conecte-se conosco


Geral

Saneamento básico deve ser universalizado em MT até 2033

Publicado

A meta é universalizar e garantir o atendimento de 99% de água potável à população e de 90% da coleta e tratamento de esgoto

Consolidar a universalização do Saneamento Básico em Mato Grosso. Essa é a proposta que os deputados estaduais estão discutindo, desde 2021, na Assembleia Legislativa. A proposta de autoria do governo do estado propõe à criação de 15 unidades regionais (composição de 106 municípios) de abastecimento de água potável e esgoto sanitário.

Projeto de Lei nº 614/2021, encaminhada pelo governador Mauro Mendes (UB), já foi aprovado em primeira votação pelo Parlamento no final de 2021. O objetivo do governo é universalizar e garantir o atendimento de 99% de água potável à população e de 90% da coleta e tratamento de esgoto. O prazo estimado é de até 31 de dezembro de 2033.

Mas a Associação Mato-grossenses dos Municípios (AMM) quer mudanças no texto original do governo. Entre as alterações, de acordo com o presidente da AMM, Neurilan Fraga, está o modelo de gestão do saneamento básico, segundo ele, a proposta deixa de fora as sugestões dos prefeitos.

“A AMM quer ajudar na construção de um projeto que defina um modelo com a participação dos gestores municipais. A nossa proposta é de composição de cinco unidades regionais e não 15 como está sendo proposta pelo governo. Além disso é preciso fazer um estudo de viabilidade econômica e financeira dos blocos. Do jeito que está, os municípios que não aderirem aos blocos, não poderão pegar recursos financeiros do governo federal para investimento em saneamento básico”, disse Fraga.

Para o presidente da AMM, é preciso que a proposta dê autonomia aos prefeitos. Segundo ele, é nos municípios que são prestados os serviços de água e esgoto. Fraga disse ainda que um dos maiores entraves à proposta original é com o modelo de gestão do saneamento básico.

“Alguns municípios defendem outro modelo, que não seja a concessão. No projeto de lei, o governo propõe que todos serão por concessão. Mas muitos querem que o saneamento seja feito por meio de autarquia, parceria-público-privado e por concessão compartilhada, quando o município faz uma parte e a iniciativa privada faz a outra parte nos serviços de água e esgoto”, afirmou Fraga.

De acordo com o governo de Mato Grosso, a proposta estadual está em sincronia com a Lei Federal nº 11.445/2007. Essa norma define o saneamento básico em quatro eixos do serviço público: abastecimento de água potável; esgotamento sanitário; drenagem urbana e o manejo de resíduos sólidos urbanos (coleta e destinação final do lixo urbano).

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (União), defende a universalização do saneamento básico – água e esgoto – sob o comando de empresas privadas em vez de elas serem administradas pelo poder público. Ele afirmou que os serviços de distribuição de água e coleta de esgoto são mais eficazes nãos mãos da administração privada.

“Não adianta o poder púbico querer ficar concentrado nesse serviço. Hoje, os municípios que possuem quase 100% do fornecimento de água e do tratamento de esgoto entregaram os serviços à iniciativa privada. Hoje, Cuiabá está à frente de Várzea Grande. Cuiabá já melhorou muito e Várzea Grande está evoluindo e, por isso os outros municípios têm que acompanhar e fazer 100% do tratamento do esgoto e de água”, disse.

Questionado se a proposta será votada ainda este ano, Botelho afirmou que a matéria vai à votação assim que houver consenso entre os municípios sobre a importância da universalização do serviço de água e esgoto à população. Segundo ele, a Assembleia Legislativa, a Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM) e a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) estão empenhados na discussão para melhorar a proposta e votar um projeto que atenda os interesses da população mato-grossense.

“Ainda não existe consenso para votá-la. A proposta será colocada em pauta assim que encontrarmos um denominador comum que seja melhor à população e para os municípios. Muitos municípios entendem que estão sendo prejudicados. Antes de fazer uma audiência pública, a Comissão de Infraestrutura vai fazer uma reunião com a AMM e depois disso colocar a matéria para a votação em plenário”, explicou Botelho.

A matéria está sob a análise dos deputados que compõem a Comissão de Infraestrutura Urbana e de Transporte da Assembleia Legislativa. Outro objetivo da proposta é o de fomentar a realização de estudos, estruturação e implementações de unidade regionais de saneamento básico. A proposta já recebeu oito emendas e três substitutivos integrais.

Segundo o governo, por meio do programa, será possível a aplicação de recursos no saneamento básico de municípios mato-grossenses, tornando a regionalização desses serviços uma realidade regional. O Programa de Incentivo ao Saneamento Básico do Estado de Mato Grosso (Prosan) tem a responsabilidade de incentivar a efetiva implantação das unidades regionais.

Pela proposta do governo, os 106 municípios, que fazem parte das 15 Unidades Regionais, devem manifestar a adesão à respectiva Unidade Regional, por meio da declaração formal do Prefeito, no prazo de até 180 dias. Essa norma passa a valer a partir da publicação da sanção da lei no Diário Oficial do Estado.

De acordo com a proposta, a definição do modelo de gestão para os serviços públicos de saneamento básico será feita no âmbito das respectivas Unidades Regionais de Saneamento Básico no Estado de Mato Grosso – URBS´s/MT e precederá à adesão dos Municípios às Unidades de Regionalização de Água e Esgoto – URAE’s.

De acordo com o presidente da AMM, Neurilan Fraga, por meio da apresentação de substitutivo integral, os prefeitos defendem mudanças na composição das Unidades Regionais, em vez de 15 (por 106 municípios) como está proposto no texto original, eles querem a composição de apenas cinco Unidades Regionais (104 municípios) de água e esgoto, com uma população estimada em 1.879.499 milhão.

Outra alteração sugerida pelos prefeitos está no artigo terceiro da proposta do governo. Nesse item, a proposta do Executivo sugere que “os municípios poderão manifestar adesão à respectiva URAE por meio de declaração formal”. Enquanto a sugestão da AMM é por meio de lei. O prazo é de 180 dias após a aprovação da lei.

Marco Legal – Em nível de Brasil, o marco legal do saneamento foi instituído em 2007 e atualizada pela Lei nº 14.026/2020, definindo o saneamento e as diretrizes para a sua prestação. Cada um dos seus componentes possui características específicas relacionadas às infraestruturas, instalações operacionais e prestação.

De acordo com pesquisa Nacional de Saneamento Básico, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2017, apontava que dos 141 municípios em Mato Grosso, cerca de 139 tinham redes de distribuições de água e apenas duas não contavam com a rede. Já o volume de água tratado por dia era de 1.000.746 milhões de metros cúbicos, enquanto a extensão da rede era de 13.746 km. O índice de perdas foi estimado em 32,8%.

A pesquisa mostrou que a rede de esgoto em Mato Grosso estava efetivada em 50 municípios e os outros 91 municípios não contavam com o sistema de coleta do esgoto sanitário. A gestão do saneamento básico, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que 100 unidades estavam sob a administração municipal (sendo 86 sob a administração do poder público e 14 com as autarquias) e 39 com a iniciativa privada.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Geral

Mauro Mendes constrói sexta ponte entre Cuiabá e Várzea Grande e inicia via de acesso para nova obra

Publicado

As obras serão realizadas em uma extensão de 3,29 km e não foram projetadas em gestões anteriores [Foto – Christiano Antonucci]

A Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra-MT) iniciou as obras de implantação do acesso à nova ponte sobre o Rio Cuiabá, construída entre os bairros Parque Atalaia, em Cuiabá, e Parque do Lago, em Várzea Grande.

As obras serão realizadas em uma extensão de 3,29 quilômetros, ligando o final da Avenida P, a principal do Bairro Atalaia, até a ponte sobre o Rio Cuiabá. Do lado de Várzea Grande, será criada uma alça para dar acesso tanto à Alameda Júlio Muller, quanto à Avenida São Gonçalo, no bairro Parque do Lago.

O secretário de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, lembra que o acesso até a ponte não foi previsto pelas gestões anteriores, que iniciaram o projeto de construção da estrutura.

“As obras viárias para chegar até a ponte não foram projetadas. Sem o acesso, essa ponte ficaria suspensa no ar, sem utilidade nenhuma. Isso é um desrespeito com o dinheiro público, projetar, licitar e começar a construir uma ponte sem o sistema viário de acesso”, afirmou.

A implantação do acesso à nova ponte está orçada em R$ 22,3 milhões e começou após a conclusão do processo de desapropriação, também não previsto anteriormente. No momento, estão sendo finalizados os serviços de limpeza do trajeto e iniciadas as obras de drenagem.

A nova ponte sobre o Rio Cuiabá foi licitada em 2013 e lançada em 2018, mas efetivamente construída a partir de 2019. Com 390 metros de extensão, a ponte no Parque Atalaia está praticamente concluída, restando apenas a execução de serviços de acabamento.

Esta nova estrutura vai criar um sexto acesso entre as duas maiores cidades de Mato Grosso. A obra irá beneficiar toda a região do Parque Cuiabá e também do Grande Cristo Rei, além de ajudar a desafogar o trânsito nas outras pontes sobre o Rio Cuiabá.

 

Continue lendo

Geral

Cuiabá convoca aprovados em seletivo para os cargos de professor, TNE e TMIE-ASG

Publicado

Os convocados devem comparecer na Secretaria Municipal de Educação nesta quinta-feira, às 14h, para apresentação de documento e atribuição

A Prefeitura de Cuiabá publica, nesta quarta-feira (29) os editais de convocação de 10 candidatos aprovados no Processo Seletivo Simplificado Emergencial para os cargos de Professor Pedagogo, Técnico em Nutrição Escolar (TNE) e Técnico em Manutenção e Infraestrutura – Auxiliar de Serviços Gerais (TMIE-ASG).

Os convocados devem comparecer na Secretaria Municipal de Educação quinta-feira (30), às 14h, conforme especificado nos Editais, para apresentação de documentos e atribuição.

Os candidatos convocados que não comparecerem no dia e horário previstos ou não entregarem toda a documentação exigida serão eliminados, pois não haverá segunda chamada. Nesse caso, será convocado o classificado na sequência.

Os documentos que devem ser apresentados e entregues (originais e/ou cópias), de acordo com os Editais são: RG, CPF, Título de Eleitor, PIS ou PASEP, Certificado de Reservista, Conta Corrente no Banco do Brasil (caso houver), comprovante de residência, diploma ou certificado de conclusão de curso, acompanhado do Histórico Escolar (do Ensino Médio), exame admissional e certidões negativas.

Os candidatos aprovados atuarão em unidades educacionais da rede pública municipal de ensino em substituição de servidores efetivos, a fim de atender à necessidade temporária de excepcional interesse público.

Os editais de convocação se referem ao Processo Seletivo Simplificado para contratação temporária imediata e formação de cadastro de reserva, Nº 002/2022/GS/SME, publicado na Gazeta Municipal Suplementar 329, de 25/02/2022.

O certame foi realizado este ano, por meio de avaliação de títulos, de forma emergencial, para preencher 665 vagas nas funções de Instrutor de Libras, Intérprete de Libras, Técnico em Desenvolvimento Infantil (TDI), Técnico em Nutrição Escolar (TNE), Técnico em Manutenção e Infraestrutura – Auxiliar de Serviços Gerais (TMIE-ASG), Professor de Ensino Fundamental, Professor com Especialização em Atendimento Educacional Especializado e/ou Educação Especial.

Em 13 convocações a Secretaria Municipal de Educação já chamou 509 candidatos aprovados.

Confira os Editais de Convocação em www.cuiaba.mt.gov.br

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana