conecte-se conosco


Carros e Motos

Veja 5 seminovos que não compraríamos

Publicado

Ainda que o mercado esteja reaquecendo, muitos recorrem aos veículos seminovos na hora de trocar de carro. Dependendo do valor, podemos encontrar opções mais potentes e equipadas que os zero quilômetro convencionais. Mas de qualquer forma, vale ficar esperto para não entrar em algumas enrascadas.

LEIA MAIS: Veja 5 carros com descontos que chegam até R$ 10 mil

Para dar uma ajudinha na sua próxima compra, a reportagem do iG Carros elege cinco modelos seminovos que não teríamos. Também sugerimos algumas compras alternativas, caso esteja convicto da categoria do seu carro novo.

1 – Peugeot 308 2.0 Allure 2014 – entre R$ 32 mil e R$ 38 mil


Peugeot 308 2.0 Allure
Divulgação/Peugeot

O Peugeot 308 é elegante, mas seu conjunto mecânico o torna muito beberrão entre os seminovos

Hatches médios são equipados, dinâmicos e estilosos. Mas se tivéssemos que escolher um modelo seminovo, não seria o Peugeot 308 Allure com motor 2.0 e câmbio automático, de quatro marchas. O modelo surge com preço competitivo, custando entre R$ 32 mil e R$ 38 mil nos classificados online. Mas o mercado de seminovos traz opções melhores.

O problema é o conjunto mecânico. Não dá para dizer que o casamento entre o motor 2.0, de 151 cv e 22 kgfm de torque com o câmbio automático de quatro marchas é feliz. O consumo também vai para o espaço, pois o hatch chega a aferir 4,6 km/l na cidade com etanol. Entre as opções do mercado, podemos sugerir o Chevrolet Cruze Sport6. Se estiver procurando um carro manual, o Ford Focus é a pedida certa.

2 – Citroën C3 Aircross 1.6 Shine 2018 – entre R$ 63 mil e R$ 65 mil


Citroën Aircross
Divulgação

O Citroën Aircross ainda tem muito a aprender com os SUVs compactos entre os veículos seminovos

Estilo, espaço interno e refinamento são atributos do Citroën C3 Aircross, minivan aventureira do Grupo PSA. Com espaço suficiente para os joelhos dos passageiros do banco traseiro e o porta-malas de 403 litros, muitas famílias podem considerar o modelo da marca francesa, ainda mais com o preço camarada pelo qual é oferecido nos classificados online (na faixa dos R$ 64 mil).

O motor 1.6, de 118 cv,  e 16,1 kgfm de torque se mostra insuficiente para locomover o corpanzil de 1.328 kg do Aircross. Ainda mais aliado ao câmbio automático, de seis marchas, que precisa se esforçar bastante para ganhar velocidade. Se você procura um carro nessas características, vale dar uma olhada na Chevrolet Spin.

3 – Renault Captur 2.0 Intense AT4 2018 – entre R$ 72 mil e R$ 75 mil


Renault Captur 1.6 CVT
Divulgação

Lançar o Renault Captur com câmbio de quatro marchas foi uma derrapada da marca francesa

A Renault instalou um câmbio automático de quatro marchas na versão mais cara do Captur . Isso fez muitos clientes preferirem o modelo 1.6 com transmissão do tipo continuamente variável, e baixou o valor do modelo Intense entre os veículos seminovos. O modelo já aparece por R$ 73 mil nos classificados online.

LEIA MAIS: Lamborghini, Rolls Royce e Ferrari. Conheça os 5 carros mais caros do Brasil

O SUV integrava motor 2.0 de 148 cv de potência e 20,9 kgfm a 4.000 rpm. Apesar de não ser dos mais espertos, cumpre sua funcionalidade urbana sem dificuldades. O porta-malas também é bom, com 437 litros de capacidade, mas sugerimos que você considere os rivais Honda HR-V e Ford EcoSport.

4 – Lifan X60 1.8 VIP 2018 – entre R$ 60 mil e R$ 66 mil


Lifan X60 CVT 2018
Divulgação

O Lifan X60 CVT é um SUV compacto que parece médio. Por outro lado, não é uma boa compra entre os seminovos

Com 4,4 metros de comprimento, o Lifan X60 acaba se destacando entre os SUVs. O compacto com cara de médio é o principal modelo no portfólio da Lifan, que também conta com o novo X80, de sete lugares. Mas ainda que o valor na casa dos R$ 64 mil seja competitivo para um SUV com apenas um ano de uso, não recomendamos sua compra.

O modelo tem motor 1.8 de apenas 128 cv de potência e 16,8 kgfm de torque, aliado ao câmbio do tipo CVT de seis marchas. Os 13 segundos que o X60 leva para atingir 100 km/h mostram que falta fôlego para mover o utilitário esportivo de 1.350 kg. Por este valor, o Renault Duster é uma compra menos refinada, porém segura.

5 – Fiat Palio Weekend 1.4 Attractive 2017 – entre R$ 32 mil e R$ 36 mil


Fiat Palio Weekend
Divulgação

A longeva Fiat Palio Weekend tem um motor 1.4 que rende como 1.0. Aposte na VW Spacefox entre os seminovos

Uma família disposta a desembolsar algo na faixa dos R$ 34 mil pode até considerar uma Fiat Palio Weekend Attractive. Levando em conta sua longevidade, o modelo tem boa oferta de reposição de peças. Mas nem este fator faria nossa redação apostar na station wagon da marca italiana.

LEIA MAIS: Veja 5 modificações de carro que são proibidas no Brasil

Apesar de trazer o 1.4 da família Fire, seus números de desempenho são de um propulsor 1.0. Ele desenvolve apenas 86 cv de potência e 12,5 kgfm de torque, com a imprecisa caixa manual, de cinco marchas. Dessa forma, seu 0 a 100 km/h acontece em eternos 13,4 segundos. Aposte na rival VW SpaceFox, ainda que seja um modelo mais antigo entre os seminovos .

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Carros e Motos

Números do setor automotivo caem quase 90% na segunda metade do mês

Publicado


source
fabrica arrow-options
Divulgação/Jaguar Land Rover

Com baixa atividade depois da segunda metade do mês, setor automotivo começa a rever seus planos para 2020

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) divulga os números de março com algumas informações alarmantes. Por conta da pandemia causada pelo novo coronavírus, as últimas semanas de março tiveram uma queda abrupta nas vendas e na produção de automóveis e comerciais leves. Se for comparado o total vendido na primeira semana de março com a última, houve declínio de 86,5%, de 10,7 mil unidades para apenas 1,4 mil.

LEIA MAIS: Fabricantes mostram como estão ajudando a combater o coronavírus

Conforme o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, o setor automotivo vinha, nas duas primeiras semanas de março, mantendo um ritimo muito bom, dentro do previsto, mas a partir do dia 18, começou uma queda acentuada por causa do fechamento das concessionárias e das fábricas. Ainda seguno o executivo, cada fabricante está analisando diariamente o andamento da crise e revendo seus cronogramas, o que vai depender das melhores condições na crise da saúde que afeta o Brasil.

Moraes também comentou que todo o setor automotivo está com 63 fábricas fechadas e mais de 123 mil colaboradores parados. E que não há como fazer previsões futuras no momento. O que se sabe até agora é que o mercado financeiro como um todo aponta para uma queda no PIB brasileiro de 2,3%, em média, para 2020.

Setor automotivo em alerta

fábrica arrow-options
Divulgação

Com fábricas paradas a partir de meados de março, produção do mês teve queda de 21% na produção durante o mês


Em março, as vendas de automóveis e comerciais leves foram de 163,3 mil unidades, o que é 21,8% menor que as 209, mil do mesmo mês de 2019 e 18,6% abaixo doas 201 mil de fevereiro último. No acumulado do primeiro trimestre, a baixa nas vendas é de 8,1%, com 558,1 mil unidades ante 607,6 mil do mesmo período do ano passado.

LEIA MAIS: Vendas de veículos despencam 19,1% no pior março em 14 anos

Luiz Carlos Moraes arrow-options
Divulgação

Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, diz que a crise está apenas no começo e ainda não há como fazer previsões para 2020

Atualmente, os estoques são de 48 dias, o que deverá ser o suficiente para suprir a demanda de abril e maio. E o nível de empregos, pelo menos por enquanto, manteve-se estável em março em relação a fevereiro, com 126 mil ante 125,7 mil, o que representa uma leve queda de 0,2%. Observando março de 2020 com um todo, a queda em relação ao mesmo mês de 2019 foi de 21% para produção, licenciamentos e exportação, coincidentemente. Na comparação com fevereiro, a retração foi de 18% nos emplacamentos e nas exportações, e de 7% na produção.

Mesmo diante dos resultados negativos, segundo Moraes,” o momento é de priorizar a saúde da população, e todas as nossas associadas estão dando sua contribuição no combate ao novo coronavírus , seja reparando respiradores, seja produzindo e doando máscaras, ou mesmo cedendo suas frotas vários para as mais diversas finalidades”, disse ele.

LEIA MAIS: Concessionárias e lojistas usam criatividade para sobreviver na crise

Ainda conforme Moraes “também é hora de uma conscientização de todas as esferas do governo, bancos e sociedade para criar mecanismos que permitam à cadeia automotiva atravessar esse período de retração com a preservação das empresas e dos empregos”, alertou.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Carros e Motos

Empresas terceirizam frotas para reduzirem custos

Publicado


source
locadoras arrow-options
Divulgação

Locadoras aumentam faturamento com terceirização de frotas e com a alta do custo de ter carro próprio hoje em dia no Brasil

Com a crise da Covid-19, enquanto o país se esforça para o conter o avanço da doença, as empresas começam a fazer planos para reduzir alguns custos, sem comprometer áreas essenciais ao negócio. 

LEIA MAIS: Locadoras registram alta de 13,4% no ano, com 49,6 milhões de diária

Uma das alternativas que devem entrar no radar dos empresários é a terceirização de frotas. Segundo a Marbor Frotas Corporativas, a terceirização de frotas pode diminuir em cerca de 15% o custo das empresas , uma vez que a locadoras contam com melhores condições para a compra e manutenção dos veículos.

“Nesta crise sem precedentes, a prioridade é salvar vidas. Porém, quando tudo isso passar, será ainda mais importante colocar em prática uma política de caixa muito bem definida. Uma das formas para reforçar o fluxo financeiro nos próximos meses poderá ser a troca de carros próprios por alugados”, aponta Renato Vaz, diretor da empresa. “Além disso, a gestão da frota terceirizada fica a cargo da locadora, reduzindo também o custo de administração dos clientes”, completa.

De acordo com a Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla), entre 80% e 90% das empresas do país ainda contam com frotas próprias. Isso demanda uma série de cuidados e gastos permanentes, com financiamentos, manutenções, documentações, impostos, seguros, etc.

LEIA MAIS: Confira 5 modelos que não recomendamos para locação

“Com uma frota terceirizada, mesmo que pequena, a empresa paga apenas o aluguel mensal, enquanto toda a gestão dos veículos é feita pela locadora. E o custo total ainda é menor do que comprar e manter carros próprios”, diz Renato Vaz. 

Para ajudar as empresas no planejamento financeiro, a Marbor disponibiliza a ferramenta “Conta em Foco”, que compara os custos totais dos carros próprios com os dos alugados. Para ter acesso, é necessário entrar em contato com a empresa.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana