conecte-se conosco


Política MT

Vice de Emanuel dispara contra ex-aliado: “a rapaziada já denunciou as mazelas do atual prefeito”

Publicado

Vice-prefeito de Cuiabá, Niuam Ribeiro (Podemos), está engajado na campanha do colega de partido, Abílio Júnior, candidato a prefeito da Capital

Com apenas três anos de existência, o Podemos disputa o segundo turno das eleições para prefeito em Cuiabá e mais duas capitais brasileiras – Manaus (AM) e São Luís (MA). Em Cuiabá, Abílio Júnior terminou o primeiro turno à frente dos adversários, obtendo 33,7% dos votos. O segundo turno das eleições acontece no próximo dia 29 de novembro.

A consolidação de Abílio em primeiro lugar personifica a opção do eleitor por mudança e por uma agenda intransigente de combate à corrupção, fim dos privilégios, defesa da ética, redução da máquina pública e melhorias na saúde e educação. “Abílio e seu candidato a vice-prefeito, o vereador Felipe Wellaton (Cidadania), já demonstraram que estão preparados para administrar Cuiabá e vão ganhar essa eleição. O primeiro grande desafio desta dupla é varrer a turma do Paletó da Prefeitura de Cuiabá”, disse o deputado federal José Medeiros. 

Medeiros, que é vice-líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara Federal, reafirma o compromisso da direção estadual e nacional do Podemos com a candidatura e futura gestão de Abílio. “Nosso partido está empenhado em ajudar o Abílio vencer a eleição. Eleito prefeito, Abílio e Wellaton terão o apoio no Podemos no estado e também dos nove senadores e dos 11 deputados federais do partido. Além do apoio do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Todos estão empenhados em ajudar o Abílio e Cuiabá”, frisa o deputado federal.  

Para o presidente do Podemos de Mato Grosso e vice-prefeito de Cuiabá, Niuan Ribeiro, a população já deu um duro recado nas urnas ao deixar o atual prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) em segundo lugar, mesmo com a campanha milionária que ele fez no primeiro turno das eleições. “O momento é de mudança! Vamos mudar com a certeza que estamos elegendo duas pessoas comprometidas e preparadas para gerir a nossa cidade. A rapaziada já demonstrou seu compromisso com Cuiabá na Câmara Municipal, fiscalizando e denunciando as mazelas do atual prefeito”, destaca Niuan.   

No primeiro turno das eleições, o Podemos de Cuiabá elegeu dois vereadores – Dilemário Alencar e Wilson Kero Kero. “Tínhamos uma chapa aguerrida e muito comprometida com Cuiabá. Temos certeza que o nosso partido está crescendo com qualidade em Cuiabá e, em todo o estado”, finaliza o presidente do Podemos de Mato Grosso.

  

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política MT

Primeira pesquisa Ibope do segundo turno em Cuiabá mostra Abílio Júnior com 48% e Emanuel Pinheiro com 40%

Publicado

Margem de erro é de 4 pontos percentuais e resultado pode ser considerado empate técnico

A primeira pesquisa do Ibope no segundo turno da eleição em Cuiabá, divulgado na noite desta segunda-feira (23) pela TV Centro América, apontou o candidato do Podemos, o vereador Abílio Júnior, com 48% das intenções de voto.

O candidato à reeleição, prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), tem a preferência de 40% dos eleitores entrevistados. Levando em consideração a margem de erro, a pesquisa do Ibope coloca Abílio Júnior e Emanuel Pinheiro empatados tecnicamente. Pelo resultado, levando em consideração a margem de erro, Abílio Júnior teria de 44 a 52% dos votos, enquanto Emanuel Pinheiro, 36 a 44%.

Na pesquisa, foram entrevistados 602 eleitores, no período de 21 a 23 de novembro. Conforme o levantamento, 6% dos entrevistados não votam em nenhum dos candidatos, e outros 7% votam em branco ou nulo.

No que diz respeito os votos válidos, sem levar em conta os brancos, nulos e indecisos, Abílio Júnior teria 54% dos votos, contra 46% do prefeito e candidato à reeleição, Emanuel Pinheiro. O que retrata, mais uma vez, que os dois candidatos, neste momento, estão empatados tecnicamente.

A pesquisa do Ibope está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT), sob o número MT-07435/2020.

 

 

Continue lendo

Política MT

Economia com concessão de rodovias permitirá ao Estado investir R$ 3,3 bilhões em novas obras

Publicado

Está em processo de concessão 512 quilômetros de rodovias nas regiões Sudeste, Centro-Sul e Norte de Mato Grosso

O Governo de Mato Grosso estima que R$ 3,341 bilhões poderão ser destinados a novas obras de infraestrutura na malha rodoviária estadual a partir da economia a ser obtida, ao longo dos próximos 30 anos, com a concessão de 512 quilômetros de rodovias no Estado, pois os serviços de conservação, recuperação, manutenção e implantação de melhorias rodoviárias serão executados pela iniciativa privada.

O leilão de concessão de três lotes de rodovias estaduais acontece no próximo dia 26 (quinta-feira), na sede da B3, a bolsa de valores oficial do Brasil, na cidade de São Paulo. A sessão pública está marcada para 14h (horário de Brasília), com a presença do governador Mauro Mendes, e três empresas já apresentaram propostas de preço para concorrerem no leilão.

Serão concedidos três lotes à iniciativa privada: o Lote 1, com 138,4 quilômetros da MT-220, no trecho entre Tabaporã e Sinop; o Lote 2, com 233,2 quilômetros, das rodovias MT-246, MT-343, MT-358 e MT-480, nos trechos de Jangada a Itanorte; e o Lote 3, com 140,6 quilômetros da MT-130, entre Primavera do Leste e Paranatinga.

Para o Lote 1, entre Tabaporã e Sinop, estão estimados investimentos de R$ 749,502 milhões em melhorias diretamente na rodovia. No lote 2, entre Jangada a Itanorte, estão previstos investimento de R$ 1,571 bilhão. Já para o lote 3, entre Primavera do Leste a Paranatinga, o investimento previsto é de R$ 1,020 bilhão, totalizando os R$ 3,341 bilhões.

Esse montante corresponde a melhorias na infraestrutura rodoviária, com a realização de serviços definitivos de recuperação, implantação de acostamentos, passarelas e sinalização, por exemplo, e a operação e conservação das rodovias que a iniciativa privada terá de fazer ao longo dos 30 anos dos contratos de concessão.

Nesse período, o Governo deixa de aplicar o recurso nessas melhorias rotineiras e poderá destinar investimentos em novas pavimentações e construção de pontes, de modo a atender a grande demanda que o Estado possui hoje, de acordo com o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira.

“Nós temos algumas rodovias estruturantes, principalmente no sentido longitudinal de Mato Grosso, que nós precisamos pavimentar, pois são rodovias por onde é escoada nossa produção. Se ficarmos sempre fazendo manutenção, vai nos faltar recursos para novos investimentos e Mato Grosso precisa desses investimentos”, afirmou o secretário.

Hoje, Mato Grosso possui 7,2 mil quilômetros de estradas estaduais pavimentadas, mais 1,1 mil quilômetros de rodovias pavimentadas coincidentes com rodovias federais e outros 22 mil quilômetros de estradas não-pavimentadas, totalizando 33,8 mil quilômetros de rodovias estaduais. Além disso, ainda existem 2,023 mil pontes de madeira sob a responsabilidade do Estado.

Esse cenário, segundo o secretário, é o principal entrave logístico para o escoamento da produção e transporte no Estado e, por consequência, o desenvolvimento de Mato Grosso. Por isso, a concessão é uma medida que o Governo toma para que essas melhorias rodoviárias sejam constantemente feitas, dentro de um prazo menor e com a qualidade que se necessita.

“Nosso Estado é um dos grandes responsáveis pelo equilíbrio da balança comercial do Brasil e nós poderíamos estar melhor, pois muito da nossa produção se deve às rodovias. Com rodovias boas, você barateia o frete do insumo e do escoamento da produção. Poderíamos estar produzindo ainda mais, pois com rodovias melhores nossas perdas seriam menores. Estradas não-pavimentadas e pontes de madeira são obstáculos e, para solucionar esse problema, precisamos tirar da conta do Estado a manutenção. Passar a manutenção para o setor privado, para que nos sobre recursos para fazer investimentos”, esclareceu o secretário.

E essas melhorias na infraestrutura já se iniciam logo no primeiro ano de concessão de cada um dos lotes, com os serviços em todo o trecho, segundo o secretário Marcelo de Oliveira. Desse modo, a economia para o Estado já é imediata, quando o Governo transfere a responsabilidade pela rodovia à empresa vencedora da licitação.  Além dessas rodovias em leilão, o Governo já possui sete outros contratos de concessão comum vigentes, totalizando 923,4 quilômetros de rodovias.

Leilão na B3

Para assegurar a confiabilidade e transparência de todo este processo de concessão, o leilão é conduzido pela Comissão Permanente de Licitação da Sinfra e assessorado pela B3. Tal medida fomenta a competitividade, pois permite a participação de empresas nacionais e estrangeiras, isoladamente ou reunidas em consórcio, e garante credibilidade a todo o processo.

Já os estudos de modelagem técnica, econômico-financeira e jurídica referentes a todos os lotes, bem como as respectivas minutas de edital e contrato que subsidiam a licitação em andamento, foram realizados pela Secretaria-adjunta de Logística e Concessões da Sinfra, com a assessoria do Grupo Houer Concessões.

 

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana