conecte-se conosco


Política MT

Ulysses Moraes já havia pedido transparência com os gastos da Covid-19 a todos os municípios de Mato Grosso

Publicado


Deputado Ulysses Moraes fez requerimento aos municípios pedindo transparência

Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

No mês de agosto, o deputado Ulysses Moraes fez requerimento aos 141 municípios de Mato Grosso pedindo transparência com os gastos da Covid-19. E, neste final de semana, o Ministério Público Federal (MPF) abriu uma investigação em 26 cidades do estado para acompanhar como estão sendo aplicados os recursos federais destinados a esses municípios.

“A população precisa de mais transparência. Foram destinados milhões em recursos federais aos municípios e precisamos fiscalizar. Nos requerimentos, fiz o pedido de todos os contratos firmados com os recursos transferidos pelo governo para aquisição de bens, serviços, insumos de saúde, entre outros destinados ao enfrentamento dessa pandemia e, além disso, um portal transparência, mas até o momento pouquíssimos gestores responderam”, disse Moraes.

Vale ainda destacar a vigência da dispensa de licitação. A flexibilização das regras licitatórias neste período de pandemia é válida para aquisição de bens, serviços, inclusive de engenharia, e insumos destinados ao enfrentamento da emergência de saúde pública. E, por isso, o MPF destacou que tais mecanismos precisam de maior acesso à informação.

“Não podemos deixar que gestores façam a festa com dinheiro público. O último boletim da Secretaria do Governo Federal, publicado no dia 16 de setembro, mostra que, até o momento, já houve um repasse de 3,123 bilhões para o estado e municípios de Mato Grosso e que boa parte desse recurso foi destinado para combate do coronavírus. Por isso, precisamos ter os detalhes de como esse dinheiro foi aplicado. Estamos de olho e cobrando todos os gestores”, enfatizou o parlamentar.

De 141 municípios, apenas 30 responderam ao requerimento do deputado. Dessas respostas, poucas enviaram os documentos detalhados. Já de acordo com o MPF, estão sendo investigados os municípios de Poconé, Nortelândia, Nova Marilândia, Nova Mutum, Santa Rita do Trivelato, São José do Rio Claro, Tapurah, Várzea Grande, Alto Paraguai, Campo Novo do Parecis, Diamantino, Brasnorte, Castanheira, Cotriguaçu, Juína e Novo Horizonte do Norte. 

A relação de cidades publicadas no Diário Oficial do Ministério Público Federal ainda traz: Acorizal, Barão de Melgaço, Campo Verde, Campos de Júlio, Gaúcha do Norte, Jangada, Nova Ubiratã, Planalto da Serra, Santo Antônio de Leverger e Rondolândia. 

“O MPF está fazendo um trabalho fundamental. Eles também pedem que as cidades mostrem as despesas decorrentes das ações de saúde em um Portal da Transparência. É muito dinheiro em repasse aos municípios de Mato Grosso. Todas as cidades receberam recursos, por isso precisamos ficar de olho em cada centavo”, finalizou Moraes.

Fonte: ALMT

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política MT

“Em MT, sai Arcanjo e entram os financistas do agro”, dispara Euclides Ribeiro

Publicado

Candidato ao Senado pelo Avante criticou os “barões do agro” que tomam as terras dos produtores para financiar políticos

“Não quero tomar cerveja ou vinho com governador, quero tomar café no gabinete do Mauro Mendes. Quero uma relação institucional com ele, não essa relação pessoal e íntima que ele tem com outros políticos. Quero trabalhar pelo Estado, e não trabalhar para grupos políticos”, disparou o candidato ao Senado, Euclides Ribeiro (Avante) durante entrevista ao programa Passando a Limpo, do jornalista, Agnelo Corbelino, de Rondonópolis.

Euclides afirmou que a troca de poder entre os mesmos grupos políticos que se revezam mandato após mandato em Mato Grosso prejudica o Estado e principalmente municípios com grande potencial de crescimento, como aconteceu em Rondonópolis.

“Vários grupos políticos prometeram trazer progresso para Rondonópolis, com a vinda de indústrias e empresas e o sonho de geração de emprego e renda para a população. Mas na verdade eles levaram progresso para o bolso deles”, apontou Euclides.

“Em Mato Grosso saiu Arcanjo e entraram os financistas da agricultura, que praticam agiotagem com produtores, cobram juros abusivos e pedem a terra como garantia. Aqui os grupos que governam o Estado são bancados pela velha política para defender o interesse de um seleto grupo”, criticou Euclides.

Candidato ao primeiro mandato, Euclides defende a proteção e o incentivo tanto dos produtores rurais, como do trabalhador chefe de família. Para isso, o carro chefe de sua campanha é o Programa “Nome Limpo”, uma proposta de Lei que prevê a renegociação de dívidas de pessoas físicas.

“Quero trabalhar para tornar Lei o Programa Nome Limpo. No Brasil mais de 70 milhões de pessoas são escravas do sistema financeiro e não conseguem voltar para o mercado consumidor por causa de suas dívidas. Em Mato Grosso esse número chega a 1 milhão. Precisamos acabar com estes juros extorsivos que tortura a população e corrói a suada renda do dia a dia”, finalizou.

O candidato do Avante ainda criticou a atuação de seu adversário, o senador “tampão” Carlos Fávaro, que no primeiro mês de Senado foi ao Governo pedir subsídios para o setor do algodão. “São R$6 bilhões de subsídios para setor de algodão, isso está errado. Quem vai pagar essa conta? Mais uma vez o mato-grossense. Isso é o que a velha política faz e vem fazendo em Mato Grosso, defendendo interesses de poucos grupos e excluindo a população”, disparou.

 

 

Continue lendo

Política MT

Mauro Zaque diz estar pronto para o TJ, mas lembra que vaga ainda não foi aberta

Publicado

De acordo com o promotor, ainda é cedo para se discutir sobre o assunto prematuro

O promotor Mauro Zaque, do Ministério Público Estadual (MPE), disse em entrevista com jornalistas nesta segunda-feira (19), que por conta das delações premiadas, de outubro do ano passado até agora, já foram investidos cerca de R$ 40 milhões na segurança pública. “Tudo executado”, garantiu.

Mauro Zaque também falou das nove novas vagas para desembargadores no Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, sendo duas dedicadas ao quinto constitucional, uma para membros do Ministério Público do Estado e outra para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O promotor do MPE disse que está preparado para o desafio. “Lógico, mas também tenho colegas de grande valor e competência e estão preparados também. Mas temos que ter a vaga, não há o que se falar em eventual disputa se não houve a vaga”, disse.

“Primeiro tem que abrir a vaga. Enquanto essa vaga não for aberta, tudo que se fala é especulação. A gente não tem parâmetro para avaliar quando, mas torço para que isso aconteça logo”, declarou.

No Ministério Público, há pelo menos seis membros do órgão – entre promotores e uma procuradora – que estão interessados na cadeira de desembargador.  Além de Mauro Zaque, no primeiro grupo estão os promotores de Justiça Arnaldo Justino, Adriano Augusto Streicher, Wesley Sanches Lacerda, Lindinalva Rodrigues e Márcia Furlan. No segundo, a procuradora é Eunice Helena Rodrigues.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana