conecte-se conosco


Política MT

Sessão especial homenageia imigrantes japoneses que ajudaram a colonizar Mato Grosso

Publicado

Foto: Marcos Lopes

Uma sessão especial nesta quinta-feira (30), às 19h, homenageia a colônia japonesa em Mato Grosso, que muito contribuiu para o desenvolvimento do estado desde a década de 1950. A sessão plenária especial requerida pelo deputado Carlos Avallone (PSDB) pretende homenagear e outorgar a honraria “Comenda Senador Filinto Müller ao patriarca e pioneiro Tadashi Okamura, bem como destacar o Dia da Imigração Japonesa que foi comemorado no dia 18 de junho.

Tadashi Okamura, filho de Shunsiro Okamura e Toki Okamura, nasceu em 19 de fevereiro de 1914, na Província de Ibaraki no Japão. No dia 26 de novembro de 1927, com apenas 13 anos, saiu do Porto de Kobe, no navio Santos Maru, acompanhado da família de uma de suas irmãs. Chegando ao Porto de Santos-SP, no dia 13 de janeiro de 1928, foram encaminhados para o interior de São Paulo e depois para o Paraná.

No Paraná, Tadashi conheceu Kaneyo (Dona Rosa), o amor de sua vida, também imigrante nascida em Fukushima Ken, Japão. Casaram-se em 1936, estabelecendo-se como agricultores em Roseira e Jataizinho, na região de Londrina, Paraná.

Tadashi começou a atuar como topógrafo e ali nasceram seus oito filhos: Massairo, os gêmeos Nório e Tetsuo, Jorge, Julieta, Marina, Jaime Yasuo e Eunice Leiko, que estudaram, trabalharam e constituíram a segunda geração da família em Mato Grosso.

Por suas qualidades como topógrafo no Paraná, em 1950 Tadashi foi convidado por Yosihua Matsubara, filho de Yassutaro Matsubara, para fazer a demarcação da Gleba Rio Ferro. Enfrentou inúmeras dificuldades. O clima quente, morar em acampamentos, dormir em rede, alimentação precária, falta de estradas e pontes, enfrentamento com animais selvagens e doenças, principalmente a malária.

Em 1954, decidiu trazer toda a família do Paraná para Mato Grosso numa viagem que durou três meses. Instalou a família em Cuiabá e matriculou os filhos nas escolas tradicionais, vindo visitá-los periodicamente.

De volta a Cuiabá, na década de 60, Tadashi adquiriu o Hotel Paraná, na Rua 13 de Junho e depois implantou em Cuiabá a primeira fábrica de artefatos de concreto.

Em 1966, com a criação da Companhia de Habitação Popular de Mato Grosso, a COHAB, Tadashi foi convidado a compor a equipe como topógrafo, realizando todas as demarcações dos conjuntos habitacionais. Atuou por 12 anos e era reconhecido pelos colegas de trabalho como excelente profissional.

A pesquisadora da UFMT Aldina Cássia Fernandes da Silva, resgatou em sua tese de mestrado a epopéia dos primeiros imigrantes japoneses em Mato Grosso, que gerou um livro a ser publicado pela Editora Entrelinhas a partir de uma emenda do deputado Carlos Avallone.

Desde que chegou a Mato Grosso, Tadashi contribuiu muito com o bem estar das famílias japonesas, dando todo apoio aos que aqui chegavam. Muitas vezes hospedava famílias em sua própria casa, que era uma espécie de consulado japonês na Capital.

Foi um dos fundadores da Associação Cultural Nipo-brasileira de Cuiabá e Várzea Grande, que tinha como objetivo prestar assistência aos migrantes que chegavam a Mato Grosso. Presidiu a associação por catorze anos, incentivando a manutenção dos costumes e tradições da terra natal, como a língua japonesa, os eventos culturais, festivais de música, dança e esportes. Seus filhos Massairo e Jaime também foram presidentes da Associação mantendo a tradição da família por muito tempo.

Tadashi Okamura faleceu em 10 de abril de 1993 e Kaneyo Okamura faleceu em 24/04/1995, em Cuiabá/MT.

Em 5 de junho de 2007 a Câmara Municipal de Cuiabá, por iniciativa do vereador Clóvis Hugueney Neto, concedeu Moção de Aplauso à Família Okamura pela relevante contribuição a Cuiabá e ao estado de Mato Grosso.  

Fonte: ALMT

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política MT

Médica diz que pedirá votos para Mauro, mas descarta apoio a Wellington ou Neri: “Eles não me representam”

Publicado

Fora da disputa ao Senado, Natasha Slhessarenko ainda revelou voto na chapa Lula-Alckim para a presidência

Após anunciar o recuo da disputa ao Senado, a médica e professora universitária Natasha Slhessarenko (PSB) confirmou que vai pedir votos para o governador Mauro Mendes (UB), candidato majoritário escolhido pelo PSB para compor aliança, e para a chapa presidencial Lula/Alckmin, visto que o vice pertence à sigla. Ao ser questionada, em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (8), como se posicionaria para o Senado, Natasha foi enfática ao dizer que nenhum dos candidatos colocados a representam. Diante disso, não fará campanha para Wellington Fagundes (PL), que integra o grupo liderado por Mauro Mendes.

“Para senador, não voto em nenhum, porque nenhum deles me representa”, disparou. “Eu não sou mais candidata e isso me dói muito. Minha maior tristeza é dia 2 de outubro o eleitor ter que escolher entre os que estão aí. Queria estar lá para disputar, para ser um nome diferente, uma opção para a população”, completou.

Natasha explicou que não declarou apoio à chapa Lula/Alckmin antes porque estava sentindo o comportamento da federação em Mato Grosso. “Eu precisava sentir um pouco daqui. Nunca consegui ter aproximação com a federação, apesar de ter tentado, ter conversado com várias pessoas do PT, do PV, na tentativa de estar próxima da federação, dentro da lógica de estar mais alinhada à nacional, mas isso nunca foi possível. É tão duro você enquanto candidata abraçar sem ser abraçada. Por que eu iria assumir se eu não seria a candidata dele?”, argumentou.

A médica afirmou que esperava ter sido a escolhida para ser a majoritária da federação em Mato Grosso, levando em consideração a lógica, uma vez que nacionalmente o PSB caminha com a federação.  “Só que dentro da política a lógica não é uma premissa”, asseverou.

Apesar de ter musculatura para disputar uma vaga proporcional, seja ela para a Assembleia Legislativa ou Câmara Federal, Natasha ponderou que seria desleal com todos os pré-candidatos e pré-candidatas com quem esteve no decorrer da pré-campanha. Por isso, decidiu não disputar qualquer cargo nas eleições deste ano.

O presidente estadual do PSB, deputado Max Russi, acentuou que a candidatura de Natasha fortaleceria o partido, mas entende o posicionamento da médica. “É da minha essência. Eu tinha combinado com todas as pessoas na pré-campanha. Eu entrei na casa delas, falei com familiares, amigos. Seria desleal e antiético. Para mim não é demérito algum, daqui a dois anos posso sair vereadora, mas a questão é o compromisso. Tenho valores arraigados. Eu fui dentro da casa das pessoas, me apresentei. De repente vou retroceder e concorrer com aquela pessoa que estava ali”, explicou.

Já para disputar a federal, Natasha teria que retirar a sua mãe da chapa, a ex-senadora Serys Slhessarenko, possibilidade fora de cogitação, uma vez que Serys atendeu a uma convocação do partido.

 

Continue lendo

Política MT

Deputado federal Dr. Leonardo critica planos de saúde e defende derrubada do rol taxativo

Publicado

Em entrevista concedida ao jornalista Carlos Alexandre de Souza, editor de política do jornal Correio Braziliense, o deputado federal Dr. Leonardo (Republicanos) falou sobre a luta para a derrubada, na Câmara Federal, do chamado Rol Taxativo.
A matéria passou pela Câmara e agora vai para a análise do Senado. Caso seja novamente aprovada, a medida irá beneficiar muitas famílias brasileiras que lutam para que determinados tratamentos médicos, para doenças raras ou graves, sejam plenamente atendidos pelos planos de saúde.
Médico de profissão e pai de um filho autista, o deputado Dr. Leonardo acompanha de perto o drama das famílias brasileiras, que ficaram consternadas com a recente decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que liberou os planos de saúde da obrigatoriedade de cobrirem alguns tipos de tratamentos ou medicações.
“Isso é um absurdo! Até porque o rol taxativo mata”, declarou o deputado Dr. Leonardo, que é o coordenador da Bancada Federal de Mato Grosso. Ele destacou a luta das famílias contra os planos que se recusaram a cobrir o tratamento de doenças que não estão na lista oficial da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).
“Houve uma movimentação muito grande dos pais e mães de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA), o meu filho é autista também, porque os planos passaram a se recusar principalmente algumas terapias, porque é multifatorial este tipo de tratamento”, explicou o deputado.
“Queremos a derrubada do rol taxativo que foi aprovado pelo STJ, e defendemos o rol exemplificativo que garantirá sempre o melhor tratamento para o paciente”, disse o deputado, ressaltando que a decisão do Congresso poderá possibilitar a continuidade de tratamentos de saúde que poderiam ser excluídos da cobertura dos planos particulares.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana