conecte-se conosco


Tecnologia

WhatsApp vai processar quem enviar mensagens em massa pelo aplicativo

Publicado

WhatsApp
shutterstock

WhatsApp tem sido alvo de críticas por viabilizar a disseminação massificada de notícias falsas e discursos de ódio

O WhatsApp informou que começará a processar usuários que façam envio de mensagens em massa ou utilizem indevidamente o aplicativo com objetivos comerciais, práticas que violam seus termos de uso. O serviço, que pertence ao Facebook, foi alvo de críticas durante as últimas eleições por ter permitido o envio massificado de conteúdo político em sua plataforma.

Leia também: Mantenha o celular seguro! Aprenda como se proteger de golpes no WhatsApp

O WhatsApp publicou na semana passada, em seu site, texto segundo o qual “a partir de 7 de dezembro de 2019, o WhatsApp tomará medidas legais contra quem auxiliar a terceiros a violarem nossos Termos de serviços com práticas abusivas, como envio de mensagens em massa ou automatizadas, ou com a utilização comercial, mesmo que essas informações sejam disponibilizadas para nós fora da plataforma.”

De acordo com o texto, o aplicativo não foi projetado para enviar mensagens automáticas ou em massa, o que viola seus termos de serviço. O WhatsApp esclareceu que tomou conhecimento que “algumas empresas tentam evitar nossos sistemas de aprendizado de máquina”, método usado pelo app para identificar usos irregulares. Mesmo assim, segundo o WhatsApp, “milhares de contas abusivas” já foram banidas do serviço.

Leia Também:  Gmail tem nova função: programar e-mails

“Este é um desafio que requer uma abordagem holística. O WhatsApp está comprometido a utilizar todos os recursos à disposição dele, incluindo processar, se necessário for, para evitar abusos contra nossos Termos de serviço , como o envio de mensagens em massa ou utilização comercial. É por isso que, além das iniciativas tecnológicas, utilizamos uma abordagem jurídica contra indivíduos ou empresas que ligamos a evidências dentro da plataforma WhatsApp de abusos contra ela. O WhatsApp se reserva ao direito de continuar a tomar as medidas jurídicas cabíveis nesses casos”, acrescentou.

Leia também: 11 recursos do WhatsApp que você precisa começar a usar o quanto antes

No ano passado, após revelação pelo jornal Folha de S. Paulo de que empresas estavam envolvidas no envio de mensagens em massa para influenciar eleitores, o WhatsApp notificou extrajudicialmente seus responsáveis, mas não indicou ter entrado na Justiça contra eles.

Embora tenha optado por endurecer sua resposta às violações, o WhatsApp deu pouca publicidade à decisão. Em vez de ter sido publicado em seu blog e compartilhado nos perfis do WhatsApp nas redes sociais , como ocorre com mudanças importantes na plataforma, a decisão de processar usuários a partir de dezembro aparece apenas em um dos centenas de textos da seção de perguntas e respostas do seu site.

Leia Também:  Afinal de contas, o Telegram é seguro?

Leia também: Atualização do WhatsApp permite autoplay de áudios no Android

O WhatsApp tem sido alvo de críticas em todo o mundo por viabilizar a disseminação massificada de notícias falsas e discursos de ódio. Na Índia, maior mercado do aplicativo, o WhatsApp informou em fevereiro que estava banindo 2 milhões de contas por mês para frear seu uso para campanhas de desinformação. Na Indonésia, o governo decidiu restringir o acesso ao WhatsApp e outras redes sociais depois de uma série de manifestações violentas por causa dos resultados das últimas eleições. 

Fonte: IG Tecnologia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Tecnologia

Criptografia de ponta a ponta protege conversas no WhatsApp; mas como funciona?

Publicado

A questão da privacidade do usuário em aplicativos de troca de mensagens se tornou o assunto do momento depois que conversas entre o Ministro da Justiça Sérgio Moro e procurador do Ministério Público Federal Deltan Dallagnol no Telegram vazaram recentemente. Esse app, assim como o WhatsApp, usa criptografia de ponta a ponta como meio de segurança. 

WhatsApp
shutterstock

O WhatsApp funciona através de uma criptografia de ponta a ponta e não é preciso ativá-la para proteger suas conversas

A diferença da privacidade oferecida pelo Telegram e Whatsapp está ligada, na realidade, pela forma que essa criptografia de ponta a ponta é oferecida. No caso do aplicatico usado por Moro e Dallagnol, existe uma opção, chamada Chat Secreto, que codifica as mensagens enviadas. 

Assim, quando alguém envia um texto, foto ou vídeo dentro dessa conversa secreta, o sistema “embaralha” as palavras a ponto que só o remetente e destinarário possam ler o conteúdo. A ideia do “ponta a ponta” é exatamente essa questão da proteção estar disponível para cada um dos usuários envolvidos — ou seja, em cada “ponta” da conversa. 

Essa alternativa de segurança funciona basicamente da mesma forma no WhatsApp e está disponível para todos os contatos da sua lista. Assim, a criptografia funciona através de uma “chave privada” e é protegida por um código de segurança indivual. Isso impede que  hackers acessem a informação e até mesmo que o sistema do aplicativo leia o que foi enviado. 

Leia Também:  Google lança emoji sem gênero para atualização do Android

Entenda melhor o funcionamento da “chave privada” oferecida pela criptografia do WhatsApp através do infográfico divulgado pela empresa ao iG Tecnologia  ; veja abaixo: 

A grande questão dessa alternativa “de ponta a ponta” é que ela é ativada automaticamente, diferente do Telegram. “Não é preciso ativar configurações ou conversas secretas especiais para assegurar suas mensagens. A criptografia de ponta a ponta está sempre ativada. Não há nenhuma maneira de desativá-la”, diz as informações do app sobre o serviço. 

Ainda assim, existe uma maneira opcional de confirmar que as mensagems que você envia estão sendo criptografadas de ponta a ponta e tornar a troca de conteúdo ainda mais seguro. 

Confirmando a criptografia de ponta a ponta no WhatsApp

WhatsApp
Reprodução/WhatsApp

Confirmar a criptografia de ponta a ponta do WhatsAppp pode tornar a troca de mensagens com seus contatos mais segura

Essa confirmação pode ser encontrada na tela de dados dos seus contados. Clicando no botão “criptografia”, é possível ver um  QR code e uma sequência de 60 dígitos. Esses números são o código únicoque, que são gerados para cada conversa.

Leia Também:  Gmail tem nova função: programar e-mails

Para  confirmar a criptografia , você pode tanto compartilhado esse número com a pessoa que está conversando (que é igual para você e parqa o seu contato) ou, se estiver próximo à ela, clicar em “escanear código” para permitir que ela leia o seu QR e vice-versa. Um tique verde irá aparecer depois desse escaneamento para confirmar a proteção.

Depois da confirmação, vocês poderão ter certeza de que ninguém está interceptando suas mensagens ou chamadas e, se os códigos não conferirem, é importante verificar se o número dessa pessoa está correto. Caso o contato tenha reinstalado o app ou trocado de aparelho, é só enviar uma nova mensagem para ele que o código será atualizado. 

É importante lembrar que apesar dessa sequência de números da criptografia de ponta a ponta  ficar visível para você, o WhatsApp afirma que ela é apenas uma versão da chave especial — já que esta continua em segredo dentro do sistema do aplicativo. 

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Tecnologia

Afinal de contas, o Telegram é seguro?

Publicado

Olhar Digital

Desde domingo passado, as pessoas estão querendo saber se o Telegram é um aplicativo seguro. A resposta é simples, assim como todo aplicativo de mensagens que usa criptografia de ponta a ponta e verificação em suas etapas, o Telegram é seguro. Porém, é ultrapassada a ideia de que o Telegram seria mais seguro do que o WhatsApp.

Leia também: Telegram x Whatsapp: como funciona a privacidade desses aplicativos?

telegram
shutterstock

O Telegram mostra-se como um app seguro por conta da criptografia de ponta e verificação em suas etapas

Trabalho no editorial de tecnologia há tempo suficiente para poder afirmar que “velhos hábitos são difíceis de mudar”. Bem antes de falarmos sobre a codificação de mensagens em aplicativos de bate-papo, a disputa entre o WhatsApp e o Telegram se dava dentro dos fóruns e comunidades tech mundo afora. E a grande discussão era sobre qual dos serviços era o mais seguro.

Durante muito tempo, o Telegram levava a melhor no quesito segurança, com seus chats efêmeros e outros recursos inexistentes no WhatsApp que, até então, era um aplicativo realmente simples de se usar.

Contudo, a criptografia de ponta a ponta chegou ao WhatsApp e a mesa virou, pois além da empresa não ter acesso às conversas das pessoas que utilizam o mensageiro, nenhuma conversa hoje é armazenada nos servidores do Facebook, proprietário do WhatsApp. Agora, o mesmo não pode ser dito do Telegram.

Leia Também:  Twitter vai ganhar News Camera, sua própria versão dos Stories

Mesmo criptografando as mensagens trocadas dentro do app, o Telegram salva os dados das conversas na nuvem. Isso acontece porque, ao contrário do WhatsApp, a experiência do Telegram no PC é diferente. Enquanto o primeiro apenas espelha as mensagens recebidas no celular, no segundo, o PC se conecta diretamente à nuvem. Logo, mesmo que o seu smartphone estiver desligado, todos os dispositivos vinculados à conta poderão utilizar o chat do Telegram sem problemas. Contudo, por conta dessa ideia antiga de que o Telegram é mais seguro do que o WhatsApp, muitos usuários ignoram certas ferramentas de segurança oferecidas pelo serviço.

Esta foi, muito provavelmente, a questão no caso do suposto hackeamento dos celulare s do ministro da Justiça, Sérgio Moro, e do promotor do Ministério Público Federal (MPF), Deltan Dallagnol. Digo “suposto”, pois o caso ainda está sob investigação da Polícia Federal (PF), que ainda não emitiu parecer sobre a questão.

sérgio moro
undefined

Sérgio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública, alegou que seu celular pessoal foi hackeado

Na semana passada,  Moro alegou que seu celular pessoal havia sido hackeado e, coincidentemente ou não, no domingo, o canal The Intercept Brasil divulgou alguns diálogos trocados entre Moro e Dallagnol via Telegram, na época em que a PF e o MPF tocavam a operação Lava Jato.

Sem entrar no mérito do conteúdo das mensagens, a bem da verdade é que para um hacker ter acesso às conversas destes dois juristas e mesmo de qualquer outro usuário do serviço, teria que utilizar brechas. Como o Telegram utiliza criptografia de ponta a ponta, acessar as mensagens é basicamente impossível, exigiria um grande conhecimento técnico e uma máquina poderosa. Porém, assim como a Death Star, fazendo uma referência ao Star Wars, o aplicativo possui uma abertura.

Leia Também:  Atualização do WhatsApp permite autoplay de áudios no Android

Ao armazenar os dados das conversas na nuvem e oferecê-los em tempo real em múltiplos dispositivos, se os usuários não utilizarem a verificação em duas etapas, estão sujeitos a ter suas conversas vazadas.

Entretanto, isso não significa que o aplicativo seja menos seguro, muitas vezes, são as pessoas que não sabem como usá-lo. Isso virou, inclusive, motivo de deboche entre a equipe do Telegram essa semana no twitter:

Leia também: Como um celular é hackeado? Conheça as técnicas e saiba se proteger

Lembre-se, quanto maior for a camada de proteção, menores serão as chances de quebra de privacidade, em qualquer serviço. Por fim, sim, o Telegram é um aplicativo seguro , assim como o WhatsApp, o Signal e o Threema, porém, você precisa saber usar as ferramentas de segurança que a plataforma oferece para você.

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana