conecte-se conosco


Tecnologia

Veja como remover seguidores no Instagram sem que eles saibam disso

Publicado

A época em que era preciso bloquear e em seguida desbloquear alguém apenas para removê-lo da sua lista de seguidores ficaram no passado. Há algum tempo, existe uma opção muito mais simples para quem procura como remover seguidores no Instagram sem causar alarde.

Leia também: Quais fotos a galera não aguenta mais ver no Instagram?


Imagem mostrando o número de seguidores de um perfil no Instagram
shutterstock

Há como remover seguidores no Instagram sem ter de bloquear ninguém – e é possível fazer isso em menos de 5 passos

O procedimento de  como remover seguidores no Instagram é simples e discreto – a pessoa jamais vai descobrir, se ela não chegar seu perfil ou verificar na lista de pessoas que segue. Tanto em contas privadas ou fechadas, como em contas públicas ou abertas, é possível excluir perfis indesejados – seja de alguém que você não conhece ou de uma conta spam – sem precisar bloquear ou denunciar a pessoa.

Para limpar seu perfil na rede social , basta seguir três passos e você terá uma lista de seguidores livre de qualquer um que esteja te incomodando ou que não te conheça.

Leia Também:  Qualquer um pode ser um YouTuber: como começar a produzir vídeos hoje

3 passos para quem procura como remover seguidores no Instagram

Antes de partir para a limpa, porém, vale lembrar que o recurso só está disponível no aplicativo do Insta para celular. Então, se você estiver usando a rede social pelo seu computador, não poderá utilizar a ferramenta de remover seguidores.

Além disso, remover um perfil do Instagram da sua lista de seguidores não impede que aquela pessoa volte a te seguir no futuro. Se quiser evitar isso também, a única solução é o bom e velho “bloquear”.

Leia também: Você sobreviveria sem os likes do Instagram?

1. Entre na sua lista de seguidores


Imagem com seta indicando onde fica a lista de seguidores do perfil do Instagram
Reprodução/Instagram

Como remover seguidores no Instagram #1: na página do seu perfil do Instagram, clique na sua lista de seguidores

Na página do seu perfil do Instagram, dirija-se à sua lista de seguidores, que aparece logo à direita do seu contador de postagens.

2. Clique no botão de opções ao lado do botão de “Seguir”


Imagem com seta indicando o botão de opções na lista de seguidores do Instagram
Reprodução/Instagram

Como remover seguidores do Instagram #2: em seguida, clique no botão de opções ao lado do botão “Seguir”

Na sua lista de seguidores, cada pessoa deve ter três pontos ao lado do botão “Seguir” – que indica se você também segue aquele perfil ou não. Caso o seu aplicativo não mostre o botão de opções, pode ser que ele esteja desatualizado. Fazer isso deve abrir uma janela, que nos leva para o próximo passo.

Leia Também: 

3. Clique em “Remover” para confirmar a exclusão


Imagem indicando o botão
Reprodução/Instagram

Como remover seguidores do Instagram #3: por fim, clique em remover na janela que será aberta depois do segundo passo

A janela aberta depois do passo anterior terá uma mensagem perguntando se você tem certeza de que quer remover aquela pessoa da sua lista de seguidores e garantindo que o aplicativo não informará ela sobre sua decisão.

Leia também: Veja seis dicas para aumentar o número de seguidores no Instagram

Se você está certo do que está fazendo, basta clicar em “Remover” e pronto: você já sabe como remover seguidores no Instagram de um jeito rápido, fácil e discreto.

Fonte: IG Tecnologia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Tecnologia

5G é usado para combater o coronavírus na China; entenda como

Publicado

source

Olhar Digital

5G arrow-options
Pixabay

5G pode ajudar em soluções tecnológicas para a área da saúde


Durante 2019, muito foi falado como o 5G iria beneficiar diversas áreas, incluindo a saúde. Agora, a ZTE e a China Telecom vão utilizar a tecnologia para combater o avanço da epidemia de coronavírus. As empresas conduziram com sucesso o diagnóstico remoto da pneumonia na província de Sichuan com a ajuda da tecnologia 5G .

No último sábado (25), a ZTE construiu e interconectou o West China Hospital para o diagnóstico e o tratamento remotos. A Comissão de Saúde de Sichuan tornou o hospital como o ponto central do sistema 5G de diagnóstico . Outros 27 hospitais aceitaram e estão tratando pacientes com o vírus. Na manhã desta segunda-feira (27), a Huawei anunciou que vai conduzir a construção da rede de internet 5G nestes hospitais.

Leia também: Do carro inteligente à “superinternet”: o que o Brasil perde com o atraso do 5G?

Um dos primeiros a receber a nova conexão vai ser o que está em construção em Wuhan, cidade onde a epidemia começou. As obras devem terminar até o fim de semana. A urgência se da pelos mais de 1.200 casos confirmados em uma região de apenas 11 milhões de habitantes.

Leia Também:  Kinopop, o ‘Netflix da Classe C’, chega ao Brasil neste mês por R$ 15; conheça

Diversas outras empresas se mobilizaram para ajudar na luta contra a epidemia . A Xiaomi tem distribuído suprimentos e a Apple vai fazer doações para a região de Wuhan. Mais de 20 milhões de pessoas estão em quarentena no país e já há casos confirmados em Japão, Tailândia, Coreia do Sul, França e Estados Unidos. Além disso, uma empresa americana está trabalhando em uma vacina para o vírus.

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Tecnologia

Coronavírus ameaça crescimento da produção de iPhones em 2020

Publicado

source
modelos de iphone arrow-options
Reprodução

Apple planejava lançar cinco modelos diferentes de iPhone durante 2020

A Apple pode interromper seus planos de aumentar a produção do iPhone em 10%, na primeira metade deste ano, devido ao avanço do surto de coronavírus por toda a China , informou nesta terça-feira (28) o jornal “Nikkei Asian Review”.

iPhone de baixo custo pode ter produção iniciada em fevereiro

De acordo com a publicação, a empresa pediu a seus fornecedores, muitos dos quais têm unidades de fabricação na China, que fabricassem até 80 milhões de iPhones na primeira metade deste ano. 

Seriam cerca de 65 milhões de seus antigos modelos e até 15 milhões de unidades de um novo modelo de preço reduzido que planeja apresentar em março, segundo o Nikkei, que obteve informações de pessoas familizarizadas com os planos da companhia americana.

Com coronavírus, dólar recua a R$4,19 nesta terça e mercados tentam se recuperar

No entanto, devido ao avanço do coronavírus, a produção em série, que deveria comelar na terceira semana de fevereiro, pode atrasar.

Praticamente todos os iPhones do mundo são fabricados na China, principalmente pela Hon Hai Precision Industry, controlada pela Foxconn, na chamada Cidade do iPhone, em Zhengzhou, e pela Pegatron, em uma unidade de montagem nos arredores de Xangai.

Cada um desses locais fica a mais de 500 quilômetros de Wuhan, no centro da China, o epicentro do surto viral , mas essa distância não os imuniza contra seus efeitos.

“Não consigo imaginar um cenário em que a cadeia de suprimentos não seja afetada”, disse Patrick Moorhead, analista veterano do setor da Moor Insights & Strategy, em entrevista à Bloomberg.

“Se houver um grande problema de matérias-prima, fabricação, montagem, teste e remessa, haverá uma interrupção “, acrescentou.

Leia Também:  Dobrável é coisa do passado? Xiaomi propõe celular com tela expansível

A Apple, com sede em Cupertino, na Califórnia, que registrou mais de US$ 142 bilhões em vendas de iPhone no ano fiscal de 2019, lançou versões de smartphones mais baratos para atrair compradores e conter o declínio nas vendas de sua principal categoria de produtos.

Por que o Coronavírus está derrubando a Bolsa no Brasil? Entenda

A fabricante do iPhone está prestes a relatar os resultados do primeiro trimestre após o fechamento dos mercados nesta terça-feira.

Procurada pela Reuters, a Apple não respondeu a um pedido para comentar as informações publicadas pelo Nikkei.

Até o momento, o surto do vírus causou a morte de mais de 100 pessoas e infectado mais de 4.500 na China.

Na segunda-feira, as ações da Apple fecharam com queda de quase 3%, a US$ 308,95, com o temor do coronavírus arrastando os valores das gigantes de tecnologia e fabricantes de chips americanas.

No ano passado, os papéis da Apple registraram alta de cerca de 86%.

Bolsas asiáticas registram perdas

A rápida disseminação do coronavírus continua afetando os mercados globais.

Dólar tem alta e chega a R$ 4,21; tensão sobre coronavírus influencia mercado

Na Ásia, a Bolsa de Tóquio encerrou a sessão desta terça-feira (28) com queda de 0,55%, com o índice Nikkei perdendo 127,80 pontos, a 23.215,71 unidades, nível mais baixo de fechamento desde 8 de janeiro.

O coronavírus levou autoridades japonesas a adotarem medidas mais drásticas para conter o surto.

Em Seul, o índice Kospi teve desvalorização de 3,09%, a 2.176 pontos, enquanto que o Straits Times, da Bolsa de Cingapura, registrou uma desvalorização de 1,1%, somando 3.181 pontos.

As bolsas de Xangai e Shenzhen permaneciam fechadas , assim como as de Taiwan e Hong Kong.

As bolsas europeias operavam sem uma direção única, após as fortes quedas registradas na véspera.

Leia Também:  PlayStation 5 pode ser mais barato do que você esperava

O Índice DAX, da bolsa de Frankfurt recuava 0,08%, a 13.194,18 pontos, enquanto o CAC 40, da bolsa de Paris, avançava 0,13%, somando 5.870,43 pontos.

Na Bolsa de Milão, o índice FTSE MIB subia 0,70%, aos 23.578,95 pontos, enquanto o Ibex, da Bolsa de Madri, avançava 0,32%, atingindo os 9.396,60 pontos. Na Bolsa de Londres , o FTSE 100 registrava alta de 0,21%, somando 7.427,97 pontos.

Petróleo cai pelo sexto dia

Os futuros do petróleo caminham para o sexto dia de perdas , com o Brent abaixo de US$ 60 o barril, tendo tocado na segunda-feira mínima de três meses, a US$ 58,50, com o vírus disparando uma venda global de ativos considerados de maior risco.

Coronavírus faz preço do petróleo cair quase 3%; entenda

 Já o petróleo WTI dos EUA caiu 31 centavos, ou 0,58%, para $ 52,83 por barril. Na sessão anterior, o contrato caiu para o início de outubro, no mínimo, US$ 52,13 por barril. Ambos estão a caminho de fechar o pior mês desde maio.

Nesta terça-feira, a Opep anunciou que pretende prorrogar seus atuais cortes na produção de petróleo ao menos até junho.

A decisão veio com a possibilidade de reduções adicionais na oferta caso a demanda por petróleo na China seja significativamente impactada pela disseminação do novo coronavírus, disseram fontes no grupo de produtores.

A Arábia Saudita, que na prática é a líder da Opep, juntou-se a outros produtores como os Emirados Árabes, a Argélia e o Omã na segunda-feira (27), buscando acalmar os nervos do mercado ao pedir cautela contra projeções mais pessimistas sobre os impactos do vírus.

Mas membros da Opep também começaram a avaliar suas opções e intensificaram discussões internas sobre como responder melhor à derrocada dos preços , disseram as fontes.

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana