço interno e praticidade para o dia a dia, conta ainda com o pacote de acabamento Overland, que inclui rodas com desenho diferente e capota e capa do estepe na cor da carroceria – peças são pretas na versão menor. Os preços sugeridos são de R$ 259.990 (2p) e R$ 274.990 (4p).

Inédita no país, a versão Rubicon está prevista para o próximo semestre, com todos os diferenciais que o tornam ainda mais apto para o fora de estrada. Mas vale ressaltar que todo Wrangler já nasce com o selo Trail Rated que comprova seu potencial off-road, ao atender as exigências da Jeep em cinco quesitos: tração, distância do solo, articulação, manobrabilidade e capacidade de submersão.

Leia Também:  Como usar o macaco, trocar o pneu e o que poucos se lembram durante a manutenção

LEIA MAIS: Longe do Brasil, Clio renovado lidera as vendas na Europa

O Jeep Wrangler 2019 reforça uma capacidade off-road lendária graças a dois sistemas 4×4 avançados e, pela primeira vez na história do Wrangler, uma caixa de transferência de duas velocidades com tração integral permanente e uma relação reduzida de 2,72:1 na versão Sahara. Chamada de Selec-Trac, essa nova caixa de transferência é intuitiva e permite que o condutor o configure e esqueça, enquanto a força é constantemente entregue às rodas dianteiras e traseiras. Entretanto, continuam existindo as posições específicas para off-road, com a tração 4×4 dividida igualmente entre os dois eixos e a 4×4 reduzida. Tudo sempre selecionado pelo robusto seletor ao lado da alavanca de câmbio.

No Wrangler Rubicon, o sistema Rock-Trac 4×4 tem eixos Dana 44 de última geração e alto desempenho com relação reduzida de 4:1. Os outros recursos exclusivos são: diferenciais de bloqueio eletrônico Tru-Lok, barra estabilizadora dianteira com desconexão eletrônica, suspensão 5 cm mais alta, pneus lameiros BF Goodrich de 33 polegadas e mais proteção sob a carroceria. 

Um rosto familiar      


Jeep Wrangler
Divulgação

Jeep Wrangler traz as características retrô, inspiradas nos utilitários de combate da Segunda Guerra Mundial

O novo Wrangler 2019 é baseado em um desenho imediatamente reconhecível graças a detalhes de estilo tradicionais da Jeep. O novo design exterior do Wrangler é ousado e rústico, com linha de cintura mais baixa e janelas maiores para melhor visibilidade externa, especialmente nas trilhas.

O novo motor turbo do Wrangler de 2 litros a gasolina, de 4 cilindros em linha e injeção direta oferece 272 cv de potência e 40,8 kg de torque. Juntamente com um novo câmbio automático de 8 marchas (três a mais que antes), seu torque supera o do propulsor da geração anterior, o Pentastar V6. A maior eficiência energética é auxiliada ainda pelo sistema Stop/Start e até pela assistência da direção, que agora é eletro-hidráulica.

Leia Também:  Porta-voz desmente que CR7 teria comprado o Bugatti mais caro do mundo

A injeção direta, juntamente ao turbo, permite combustão mais eficiente e um maior desempenho, com sistema common-rail de alta pressão. Essas altas pressões produzem melhor pulverização do combustível e entrega de combustível mais precisa, dando mais rendimento.

LEIA MAIS: T-Cross: conheça o primeiro SUV nacional da Volkswagen

O novo câmbio de oito marchas entrega melhor desempenho em trilhas off-road e mais suavidade no asfalto. Um conjunto único com dois níveis de overdrive melhoram a economia de combustível em rodovia, gerando reduções em ruído, vibração e aspereza.

À frente do motorista, salta aos olhos a tela colorida de 7” no centro do quadro de instrumentos, com inúmeras possibilidades de configuração e uma simpática surpresa ao dar a partida – um dos vários easter eggs espalhados pelo veículo. Nesse visor, também podem ser selecionadas muitas das informações do monitor central do Uconnect.

O novo Wrangler foi testado ao longo de cerca de 4 milhões de quilômetros – um dos maiores testes de qualquer veículo norte-americano da FCA . Os testes foram conduzidos em condições extremas em diferentes ambientes e climas, desde o calor escaldante do Arizona até o frio do Alasca. O modelo foi submetido a testes globais em vários países ao redor do mundo, como Brasil, China, Índia e Itália. Além disso, de todos os testes padrão e testes laboratoriais, o Jeep Wrangler visitou os pântanos do norte do Michigan, a trilha Rubicon e muitos outros lugares.

Fonte: IG Carros
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Carros e Motos

Em baixa, Mercedes-Benz Classe X será descontinuada definitivamente

Publicado

source
Mercedes-Benz Classe X arrow-options
Divulgação

Primeira empreitada da Mercedes-Benz na categoria, Classe X deverá sair de linha

A primeira empreitada da Mercedes-Benz na categoria das picapes médias não rendeu os frutos esperados pela Daimler. De acordo com o jornal espanhol La Vanguardia, os executivos da marca decidiram encerrar a produção da Classe X no complexo industrial de Barcelona, o único lugar em que ela ainda era feita no mundo.

LEIA MAIS: Nova picape inédita da Hyundai é vista com camuflagem antes da estreia

Foram apenas dois anos de produção, abastecendo a Europa, Austrália e alguns pontos do continente africano. Tendo sua base compartilhada com as irmãs Nissan Frontier e Renault Alaskan, o modelo não conseguiu sobreviver à batalha contra Toyota Hilux e Ford Ranger.

Bateu na trave

Mercedes-Benz Classe X arrow-options
Divulgação

A Mercedes-Benz Classe X foi prometida para a América do Sul, mas sua produção foi cancelada

A produção da Classe X foi anunciada na Argentina em 2018, onde seria fabricada pela Nissan em Santa Isabel. O modelo deveria abastecer todo o mercado sul-americano, inclusive o Brasil, onde a marca chegou a realizar clínicas para definir se a Classe X seria vendida nas concessionárias de automóveis ou veículos comerciais.

Leia Também:  Honda divulga teaser do novo Fit

LEIA MAIS: Veja 5 picapes intermediárias que estão para chegar nos próximos anos

Em abril de 2019, a marca voltou atrás e cancelou o projeto por completo. A Daimler afirmou que condições econômicas e tensões do país vizinho, em época de eleição, contribuíram para a decisão.

Segunda chance para a Alaskan

Renault Alaskan arrow-options
Divulgação

A nova Alaskan não foi cancelada na América Latina. Executivos da Renault garantem que picape será vendida

A outra irmã de Nissan Frontier e Mercedes-Benz Classe X no Mercosul, a Renault Alaskan , também chegou a ter sua produção suspensa na Argentina. De acordo com Juan Manuel Alliati, novo gerente de produto da marca, o modelo terá uma nova chance de ver a luz do dia em 2020.

LEIA MAIS: VW Tarok aparece em registros de patentes no Brasil

“O projeto Alaskan está mais vivo que nunca. Em 2020, vimos uma nova oportunidade para lançá-la. Sua fabricação foi postergada, não cancelada”, disse o executivo ao Argentina Autoblog. “Nossa fábrica em Córdoba completa 65 anos em 2020 e está capacitada para produzir 70 mil picapes por ano.”.

Leia Também:  Dossiê Chevrolet! Veja todos os lançamentos da marca até 2022

Fonte: IG Carros
Continue lendo

Carros e Motos

A ascensão e queda do Ford Fiesta

Publicado

source

A Ford levou certo tempo para trazer o Fiesta ao Brasil. Lançado na Europa em 1976, o modelo só estreou por aqui em 1995, quando já tinha 19 anos de mercado. O modelo compacto foi responsável pela modernização da linha de compactos da marca, colocando a Ford na vanguarda do fim da década de 90.

LEIA MAIS: Veja a história do Celta, um dos compactos mais vendidos da GM

Mas com tanto tempo de vida no exterior, faria sentido trazê-lo antes? Talvez não, partindo do pressuposto de que o Escort vendia feito água durante esse período. Quando o Fiesta foi lançado em 1995, o Escort Hobby 1.0 servia de “quebra-galho”, até que um veículo mais moderno chegasse.

Novo conceito de modernidade

Ford Fiesta arrow-options
Divulgação

O formato dos faróis do Ford Fiesta mudaram na linha 2000, quando o carro passou a ser equipado com motor Rocam no lugar do Endura

O mercado automotivo brasileiro vivenciou um momento de muita intensidade em meados de 1995. Os clássicos Gol da geração quadrada, Chevette Júnior e Escort Hobby foram descontinuados para dar lugar a produtos mais requintados. A Volkswagen arredondou as linhas do hatch compacto, incorporando uma nova linguagem de design ao Gol – que viria a ser conhecido como “bolinha”. A Chevrolet trouxe a nova geração do Corsa , com projeto alemão e sistema de injeção eletrônica, à época, raridade no segmento.

O Fiesta não estreou como nacional. Durante o primeiro ano, a Ford importou o modelo da Espanha com motor 1.3 da família Endura. Em 1996, veio a nacionalização total em São Bernardo do Campo (SP) e o lançamento da versão 1.4 Zetec com o defeituoso módulo EEC-V.

Leia Também:  Honda divulga teaser do novo Fit

Em 1999, já como modelo 2000, os antigos 1.3 Endura e 1.4 Zetec saem de linha para dar lugar aos novos 1.0 e 1.6 da saudosa família Rocam.

Subindo o sarrafo

Ford Fiesta arrow-options
Divulgação

A segunda geração foi lançada em 2003, elevando o nível do modelo; até hoje, foi a geração que mais vendeu

Em 2003, a Ford apresentou a segunda geração do Fiesta nacional, sendo esta a quinta geração global. O modelo que mais lembrava um subcompacto cresceu em todas as suas proporções, assumindo a forma de um hatch muito bem resolvido. Até hoje, foi a geração que mais vendeu, ganhando sobrevida mesmo após o lançamento do New Fiesta.

LEIA MAIS: Toyota Corolla ‘Brad Pitt’ foi objeto de desejo da classe média

A segunda geração nacional era oferecida em três versões, sendo a 1.0 Personnalité a mais básica. A intermediária 1.0 Supercharger foi a primeira a contar com compressor mecânico como equipamento de série. Por fim, o pacote mais caro era o Class, vendido exclusivamente com motor 1.6 Rocam .

Tudo novo

Ford Fiesta arrow-options
Divulgação

O Fiesta voltou a ser nacionalizado em 2012, mas o sedã continuou vindo do México. Destaque para o bom nível de requinte e equipamentos

O New Fiesta foi apresentado como conceito durante o Salão de Frankfurt de 2007. Chegou às lojas da Europa no ano seguinte, com grande foco no Reino Unido – onde sempre foi um dos carros mais vendidos. No Brasil, o hatch chegou com dois anos de atraso, em 2010, sendo importado do México antes de voltar a ser nacional em São Bernardo do Campo (SP).

Leia Também:  VW mostra versão final da dupla Polo e Virtus GTS antes da estreia

Essa geração chamou muita atenção pelo visual disruptivo e esportivo, além do bom grau de refinamento interno – tópico que a Ford não conseguiu manter na hora de nacionalizá-lo. Em seus primeiros anos, era vendido com motor 1.5 de 111 cv e 1.6 de 128 cv, que também poderia vir equipado com o problemático Powershift. Durante seu facelift de meia-vida, o modelo também ganhou motor 1.0 Ecoboost.

Fim da produção

Ford Fiesta arrow-options
Divulgação

O segundo facelift da terceira geração do Ford Fiesta, seu último rosto antes de sumir das concessionárias

Em fevereiro de 2019, surge a bomba. A Ford anunciou que iria encerrar as operações na longeva planta de São Bernardo do Campo, colocando um ponto-final à produção de seus caminhões e o Fiesta.

Foram 24 anos no mercado brasileiro, evidenciados pela entrega de um ótimo produto. O Fiesta demorou para chegar, mas sempre tentou se manter atual na comparação com o que era apresentado no resto do mundo. Chega a ser difícil apontar qual foi o seu melhor momento no Brasil, mas nós, particularmente, gostamos da segunda geração nacional e do primeiro New Fiesta mexicano.

LEIA MAIS: Como era o mercado brasileiro há dez anos?

Futuro

O site americano Automotive News entrevistou o vice-presidente de gerenciamento da linha de produtos da Ford, Jim Baumbick, em meados de 2019. Na ocasião, o executivo cravou que a Ford teria um novo compacto global na categoria do Fiesta em meados de 2022. De acordo com a publicação, protótipos já estariam sendo avaliados pelo conselho da marca. Resta saber se, um dia, teremos o Fiesta no mercado outra vez no Brasil.

Fonte: IG Carros
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana