conecte-se conosco


Mato Grosso

Unemat desenvolve pesquisa com fruta do Cerrado que vem conquistando consumidores

Publicado

Professores e alunos do câmpus da Unemat em Nova Xavantina estão desenvolvendo ações de pesquisa e extensão com a fruta típica do Cerrado, conhecida como pitaia. A proposta é avaliar o comportamento vegetativo e reprodutivo de diferentes espécies nas condições de clima e solo do município, além de estudos relacionados com a ocorrência de doenças e pragas e nutrição da planta.

As atividades relacionadas ao cultivo da pitaia têm despertado o interesse de produtores locais, atraídos principalmente pela alta rentabilidade da cultura, que pode ultrapassar a produtividade de 20 toneladas por hectare, com o preço do quilo do fruto podendo chegar a R$ 85 em algumas regiões de Mato Grosso.

No início do mês (07), foi ministrado minicurso intitulado “Manejo e Produção de Pitaia”, pela professora Ana Claudia Costa, pós-doutora em Agronomia/Fitotecnia pela Universidade Federal de Lavras, e pelo discente Tiago Yukio Inoue, durante a 5ª Semana Agronômica realizada na Unemat.

Cerca de 25 participantes, entre produtores e alunos, tiveram a oportunidade de conhecer um pouco sobre o manejo da cultura. Na ocasião, foi realizada a degustação de sucos de duas espécies de pitaias (vermelha de polpa branca e vermelha de polpa vermelha) feitos com frutos do pomar do câmpus. Os participantes também puderam produzir suas próprias mudas.

Para a professora Ana Cláudia Costa a pitaia é uma cultura bastante promissora para a região. “A planta adaptou-se bem às nossas condições e tem se mostrado uma excelente alternativa para diversificação de pomares atraindo produtores e consumidores do nosso município”.

O interesse pela produção de pitaias no Brasil tem aumentado significativamente devido seu alto valor de mercado e rápido retorno econômico para o produtor, já que a planta pode iniciar a produção um ano após o plantio. As pitaias são cactáceas frutíferas, que são frutos são ricos em vitaminas, fibras, minerais como cálcio, fósforo e ferro e possuem baixo valor calórico. Também tem efeito laxante e, se consumida regularmente, pode auxiliar na prevenção de alguns tipos de câncer e diminuir o colesterol do organismo.

Outras informações: (66) 3438-1224/[email protected]

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Mato Grosso

Governo distribui 361 mil kits de alimentação escolar às famílias de estudantes da rede estadual

Publicado

 

.

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) segue entregando kits de alimentação escolar aos alunos matriculados na rede estadual de ensino. Desde o mês de maio, quando começaram as entregas nas escolas, 361,3 mil kits, que contêm itens da cesta básica, frutas, leite, biscoitos, frango congelado, entre outros, são distribuídos às famílias.

Em junho ocorre a segunda etapa de distribuição dos alimentos para os estudantes que necessitam da merenda escolar nesse período em que não são ofertadas as aulas presenciais. Ao todo, são distribuídos 300 mil kits, sendo um para cada família dos estudantes, com investimentos na ordem de R$ 13,5 milhões em recursos federais e estaduais.

A distribuição dos kits é feita diretamente pelas escolas, conforme orientativo encaminhado pela Seduc. As unidades de ensino organizam o cronograma de distribuição observando os protocolos da Organização Mundial de Saúde (OMS), ou seja, respeitando as medidas de segurança epidemiológica e sem causar aglomeração de pais nas unidades.

O pagamento dos kits com os alimentos é feito com os recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), conforme Artigo 2º da Resolução nº 02 de 2020 do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Pelo menos 30% do recurso é destinado para a aquisição de produtos da agricultura familiar.

Na Escola Estadual Alcebíades Calhao, localizada no bairro Quilombo, foram entregues 205 kits nesta segunda etapa. A escola se organizou, fazendo o agendamento com os pais para evitar aglomeração, e a entrega foi realizada em dois dias.

O diretor da escola, Thiago Baldrigh, explica que a comunicação para avisar aos pais sobre a entrega dos kits foi feita via whatsapp. “Aqui na escola nós temos 21 grupos de whatsapp, que foram divididos por turmas e todos os pais estão adicionados nesses grupos. Dos 600 alunos que atendemos, 205 famílias se manifestaram solicitando a cesta com os alimentos”.

Para o diretor, possibilitar a entrega dos kits às famílias dos alunos foi muito importante e gratificante. “Os sorrisos e os agradecimentos que recebemos mostraram que, nesta época de pandemia, contribuir é o melhor que podemos fazer”, ressaltou o diretor.

Na Escola Professora Paciana Torres de Santana, localizada no bairro Residencial Coxipó, em Cuiabá, foram entregues 520 kits. Segundo o diretor da escola, Emanuel Frank de Oliveira, um carro de som percorreu todo o bairro avisando a comunidade da entrega dos kits.

“Sem dúvida nenhuma a entrega desses kits foi a melhor coisa que o governo fez nesse momento para a comunidade escolar, pois ajudou muito. A nossa comunidade é muito carente e já estava passando necessidades”, observou o diretor.

Para os estudantes que moram na zona rural ou em comunidades indígenas, locais de difícil acesso, a Seduc está entregando os kits in loco.

A equipe da superintendência de Políticas de Diversidades Educacionais (Sude) da Seduc não mede esforços para atender todos os 12 mil alunos matriculados nas 71 escolas indígenas, que atendem todas as 43 etnias que vivem no Estado.

“Quase sempre, é preciso percorrer quilômetros de estrada de chão e de barco para chegar até as localidades onde ficam os alunos. É um esforço que vale a pena para não deixar nenhum aluno sem o kit”, destaca a superintendente da Sude, Lucia Santos.

É o caso da etnia Guató, localizada na região do Pantanal.  A Seduc leva os kits até Porto Jofre, em Poconé (a 100 quilômetros de Cuiabá), percorrendo 275 quilômetros de carro, sendo 150 quilômetros de estrada de chão, e depois mais 60 quilômetros de barco. “Um caminho percorrido por asfalto, terra e água até chegar à casa dos alunos”, completa a superintendente.

Primeira Etapa

Na primeira etapa de entrega dos kits, que foi realizada no mês de maio, o Governo do Estado entregou 55,7 mil kits de alimentação escolar a estudantes da rede pública estadual de ensino. Para tanto, foram investidos R$ 2,7 milhões, recurso estadual que foi disponibilizado exclusivamente para a aquisição dos kits.

Além do recurso estadual, também foram investidos mais R$ 537 mil de recurso do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), que já estavam disponíveis nas contas do Conselhos Deliberativos da Comunidade Escolar (CDCE), totalizando a entrega de 61.358 kits.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Governo já entregou 361 mil kits de alimentação escolar às famílias de estudantes da rede estadual

Publicado


.

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) segue entregando kits de alimentação escolar aos alunos matriculados na rede estadual de ensino. Desde o mês de maio, quando começaram as entregas nas escolas, 361,3 mil kits, que contêm itens da cesta básica, frutas, leite, biscoitos, frango congelado, entre outros, foram distribuídos às famílias.

Em junho ocorre a segunda etapa de distribuição dos alimentos para os estudantes que necessitam da merenda escolar nesse período em que não são ofertadas as aulas presenciais. Ao todo, são distribuídos 300 mil kits, sendo um para cada família dos estudantes, com investimentos na ordem de R$ 13,5 milhões em recursos federais e estaduais.

A distribuição dos kits é feita diretamente pelas escolas, conforme orientativo encaminhado pela Seduc. As unidades de ensino organizam o cronograma de distribuição observando os protocolos da Organização Mundial de Saúde (OMS), ou seja, respeitando as medidas de segurança epidemiológica e sem causar aglomeração de pais nas unidades. 

O pagamento dos kits com os alimentos é feito com os recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), conforme Artigo 2º da Resolução nº 02 de 2020 do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Pelo menos 30% do recurso é destinado para a aquisição de produtos da agricultura familiar.

Na Escola Estadual Alcebíades Calhao, localizada no bairro Quilombo, foram entregues 205 kits nesta segunda etapa. A escola se organizou, fazendo o agendamento com os pais para evitar aglomeração, e a entrega foi realizada em dois dias.

O diretor da escola, Thiago Baldrigh, explica que a comunicação para avisar aos pais sobre a entrega dos kits foi feita via whatsapp. “Aqui na escola nós temos 21 grupos de whatsapp, que foram divididos por turmas e todos os pais estão adicionados nesses grupos. Dos 600 alunos que atendemos, 205 famílias se manifestaram solicitando a cesta com os alimentos”.

Para o diretor, possibilitar a entrega dos kits às famílias dos alunos foi muito importante e gratificante. “Os sorrisos e os agradecimentos que recebemos mostraram que, nesta época de pandemia, contribuir é o melhor que podemos fazer”, ressaltou o diretor.

Na Escola Professora Paciana Torres de Santana, localizada no bairro Residencial Coxipó, em Cuiabá, foram entregues 520 kits. Segundo o diretor da escola, Emanuel Frank de Oliveira, um carro de som percorreu todo o bairro avisando a comunidade da entrega dos kits.

“Sem dúvida nenhuma a entrega desses kits foi a melhor coisa que o governo fez nesse momento para a comunidade escolar, pois ajudou muito. A nossa comunidade é muito carente e já estava passando necessidades”, observou o diretor.

Para os estudantes que moram na zona rural ou em comunidades indígenas, locais de difícil acesso, a Seduc está entregando os kits in loco.

A equipe da superintendência de Políticas de Diversidades Educacionais (Sude) da Seduc não mede esforços para atender todos os 12 mil alunos matriculados nas 71 escolas indígenas, que atendem todas as 43 etnias que vivem no Estado.

“Quase sempre, é preciso percorrer quilômetros de estrada de chão e de barco para chegar até as localidades onde ficam os alunos. É um esforço que vale a pena para não deixar nenhum aluno sem o kit”, destaca a superintendente da Sude, Lucia Santos.

É o caso da etnia Guató, localizada na região do Pantanal.  A Seduc leva os kits até Porto Jofre, em Poconé (a 100 quilômetros de Cuiabá), percorrendo 275 quilômetros de carro, sendo 150 quilômetros de estrada de chão, e depois mais 60 quilômetros de barco. “Um caminho percorrido por asfalto, terra e água até chegar à casa dos alunos”, completa a superintendente.

Primeira Etapa

Na primeira etapa de entrega dos kits, que foi realizada no mês de maio, o Governo do Estado entregou 55,7 mil kits de alimentação escolar a estudantes da rede pública estadual de ensino. Para tanto, foram investidos R$ 2,7 milhões, recurso estadual que foi disponibilizado exclusivamente para a aquisição dos kits.

Além do recurso estadual, também foram investidos mais R$ 537 mil de recurso do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), que já estavam disponíveis nas contas do Conselhos Deliberativos da Comunidade Escolar (CDCE), totalizando a entrega de 61.358 kits.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana