conecte-se conosco


Nacional

Vítimas de Lázaro Barbosa foram filmadas nuas e tiveram que fazer oração

Publicado


source
Lazaro Barbosa de Sousa, de 32 anos, procurado pelas polícias do DF e Goiás
Reprodução/TV Anhanguera

Lazaro Barbosa de Sousa, de 32 anos, procurado pelas polícias do DF e Goiás

Uso de luvas, pedidos de oração, pregação da “palavra de Deus” e filmagem das vítimas sem roupa: esse foi o roteiro adotado por  Lázaro Barbosa, conhecido como o “maníaco de Brasília”, ao realizar o primeiro assalto no entorno do Distrito Federal ainda em maio — antes de realizar a chacina de uma mesma família que deu ao caso projeção nacional.

 No dia 17 de maio, o baiano Lázaro Barbosa, de 32 anos, conhecido como Leandro ou Índio , assaltou uma chácara em Ceilândia, cidade a 22 quilômetros de Brasília, e fez quatro pessoas da família como reféns. Chegou sozinho, estava armado com uma arma de fogo e uma faca e despiu as vítimas, para depois filmá-las. Roubou dois relógios de pulso, dois aparelhos de telefone celular e 90 reais em espécie.

Em depoimento prestado à Polícia Civil no dia 18 de maio, uma das vítimas disse que Lázaro “causou terror psicológico” durante as cinco horas em que permaneceu na casa, pedindo para que os moradores ficassem de joelhos e rezassem o Pai Nosso com a arma apontada para eles, e que usou uma luva de proteção o tempo todo.

De acordo com o depoimento dado por outro integrante da família assaltada, o criminoso pediu que lhe fizessem comida e ordenou que a vítima bebesse todo o vinho que estava na geladeira. Segundo o relato, Lázaro estava tranquilo durante todo o tempo, e “parecia ser uma pessoa estudada, pois conversava muito bem”. E disse que, ao filmar e fotografar as pessoas nuas, “ia salvar a vida delas”.

Você viu?

Além disso, o assaltante teria perguntado se na casa havia armas, e que tinha a ordem para “levar a cabeça de alguém”, mas que estava na casa errada. Ainda segundo os relatos do crime de 17 de maio, Lázaro teria pedido desculpas pela situação, mas fez ameaças de publicar os vídeos e fotos na internet caso a família procurasse a polícia. Pela narrativa prestada à polícia, Lázaro fez com que todas as pessoas ficassem sem roupa durante todo o tempo em que permaneceu no local.

Notoriedade

Depois que o caso ganhou notoriedade e a imagem com o rosto de Lázaro passou a ser divulgada, novos crimes cometidos antes da chacina passaram a ser atribuídos a ele.

É o caso do assalto a uma residência ocorrido no dia 25 de maio no Núcleo Rural Boa Esperança, região de chácaras que teve um aumento considerável no número de roubos, segundo a própria Polícia Civil. O boletim de ocorrência feito pelo dono da casa passou por um aditamento no dia 10 de junho — quando foi acrescentado que, ao ver fotos de Lázaro nas redes sociais, a esposa da vítima “prontamente o reconheceu como sendo o autor do crime”. Segundo o depoimento, porém, as características do modo de agir do criminoso não foram descritas em detalhe.

No inquérito policial aberto após os crimes no Distrito Federal, a polícia apontou que o criminoso já era investigado pela Delegacia da Mulher por ter praticado um roubo e estupro com as mesmas características e dinâmica dos outros crimes cometidos no último dia 9.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nacional

Ex-ministro de Ciência e Tecnologia Marco Antônio Raupp morre aos 83 anos

Publicado


source
Morre Marco Antônio Raupp, aos 83 anos, ex-ministro de Ciência e Tecnologia
Divulgação/Unifesp

Morre Marco Antônio Raupp, aos 83 anos, ex-ministro de Ciência e Tecnologia

O ex-ministro de Ciência e Tecnologia Marco Antônio Raupp morreu neste sábado, aos 83 anos. Ele ocupou o cargo por pouco mais de dois anos, entre janeiro de 2012 a março de 2014, no governo de Dilma Rousseff, do PT. Raupp, atualmente, era diretor-geral da Associação Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP), função que ocupava há quase oito anos.

Raupp já foi diretor e pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Ele também presidiu a Agência Espacial Brasileira (AEB) e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Doutor em Matemática pela Universidade de Chicago, Raupp era livre-docente pela Universidade de São Paulo, onde foi professor associado no Instituto de Matemática e Estatística.

Ele dividiu sua vida profissional entre as atividades acadêmicas e a gestão de instituições de ciência e tecnologia, tornando-se defensor da integração entre a instituição de pesquisa e o setor produtivo.

Na AEB, levou seu conhecimento de tecnologia espacial e integrou ainda o Conselho Administrativo da Alcântara Cyclone Space (ACS).

Marco Antônio Raupp enfrentava nos últimos anos um tumor cerebral e morreu de insuficiência respiratória aguda, em decorrência do avanço da doença.

Continue lendo

Nacional

Caso Lázaro Barbosa: Polícia Civil coloca sigilo de 5 anos sobre operação

Publicado


source
Caso Lázaro: Polícia Civil coloca sigilo de 5 anos sobre operação
Reprodução

Caso Lázaro: Polícia Civil coloca sigilo de 5 anos sobre operação

A Polícia Civil de Goiás impôs sigilo de cinco anos aos dados da operação que culminou na morte do serial killer Lázaro Barbosa. Informações como os custos envolvidos e o efetivo deslocado para atuar nas buscas ao criminoso foram colocadas em caráter “reservado” por ora.

A restrição aos números da operação foi revelada em resposta a um pedido via Lei de Acesso à Informação (LAI) feito pelo jornal “Correio Braziliense”, endereçado às secretarias de Segurança Pública do Distrito Federal e de Goiás. A justificativa apresentada foi que a divulgação das informações neste momento colocaria em risco a instituição.

No pedido, foram questionados dados referentes ao valor investido na operação, o tamanho da área monitorada pelas autoridades nas buscas e os gastos com combustível por viaturas e helicópteros e informações. Também foram solicitadas informações sobre o efetivo de agentes deslocado para atuar no DF e arredores.

Segundo o documento citado pelo Correio, o delegado-geral adjunto Deusny Silva Filho argumentou que a divulgação das informações iria expor os equipamentos de que a instituição dispõe para investigação e operações policiais, a estratégia e os recursos usados, bem como projetos futuros.

“Outrossim, as informações não se restringem somente ao caso encerrado, mas fazem parte de toda a estrutura pertencente à Polícia Civil, usada em outras circunstâncias, e, também, a projetos que ainda nem foram implementados. A divulgação desses dados vulnerabiliza a instituição em sua função investigativa, pondo em risco a segurança e o sucesso de outras apurações”, diz o o texto.

Você viu?

Lázaro Barbosa, de 32 anos, foi morto pela polícia no final de junho, após confronto com agentes que integravam a força-tarefa que tentava capturá-lo há 20 dias. Alvejado por quase 40 tiros, ele chegou a ser encaminhado para um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos.

Depois de sua morte, a polícia de Goiás começou a investigar a rede de apoio do matador de aluguel. As autoridades acreditam que o criminoso não agia sozinho. Segundo reportagem do Fantástico, da TV Globo, ele fazia parte de uma organização criminosa que reunia de fazendeiros a políticos da região.

“Nessa organização criminosa, a gente já levantou que pessoas importantes participam dela. Nós temos empresários, fazendeiros, políticos…”, disse a delegada Rafaela Azzi. Um dos suspeitos é o fazendeiro Elmi Caetano, que segundo as investigações teria escondido Lázaro em uma de suas propriedades.

Preso no decorrer das investigações, o fazendeiro foi solto na última semana, após a Justiça revogar sua prisão preventiva. Mesmo liberado, ele terá de usar tornozeleira eletrônica e se recolher à noite.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana