conecte-se conosco


Internacional

Show de horrores ajuda a “relaxar” do estresse causado pela pandemia

Publicado


source
1
Reprodução

Levando o auto-isolamento para um novo nível


O estresse causado pela p andemia do novo coronavírus está assombrando o dia a dia de milhções de pessoas em todo o mundo e cada uma delas encontra a melhor forma de se distrair. Mas uma produtora do Japão oferece uma opção um tanto quanto bizarra : você pode deitar em um caixão durante 15 minutos, cercado por zumbis empunhando motoserras, enquanto ouve histórias de terror. Tudo isso por apenas R$ 7,60.  


A nova forma de “entretenimento” também permite que os  atores disfarçados de mortos-vivos cutuquem os participantes com mãos falsas e esguichem água neles. “A pandemia é estressante e esperamos que as pessoas consigam um pouco de alívio com bons gritos”, afirma Kenta Iwana, coordenadora da atração como “Scare Squad” (algo como esquadrão do medo, em inglês).

No início da pandemia, a equipe organizava programas de terror em drive-ins, mas tiveram que escolher algo que pudesse ser mais facilmente transportado de um lugar para outro.

“Caixões são fáceis de transportar. Tudo que você precisa fazer é colocá-los em uma sala escura”, disse Kenta. “É um bom negócio para nós e satisfatório para os nossos clientes .”

O entretenimento ocorre no momento em que o Japão experimenta um crescimento da Covid-19 . Até o fim da semana passada, a média era de 1.034 novos casos por dia.

Fonte: IG Mundo

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Internacional

Covid-19 pressiona Reino Unido a seguir lockdowns de França e Alemanha

Publicado


O Reino Unido resistia nesta quinta-feira (29) à pressão para impor um segundo lockdown nacional depois que França e Alemanha adotaram restrições abrangentes à vida social para conter uma disparada de infecções por coronavírus que colocou os serviços de saúde no limite.

O governo do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, evitou até o momento um lockdown de âmbito nacional, preferindo um sistema escalonado de controles locais concebidos para endurecer as medidas em regiões afetadas e deixando outras menos limitadas.

Um novo estudo do Imperial College de Londres sublinhou a situação aflitiva enfrentada pelo Reino Unido, país com o maior número de mortes de coronavírus na Europa, mostrando que os casos da Inglaterra dobram a cada nove dias.

Steven Riley, o autor do estudo, disse que o governo deveria decidir rapidamente se quiser seguir o exemplo de França e Alemanha.

“E cedo é melhor do que tarde”, disse Riley, professor de dinâmica de doenças infecciosas, à rede BBC.

Mas o ministro da Habitação, Robert Jenrick, disse que não acha inevitável o Reino Unido copiar França e Alemanha e impor restrições nacionais.

“O julgamento do governo hoje é que um lockdown nacional generalizado não é adequado, faria mais mal do que bem”, disse ele à Rádio Times

As economias europeias mergulharam na recessão mais profunda já registrada devido aos lockdowns generalizados adotados no início da crise, em março e abril, e as restrições mais recentes apagaram os sinais tímidos de recuperação vistos durante o verão.

Os mercados financeiros se reergueram em parte nesta quinta-feira depois de uma liquidação brutal no dia anterior, devido a perspectiva de uma recessão de mergulho duplo.

Os governos estão desesperados para evitar uma repetição dos lockdowns da primavera, mas foram forçados a agir devido à velocidade das infecções novas e a uma taxa de mortalidade que cresce continuamente em todo o continente.

Os lockdowns francês e alemão estão mantendo as escolas e a maioria dos negócios abertos, mas limitam severamente a vida social ao fechar bares, restaurantes, cinemas e estabelecimentos semelhantes, assim como a movimentação de pessoas.

A chanceler alemã, Angela Merkel, alertou que “o inverno será duro”.

Continue lendo

Internacional

EUA votam plebiscitos sobre aborto e escravidão, além de escolher o presidente

Publicado


source
votação
Reuters

Centenas de eleitores aguardam em fila para votar em Fort Lauderdale, na Flórida; cerca de 30 estados americanos permitem a votação antecipada


Os norte-americanos vão às urnas no dia 3 de novembro para escolher presidente, deputados, senadores, governadores e para decidir em plebiscitos estaduais sobre assuntos polêmicos .


Em todos os Estados Unidos, são 120 assuntos , mais ou menos polêmicos, a serem decidos. Os norte-americanos do Mississippi poderão decidir sobre a retirda do símbolo dos confederados da bandeira – ícone da escravidão -, assim como outros estados poderão se manifestar sobre discriminalização do uso de drogas, proibição do aborto , flexibilização das leis de jogo de azar, mais direitos trabalhistas para entregadores de aplicativos e fim da escravidão como punição para crimes.

Confira alguns itens:

  •  MUDANÇA DE BANDEIRA
  • FIM DA ESCRAVIDÃO COMO PUNIÇÃO PARA CRIMES
  • LIMITAR REELEIÇÃO A 20 ANOS
  • AMPLIAR OU RESTRINGIR O VOTO
  • AVANÇAR EM DIREITOS LGBT
  • PROIBIR O ABORTO
  • INCLUIR EDUCAÇÃO SEXUAL EM ESCOLAS PÚBLICAS
  • CONSIDERAR CAÇA E PESCA COMO DIREITOS CONSTITUCIONAIS
  • LIBERAR DROGAS
  • AUMENTAR TAXAS SOBRE CIGARROS ELETRÔNICOS
  • ABRIR ESPAÇO PARA APOSTAS E JOGOS DE AZAR
  • AMPLIAR OS DIREITOS TRABALHISTAS DE MOTORISTAS E ENTREGADORES DE APPS
  • EXIGIR MANDADO DE BUSCA PARA ACESSAR INFORMAÇÕES DIGITAIS


Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana