conecte-se conosco


Política MT

TSE julga recurso de Selma Arruda contra cassação nesta terça-feira; sessão será transmitida pelo Portal Odoc

Publicado

Senadora foi cassada pelo TRE por caixa 2 e abuso de poder econômico

Está marcado para esta terça-feira (3), o julgamento da senadora Selma Arruda (Podemos) por suspeita de caixa dois, abuso de poder econômico nas eleições de 2018. O julgamento da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE), foi marcado pelo ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Og Fernandes. O PORTAL ODOC fará a transmissão ao vivo, em um box de vídeo especial na capa a partir das 18h (horário de MT),  do julgamento.

Selma e seus suplentes Gilberto Possamai e Clérie Fabiana Mendes foram cassados, em abril deste ano, pelo Tribunal Regional Eleitoal (TRE), por 7 votos a 0.

Em seu voto para aprovar a cassação da senadora, o desembargador Pedro Sakamoto, disse que está configurado o abuso de poder econômico e Caixa 2, devido ao uso de recursos não contabilizados.

“No total, R$ 1.232.256,00 foi omitido. O total de gastos omitidos corresponde a 72,29% das despesas efetivamente declaradas pelos representados à justiça eleitoral. Ou seja, os representados ‘queimaram a largada’ na disputa por uma vaga ao Senado da República”, explicou.

Leia Também:  Estado paga até R$ 5,5 mil em salários de outubro neste sábado

A defesa da senadora pediu a inclusão de dois documentos nos autos que, segundo argumento, poderiam comprovar que não houve qualquer verba ilícita durante a campanha: um extrato bancário demonstrando empréstimo pessoal de Possamai, no valor de R$ 188 mil; e a declaração do imposto de renda da senadora, feito este ano, em que foi incluso o valor recebido por Possamai, mais uma vez, comprovando tratar-se de empréstimo pessoal, sem vistas à campanha.

O pleno do Tribunal acatou parcialmente os documentos. O TRE decidiu negar a inclusão do extrato bancário, já que é de outubro de 2018 e poderia ter sido incluso anteriormente aos autos. A Declaração do Imposto de Renda foi aceita. A decisão de cassação de Selma determinou ainda novas eleições em Mato Grosso.

Acompanhe ao vivo

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

Mato Grosso assina termo de cooperação com Governo Federal para agilizar regularização fundiária

Publicado

Primeiro acordo assinado no país e totalmente construído levando em consideração o Programa “Terra a Limpo”, desenvolvido no Estado

O governador Mauro Mendes assinou na manhã desta quarta-feira (11), na presença da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, um termo de cooperação com o Governo Federal para agilizar a regularização fundiária de terras da União, que será modelo para os demais Estados da Amazônia Legal.

Esse é o primeiro acordo assinado no país e foi totalmente construído levando em consideração o Programa “Terra a Limpo”, desenvolvido no Estado. Na avaliação do governador, com trabalho em conjunto, em sinergia, é possível produzir bons resultados para o cidadão mato-grossense e “esse é o nosso dever”.

“O Intermat (Instituto de Terras de Mato Grosso) cederá infraestrutura para que o Incra possa acelerar o programa de regularização nas terras de competência federal. O Intermat já está acelerando os processos de regularização fundiária nas terras estaduais e para o início de 2020, já temos a perspectiva de entregar 6.200 títulos e muitos outros nos próximos anos”, disse o governador Mauro Mendes.

Leia Também:  Servidores da Sema cobram isonomia entre Poderes e consideram ação do MP para que Estado não conceda reajuste como injusta

A assinatura aconteceu em Brasíli, e também contou com a presença do presidente do Intermat, Francisco Serafim de Barros, além do deputado federal Nelson Barbudo e do senador Wellington Fagundes.

De acordo com o governador Mauro Mendes, esse termo irá contribuir com “o cidadão que não tem o título definitivo da propriedade e que, por isso, não consegue fazer um financiamento, tem dificuldade para fazer investimentos e, diretamente, prejudica a geração de emprego e crescimento de Mato Grosso”.

Continue lendo

Política MT

Cinco nomes já se articulam em busca de apoio do agro para disputar o Senado

Publicado


O ex-senador Blairo Maggi, apesar de negar, é cotado para disputa novamente o cargo

A eleição suplementar para o Senado da República, prevista para o próximo ano, em virtude da cassação da senadora Selma Arruda (Podemos), promete uma disputa acirrada para conquistar o apoio do agronegócio. Pelo menos cinco prováveis nomes que cogitam a possibilidade de disputa buscam o apoio do setor que é a mola propulsora de Mato Grosso.

Até agora entre os nomes que buscam o apoio do agronegócio estão Antonio Galvan, presidente da Aprosoja de Mato Grosso, Adilton Sachetti (PRB), Nilson Leitão (PSDB), Carlos Fávaro (PSD) e Blairo Maggi (PP).

Dono de uma das maiores fortunas do Brasil, o ex-ministro Blairo Maggi (PP), embora tenha admitido na mídia que não vai disputar a eleição suplementar ao Senado, dá sinais de que está preparado para qualquer disputa eleitoral.

Recentemente, o ex-ministro reuniu para uma confraternização em sua chácara, lideranças como o governador Mauro Mendes (DEM), e os ex-governadores Osvaldo Sobrinho (PTB), Júlio Campos (DEM) e Moisés Feltrin.

Leia Também:  Ponte sobre rio Teles Pires recebe nome de ex-prefeito de Nova Canaã do Norte

O deputado estadual Paulo Araújo (PP), defende o nome do ex-ministro para a disputa suplementar ao Senado. Segundo ele, “é uma honra não só para o partido, mas para o Estado, ter o ex-senador e ex-governador Blairo Maggi na disputa”. Para Araújo, “Maggi é a maior referência política que o Estado tem”.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana