conecte-se conosco


Carros e Motos

Vendas sobem 25% em maio, que foi o melhor mês do ano até agora

Publicado

source


Mesmo com a falta de componentes da indústria, Fenabrave prevê que setor tende a se estabilizar
Divulgação

Mesmo com a falta de componentes da indústria, Fenabrave prevê que setor tende a se estabilizar

Com três dias úteis a mais do que em abril e com a melhora da entrega de veículos, com espera de peças, o resultado de maio surpreendeu. Foram 338.440 licenciamentos, uma alta de 25,09% na comparação com abril, e 6,03% a mais em maio de 2021, segundo a Fenabrave.

Com o resultado, a retração no acumulado dos cinco primeiros meses do ano caiu para 4,16%, ante uma queda de 7,18% registrada no 1º quadrimestre. Para Andreta Jr, presidente da entidade, o grande salto frente a abril impulsionou os números gerais do setor, mas ainda podem enfrentar volatilidade ao longo do ano.

“Em maio, oferta e demanda começaram a se estabilizar. Não há um movimento forte de retomada , nem de oferta e nem de demanda, mas acredito que estamos chegando à certa estabilidade, considerando um ano bastante incerto como o que estamos vivendo”, analisa o executivo.

Tabela de maio 2022 - Fenabrave
Divulgação

Tabela de maio 2022 – Fenabrave

No caso de automóveis e comerciais leves, Andreta explica que a demanda tem sido atendida, mas com a crise de abastecimento global , é possível que haja espera, a depender do modelo. Além disso, há o próprio cenário econômico brasileiro que, por conta das eleições presidenciais, pode ter um ambiente mais volátil no segundo semestre.

Sobre veículos híbridos e elétricos , o resultado vem se consolidando numa curva evolutiva, registrada nos últimos meses. No acumulado dos cinco primeiros meses de 2022, foram comercializados 16.393 autos e leves eletrificados.

Esses números apontam aumento de 57,7% no volume, ou seja, 10.393 em igual período de 2021. Em termos de participação de mercado , eles representam 2,4% do total comercializado, um percentual ainda baixo, mas que já demonstra uma tendência de consumo.

Já no de motocicletas, há uma constante alta, em razão do aumento do serviço de entregas de mercadorias (delivery) e pela troca do automóvel pela motocicleta , em função dos custos dos combustíveis. Por essas razões, ainda há registro de espera para entrega de alguns modelos.

“É, de longe, o segmento que aponta o melhor resultado até maio, e tem tudo para ter um excelente ano de 2022, apesar da restrição de crédito , que ainda está se mantendo em 30% de aprovação dos cadastros para financiamentos”, diz Andreta Jr.

Na subdivisão, vem as motos eletrificadas que em função do aumento dos preços dos combustíveis, elas têm crescido sua participação no mercado, nos últimos meses. Nos primeiros cinco meses de 2022 foram emplacadas 3.062 motos eletrificadas no Brasil.

Isso representa um crescimento superior a 878% sobre o mesmo período de 2021 , incluindo aí os triciclos e scooteres . Mesmo com esse aumento, a participação dessas motos ainda é pequena no Brasil, representando cerca de 0,59% do total de motos emplacadas no país.

Fonte: IG CARROS

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carros e Motos

Volvo inaugura mais um carregador rápido para eletrificados em SP

Publicado

source
Ao todo, dois veículos podem ser recarregados simultaneamente, de acordo com a Volvo
Guilherme Menezes/ iG Carros

Ao todo, dois veículos podem ser recarregados simultaneamente, de acordo com a Volvo

A Volvo acaba de estrear seu segundo carregador rápido para carros elétricos, na cidade litorânea de São Sebastião (SP). Essa é a primeira fase, que contará com um total de 13 carregadores, com estimativa para serem completamente instalados até meados de setembro de 2022.

Os novos carregadores vão ligar os corredores do Litoral Norte de SP, o corredor que vai até o Vale do Paraíba e Rio de Janeiro, depois ao que vai até Belo Horizonte (MG), assim como o que irá até Curitiba (PR) e para as cidades do interior de SP.

Entretanto, depois da conclusão desta etapa, terão mais quatro etapas (completando cinco, ao todo). Segundo apuramos com João Oliveira, Diretor de Operações da Volvo do Brasil , a fabricante vai analisar o resultado da conclusão da primeira etapa para determinar prazos e locais para as etapas dois e três.

Aprendemos rapidamente como se utiliza o equipamento, que faz recarga de 80% do total em 35 minutos
Guilherme Menezes/ iG Carros

Aprendemos rapidamente como se utiliza o equipamento, que faz recarga de 80% do total em 35 minutos

Todos os carregadores da Volvo são (e serão) gratuitos para o motorista. A fabricante está, constantemente, à procura de comodatários para os equipamentos , que custam próximo de R$ 1 milhão, entre peças e instalação. Os estabelecimentos serão os que custearão as recargas (com custos de até R$ 80), enquanto a Volvo cuidará da manutenção dos equipamentos.

Ainda pelo o que apurou a reportagem de iG Carros , isso tem despertado interesse das empresas que cedem os espaços, uma vez que, apesar de arcarem com os gastos de energia, serão beneficiados de forma indireta.

De todo modo, a Volvo acredita que, a partir do momento que o mercado já estiver mais desenvolvido, não será mais possível oferecer esse benefício da gratuidade — do mesmo modo que não se abastece carro a combustão sem custo.

A fabricante acredita que é de extrema importância que, o quanto antes, as fabricantes e outras empresas se mobilizem para, ao máximo, preencher o Brasil com os carregadores rápidos . Todos eles têm 150 kWh, o que permite recarga de até 80% em até 35 minutos.

O motivo é fomentar o mercado dos carros elétricos e híbridos plug-in que, para a Volvo, são o futuro da mobilidade. Além do mais, a ideia é que a ação seja colaborativa.

Ou seja, independentemente de quem instalou o carregador , ele poderá ser utilizado por qualquer carro, de qualquer marca, de modo a beneficiar tanto os consumidores, quanto os fabricantes.

O endereço do ponto de recarga recém lançado é Av. Dr. Manoel Hipólito do Rego, 2500 Praia do Arrastão – São Sebastião/SP.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Carros e Motos

Honda NC 750X: DCT ou manual?

Publicado

source
A Honda NC 750X com câmbio convencional e sem acessórios
Divulgação

A Honda NC 750X com câmbio convencional e sem acessórios

Paro no semáforo com a Honda NC 750X e um motociclista para ao lado, já perguntando: “Essa aí não tem embreagem, certo?” De tão polido que ele foi ao perguntar, resisti ao impulso de responder: “Pelo contrário, ela tem não só uma, mas duas embreagens!”

Apesar de ser verdade, achei que não teria tempo de explicar melhor antes que o semáforo ficasse verde e limitei-me a dizer, apenas, que sim, mas, na verdade, o que ela não tem é apenas o manete da embreagem . E, é claro, não tem, também, o pedal do câmbio.

Sem entrar em uma explicação mais precisa, com muitos detalhes técnicos, na prática é como dizer que existem dois câmbios na Honda NC 750X DCT , um para as marchas ímpares e outro para as marchas pares, e que cada um deles tem sua própria embreagem. Então, são dois câmbios e duas embreagens, dentro da mesma carcaça.

No câmbio DCT da Honda NC 750X, tanto o acionamento das embreagens quanto a troca de marchas são feitos automaticamente, como em um câmbio automático convencional de um automóvel, mas é possível fazer as trocas de forma manual, utilizando-se os comandos do punho esquerdo do guidão. Com o dedo indicador, as marchas sobem, com o polegar, as marchas descem.

Mas, no final das contas, qual é o sistema mais adequado para uma motocicleta, o automático DCT ou o manual, convencional? A Honda NC 750X pode ter os dois sistemas, com o câmbio M/T a motocicleta é produzida em Manaus, AM, e, com o DCT, é importada do Japão.

Na hora de escolher o melhor sistema para cada tipo de utilização, ou mesmo de acordo com o gosto do comprador, o valor total do investimento na compra de cada uma leva em conta essa diferença de origem, já que, obviamente, a versão importada tem maior valor, não apenas pelo sistema mais caro, mas também pelos custos da importação.

Manual ou automática? O dilema na escolha da Honda NC 750X
Gabriel Marazzi

Manual ou automática? O dilema na escolha da Honda NC 750X

Apesar do porte de um modelo trail, Honda NC 750X é uma motocicleta urbana, com um bom compromisso, também, para viagens. Ou seja, é uma motocicleta muito versátil, com características diversas, caracterizada como crossover.

Assim sendo, para uma utilização mais urbana, no dia a dia, o câmbio DCT é uma mão na roda, tornando a motocicleta bem mais ágil e fácil de ser pilotada. Se for para um uso mais intenso em estradas, o câmbio convencional pode ser mais adequado, principalmente por tornar a motocicleta mais acessível.

Na sua mais recente renovação, a Honda NC 750X ganhou acelerador eletrônico e, com ele, vieram os modos eletrônicos de pilotagem, que, se selecionados adequadamente, facilitam muito a pilotagem. São três modos de pilotagem pré-selecionados (Rain, Standard e Sport), mais um programável pelo piloto (User). O controle de tração é outro facilitador que veio com o novo sistema, ajustável em três níveis.

A Honda NC 750X tornou-se muito versátil, tanto na cidade quanto na estrada
Divulgação

A Honda NC 750X tornou-se muito versátil, tanto na cidade quanto na estrada

A escolha, então, entre a Honda NC 750X M/T e a Honda NC 750X DCT , dependerá da principal utilização da motocicleta, do gosto do dono e, principalmente, da vontade de gastar uma graninha a mais para ter um produto mais equipado.

A NC M/T custa, por sugestão do fabricante, R$ 49.700, enquanto que a versão DCT custa R$ 59.668. Sim, uma diferença de praticamente R$ 10 mil. Os valores pedidos nos diversos pontos de venda espalhados pelo país podem ser um pouco diferentes, tanto devido ao valor do frete, adicionado ao valor da motocicleta, e à situação de mercado, devido à oferta e a demanda.

Vale consultar, também, a boa lista de equipamentos opcionais, vendidos como acessórios originais Honda , como as maletas laterais, o baú traseiro de 38 litros, o cavalete central, parabrisa mais alto, ponto de energia USB no compartimento de carga, suporte traseiro, protetor de carenagem e faróis auxiliares. Tudo isso por cerca de mais uns R$ 20 mil. Depois, é só escolher uma e sair por aí.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana