conecte-se conosco


Economia

SP: Banco do Povo oferece crédito de R$ 5 mil a empresas negativadas

Publicado

O Banco do Povo, programa de microcrédito do governo de São Paulo, está oferecendo uma linha de crédito para empresas paulistas negativadas durante a pandemia de covid-19. No total, estão disponíveis R$ 100 milhões.

A nova linha, chamada Nome Limpo, tem como objetivo ajudar empresas afetadas pelas restrições geradas pela pandemia de covid-19. 

O benefício deve ser usado para quitar dívidas do próprio negócio que foram contraídas após o início da pandemia de covid-19, ou seja, a partir de março de 2020. Os empresários podem solicitar crédito de R$ 100 a R$ 5 mil reais, com até 180 dias para iniciar o pagamento da 1ª parcela, e 24 meses para quitação do crédito. 

“Acompanhando os impactos da pandemia em nossa economia, entendemos que muitos empreendedores estavam com o nome sujo por não conseguirem pagar pequenas dívidas, essenciais para os seus negócios. O Nome Limpo foi criado para atender essa demanda”, destacou a secretária- executiva da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do estado, Marina Bragante. 

Para solicitar a linha de crédito, os interessados devem comparecer à unidade do Banco do Povo no município onde o CNPJ da empresa está registrado. O crédito será concedido a pessoas jurídicas qualificadas como MEI (Microeemprendedor Individual), ME (Micro Empresa), Eireli (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada) ou LTDA (sociedade limitada).

Na capital paulista, o Banco do Povo fica na Rua Boa Vista, 170, na Sé.

Edição: Maria Claudia

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

PEC Eleitoreira avança e dólar bate R$ 5,33 com risco fiscal no radar

Publicado

Dólar chega a bater os R$ 5,32 e Ibovespa cai, com riscos externos e locais
Luiza Eiterer

Dólar chega a bater os R$ 5,32 e Ibovespa cai, com riscos externos e locais

Após aprovação da PEC do estado de emergência  no Senado, vista como eleitoreira por especialistas , o dólar voltou a bater R$ 5,33 na manhã desta sexta-feira (1º). O patamar do câmbio é o mais alto desde fevereiro de 2021. 

No início daquele mês, a moeda americana chegou a operar a R$ 5,3228 no dia 07 para fechar em R$ 5,2531. 

Entre no canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

No dia 4 de fevereiro, foi alcançado o patamar de R$ 5,3507 durante o pregão para a divisa fechar em R$ 5,3206.

O Ibovespa cai 0,65%, com 97.898 pontos. Menor pontuação desde outubro de 2021. 

“Estamos vendo uma queda das bolsas lá fora ligada ao receio de recessão nos EUA. No front doméstico, nós também temos componentes negativos, através do risco fiscal, com os receios sobre quanto vai custar para os cofres públicos essa tentativa do presidente Jair Bolsonaro de melhorar a sua popularidade”, destaca o diretor da FB Capital, Fernando Bergallo.

Ibovespa abre 2º semestre em baixa

Após um início de ano animador, o Ibovespa, principal índice do mercado de ações brasileiro, sucumbiu as pressões externas e fechou o primeiro semestre em baixa . A lista de motivos não é nada modesta. Pressões inflacionárias seguidas de altas nos juros, aqui e lá fora, risco de recessão global cada vez maior e o imbróglio fiscal agravado ontem com a  aprovação no Senado da PEC Eleitoral que cria estado de emergência para permitir aumento de gastos públicos pelo governo Bolsonaro a menos de três meses das eleições, são alguns dos fatores que prejudicaram o desempenho da Bolsa de São Paulo, a B3, na primeira metade de 2022.

O Ibovespa fechou o semestre com baixa de 5,99%, voltando a retrair numa primeira metade de ano pela primeira vez desde 2020, no auge da pandemia. As perdas foram intensificadas em junho, quando o principal índice da B3 despencou 11,50%, o pior desempenho para um mês desde março de 2020, o mês em que a Covid-19 se espalhou pelo país.

Com informações de Agência O GLOBO.

Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Economia

Lula critica banqueiros: ‘Na cabeça dessa gente, não existe pobreza’

Publicado

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
André Biernath – @andre_biernath – Da BBC News Brasil em Londres

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

O ex-presidente  Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou nesta sexta-feira (1º) os banqueiros que ignoram questões sociais em prol do lucro de suas empresas. O petista, que tem feito reuniões semanais com empresários, não espera contar com votos da categoria nas eleições de outubro.

“Eu tenho feito reuniões, vários jantares com empresários, e eu faço porque eu gosto de discutir abertamente. É o seguinte: na cabeça dessa gente, não existe pobreza. Não existe fome, não existe gente dormindo na rua, na sarjeta, não tem criança morrendo de desnutrição. Essa gente só fala em teto de gasto, em política fiscal, ou seja, eles não falam em política social, em distribuição de renda, em distribuição de riqueza”, disse. 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

“Banqueiro não vota em mim. Tenho certeza que não vota em mim. Eles olham para minha pele e falam assim: ‘esse cara nem sabe falar direito’”, completou o ex-presidente, ressaltando bancarizou 70 milhões de brasileiros.

Em entrevista à rádio Metrópole, de Salvador, Lula também afirmou que bilionários se recusam a melhorar os salários de trabalhadores e usou o termo “imbecil” em alusão à necessidade de acumular riquezas.

“Essas pessoas não podem ser tão ignorantes de quererem só acumular riqueza. Fulano de tal é o sujeito mais rico do mundo. Tem US$ 50 milhões, outro tem US$ 70 milhões. Para quê? Você vai gastar no quê? Para que você quer acumular tanto dinheiro, imbecil? Distribua parte disso em salário”.

O petista também criticou a PEC do teto de gastos, que limita as despesas do governo de crescerem acima da inflação. 

“Precisamos de regras que tenham credibilidade, que dêem sustentabilidade fiscal e previsibilidade. Vamos apresentar uma proposta alternativa com essa preocupação. Mas temos que ter espaço para políticas anticíclicas”, afirmou.

Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana