conecte-se conosco


Carros e Motos

Suzuki Burgman elétrico inicia testes para o seu lançamento em 2020

Publicado

source
Suzuki arrow-options
Divulgação

Suzuki Burgman EV será baseado na versão Street (foto) e terá tecnologias similares aos equivalentes da Honda e Yamaha

O Suzuki Burgman foi apresentado em uma nova versão elétrica na Índia. Como uma resposta à Honda e à Yamaha, os primeiros testes estão agendados para o início do ano que vem, quando o desenvolvimento do projeto será efetivamente concluído. Por mais que não demore para as vendas se iniciarem por lá, caso venha ao Brasil, não será antes do fim de 2020 ou até de 2021. Isso porque um dos pré-requisitos da marca para o seu lançamento é a implementação de uma rede de postos de recarga.

LEIA MAIS: Honda e Yamaha revelam novos scooteres elétricos que estarão no Salão de Tóquio

Outro ponto que justifica certa urgência para o lançamento do novo Suzuki Burgman EV é a pressão do governo indiano em reduzir emissões de poluentes, com planos de, inclusive, banir motocicletas com motores menores que 150 cc até 2025. Vale lembrar que o projeto teve parceria com a Kawasaki, Honda e Yamaha, sendo que as duas últimas já apresentaram seus scooteres elétricos .

Leia Também:  Chevrolet D20 sempre foi sinônimo de trabalho nos anos 80. Veja vídeo

LEIA MAIS: Marca de scooters Kymco revela novo modelo elétrico, que pode vir ao Brasil

Consolidação no mercado ainda levará um tempo

Suzuki arrow-options
Divulgação

Com desempenho de motos menores, a novidade precisará de infraestrutura urbana antes de seu lançamento

Segundo Satoshi Uchida, diretor da divisão de motos da Suzuki indiana: “Apesar das políticas governamentais urgentes, a maturação nas vendas da motocicleta elétrica não será imediata. Leva um tempo até que o consumidor se acostume com o conceito, algo que só é praticável com uma rede de recarga espalhada pela cidade”.

LEIA MAIS: Veja quais são os 5 scooteres novos mais baratos do Brasil

Se o modelo — que ainda não teve especificações reveladas — seguir a linha dos rivais E01, E02 e EC-05 da Yamaha, ou dos Honda Benly e e Gyro e, terá a possibilidade de, além de recarregar nas estações, trocar de bateria nesses locais também.

Quanto ao desempenho do Suzuki Burgman elétrico, será equivalente aos scooteres de cilindrada mais baixa, mas com uma autonomia que pode passar dos 100 km. Além de não emitir poluentes, os principais atributos, entretanto, seriam o da praticidade e até o de custos de manutenção mais reduzidos.

Leia Também:  Novo Toyota Corolla ganha prêmio de segurança nos EUA

Fonte: IG Carros
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Carros e Motos

Avaliação: primeiro Honda elétrico aposta na diversão ao volante

Publicado

source

Motor Show

Honda e arrow-options
Divulgação

‘Honda e’ faz referência aos kei cars dos anos 70; veja as primeiras impressões ao volante

Essa ainda não é a versão de produção do Honda E, exibida no Salão de Frankfurt, que chega ano que vem, mas a marca japonesa parece determinada a fazer seu primeiro modelo 100% elétrico virar o centro das atenções desde agora. Moderno e compacto, com 3,90 m de comprimento, o carrinho foi apresentado em versão conceitual no Salão de São Paulo do ano passado e deve ser vendido por aqui, também, ainda em 2020.

LEIA MAIS: Nissan Leaf 100% elétrico terá vida dura pela frente; veja a avaliação

O Honda e é um carro que imediatamente conquista simpatia: ele foi projetado em Tóquio, claramente inspirado na primeira geração do Civic – que nasceu como um hatch –, mas tem traços que lembram o N360, lendário K-car (carro compacto do Japão) lançado nos anos 1960 pela marca.

Construído em uma plataforma inédita, que servirá de base para outros elétricos (segmentos B e C), o Honda e tem motor e tração traseiros. A bateria de íons de lítio, com capacidade de 35,5 kWh, fica sob o assoalho, como em todos os elétricos recentes, enquanto central eletrônica e carregador estão na dianteira. Assim, o peso é dividido quase igualmente entre os eixos, garantindo ótima dinâmica – ainda mais com tração traseira. O motor tem 150 cv e 30,8 kgfm (potência e torque similares aos do Nissan Leaf).

Leia Também:  Além da moto de 250 cc, Harley-Davidson deverá ter outras de baixo custo

No interior do Hinda e, foi feito um enorme esforço para tornar o compartimento de passageiros “mais humano”. Nos revestimentos, foram usados materiais de móveis domésticos, para enfatizar uma certa continuidade com o ambiente encontrado em casa. O carro é homologado para quatro ocupantes: na frente há bastante espaço, mas atrás os pés ficam apertados devido ao assoalho mais alto que o normal (a bateria fica abaixo dele).

LEIA MAIS: Aceleramos o Chevrolet Bolt, primeiro modelo 100% elétrico da GM

O porta-malas do Honda e é definitivamente pequeno (a marca não divulgou ainda a capacidade). Para abri-lo, basta aproximar o smartphone, por meio do qual – com um aplicativo dedicado – também se pode gerenciar o carro remotamente.

Divertido de dirigir, o Honda E responde sempre com extrema vivacidade, uma característica geral dos carros elétricos. A distribuição de peso ideal o torna ágil e responsivo aos comandos, com 0-100 km/h em ótimos 8,5 segundos.

Honda e arrow-options
Divulgação

A tela central do Honda e se prolonga para o lado do passageiro, incluindo um retrovisor interno digital

Como nos Mercedes-Benz elétricos, as aletas no volante do Honda e servem para ajustar o nível de recuperação de energia nas frenagens, e um botão no túnel central aciona o modo que permite guiar usando apenas o pedal do acelerador (como no Nissan Leaf).

A capacidade da bateria, 35,5 kWh, é um pouco menor que nos rivais, e por isso mesmo permitiu que os engenheiros criassem um carro ainda mais leve e ligeiro – obviamente, às custas de uma menor autonomia. No entanto, de acordo com a Honda, ele é capaz de rodar mais de 200 quilômetros com uma recarga (de novo, como o Leaf).

Leia Também:  Chevrolet D20 sempre foi sinônimo de trabalho nos anos 80. Veja vídeo

LEIA MAIS: Jaguar I-Pace é o SUV elétrico que acelera feito um Porsche

É mais que suficiente para garantir mobilidade em ambiente urbano. Além disso, 80% da bateria é carregada em meia hora em pontos rápidos. Quanto ao preço, fala-se hoje em
€ 30 mil (R$ 125 mil em conversão direta). Então, a princípio, não será um elétrico para todos, mas um produto de elite, para lançar moda e tendências.


Ficha técnica:

Honda E

Preço básico (Europa): R$ 125.000
Carro estimado (Brasil): R$ 185.000
Motor: elétrico síncrono, traseiro
Combustível: bateria
Potência: 150 cv
Torque: mais de 30,8 kgfm
Câmbio: relação fixa
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: n/d
Tração: traseira
Dimensões: 3,90 m (c), 1,72 m (l), 1,51 m (a)
Entre-eixos: 2,53 m
Pneus: n/d
Porta-malas: n/d
Peso: 1.500 kg
0-100 km/h: 8s5
Velocidade máxima: 145 km/h
Consumo cidade: mais de 6,5 km/kWh
Consumo estrada: n/d
Bateria: 35,5 kWh
Autonomia: mais de 200 km (estimada)
Recarga: 18 a 37 horas horas (6,6 kW), 6 horas (6,6 kW com Wallbox) ou 80% em 30 minutos em estações de recarga elétrica rápida
Nota de consumo: A*
Classificação na categoria: A* (*notas estimadas)

Fonte: IG Carros
Continue lendo

Carros e Motos

Primeiro Corvette C8 é arrematado nos EUA por US$ 3 milhões

Publicado

source
Chevrolet Corvette C8 arrow-options
Divulgação

Chevrolet Corvette C8: primeiro exemplar do supercarro produzido pela GM surge no palco do leilão da barret-Jackson Scottsdale

O primeiro Chevrolet Corvette C8 produzido em série foi arrematado por nada menos que US$ 3 milhões, o equivalente a cerca de R$ 12,3 milhões numa conversão simples. A raridade apareceu no palco do leilão organizado pela Barret-Jackson Scottsdale com a CEO da GM, Mary Barra, ao volante, seguido por um breve discurso da executiva.

LEIA MAIS: Agora com motor central-traseiro, Chevrolet revela o Corvette C8

Todo dinheiro arrecadado com a venda do primeiro Chevrolet Corvette C8 irá para a instituição que ajuda crianças carentes de Detroit (EUA). Os lances começaram com US$ 200 mil e foram subindo, passando para US$ 250 mil, US$ 500 mil, US$ 750 mil até chegar a US$ 1 milhão.

Em seguida, chegaram a oferecer US$ 1,2 milhão, US$ 1,5 milhão, US$ 1,7 milhão e parou nos US$ 2 milhões. Mas, para surpresa de todos, no final, dono de equipe de NASCAR, Rick Hendrick, arrematou o supercarro pelos US$ 3 milhões e entrou para a história.

Leia Também:  VW deixa lançamento da dupla Polo e Virtus GTS para início de 2020

LEIA MAIS: Aceleramos um raro Chevrolet Corvette Pace Car de 1978. Veja vídeo

O Chevrolet Corvette C8 é o primeiro fabricado com motor central. E a unidade número 1 a sair da linha de montagem terá, entre outros itens, pacote especial Z51 que inclui bancos esportivos GT2.

A versão Stingray conta com o motor 6.2 V8 LT2 herdado do Corvette C7, mas retrabalhado para o uso na posição central-traseira. Com o pacote Z51, o propulsor é capaz de desenvolver 495 cv. Ele trabalha em conjunto com uma transmissão do tipo transeixo de oito marchas e dupla embreagem, que traciona as rodas traseiras e permite ao esportivo acelerar de 0 a 100 km/h em cerca de três segundos.

LEIA MAIS: Último Corvette com motor dianteiro é vendido por quase R$ 10 milhões

Os preços do novo Chevrolet Corvette C8 ainda não foram divulgados oficialmente. Mas o presidente da GM dos EUA, Mark Reuss, chegou a declarar que o carro partirá de cerca de US$ 60 mil. O fim de junho de 2019 o ultimo Corvette da sétima geração foi arrematado por US$ 2,7 milhões.

Leia Também:  Novo Toyota Corolla ganha prêmio de segurança nos EUA

Fonte: IG Carros
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana