conecte-se conosco


Economia

Selo Arte anima produtores de queijo

Publicado

Os produtores de Queijo Canastra têm alta expectativa de aumentar o mercado para seus produtos nos próximos anos. Eles acreditam que o Selo Arte, recentemente criado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), resultará na ampliação da base de produtores locais e na inovação da fabricação, inclusive para atender a gastronomia que cria pratos com alimentos tipicamente brasileiros.

A avaliação é de João Carlos Leite, presidente Associação dos Produtores de Queijo Canastra – Aprocan. Ele calcula que, dos atuais 60 produtores formalizados, o número de produtores salte para 800. Para além de mais fabricantes, e mais sabores na culinária nacional, Leite acredita que o principal efeito da medida será social.

“O Selo Arte cria novo modelo de negócio para o queijo no Brasil. Um modelo que distribuí renda, favorece a qualidade de vida dos produtores”, assinala contrapondo a produção artesanal à produção industrial, em que poucos fabricantes tinham acesso a vender seus queijos em todo o país. “Ganhamos o direito de beneficiar a matéria prima, de criar valor e comercializar a nível nacional”, comemora.

A animação de João Carlos Leite, que mora em São Roque de Minas, um dos sete municípios que formam a área delimitada pela indicação de “Procedência Canastra”, é compartilhada a 700 km pela empresária Marina Altafin Cavechia, que em seu bar em Brasília vende queijos próprios e de fornecedores artesanais.

Antes do decreto, a distância entre cidades em estados diferentes era um grande limitador para a circulação de mercadoria. Por causa da legislação anterior, “muitos produtores tinham medo de fazer chegar seu queijo a outros lugares além do seu município”, comenta a empresária ao citar que nasceu em Minas Gerais mas só veio a conhecer o queijo Canastra há cinco anos.

Para Cavechia, a criação do Selo Arte simplifica a vida de produtores e revendedores e foi feita também em benefício dos consumidores. Ela ressalta que o Decreto nº 9.918, que trata da fiscalização de produtos alimentícios artesanais, não relaxa nas normas fitossanitárias e de garantia de qualidade, mas reconhece o controle dos estados.

“A certificação do estado vai garantir que, dispondo do Selo Arte, o queijo possa sair e ser vendido em outros lugares do Brasil”.

Preço

O advogado especializado em Direito Administrativo Regulatório Fernando Carvalho Dantas tem confiança que em breve haverá oferta de queijos artesanais nas gôndolas dos supermercados e não apenas em bares e lojas especializadas como de Cavechia.

Segundo ele, a expansão dos pontos de venda deve aumentar a oferta queijo e favorecer a redução dos preços finais. “Quando o produtor consegue ofertar em mais mercados, acaba ganhando em escala. Quando consegue operar em escala maior tende a ter produtos mais baratos”, comenta.

O presidente da Aprocan, João Carlos Leite, não acredita que os preços dos queijos possam reduzir porque não haverá de imediato ampliação da capacidade de produção. “Ninguém na associação hoje tem queijo. Todo mundo só consegue entregar para daqui a 30, 40 e até 60 dias. Nós não estávamos preparados para atender o mercado que está em alta. O aumento da produção leva tempo”.

João tem esperança que o Selo Arte incentive a entrada de mais produtores. Mais fabricantes podem inclusive ajudar eventual venda para o mercado internacional. Segundo ele, o acordo entre Mercosul e União Europeia pode dar acesso a consumidores fora do Brasil. Queijos artesanais brasileiros ganharam 59 medalhas na Feira Mondial du Fromage em Tours (4ª edição), que aconteceu no mês passado em Paris.

“Com o Selo Arte, estamos entendendo que o governo está dizendo para o mercado mundial ‘olha o Brasil tem dois sistemas que nós reconhecemos a qualidade e a segurança de produtos de origem animal’”, ressalta.

O Queijo Canastra é patrimônio imaterial do Brasil, e está inscrito há mais de 10 anos no Livro de Registro dos Saberes do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan).

 

Além dos produtores de queijo, o Selo Arte também poderá certificar derivados de carne (embutidos, linguiças, defumados) e de pescados (defumados, linguiças). A previsão do Mapa é estender em 2020 o selo para mel, própolis e cera feita por apicultores.

Edição: Liliane Farias
publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Setor cultural ocupava, em 2020, 4,8 milhões de pessoas

Publicado


Em 2020, 5,6% da população ocupada do país estava no setor cultural. O percentual representa 4,8 milhões de pessoas. Na comparação com 2019, houve um recuo de 11,2%. Naquele ano, o setor ocupava 5,5 milhões de pessoas, ou 5,8% do total.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), que um dos levantamentos utilizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na elaboração do Sistema de Informações e Indicadores Culturais (SIIC) 2009-2020, divulgado hoje (8) pelo órgão. Além da Pnad Contínua, o SIIC 2009-2020 consolida informações do Cadastro Central de Empresas (Cempre), da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) e das Regiões de Influência das Cidades (Regic).

A pandemia de covid-19 provocou impacto na ocupação. Em comparação ao total, o setor cultural perdeu mais postos de trabalho. Foram 8,7% a menos. Saiu de 95 milhões para 86,7 milhões de pessoas. “Tal tendência inverte um ganho crescente de importância do setor desde 2016”, afirmou o IBGE.

Ainda em 2020, São Paulo (7,5%), Rio de Janeiro (7,0%) e Rio Grande do Norte (6,7%) foram as unidades da Federação que registraram os maiores percentuais de pessoas trabalhando no setor cultural. Em movimento inverso, Tocantins (2,7%), Acre (2,8%), Rondônia (3,1%), Amapá (3,1%) e Roraima (3,1%) tiveram as taxas mais baixas.

Escolaridade

O percentual de ocupados que têm nível superior era 30,9% no setor cultural. Esse índice superou a média do país, que é de 22,6%. Mesmo com o nível de instrução mais elevado, o setor cultural registrou, em 2020, mais trabalhadores em ocupações informais (41,2% dos ocupados) do que em todos os setores juntos (38,8% dos ocupados). Os maiores percentuais de informalidade no setor cultural no mesmo ano eram no Amapá (71,3%), no Pará (67,7%) e no Maranhão (64,9%). Já os menores foram em Santa Catarina (24,9%), Rio Grande do Sul (28,4%) e São Paulo (34,9%). “O ensino superior indica a mão de obra mais ocupada. A gente tem ainda uma informalidade maior pelo fato de [ter trabalhador por] conta própria ou sem carteira. Mas, com ensino superior, é sim uma mão de obra mais qualificada”, disse o pesquisador do IBGE Leonardo Queiroz Athias.

Desde 2014, a participação das mulheres no setor cultural cresceu 3,1 pontos percentuais (p.p.) e chegou a 2020 com o maior índice, representando 49,5% das pessoas ocupadas. As pessoas pretas e pardas eram 43,8% dos ocupados na cultura, enquanto a média nacional alcançava 53,5%. “Entre 2019 e 2020, houve uma queda de participação das pessoas pretas ou pardas tanto no setor cultural quanto em todos os setores, tendo sido as mais afetadas pela pandemia”, indicou a análise.

Conta própria

A principal categoria de ocupados no setor cultural em 2020 era o trabalhador por conta própria, que equivalia a 41,6% do total, seguido dos empregados com carteira (37,7%) e sem carteira (11,3%). A taxa de informalidade do setor alcançou 41,2% no mesmo ano, frente uma taxa de 38,8% para a população ocupada do país.

Também em 2020, o grupo com o maior número de ocupados, em todos os setores, foi o de empregados do setor privado com carteira (37,6%), seguido do trabalhador por conta própria (25,4%) e empregados do setor público (13,0%). Conforme o IBGE, no mesmo ano, tiveram destaque as categorias mais associadas à informalidade, os empregados do setor privado sem carteira e os por conta própria, que perderam participação relativa na ocupação, principalmente no setor cultural. “A pandemia destruiu mais postos de trabalho informais do que formais”.

Rendimento

Conforme a quinta edição do SIIC, enquanto em 2014 o rendimento médio mensal real da população ocupada em atividades culturais foi estimado em R$ 2.564,00, em 2019 caiu para R$ 2.392,00. Isso significa uma queda de 6,7% no período. Ainda assim, os valores são um pouco acima dos rendimentos da população ocupada do país, que em 2014 era de R$ 2.352,00 e em 2019, de R$ 2.285,00, representando recuo de 2,8% no período.

Valor adicionado

O valor adicionado do setor cultural atingiu R$ 256 bilhões em 2019. O valor representa 9,8% do total de riqueza criada no âmbito das pesquisas econômicas anuais da indústria, do comércio e dos serviços, realizadas IBGE. É também uma perda de 1,4 ponto percentual em relação a 2009, quando registrou 11,2%. As atividades de equipamentos e materiais de apoio geraram 67% do valor adicionado da cultura em 2019, ficando na sequência as mídias audiovisuais e interativas com 14,8%.

“O valor adicionado dá uma ideia do tamanho da cultura dentro desse nosso recorte das atividades, que entendemos como relacionadas, seja de maneira central, periférica ou diretamente dentro do conjunto da economia”, comentou o pesquisador.

O Cadastro Central de Empresas do IBGE mostrou que a cultura foi responsável por 6,3% do total de unidades locais das empresas do país. A maior parte das unidades locais era do setor cultural (8,0%), estava no Rio de Janeiro, tendo na sequência o Distrito Federal (7,7%), São Paulo (7,6%) e Roraima (6,4%). De acordo com o IBGE, as menores participações foram do Piauí (4,3%), Pará (4,5%) e de Tocantins (4,6%).

Famílias

A despesa média mensal das famílias com cultura, baseada na Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) de 2017-2018, ficou em R$ 291,18. Os maiores gastos foram com os serviços de telefonia, TV por assinatura e internet (R$ 172,63). Ainda segundo o SIIC, a participação dos itens de consumo cultural (IPCult) no orçamento das famílias atingiu 9,6% do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). “No cálculo, foram incluídos TV por assinatura e streaming e excluída a locação de DVD, por exemplo”, informou o IBGE.

Internet

O IBGE destacou que, atualmente, o consumo de serviços e produtos culturais está muito ligado ao acesso e à utilização de novas tecnologias. O destaque na internet é o uso do telefone celular, principalmente os smartphones, o equipamento mais usado para esse fim. Os 98,6% correspondem a 141,7 milhões de pessoas de 10 anos ou mais de idade que utilizaram a Internet em 2019. Em seguida foi o microcomputador, com 46,2%, ou 66,4 milhões de pessoas com a mesma faixa de idade. Depois vem a televisão, com 32,5% ou 46,7 milhões e, por fim, o tablet, que teve 10,9% e foi utilizado por 15,7 milhões de pessoas de 10 anos ou mais de idade.

Nas unidades da Federação, o Distrito Federal foi o que apresentou maior percentual de utilização (92,7%). Depois vieram São Paulo (87,5%) e o Rio de Janeiro (85,8%) em 2019. As taxas mais baixas foram registradas no Maranhão (58,0%), no Piauí (65,2%) e em Alagoas (65,3%). “Todas as unidades da Federação apresentaram aumento dessas taxas de 2016 a 2019, com destaque para Rondônia e o Ceará, com aumentos de 22  e 20,2 pontos percentuais, respectivamente”, revelou o IBGE.

Gastos públicos

O total dos gastos públicos alocados no setor cultural saiu de R$ 6,2 bilhões em 2009 para R$ 9,8 bilhões em 2020, o primeiro ano da pandemia. A diferença significa aumento nominal de 57,6%. Apesar disso, houve recuo da participação da cultura nos gastos das três esferas de governo, ou seja, federal, estadual e municipal, nesse período.

Leonardo Queiroz Athias disse que os dados disponíveis para a análise de gastos públicos não incluíam o total referente ao uso da Lei Aldir Blanc. Os dados não mostram as transferências entre os entes. A gente não tem um sistema que permita ver isso. Nas esferas federal, estadual, municipal e distrital, a gente tem o que eles declaram em termos de despesa pela função cultura. Também na Lei Aldir Blanc, a gente não tem como dizer o quanto está sendo contabilizado”.

Os produtores culturais captaram mais recursos por meio de incentivo fiscal. Os valores passaram de R$ 980 milhões em 2009 para R$ 1,489 bilhão em 2020. O Sudeste foi a região que captou a maior parte. Foram 77,7% do total.

Regic

Esta edição do SIIC tem novidades. Pela primeira vez, mostra dados da pesquisa Regiões de Influências das Cidades (Regic) sobre a atratividade das atividades culturais dos municípios. Embora São Paulo (SP), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ), Belém (PA) e Belo Horizonte (MG) tenham a maior atração de moradores de outros municípios para atividades culturais em seu território, municípios menores, como Balneário Camboriú (SC), Crato (CE), Parintins (AM), Caruaru (PE) ou Caldas Novas (GO) têm as atividades culturais como a principal ou uma das principais motivações para atrair visitantes.

“Mostra que a rede tem influência. Se o município tem cinema e todos em volta não têm, as pessoas vão se deslocar para lá, assim como um teatro, casas de show. Então é relativo – onde o município se localiza e o tipo de infraestrutura de atividades culturais o envolve”, afirmou Athias, acrescentando que as grandes capitais têm atrativos diversos além da cultura, como saúde e comércio, mas os municípios menores se destacaram pelo fator específico de atividades culturais.

Edição: Graça Adjuto

Continue lendo

Economia

Cesta básica fica mais cara em nove capitais

Publicado


source
Cesta básica fica mais cara em nove capitais
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Cesta básica fica mais cara em nove capitais

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), divulgou nesta terça-feira (7), que o custo médio da cesta básica de alimentos aumentou em nove cidades brasileiras no mês de novembro. As maiores altas foram registradas em cidades do Norte e do Nordeste, como Recife (8,13%), Salvador (3,76%), João Pessoa (3,62%), Natal (3,25%), Fortaleza (2,91%), Belém (2,27%) e Aracaju (1,96%). O estudo levou em consideração os preços em 17 capitais.

A elevação também foi percebida em Florianópolis (1,40%) e Goiânia (1,33%). Ainda segundo o levantamento, as reduções mais importantes ocorreram em Brasília (-1,88%), Campo Grande (-1,26%) e no Rio de Janeiro (-1,22%).

Cestas mais caras

Segundo a pesquisa, a cesta mais cara foi a de Florianópolis (R$ 710,53), seguida por São Paulo (R$ 692,27), Porto Alegre (R$ 685,32), Vitória (R$ 668,17) e Rio de Janeiro (R$ 665,60). Apesar da alta em novembro, as capitais do Norte e Nordeste obtiveram valores menores: Aracaju (R$ 473,26), Salvador (R$ 505,94) e João Pessoa (R$ 508,91).

Em relação a novembro de 2020, a cesta básica subiu em todas as capitais, com maiores percentuais anotados em Curitiba (16,75%), Florianópolis (15,16%), Natal (14,41%), Recife (13,34%) e Belém (13,18%). No acumulado de janeiro a novembro deste ano, todas as capitais também registraram alta.

Salário mínimo

O Dieese estima que o salário mínimo necessário para manter uma família no país deveria ser R$ 5.969,17, o que corresponde a 5,42 vezes o piso nacional vigente: R$ 1.100,00. Em outubro, o valor deveria ter sido de R$ 5.886,50.

*Com informações da Agência Brasil

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana