conecte-se conosco


Economia

Taxa de desemprego cresce em 14 estados no primeiro trimestre do ano

Publicado

A taxa de desemprego cresceu em 14 das 27 unidades da Federação no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o último trimestre do ano passado, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Contínua (PNAD-C), divulgada hoje (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nas outras 13 unidades, a taxa manteve-se estável.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2018, no entanto, apenas quatro unidades da Federação tiveram aumento da taxa de desemprego.

Na passagem do último trimestre de 2018 para o primeiro trimestre deste ano, as maiores altas da taxa de desemprego foram observadas no Acre (de 13,1% para 18%), Goiás (de 8,2% para 10,7%) e Mato Grosso do Sul (de 7% para 9,5%).

Na comparação com o primeiro trimestre de 2018, os estados que registraram alta na taxa foram Roraima (de 10,3% para 15%), Acre (de 14,4% para 18%), Amazonas (de 13,9% para 14,9%) e Santa Catarina (de 6,5% para 7,2%).

Leia Também:  Maioria da comissão especial se diz a favor de mudanças no texto da Previdência

Já os estados que tiveram queda na taxa, nesse tipo de comparação, foram Pernambuco (de 17,7% para 16,1%), Minas Gerais (de 12,6% para 11,2%) e Ceará (de 12,8% para 11,4%).

Subutilização

A taxa de subutilização (os que estão desempregados, que trabalham menos do que poderiam e que estavam disponíveis para trabalhar mas não conseguiram procurar emprego) do primeiro trimestre foi a maior dos últimos da série histórica (iniciada em 2012) em 13 das 27 unidades da Federação.

As maiores taxas foram observadas no Piauí (41,6%), Maranhão (41,1%), Acre (35%), na Paraíba (34,3%), no Ceará (31,9%) e Amazonas (29,2%). A taxa média de subutilização no país foi de 25%, também a maior da série histórica.

Os maiores contingentes de desalentados (aqueles que desistiram de procurar emprego) no primeiro trimestre deste ano foram registrados na Bahia (768 mil pessoas) e no Maranhão (561 mil). Os menores foram observados em Roraima (8 mil) e no Amapá (15 mil).

Os maiores percentuais de trabalhadores com carteira assinada estavam em Santa Catarina (88,1%), no Rio Grande do Sul (83,2%) e Rio de Janeiro (81,8%) e os menores, no Maranhão (50,3%), Piauí (52,5%) e Pará (53,0%).

Leia Também:  Previsão de crescimento do PIB cai pela 15ª vez seguida e fica em 1%

As maiores proporções de trabalhadores sem carteira foram observadas no Maranhão (49,5%), Piauí (47,8%) e Pará (46,4%), e as menores, em Santa Catarina (13,2%), no Rio Grande do Sul (18,0%) e Rio de Janeiro (18,4%).

Em relação ao tempo de procura de emprego no Brasil, 45,4% dos desocupados estavam de um mês a menos de um ano em busca de trabalho; 24,8%, há dois anos ou mais, 15,7%, há menos de um mês e 14,1% de um ano a menos de dois anos.

 

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Em busca de trabalho? Saiba quais cidades mais geraram vagas de emprego em 2019

Publicado

source
Gerar emprego arrow-options
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Ao todo, Brasil gerou mais de 461 mil vagas de emprego neste ano, de acordo com o Caged

São Paulo fechou os sete primeiros meses de 2019 com um saldo de 50.251 novos empregos com carteira assinada, e é o município que mais ofereceu oportunidade de trabalho neste ano. As informações são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgadas na sexta-feira (23).

Só em julho o saldo da capital paulista foi de 20.204 vagas geradas na capital paulista, ou seja, o resultado do total de admissões menos o total de desligamentos. 

Atrás de São Paulo, vem Curitiba, no Paraná, com 15.632 empregos novos de janeiro a julho; em terceiro lugar está Brasília, Distrito Federal, que abriu 14.884 vagas. 

Além das capitais, Joinville (SC), Dourados (MS) e Santa Cruz do Sul (RS) tiveram destaque entre as cidades que mais ofereceu postos de trabalho neste ano. Veja abaixo a tabela com os 20 municípios do Brasil que mais colaboraram com o crescimento da economia gerando empregos.

Leia Também:  Maioria da comissão especial se diz a favor de mudanças no texto da Previdência


Desligamentos

Entre as cidades que ficaram com o saldo negativo, o Rio de Janeiro foi a que mais sofreu. A capital carioca fica isolada na ponta da tabela: foram 16.733 postos de trabalho fechados de janeiro até julho.

Fortaleza, no Ceará, também perdeu oportunidades de emprego (4.806), seguido de Rio Formoso, em Pernambuco (4.040). Confira a tabela abaixo.


Emprego formal cresce no Brasil

Em linhas gerais, o emprego formal no Brasil cresceu pelo quarto mês consecutivo. Foram 43.820 vagas de trabalho com carteira assinada abertas só em julho, um crescimento de 0,11% em relação ao estoque de junho

“Consideramos que o mercado de trabalho tem apresentado sinais de recuperação gradual, em consonância com o desempenho da economia. O governo vem adotando medidas de impacto estrutural e esperamos reflexos positivos no mercado de trabalho, na medida do aprofundamento das reformas”, afirmou o secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo.

Leia Também:  Confiança empresarial tem primeira alta desde janeiro, diz FGV

Também houve aumento no emprego se considerados os resultados dos sete primeiros meses deste ano. De janeiro a julho foram abertas 461.411 vagas formais, variação de 1,20% sobre o estoque. Em 2018, no mesmo período, as novas vagas tinham somado 448.263. 

Leia também: Brasil cria 408 mil vagas de emprego no 1º semestre, melhor resultado em 5 anos

Nos últimos 12 meses, o saldo ficou positivo em 521.542 empregos, variação positiva de 1,36%. Assim como no acumulado do ano, os últimos 12 meses tiveram crescimento maior do que no período anterior. Em 2018, o saldo tinha ficado positivo em 286.121 vagas.

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Economia

Pequenos negócios criaram 95% das vagas em julho, diz Sebrae

Publicado

As micro e pequenas empresas criaram 41,5 mil empregos com carteira assinada no mês de julho. Os dados foram compilados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Segundo o levantamento, os pequenos negócios foram responsáveis por 95% dos empregos gerados em todo o país.

Com os números das grandes empresas e da administração pública, foram criados 43,8 mil empregos formais. De janeiro a julho deste ano, as micro e pequenas empresas abriram 437,6 mil vagas, 2,4% acima do registrado no mesmo período do ano passado.

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, disse que esses empreendedores são a alavanca para a economia e vitais para a geração de emprego e renda no país. Segundo Melles, é mais um motivo para que o país invista em melhoria do ambiente de negócios do setor, diminuição da burocracia e incentivo à competitividade.

Os pequenos negócios do setor de serviços foram os que mais criaram vagas (20 mil). Os destaques foram o ramo imobiliário, com 15,2 mil empregos, e o setor da construção civil, com 14 mil postos.

Leia Também:  Arrecadação chega a R$ 137,7 bi em julho, melhor resultado desde 2011

São Paulo liderou a geração de empregos em julho, com mais 12,8 mil vagas, seguido por Minas Gerais, com 7,5 mil. A Região Sudeste teve o maior volume de novos postos (20 mil), seguido pelo Centro-Oeste, com 6,7 mil vagas.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana