conecte-se conosco


Carros e Motos

Site oferece Ford Mustang “Eleanor” com rifas a partir de US$ 10

Publicado


source
Ford Mustang
Divulgação

Ford Mustang Eleanor é um dos Pony Cars mais famosos do cinema, com motor envenenado e visual agressivo

Mais conhecido pelo nome Eleanor, o Ford Mustang 1967 guiado por Nicholas Cage no filme “60 Segundos” (2000) serviu de inspiração para diversas réplicas, uma das quais está sendo oferecida nos Estados Unidos pelo Omaze, uma plataforma online para captação de recursos para projetos beneficentes.

Para participar da rifa, o interessado pode comprar cotas com valores que variam entre US$ 10 e US$ 100 (R$ 53 e R$ 530). A primeira dá direito a 100 cotas, enquanto a última dá 2.000 chances de ganhar o Ford Mustang .

Além do visual idêntico ao do carro do filme , já que se trata uma réplica autorizada, o Pony Car recebeu uma série de melhorias, com direito a um motor 5.0 V8 com compressor volumétrico e capaz de desenvolver cerca de 600 cv, freios Wilwood e um interior com bancos Recaro, detalhes em fibra de carbono, e um sistema de som Alpine com alto-falantes JL Audio.

É possível comprar números para o concurso até 22 de setembro e o vencedor deverá ser anunciado no dia 7 de outubro. Quem ganhar o prêmio poderá optar pelo Ford Mustang (tendo porém que arcar com os custos de importação se estiver fora dos EUA) ou trocá-lo por um prêmio em dinheiro de US$ 183.750 (cerca de R$ 978 mil). Os recursos obtidos com o concurso serão destinados para a Represent Justice, grupo que luta por mudanças no sistema judiciário e pelos direitos da população carcerária dos EUA.

Fonte: IG CARROS

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carros e Motos

Conheça detalhes da Yamaha XS 650, a motocicleta incompreendida

Publicado


source
Yamaha, XS, motocicleta
Acervo pessoal

Esta Yamaha XS 650 é uma XS-1B, de 1971, com o freio dianteiro da XS-2 de 1972

Antes mesmo de eu começar a contar a história das Yamaha 650, é mais que certo que alguém rapidamente lembre da sua característica mais notória: a trepidação. Realmente, apesar de suas inúmeras qualidades, essa motocicleta dos anos 60 ficou famosa pelo excesso de vibração de seu motor bicilíndrico, a ponto de se deslocar para trás ao ser acelerada no cavalete central. Mas sua história é bastante interessante.

Vamos começar pela Yamaha XS 650 , apresentada pela primeira vez no Salão de Tóquio de 1969. Sua saga começou mais de uma década antes, quando um pequeno fabricante japonês chamado Hosk copiou o motor bicilíndrico de quatro tempos da já renomada motocicleta alemã Horex, de 500 cm 3 , e o aperfeiçou, aumentando a cilindrada para 650 cm 3 .

A Hosk, então, foi comprada pela Showa (que não é a atual marca de amortecedores), que por sua vez foi incorporada pela Yamaha. Pronto, a Yamaha já tinha o seu primeiro motor de quatro tempos. Há quem conteste essa origem do motor da Yamaha XS, alegando que se trata de uma evolução do motor bicilíndrico dois tempos da Yamaha YR-1 de 350 cm 3 .

Só que o projeto original desse motor e todas as suas características físicas realmente o aproximam mais ao Hosk do que a qualquer motor Yamaha dois tempos anterior. De qualquer forma, independentemente de qual é a verdadeira, é conveniente que saibamos quais são as duas versões

A XS 650 foi a primeira motocicleta grande e com motor quatro tempos feita pela Yamaha e, apesar do conjunto mecânico bastante robusto, muitos dos componentes utilizados no início eram provenientes de modelos anteriores, todos equipados com motores dois tempos, que eram muito mais leves. O quadro tubular era um deles.

Mesmo assim, a Yamaha XS 650 era cerca de 50 kg mais pesada que uma de suas principais concorrentes, a inglesa Triumph Bonneville , e isso trouxe uma certa má fama à motocicleta, no que diz respeito à dirigibilidade. O motor também ficou estigmatizado, devido à excessiva vibração do conjunto, que ocorria mesmo em rotações médias e em velocidades de cruzeiro.

Para minimizar os efeitos da vibração, o guidão da Yamaha XS 650 era montado sobre coxins de borracha, o que, por outro lado, mascarava a dirigibilidade, tornando a motocicleta pouco sensível às condições da pista. Mas ela era mesmo mais adequada às longas estradas do que a sequências de curvas.

O projeto do motor da Yamaha XS 650 era bem avançado para sua época, quando comparado às outras bicilíndricas de quatro tempos inglesas contemporâneas. O cárter unificado, juntando motor e câmbio, era um dos diferenciais, pois as rivais ainda tinham os conjuntos separados.

Apesar dos seus vários aspectos negativos, esse motor era especialmente robusto, graças à tecnologia de mancais roletados, provenientes de uma providencial parceria da Yamaha com a Toyota, que já os utilizava no motor de seu 2000 GT. Os pistões eram exatamente os mesmos desse esportivo de seis cilindros, que ficou famoso por figurar como o carro de James Bond em “Com 007 só se Vive Duas Vezes”.

Yamaha XS
Arquivo pessoal

Painel de instrumentos da Yamaha XS 650 e o “fermasterzo” para firmar o guidão

Devido à alta taxa de compressão do big-twin, a Yamaha XS 650 tinha um dispositivo chamado de alça-válvula, muito conhecido dos ingleses, que abria parcialmente uma das válvulas de escape para aliviar a pressão no pedal de partida. Acionado por um pequeno manete abaixo do punho direito do guidão, esse dispositivo foi mantido mesmo depois que, em versões posteriores do modelo, foi adotada a partida elétrica.

A primeira versão da Yamaha 650 foi a XS-1 de 1970, produzida unicamente na cor verde. Em 1971 veio a XS-1B, com pequenas melhorias e vendida apenas na cor laranja. Em 1972, estreava a Yamaha XS-2, desta vez também na cor vermelha. A XS-2 passou a ter também partida elétrica e freio dianteiro a disco com acionamento hidráulico, além de um novo garfo de alumínio. A XS laranja das fotos é realmente uma XS-1B de 1971, só que com o freio a disco adaptado da XS-2.

A Yamaha XS 650 foi produzida em sua versão standard de 1970 até 1979, a partir daí passou a ter apenas versões no estilo custom, para abastecer o mercado norte-americano, o que aconteceu até 1985. Pode-se encontrar Yamaha XS 650 registradas como 1986 e 1987, mas isso aconteceu devido ao excesso de unidades importadas pelos norte-americanos, que foram vendidas e emplacadas posteriormente.

Um fato bastante interessante na história da Yamaha XS 650 é que, entre 1973 e 1975, a passou a ter a denominação TX, para fazer parte dessa nova família de motocicletas da marca. Mas as coisas não deram muito certo e a 650 voltou a ser XS em 1976. Essa é uma outra interessante história e que será contada contada na próxima semana. Aguardem.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Carros e Motos

Renault Arkana volta a ser candidato a ser fabricado no Brasil, diz site

Publicado


source
Renault Arkana
Divulgação

Arkana, o novo SUV-cupê da Renault volta a ter chances de ser feito no Brasil a partir dos planos com aliança com a Nissan

Em maio de 2020, o Grupo Renault-Nissan confirmou que irá produzir novos veículos feitos sob a plataforma global CMF-B em suas fábricas no Brasil. Serão sete modelos inéditos, que irão sair das linhas de montagem de São José dos Pinhais (PR) e Resende (RJ). Segundo o site Argentina Autoblog , o SUV médio Renault Arkana é um dos candidatos.

Além do modelo que irá surgir para concorrer com o Jeep Compass, o Grupo Renault-Nissan também deverá lançar as próximas gerações da dupla Sandero e Logan , o Kicks reestilizado – com uma versão híbrida – e possivelmente, um novo SUV compacto de entrada da marca japonesa. Os modelos deverão surgir ao longo da década.

O Arkana será lançado na Europa no início de 2021 com duas opções de motorização, entregando 140 e 160 cv. O SUV-cupê também contará com motor híbrido E-Tech de 140 cv. Sua produção também está confirmada para a Coreia do Sul, onde abastecerá o mercado asiático e a Oceania. 

A Renault nunca escondeu o desejo de ampliar sua linha de SUVs no Brasil. A marca francesa chegou a realizar testes com o SUV Koleos, concorrente direto do VW Tiguan na Europa. A alta do dólar atrapalhou os planos e o projeto foi arquivado. Com produção nacional, o Renault Arkana poderia abastecer toda a América Latina.

O primeiro SUV com ares de cupê que chegou ao Brasil foi o Nivus, que é um compacto. O próxmo deverá ser a versão definitiva do Fiat Fastback , cujo protótipo foi mostrado no Salão do Automóvel, em novembro de 2018. O novo modelo da FCA terá sete lugares e terá estilo arrojado, com base nas linhas da picape Toro e os novos motores Fire Fly turboflex entre os destaques. 

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana