conecte-se conosco


Política Nacional

Técnicos fazem críticas à privatização de elétricas em audiência pública

Publicado

A audiência pública da comissão mista que examina a Medida Provisória 879/2019, realizada nesta terça-feira (9), foi marcada por críticas ao processo de privatização no setor elétrico e aos prejuízos acumulados pelas empresas envolvidas. A MP em discussão autoriza a União a pagar até R$ 3,5 bilhões à Eletrobras como reembolso de gastos com combustível para a geração de energia termelétrica nos estados do Norte do país.

Para Jonas Eduardo Coletto Trachynski, diretor técnico da Companhia Energética de Roraima (CERR), os valores estabelecidos pela MP são importantes para atender às dívidas de gestões anteriores da empresa. Ele frisou que o período de gestão compartilhada da Eletrobras com a CERR resultou em prejuízo e obras incompletas, o que levou a empresa a perder a concessão do serviço; em seguida, a CERR foi vendida por valor simbólico à Roraima Energia.

— O principal patrimônio, que é o humano, está hoje trabalhando numa empresa que não tem atividade-fim e não tem faturamento desde 1º de janeiro de 2017 — lamentou.

Diretor-presidente da Amazonas Energia, Tarcísio Estefano Rosa lembrou que a empresa distribuidora também trabalha com geração, de modo que “a conta não fecha”. Ele alertou para a ineficiência acumulada ao longo do tempo, mas espera resultados positivos das 87 usinas, principalmente de produtores independentes, que atualmente estão em construção no estado.

Leia Também:  Descentralização e destinação de crédito do FCO são tema de debate na CDR

— Passa a ser então a atividade da distribuidora distribuir essa energia — resumiu.

Segundo Estefano Rosa, o transporte de gás natural agravou o deficit nas contas da Amazonas Energia, pois a Aneel obrigou a empresa a pagar o gasoduto inteiro, mesmo usando a instalação abaixo da capacidade.

Representante do Coletivo Nacional dos Eletricitários, Fabíola Latino Antezana manifestou a posição da entidade contra as privatizações no setor elétrico, argumentando que a venda das empresas causa prejuízo à toda a população através dos aumentos de tarifas, da flexibilização dos índices de qualidade e da demissão de trabalhadores. Ela considera que um “jogo de interesses” envolve a aprovação da MP.

— Os trabalhadores construíram essas empresas, conhecem essas linhas e não foi dada nenhuma salvaguarda a seus direitos. Pelo contrário: tão logo são privatizadas, começam os processos de demissão — protestou, ao cobrar medidas para mitigar o impacto social das privatizações.

O deputado José Nelto (Podemos-GO), relator-revisor da comissão, usou palavras duras contra os resultados da privatização da Companhia Energética de Goiás (Celg), e criticou o não-comparecimento dos executivos da empresa à audiência pública.

— É preciso reiterar o convite, pois essa medida provisória é um cheque em branco à Eletrobras.

Leia Também:  Nós estamos levando este país para um estado de miséria absoluta, diz Paim

Para Nelto, a Celg foi subavaliada na privatização, e a dívida de R$ 5,7 bilhões da companhia à Caixa Econômica Federal está “acabando” com as finanças do estado.

Por sua vez, o senador Eduardo Braga (MDB-AM), esclareceu questionamentos sobre sua posição como relator da medida provisória: ele disse que não era mais ministro de Minas e Energia quando foram feitas as privatizações do setor elétrico e declarou que sempre foi contra a venda das empresas.

— Continuo sendo contra a modelagem como privatizaram a Amazonas Energia e a Roraima Energia. O tempo está sendo generoso para aqueles que foram contra: as empresas não estavam maduras para serem privatizadas — definiu.

O deputado Edio Lopes (PL-RR), presidente da comissão mista, reiterou os convites ao ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque; ao diretor-geral da Aneel, André Pepitone, e aos presidentes da CERR, Francisco Fernandes de Oliveira; e da Amazonas Energia, Radyr Gomes de Oliveira, para nova audiência pública a ser realizada em 6 de agosto. Ele comentou a situação da CERR e salientou que o estado aportou volumes extraordinários de seu caixa para manter a empresa.

— No final, há uma entrega a uma empresa privada, e o estado ainda é chamado a pagar R$ 300 a 400 milhões. É uma conta injusta.

Fonte: Agência Senado
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política Nacional

Histórico da empresa pode influenciar pena por crime ambiental

Publicado

source

Agência Brasil

crime ambiental arrow-options
José Cruz/Agência Brasil

Testo foi aprovado no Senado nesta quarta-feira (16).

Em decisão terminativa, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou hoje (16) o projeto de lei (PL) 553/2019, no qual os antecedentes de uma empresa poderão ser determinantes em um julgamento de crimes ambientais.

Leia mais: Doria processa Kajuru por ser chamado de “picareta” e “mentiroso”

O texto seguirá para a Câmara dos Deputados, desde que não seja apresentado recurso para votação no plenário da Casa.

A proposta acrescenta à Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605 de 1998) considerações sobre os antecedentes da empresa autuada por delitos na área.

Leia também: Relator retira indiciamento de Lula e Dilma na CPI do BNDES

“Defendo que a lei considere se a empresa tinha boas práticas de gestão ambiental, se observava os procedimentos legais, se realizava auditorias periódicas e se punia os seus funcionários envolvidos em infrações ambientais. Isso é fundamental para o juiz graduar sua decisão”, disse o autor da proposta, senador Styvenson Valentim (Podemos-RN).

Leia Também:  Comissão de Trabalho debate Lei da Gorjeta

Fonte: IG Política
Continue lendo

Política Nacional

Deputada do PSL “confessa” candidaturas laranjas ao tentar acusar adversários

Publicado

source
Deputada do PSL%2C Soraya Manato arrow-options
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Deputada do PSL, Soraya Manato (ES) “confessou” que houve candidaturas laranjas no partido ao tentar acusar adversários

A deputada Soraya Manato (PSL-ES) foi ao microfone na Câmara na noite desta terça-feira (15) para tentar atacar adversários e afirmou que todos os partidos utilizaram a prática de ” candidaturas laranjas ” nas eleições de 2018, mas acabou por admitir que a legenda da qual faz parte utilizou o expediente. A declaração foi feita no mesmo dia em que o  presidente da legenda, Luciano Bivar, foi alvo de uma operação da Polícia Federal que investiga a prática em Pernambuco.

Ela começou sua fala lendo um estudo feito pelas professoras Malu Gatto, da University College London, e Kristin Wyllie, da James Madison University, e divulgado pela BBC Brasil , que apontava a possibilidade de a irregularidade ter sido realizada por vários partidos. Segundo o estudo, no PSL a suspeita é que 15,9% das candidatas mulheres serem, na verdade, laranjas.

Leia também: “É para atingir a família Bolsonaro”, diz deputado do PSL acusado de rachadinha

Leia Também:  Comissão de Trabalho debate Lei da Gorjeta

O percentual seria de 11% no PT, 10,5% no PP, 15,6% no PSDB e as suspeitas se aplicariam a quase todos os partidos. Soraya Manato usou esses dados para dizer que seu partido não poderia ser atacado e acabou por confirmar a prática.

“Pessoal da esquerda, não tem ninguém santo aqui dentro não, tá? Tem laranja em tudo que é partido. Aqui no PSL tiveram os candidatos laranja, mas a grande maioria foi eleita honestamente”, disse a parlamentar.

Leia também: Bolsonaro diz que não quer ‘tomar’ PSL e que apenas defende transparência

A “confissão” de Soraya Manato ganhou as redes sociais. Até agora, o PSL tem negado as acusações. Segundo as investigações, mulheres eram inscritas como candidatas, recebiam recursos do fundo eleitoral, mas o montante era gasto em campanhas de candidatos homens. A prática teria sido usada porque na eleição passada vigorou uma obrigatoriedade de destinar 30% dos recursos para mulheres.

Fonte: IG Política
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana