conecte-se conosco


Turismo

Viajar pelo mundo? Sim! Homem que já visitou 134 países indica os mais incríveis

Publicado

Você já imaginou ter a possibilidade de viajar pelo mundo e conhecer diferentes destinos e culturas? O empreendedor Ricardo Mello é uma das pessoas que já passou por essa experiência. Ao longo dos anos, ele visitou 134 países e enfrentou 1400 voos e, por conta disso, tem muitas dicas para compartilhar com outros viajantes.

Leia também: Homem visita todos os 198 países do mundo e recomenda os 12 imperdíveis 

São Miguel do Gostoso
Arquivo pessoal/Ricardo Mello

Ricardo Mello experimenta viajar pelo mundo e, por isso, já visitou 134 países; na foto, ele está em São Miguel do Gostoso

Mello, que é autor do blog “O Mundo Aos Seus Pés”, é apaixonado por viagens e caminha para ser o primeiro brasileiro a visitar todos os países. Ao iG Turismo , o profissional lista quais os lugares mais marcantes e inesquecíveis que passou em sua trajetória ao viajar pelo mundo – e traz detalhes sobre eles. Confira!

1. Brasil

Fernando de Noronha
Arquivo pessoal/Ricardo Mello

Fernando de Noronha é um dos locais que Mello mais gosta aqui no Brasil

“Sei que pode parecer meio contraditório para alguém que conhece mais de 130 países , mas o nosso País é o mais bonito do mundo. E, por aqui, Fernando de Noronha é o meu destino preferido, pelas praias que são as mais lindas, pelo clima e vida tranquila.  

Outra região que me chama atenção é São Miguel do Gostoso . Ainda no Nordeste, tem a Praia do Forte e  Barra Grande (Bahia). Eu adoro. Pelo Brasil, ainda temos as chapadas, como Diamantina, dos Veadeiros e dos Guimarães e, em todas elas, você econtra um monte de cachoeiras e montanhas.

Tem também os Lençóis Maranhenses, uma beleza única com as dunas e as lagoas no meio. O Jalapão, para mim, é uma região que também merece a visita. Além disso, o Brasil tem as metrópoles que respiram cultura e gastronomia como São Paulo e Rio de Janeiro. Resumindo, nosso País é o mais incrível do mundo!”

2. Maldivas

Maldivas
shutterstock

Para ele, Maldivas é um local incrível e com um clima bem romântico, ideal para passar a lua de mel

“Maldivas é o melhor destino para lua de mel do mundo. Não é à toa. O lugar é incrível e tem uma atmosfera muito romântica. O legal lá é escolher um hotel e você tem que obrigatoriamente ir de hidroavião, porque voar de avião é uma experiência muito bacana.

As praias são muito bonitas. A cor do mar é fantástica. A temperatura da água é muito gostosa para um mergulho que você pode fazer no norte ou até um passeio para ver golfinhos. Além disso, vale um passeio para ver o pôr do sol de barco”.

3. Myanmar | Bagan e Inle Lake

  • Bagan
Leia Também:  Rede de resorts canadense anuncia novo “jatinho spa”; veja os detalhes
Myanmar, Bagan
shutterstock

Bagan, em Myanmar, tem muitos templos para que os turistas possam visitar

“Myanmar é um país que foi aberto para turismo há pouquíssimos anos e tem regiões de que valem muito a pena. Uma delas é Bagan, que é a porta de entrada do país porque tem um dos principais aeroportos e, por lá, você conhece muitos templos.”

  • Inle Lake
Myanmar, Inle Lake
shutterstock

Inle Lake é um lago que, apesar de ser demorado para atravessar, vale a visita

“Um lago enorme deve demorar algumas horas para atravessar, mas você pode fazer passeios e conhecer todas as comunidades ribeirinhas. E também conhece um pouco do artesanato do local e experimenta as comidas típicas da região. Tem também aquelas mulheres com colares no pescoço que o deixam bem alongado. Vale a visita.”

4. Caribe | Saint Barth

Saint Barth%2C Caribe
shutterstock

No Caribe, Saint Barth é um local que não pode ficar de fora da programação dos visitantes

“Que o Caribe têm as praias com um azul impressionante não é segredo pra ninguém, mas eu sou especialmente fã de Saint Barth. Um local mais chique e com muito conforto, boa gastronomia e uma praia de areia branca que dá aquela paz quando visitamos.”

5. Tahiti

Tahiti
shutterstock

Tahiti é um destino para quem procura tranquilidade e águas cristalinas

“Tem várias outras regiões francesas fora do continente europeu que devem ser visitadas. Uma delas que vale muito a pena na Polinésia Francesa é o Tahiti. O lugar é maravilhoso e tem ainda ilhas como Bora Bora e hotéis com águas de cor cristalina. É uma tranquilidade impagável.”

6. França | Paris

França, Paris
Arquivo pessoal/Ricardo Mello

Paris está entre as cidades mais visitadas por Ricardo Mello

“Paris é uma das cidades que visito muito. É uma das mais belas do mundo e com um ar especial. É possível conhecê-la de várias maneiras, seja por um passeio de barco pelo rio Siena, a pé pelas charmosas ruas, de bicicleta ou de carro no trânsito caótico.

Todo canto de Paris tem um bistrô. Os locais são aconchegantes e tem aquela comida que só os franceses sabem preparar. A cultura da cidade também é incrível: tem o Museu do Louvre, um dos mais famosos do mundo, e a Torre Eifel. Ah, e não posso deixar de comentar sobre os melhores vinhos do mundo para regar boas noites de diversão.”

7. Egito

Egito
shutterstock

No Egito, Mello recomenda navegar no Rio Nilo e conhecer as pirâmides

“O Egito é um país da África que mais me impressiona. É muito legal poder navegar no Rio Nilo. É possível alugar barcos por lá. Fora isso, você vai conhecer a Esfinge e a pirâmide de Queóps. A cidade de Cairo é muito doida: tem restaurante aberto às 2h da manhã e loja aberta até depois da meia-noite. Já em Luxor, você conhece o Vale dos Reis, com sarcófagos e muito mais.”

Leia Também:  Cordilheira na Eslováquia lidera lista de melhores destinos da Europa em 2019

8. Estados Unidos | Nova York e outras cidades

Central Park, Nova York
shutterstock

O Central Park, em Nova York, é um dos pontos turísticos mais populares na cidade
  • Nova York

“Nova York é um dos meus lugares favoritos no mundo. Para mim, todo mundo deveria conhecer. A atmosfera da cidade é única e você encontra lá um misto de quase tudo que tem no mundo. O Central Park é um cartão postal da cidade, que muda de acordo com a estação do ano e é sempre um passeio diferente.

Além disso, NY é um local que respira cultura e a quantidade de museus que existem lá me encantam. A Estátua da Liberdade sempre vale a visita também, seja num passeio de barco ou conhecê-la de pertinho. A Broadway tem que estar na lista. Assistir um espetáculo por lá é incrível.”

  • Outras regiões dos EUA

“Adoro Chicago, com sua arquitetura impressionante e os passeios pelos rios. Uma segunda região que o adoro é Orlando. Fico maluco com a Disney. Outro lugar que gosto muito e tem gastronomia legal é Hollywood. Em Santa Mônica, a roda gigante é super bacana. São Francisco tem um clima muito bom também.

Além disso, tem o Colorado. Já fui muitas vezes para quem ia tanto para Vail como para Telluride. Possui hotéis para todos os gostos e o clima nas estações de esqui é super bacana e recomendado para famílias com crianças maiores também. Elas adoram esquiar!”

9. Nova Zelândia | Waitomo Caves e Hobbiton

  • Waitomo Caves
Waitomo Caves, NZ
shutterstock

Esse é mais um local apontado por Mello como um dos melhores pelos quais passou

“Essa região, que fica localizada a cerca de 200 km ao sul de Auckland, traz belezas inacreditáveis. São, aproximadamente, 300 cavernas na região e existem passeios leves para conhecê-las ou, para o mais aventureiros, fazer rapel e explorar as profundezas a pé. Lá também é possível encontrar os glowworms, que são como vaga-lumes que deixam os tetos das cavernas parecendo um céu estrelado.”

  • Hobbiton
Hobbiton
shutterstock

Vale conhecer Hobbiton, na Nova Zelândia, é uma cidade cenográfica usada nem filmes como “O Senhor dos Anéis”

“Outra região encantadora na Nova Zelândia é Hobbiton, uma cidade cenográfica usada nos filmes “O Senhor dos Anéis” e “O Hobbit”. A região atrai turistas de todos os tipos, tanto das sagas como aqueles que se encantam com a cidadezinha saída das telas do cinema. Vale muito a visita e o lugar rende muitas fotos legais.”

10. Chile | Atacama e Patagônia

  • Atacama
Atacama
shutterstock

Esse é um ótimo local para lotar a memória da câmera com fotos e mais fotos

“Salar de Tara é imperdível. As cores do local, suas lagoas e belezas naturais são incríveis e um excelente lugar pra lotar a memória da câmera com fotos e mais fotos. Para quem tem mais tempo de viagem, vale também fazer a travessia para o Salar de Uyuni, que fica na Bolívia.

Além disso, o Geiser de Tatio é uma visita super interessante de se fazer. Fica em uma região vulcânica e é um passeio que começa pela madrugada, onde é possível ver as fumaças gasosas se formando no horizonte. Para completar a beleza desse deserto, as lagoas também são de tirar o fôlego.”

  • Patagônia
Patagônia, Chile
shutterstock

Patagônia é outro local que não pode ficar de fora das viagens

“Na Patagônia chilena, é muito legal conhecer o parque nacional Torres del Paine, cercado por belíssimas montanhas e possui umas das vistas mais lindas do mundo. Os animais selvagens também são companhia nesse passeio, como o puma, raposa cinzenta, flamingos, condores, e outros que, inclusive, estão ameaçados de extinção.

Além disso, é possível encontrar pinguins e, com sorte, ver baleias no Estreito de Magalhães. Por lá, também se encontra a única geleira do mundo que não está diminuindo – pelo contrário, ela cresce a cada ano: a Geleira Perito Moreno, que fica na divisa do país com a Argentina.”

Leia também: Homem larga o emprego para viajar pelo mundo – e receber por isso

Fonte: IG Turismo
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Turismo

Ainda dá pra viajar! Confira 5 destinos sul-americanos baratos para as férias

Publicado

Faltando poucos dias para o fim das férias de julho ainda dá tempo de escolher um lugar bacana e fora do Brasil para curtir com a família. De acordo com a Câmbio Store  , os meses de julho, julho e agosto concentram 35% do volume de viagens dos brasileiros no ano.

Leia também: Passagens aéreas devem ficar mais baratas a partir de setembro

E já que estamos na época preferida para as viagens, montamos uma lista com cinco destinos na América do Sul que estão mais em conta e que você pode fazer com sua família ainda nas férias de julho ou em folgas de agosto. Confira abaixo.

Punta del Este – Uruguai

monumento las manos arrow-options
shutterstock

Monumento “Las Manos” que leva muitos turistas a Punta Del Este, no Uruguai

Um dos destinos mais procurados no Réveillon uruguaio é Punta del Este. O balneário, entretanto, é muito mais em conta no meio do ano e reúne tudo o que uma boa viagem pede: cassinos, praias, parques e belas paisagens para fotos, como a escultura “Las Manos” enterrada na areia. Confira aqui como é a experiência da primeira vez num cassino .

Bariloche – Argentina

bariloche arrow-options
Divulgação

Bariloche, Argentina, é um dos destinos preferidos dos brasileiros no inverno

Para quem sonha em conhecer a neve e não tem condições de ir para os Estados Unidos ou Europa, Bariloche é o destino ideal. Entre julho e agosto os termômetros na cidade marcam mínimas abaixo de zero. Com esse clima a concentração de gelo é bem maior. A cidade oferece muita diversão para toda a família e tem em seu catálogo de atrações parques e montanhas. Veja dicas do que fazer clicando aqui .

Leia Também:  Piloto cita atitude que os passageiros jamais devem ter durante o voo

A maior vantagem de ir à Argentina é a desvalorização do peso argentino quanto ao dólar americano o que faz a moeda variar até 70% no ranking VET do Banco Central. Em termos práticos, um peso argentino equivale a menos de R$ 0,50. 

Santiago – Chile

santiago, no chile arrow-options
Shuttersock

Em meio às montanhas andinas, surge um dos destinos mais baratos das férias de julho: a capital do Chile, Santiago

Outro destino que também atrai os amantes do frio e da neve é Santiago, no Chile. Com uma gastronomia variada e irresistível, a cidade tem uma vista linda para as montanhas que também pode ser vista do alto do edifício Sky Costanera, que possui 300 metros de altura.

Confira o nosso roteiro de três dias na capital do Chile.

Lima – Peru

lima, peru arrow-options
Divulgação/Booking.com

Lima, Peru

Casa dos Jogos Pan-Americanos de 2019, Lima é uma cidade que chove muito, mas entre os meses de junho e agosto e tempo fica mais estável e é possível curtir as praias peruanas. É o destino mais barato do país se comparar com Cusco e Machu Pichu, que recebem muitos turistas nas férias de julho.

Leia também: Decidiu viajar de última hora e não reservou hotel? Aplicativo pode te ajudar

Assim como na Argentina, no Peru a moeda é desvalorizada frente ao Real o que pode ser uma boa estratégia para os viajantes. Um novo sol peruano vale R$ 1,14, sendo mais recomendado levar o dinheiro em espécie ao trocar pelo dólar americano.

Leia Também:  É possível viajar em julho gastando pouco? Sim! Saiba quais as melhores datas

Bogotá – Colômbia

bogotá arrow-options
Divulgação/Booking.com

Último destino barato das férias de julho é Bogotá, na Colômbia

Num frio entre 9º e 13ºC, o turista que optar por conhecer a capital colombiana não vai se arrepender. A cidade é recheada de passeios culturas, muitos monumentos históricos e festas. 

Os pontos turísticos mais recomendados são o bairro de “La Macarena”, o morro “Monserrate” e a cidade Zipaquirá, onde está uma das mais belas catedrais do mundo, a Catedral de Sal. Confira um roteiro básico pela cidade clicando aqui .

Dicas para curtir os destinos sul-americanos nas férias de julho

Segundo o CEO e fundador da Câmbio Store , José Marques, os destinos sul-americanos são mais vantajosos para o bolso dos brasileiros por inúmeras razões. As taxas de câmbio são menores e, no geral, as moedas dos vizinhos são mais desvalorizadas o que reduz os custos da viagem.

Porém, o mais importante é se planejar bem, comprar a moeda do país de destino fracionada, acompanhar a cotação em sites de pesquisa e utilizar o cartão de crédito somente para casos de urgência.

Leia também: Revista americana elege os melhores hotéis do mundo; veja a lista

Confira abaixo outras dicas para economizar nas férias de julho :

  • Evite usar o cartão de crédito na compra de objetos ou suvenires, pois as taxas de conversão podem pesar no bolso. O uso do cartão é mais recomendado em restaurantes e alguns passeios turísticos em redes com descontos;
  • Levar parte do dinheiro em espécie e parte no cartão internacional pré-pago pode ser prático e mais barato; 
  • Não perder tempo convertendo valores para saber o quanto irá gastar.

Fonte: IG Turismo
Continue lendo

Turismo

Viagem no tempo pertinho da capital: veja o que fazer em Paranapiacaba

Publicado

Encontrar o que fazer em Paranapiacaba não é difícil. Apesar do tamanho diminuto, o distrito de Santo André que surgiu para abrigar os trabalhadores da São Paulo Railway no Século XIX oferece atividades diversas, que vão do Festival de Inverno de Paranapiacaba até trilhas em meio à natureza – e ainda pode ser uma boa opção para um bate e volta saindo de São Paulo .

Réplica do Big Ben na cidade de Paranapiacaba arrow-options
shutterstock

Não é difícil encontrar o que fazer em Paranapiacaba, um pedaço da Inglaterra no estado de São Paulo

E para dar ainda mais fôlego ao turismo na região, entidades como a World Monuments Fund (WMF), dedicada à preservação de sítios históricos, têm ajudado nos esforços de revitalização do distrito, fornecendo cada vez mais opções para quem procura o que fazer em Paranapiacaba .

Desde o início do Século XXI, segundo o site do WMF, foram restaurados diversos monumentos, como a Casa Fox, o Castelinho, o Lyra Serrano Club e o Antigo Mercado. 

Mas os esforços não pararam por aí. Segundo a prefeitura de Santo André, neste final de semana, data que também marca o início do 19º Festival de Inverno de Paranapiacaba , deve ser reinaugurada a torre do relógio, que estava parada há mais de 10 anos.

E já que o Festival de Inverno foi mencionado, nada mais justo do que começar o roteiro turístico nesse distrito do Grande ABC por ele.

O que fazer em Paranapiacaba #1: o Festival de Inverno

Artistas se apresentando em praça de Paranapiacaba no Festival de Inverno arrow-options
Reprodução/Facebook

O Festival de Inverno de Paranapiacaba reúne shows, aulas abertas e intervenções artísticas durante o final de julho

Todo ano, há quase duas décadas, é realizado o Festival de Inverno de Paranapiacaba. Nele, são feitas apresentações musicais, exposições e intervenções culturais.

O festival costuma acontecer nos últimos finais de semana de julho, e visa enaltecer o patrimônio da vila inglesa projetada pelo filósofo Jeramy Bentham. Em 2019, serão cerca de 100 atrações, que incluem também oficinas e aulas abertas.

Além da réplica do Big Ben , será entregue também a Casa Escola Solidária, que funcionará no Antigo Galpão. De acordo com informações da Prefeitura de Santo André, serão realizadas uma série de atividades desenvolvidas pelo Fundo Social de Solidariedade em parceria com secretarias da Prefeitura.

Leia Também:  Uma noite no museu! Aplicativo leva turistas para dormir no museu do Louvre

Leia também: Quais destinos turísticos estão em alta no Brasil e que fazer em cada um deles

O que fazer em Paranapiacaba #2: ecoturismo

Pedras empilhadas naturalmente em trilha de Paranapiacaba arrow-options
shutterstock

Para quem gosta de ecoturismo, as trilhas nos arredores do distrito do Grande ABC são uma oportunidade imperdível

Mas o Festival de Inverno de Paranapiacaba não é o único atrativo de lá. O distrito do Grande ABC também é procurado por turistas que gostam de ficar em contato com a natureza, pois seu entorno oferece diversas trilhas para explorar a Serra Paulista, e um dos principais locais para penetrar a Mata Atlântica é o Parque Nascentes de Paranapiacaba.

Nele podem ser encontrados exemplares de várias espécies de samambaias, bromélias e orquídeas. A fauna também é diversa, com animais como sanhaços, pica-paus, morcegos, bichos-preguiça, etc.

De acordo com o site da Prefeitura de Santo André, o local funciona de terça a sexta-feira das 8h30 às 15h30 e das 8h às 16h45 aos feriados e finais de semana. O serviço de monitoria para explorar as trilhas deve ser contratado à parte no local ou com agendamento prévio, e seu preço pode variar de acordo com as agências e monitores contratados.

O que fazer em Paranapiacaba #3: pontos turísticos históricos

Quem gosta de história também deve ficar bem servido na hora de encontrar o que fazer em Paranapiacaba. São diversos pontos turísticos históricos no distrito, alguns deles parte da programação do Festival de Inverno de Paranapiacaba.

O Museu Castelo, que opera no revitalizado Castelinho, já foi a casa do engenheiro-chefe da ferrovia. Atualmente, segundo o site da Prefeitura de Santo André, ele conta com um acervo composto por móveis e peças que revelam a história da ferrovia que ligava Paranapiacaba ao resto do estado.

E as memórias dos habitantes do distrito do Grande ABC também são eternizadas na Casa Fox, outro ponto turístico que se beneficiou do programa de revitalização realizado pelo WMF e pelas autoridades locais.

Leia Também:  Rede de resorts canadense anuncia novo “jatinho spa”; veja os detalhes

Além desses dois pontos, o Museu Funicular é outro local que conta as histórias do distrito. Nele, estão expostas locomotivas, vagões e máquinas de manutenção que eram utilizadas no auge da ferrovia.

Outros pontos importantes para conhecer a história de Paranapiacaba são a já mencionada réplica do Big Ben, o Antigo Mercado – que tornou-se um espaço multicultural após ser restaurado -, e a Igreja Bom Jesus de Paranapiacaba, o principal marco da Parte Alta da vila inglesa.

Como ir para Paranapiacaba?

Ponto do mapa do transporte público que mostra a estação do expresso turístico de Paranapiacaba arrow-options
shutterstock

O distrito do Grande ABC pode ser acessado por meio de transporte público, por carro ou então pelo expresso turístico

Agora que você já sabe o que fazer em Paranapiacaba, é hora de descobrir como chegar lá, uma etapa tão importante quanto a primeira. Mas não se preocupe: o trajeto é simples, e pode inclusive ser feito por meio do transporte público.

Se você estiver a fim de experimentar essa ideia, basta pegar, em São Paulo, a Linha 10 (Turquesa) da CPTM até a estação final, em Rio Grande da Serra. De lá, é só pegar o ônibus 424 da EMTU (Viação Ribeirão Pires) com destino a Paranapiacaba.

Para quem é de Santo André, o trecho é ainda mais simples. Do Terminal Rodoviário Prefeito Saladino sai o ônibus 040, também da Viação Ribeirão Pires, cujo ponto final é em Paranapiacaba.

Outra opção é pegar o expresso turístico, no qual os turistas embarcam em dois carros da década de 50, tracionados por uma locomotiva totalmente reformada da mesma época.

O roteiro é realizado somente aos domingos a partir de dois pontos do trajeto. De acordo com o site da CPTM, o passageiro pode embarcar na Estação da Luz às 8h30  ou às 9h na Estação Prefeito Celso Daniel, na Linha 10 Turquesa. O retorno é feito às 16h30.

Mas se ir de carro é a sua preferência, é bom se preparar para pegar a estrada. Indo pela Via Anchieta, na pista marginal sentido Riacho Grande, você deve entrar na Estrada Velha do Mar no sentido Ribeirão Pires, na altura do km 29.

Leia também: Paz, aventura e história: veja o que o Circuito das Águas pode te oferecer

Em seguida, é preciso acessar a Rodovia Índio Tibiriçá e percorrê-la até o km 45,5, onde você pegará a alça de acesso para a Rodovia Antonio Adib Chamas para descobrir pessoalmente o que fazer em Paranapiacaba .

Fonte: IG Turismo
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana