conecte-se conosco


Internacional

Ucraniano mantido refém pela Rússia diz ter limpado salas de tortura

Publicado

Ucraniano mantido refém pela Rússia diz ter limpado salas de tortura
Reprodução 20/07/2022

Ucraniano mantido refém pela Rússia diz ter limpado salas de tortura

Um adolescente ucraniano de 16 anos descreveu como foi mantido refém por soldados russos, por 90 dias, enquanto ouvia outros prisioneiros sendo torturados em uma cela próxima.

Vladislav Buryak, que foi separado de sua família em 8 de abril, em um posto de controle, enquanto tentava fugir da cidade de Melitopol, foi libertado após uma negociação de meses entre seu pai, Oleg – um oficial ucraniano local – e soldados russos, que queriam trocar Vladislav por um indivíduo de interesse para os militares russos.

Em uma entrevista, o rapaz descreveu em detalhes, para o jornal The Guardian, o período em que esteve em cativeiro e confirmou relatos de forças separatistas russas e pró-russas maltratando detentos.

“Nós saímos de Melitopol para Zaporizhzhia às 9h da manhã”, disse ele, sentado ao lado do pai. “Por volta das 11 horas fomos parados no posto de controle, onde soldados russos começaram a checar documentos”.

Segundo o rapaz, um vídeo em seu celular, exibindo soldados russos dizendo que não queriam lutar na guerra, irritou os oficiais, que decidiram levá-lo a uma triagem.

Vladislav afirma ter ficado preso em uma cela em Vasylivka, onde foi mantido por mais de 40 dias, antes de ser transferido para um hotel em seu último mês de cativeiro.

“Eles me fizeram lavar o chão da sala que usavam para interrogatórios, limpar os quartos dos oficiais e jogar o lixo fora. A cela onde me mantinham ficava a poucos metros de onde faziam os interrogatórios”, contou o rapaz, lembrando que os russos insistiam em perguntar aos presos sobre armas.

“As pessoas estavam sendo espancadas e torturadas com choques elétricos. Se alguém não dissesse nada, a tortura continuaria, às vezes por várias horas” disse.

O adolescente acabou sendo libertado, segundo a reportagem do The Guardian, após longa negociação do pai dele com os russos, que exigiam trocá-lo por um refém das forças ucranianas.

Crimes de guerra

Um relatório da Organização para Segurança e Cooperação na Europa aponta evidências de crimes contra a humanidade cometidos por forças russas durante a invasão à Ucrânia.

O documento, divulgado pelo The Guardian, acrescenta: “Algumas das violações mais graves incluem assassinatos seletivos de civis, incluindo jornalistas, defensores de direitos humanos ou prefeitos locais; detenções ilegais, sequestros e desaparecimentos forçados dessas pessoas; deportações em grande escala de civis ucranianos para a Rússia; várias formas de maus-tratos, incluindo tortura, infligidas a civis detidos e prisioneiros de guerra; o desrespeito das garantias de julgamento justo; e a imposição da pena de morte”.

Câmaras de tortura também foram encontradas em um acampamento nos arredores de Kiev, incluindo uma sala com buracos de bala nas paredes, fazendo supor ser um local de execuções.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Internacional

Com melhora, Salman Rushdie é retirado de respirador

Publicado

Salman Rushdie, o aclamado autor que foi hospitalizado na sexta-feira (15) com ferimentos graves após ser esfaqueado repetidamente em uma aparição pública no Estado norte-americano de Nova York, foi retirado do respirador e sua condição está melhorando, disse seu agente neste domingo.

“Ele está fora do respirador, então o caminho para a recuperação começou”, escreveu seu agente, Andrew Wylie, em um e-mail à Reuters. “Será longo; os ferimentos são graves, mas sua condição está indo na direção certa.”

Rushdie, de 75 anos, estava prestes a dar uma palestra sobre liberdade artística na Chautauqua Institution, no oeste de Nova York, quando um homem de 24 anos invadiu o palco e esfaqueou o escritor indiano, segundo a polícia. Há promessas de recompensa pela cabeça de Rushdie desde que seu romance de 1988 Os versos satânicos levou o Irã a incentivar que os muçulmanos o matassem.

O suspeito do ataque, Hadi Matar, de Fairview, Nova Jersey, se declarou inocente das acusações de tentativa de assassinato e agressão em uma audiência a tribunal no sábado, disse à Reuters seu advogado nomeado pelo tribunal, Nathaniel Barone.

Após horas de cirurgia, Rushdie foi colocado em um respirador e não conseguia falar na noite de sexta-feira, disse Wylie em uma atualização anterior sobre a condição do escritor, acrescentando que ele provavelmente perderia um olho e tinha danos nos nervos, no braço e feridas no fígado.

Wylie não forneceu mais detalhes sobre a saúde de Rushdie em seu e-mail deste domingo.

Apoio

O esfaqueamento foi condenado por escritores e políticos de todo o mundo como um atentado à liberdade de expressão. Em uma declaração no sábado, o presidente dos EUA, Joe Biden, elogiou os “ideais universais” de verdade, coragem e resiliência incorporados por Rushdie e seu trabalho.

“Estes são os blocos de construção de qualquer sociedade livre e aberta”, disse Biden.

Nem as autoridades locais nem federais ofereceram detalhes adicionais sobre a investigação no sábado. A polícia disse na sexta-feira que não havia estabelecido um motivo para o ataque.

Uma análise inicial das redes sociais de Matar mostrou que ele era simpático ao extremismo xiita e ao Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica, conhecido popularmente como Guarda Revolucionária Iraniana, embora nenhum vínculo definitivo tenha sido encontrado, segundo a NBC de Nova York

Fonte: EBC Internacional

Continue lendo

Internacional

Equador: 5 pessoas morrem em explosão atribuída ao crime organizado

Publicado

Região onde explosão ocorreu é conhecida com o
Reprodução/Twitter @ACTVNoticiasEc1 14.08.2022

Região onde explosão ocorreu é conhecida com o “Cristo de Consuelo”

Cinco pessoas morreram e outras 16 ficaram feridas neste domingo por causa de uma explosão em Guayaquil. O governo do Equador atribuiu o ocorrido ao crime organizado, informaram autoridades e entidades de socorro.

“Mercenários do crime organizado, que narcotizaram a economia durante muito tempo, agora atacam com explosivos. Não é um problema da polícia do Equador. É uma declaração de guerra ao Estado” escreveu no Twitter o ministro do Interior, Patricio Carrillo, ao compartilhar a notícia.

O incidente, cujas causas ainda não foram detalhadas pela polícia, também provocou destruição em oito imóveis e dois carros, segundo o Serviço Nacional de Gestão de Riscos (SNGR). Foi uma “explosão de grandes proporções”, indicou a polícia no Twitter.

O Equador está situado entre Colômbia e Peru, os maiores produtores de cocaína do mundo, e enfrenta uma onda de criminalidade vinculada ao tráfico de drogas, que deixa um cenário de terror com corpos decapitados e pendurados em pontes, ao estilo dos cartéis mexicanos. Os enfrentamentos se estendem às prisões, nas quais, desde fevereiro de 2021, ocorreram sete rebeliões que resultaram na morte de cerca de 400 detentos.

“Ou nos unimos para enfrentá-lo (o crime organizado), ou o preço será ainda mais alto para a sociedade”, advertiu Carrillo em sua mensagem. No ano passado, o Equador, que conta com uma população de 18 milhões de pessoas, registrou uma taxa de 14 assassinatos por cada cem mil habitantes, quase o dobro do registrado em 2020.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana