conecte-se conosco


Esportes

Sesi paulista demite mais 250 professores de esportes

Publicado


.

A assessoria de impresa do Sesi de São Paulo confirmou à Agência Brasil que a entidade demitiu metade do quadro de professores de esporte. O total de profissionais desligados em 53 cidades paulistas foi de 250.

Em nota, o Sesi-SP explicou a decisão à Agência Brasil e disse que “a crise do coronavírus tem castigado todos os setores da economia. O Sesi-SP tem feito todos os esforços para preservar seu quadro funcional. Entretanto, é impossível ignorar a queda de arrecadação causada pela desaceleração da economia, a redução compulsória de 50% da receita nesses meses e o nível de inadimplência, que é imprevisível. Além disso, estamos impossibilitados de manter funcionando as áreas esportivas e culturais. É um momento difícil para todos e até lá o Sesi-SP trabalhará com afinco para que o impacto seja o menor possível”.

Segundo a assessoria de imprensa da entidade,  os desligamentos foram em sua maioria de funcionários das academias e das aulas de ginástica e não só professores do esporte/modalidades. A assessoria também garantiu, mesmo sem informar o valor da bolsa, que cerca de 740 atletas das categorias de base/formação (idade limite de 21 anos) seguem recebendo uma ajuda de custo.

É importante destacar, que no departamento de esportes, o Sesi-SP fez os primeiros ajustes financeiros logo no início da pandemia da covid-19.  Após a decisão do encerramento antecipado da Superliga de Vôlei masculino 2019/2020, nenhum contrato da tradicional equipe paulista foi renovado, inclusive o técnico Rubinho. O único que permanece no clube é o atual líbero Murilo. O medalhista olímpico e campeão mundial pela seleção brasileira aceitou um contrato com uma remuneração reduzida até a volta das competições. 
Ainda segundo a assessoria, outras equipes de destaque como a de basquete masculino, sediada em Franca, e a de vôlei feminino, que atua em Bauru, não tem definição sobre cortes e terão os casos tratados individualmente por terem parcerias locais.

As fortes equipes de modalidades individuais de alto rendimento mantidas pelo Sesi não foram afetadas até o momento.  A entidade mantém fortes equipes de karatê, Wrestling, natação, judô, entre outras. O departamento paralímpico, que tem destaques com a equipe de goalball e de vôlei sentado, também segue sem alterações até o momento.

Edição: Narjara Carvalho

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Esportes

Manchester City perde e Liverpool comemora campeonato inglês

Publicado


.

Demorou trinta anos, mas o Liverpool voltou a conquistar o Campeonato Inglês. O título de número 19 veio, na noite desta quinta-feira (25), com a vitória do Chelsea, por 2 a 1, sobre o Manchester City,  único clube que poderia alcançar os Reds em número de pontos. O campeonato deste ano tem um sabor especial: é a primeira taça de Premier League do time da cidade dos Beatles. O molde do atual torneio foi criado em 1992 e e ainda faltava esse título ao atual campeão europeu e mundial.

A sete rodadas do fim da competição, os comandados do alemão Jürgen Klopp chegaram a 86  pontos e o vice-líder Manchester City, com 63, não tem mais como superar matematicamente os Reds. A campanha do Liverpool é impecável: venceu 28 dos 31 jogos e empatou duas vezes. Nem uma derrota no percurso. 

Pelas redes sociais, o clube foi direto. “Conte ao mundo….Nós somos Liverpool, campeão da Inglaterra”. Os campeões ingleses tem brasileiros na equipe, o atacante Firmino e o volante Fabinho. Outros destaques deste elenco são o egípcio Salah e o senegalês Sadio Mané.

 

 
 
 

 
 
 
 
 

 
 

 
 
 

Sum up how you’re feeling in three words ?

Uma publicação compartilhada por Liverpool Football Club (@liverpoolfc) em 25 de Jun, 2020 às 3:06 PDT

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Continue lendo

Esportes

Inspirado pela avó, ciclista retoma sonho paralímpico após quarentena

Publicado


.

A pandemia do novo coronavírus (covid-19) interrompeu treinos e competições pelo mundo. Estar longe dessa rotina, ainda mais em um ano que seria olímpico e que começou com medalhas internacionais, não é fácil para quem vive do esporte. Mas, para Lauro Chaman, a saudade de encarar as pistas e estradas só não é maior que a das visitas frequentes a dona Elvira, de 89 anos, avó do medalhista paralímpico do ciclismo. 

“Ela é minha vida, é a minha inspiração. Além de ser minha madrinha, cuidou de mim quando minha mãe tinha que trabalhar. Morávamos em uma casa simples. Ela e meu avô sempre fizeram o máximo por mim. Tudo que faço hoje, com certeza, é por toda minha família, mas, em especial, pela minha avó e meu filho, que se chama Antônio, mesmo nome do meu avô, que faleceu quando eu tinha 16 anos”, conta Lauro à Agência Brasil. “No começo [da pandemia], era muita incerteza, então, a gente meio que se isolou. Dias atrás, pude ver minha avó com todos os cuidados, mas fiquei um bom tempo sem conseguir. Antes, as visitas eram diárias. Foi complicado. A gente pensa mais na família. O esporte ficava um pouco em segundo plano”, admite. 

Enquanto tenta retomar a rotina familiar, Lauro também volta gradualmente a treinar em Araraquara, cidade do interior paulista em que vive. As atividades externas reiniciaram há cerca de duas semanas, após a flexibilização da quarentena decretada pelo governo estadual, que é revista a cada 14 dias. Ele é acompanhado remotamente pelo técnico Cláudio Diegues, que fica em Santos, no litoral de São Paulo, onde fica a base da equipe de Chaman, a Memorial.

“[Antes da pandemia] Ele tinha algumas lesãozinhas de tanto tempo em treinamento, em esforço, sem muito tempo [para cuidar delas] devido ao calendário. Então, a primeira coisa [após a paralisação] foi destreiná-lo e cuidar dessas lesões. Agora, ele alterna dia sim, dia não, saindo sozinho, com máscara. O trabalho de base é interno, ele tem rolo de treinamento e faz a parte de reforço muscular de casa”, conta o técnico à Agência Brasil. “Ele tem um personal da parte física [em Araraquara] e a gente faz contatos quinzenais [reuniões virtuais] entre a equipe. À medida que as provas são confirmadas, vamos estruturando o calendário de treinamento”, completa.

27/08/2019 - Jogos Parapanamericanos Lima 2019    Ciclismo de Pista    Contrarelógio Classe C5    Lauro César Mouro Chaman conquista Ouro.    27/08/2019 - Jogos Parapanamericanos Lima 2019    Ciclismo de Pista    Contrarelógio Classe C5    Lauro César Mouro Chaman conquista Ouro.

Lauro Chaman faturou o ouro, no ano passado, no Pan de LIma, ao vencer a prova de ciclismo de pista contrarelógio classe C5– Saulo Cruz/EXEMPLUS/CPB/Direitos Reservados

 

Segundo o calendário da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC), há dois torneios de paraciclismo previstos no segundo semestre: o campeonato nacional de estrada, entre 27 e 30 de agosto, em Leme (SP), e o Circuito Pan-Americano de pista e estrada, de 23 a 27 de setembro, em Maringá (PR). A realização, conforme a CBC, depende de “orientações das autoridades de saúde”.

Além de torneios no ciclismo adaptado, Lauro pretende competir no Brasileiro convencional da modalidade, por enquanto, agendado para outubro. “Espero estar em uma boa forma, competitiva. Acredito que não estarei no auge em agosto, mas, espero que, ao longo dos eventos, fique mais próximo do 100% e comece 2021 com o pé direito e força máxima”, projeta o atleta da classe C5 (ciclistas de menor comprometimento físico-motor). Chaman nasceu com a perna esquerda mais fina que a direita, e virada para fora. No decorrer dos anos,  desenvolveu uma atrofia na panturrilha.

O atleta vinha de bons resultados em 2020 antes da paralisação em decorrência da pandemia. Conquistou três medalhas no Mundial de Paraciclismo, em Milton (Canadá), em fevereiro: duas pratas e um bronze. A briga por pódios na retomada das competições, porém, não é a prioridade do planejamento. “A gente está voltando com as atividades dele, com um início com carga baixa, volume de treino baixo, para ele recuperar o domínio de todas as áreas físicas e fisiológicas, aumentando um pouquinho o trabalho de força. O Lauro pode disputar qualquer evento porque, no ciclismo, o processo de treino envolve competição, mas, não vamos nos atentar ao resultado. A gente só terá a competição como parâmetro da evolução do treino”, explica Diegues.

25.03.2018 - Brasil, Rio de Janeiro, Mundial de Paraciclismo de Pista - Velódromo - Parque Olímpico - Scratch Race 15 KM- O brasileiro Lauro Cesar Chaman, medalha de ouro da prova - 25.03.2018 - Brasil, Rio de Janeiro, Mundial de Paraciclismo de Pista - Velódromo - Parque Olímpico - Scratch Race 15 KM- O brasileiro Lauro Cesar Chaman, medalha de ouro da prova -

Chaman também foi ouro no  Mundial de Paraciclismo de Pista (Scratch Race 15 km), realizado no velódromo do Rio, em 2018 – Fernando Maia/MPIX/CPB/Direitos reservados

 

O foco da preparação gradualmente retomada por Lauro mira a Paralimpíada de Tóquio, em 2021. Na Rio 2016, dois meses após o nascimento do filho, ele foi medalhista de prata na disputa de estrada e de bronze na prova de contrarrelógio [cada atleta pedala sozinho e ganha o que concluir o percurso em menos tempo]. Os feitos foram inéditos para o ciclismo brasileiro, adaptado ou convencional, em Jogos. De lá para cá, o paulista foi campeão mundial de estrada em 2017, na África do Sul, e de scratch [todos largam em grupo, e quem conclui a disputa primeiro é o vencedor] em 2018, no Rio de Janeiro (RJ). E no ano passado ainda  faturou dois ouros nos Jogos Parapan-Americanos de Lima (Peru).

“Penso que tenho que voltar a treinar, voltar ao melhor. Vou me cobrar para ser melhor do que antes, ser mais regrado. Acredito que meus adversários também. É complicado falar sobre [expectativa de] pódio, medalha… Vou procurar fazer bem meu trabalho com a Seleção e a minha equipe para alcançar o melhor possível”, conclui Chaman.

 

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana