conecte-se conosco


Economia

Saiba o que é preciso fazer para sair do cadastro positivo

Publicado

shopping
shutterstock

Consumidores poderão solicitar a saída do cadastro positivo

Nesta terça-feira, entrou em vigor a lei que determina que pessoas físicas e empresas sejam incluídas automaticamente no cadastro positivo. Neste sistema, além dos dados negativos sobre os consumidores que já são computados pelos bureaus de crédito, serão incluídos também dados positivos de operações financeiras, como o pagamento de contas residenciais e a quitação da fatura do cartão de crédito.  

Leia também: Entenda como funciona a lista de bons pagadores clicando aqui.

Mas e se o cliente não quiser ter seus dados divulgados? O que fazer para sair do cadastro positivo ? Quem não quiser fazer parte poderá pedir para sair do sistema.

Para isso, será preciso se cadastrar em um dos bureaus de crédito (como Serasa e SPC) e fazer a solicitação. Depois disso, outros bureaus serão comunicados do pedido de saída e também apagarão os dados do sistema (confira abaixo).

Uma vez excluído, se quiser entrar novamente no sistema, o consumidor poderá fazer o caminho inverso e pedir a inclusão a um dos bureaus de crédito. Mas, ao ser inserido novamente, ele somente terá seus dados disponíveis a partir desta segunda inclusão. Assim, vai demorar um certo tempo para que se forme um banco de dados positivo a respeito.

Leia Também:  Medida Provisória pode deixar aposentadoria de servidores públicos mais difícil

Com as informações do cadastro positivo, a expectativa é que as instituições financeiras tenham mais informações sobre os clientes, o que, em tese, facilitaria o acesso ao crédito e reduziria o spread bancário (diferença entre o que os bancos pagam para captar recursos e o que cobram nos empréstimos oferecidos aos clientes).

Vale lembrar, porém, que para que o cadastro positivo entre de fato em funcionamento, será necessário que o Banco Central (BC) faça uma regulamentação, que ainda não tem data para ser publicada.

Veja o que é preciso para sair em cada bureau de crédito :

Boa Vista Serviços

É possível sair do sistema por meio do site www.consumidorpositivo. com.br . É preciso se cadastrar, passar pelo processo de autenticação e fazer sua autoconsulta no cadastro. Ao final do relatório positivo, haverá um botão com opção de cancelamento.

Também é possível fazer o pedido no balcão de atendimento. O consumidor deve comparecer a um dos postos de atendimento da Boa Vista, munido de documentos originais: CPF e RG (ambos obrigatórios) — ou somente Carteira Nacional de Habilitação (CNH) — e solicitar o cancelamento de sua participação no cadastro positivo, após preencher um termo correspondente que lhe será fornecido no local.

Leia Também:  Saques no FGTS serão anuais e vão liberar R$ 42 bilhões até 2020, afirma Guedes

Outra opção é fazer o procedimento por telefone (tel.: 11-3003-0101). É feito um processo de confirmação de identidade e efetuado o cancelamento.

Quod

É possível pedir a exclusão do cadastro positivo por meio site https://consumidor.quod. com.br/sair-cadastro-positivo  . Na página, está descrito o passo a passo.Outra opção é ligar para 3003-QUOD (3003-7863).

Serasa Experian

Leia também:  Especialista comenta sobre cadastro positivo: “É positivo para quem?”

Há canais diferentes para o cancelamento do cadastro de pessoas físicas e jurídicas no cadastro positivo . Consulte.

Fonte: IG Economia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Pequenos negócios criaram 95% das vagas em julho, diz Sebrae

Publicado

As micro e pequenas empresas criaram 41,5 mil empregos com carteira assinada no mês de julho. Os dados foram compilados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Segundo o levantamento, os pequenos negócios foram responsáveis por 95% dos empregos gerados em todo o país.

Com os números das grandes empresas e da administração pública, foram criados 43,8 mil empregos formais. De janeiro a julho deste ano, as micro e pequenas empresas abriram 437,6 mil vagas, 2,4% acima do registrado no mesmo período do ano passado.

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, disse que esses empreendedores são a alavanca para a economia e vitais para a geração de emprego e renda no país. Segundo Melles, é mais um motivo para que o país invista em melhoria do ambiente de negócios do setor, diminuição da burocracia e incentivo à competitividade.

Os pequenos negócios do setor de serviços foram os que mais criaram vagas (20 mil). Os destaques foram o ramo imobiliário, com 15,2 mil empregos, e o setor da construção civil, com 14 mil postos.

Leia Também:  Comissão especial retoma discussões sobre parecer da Previdência; assista

São Paulo liderou a geração de empregos em julho, com mais 12,8 mil vagas, seguido por Minas Gerais, com 7,5 mil. A Região Sudeste teve o maior volume de novos postos (20 mil), seguido pelo Centro-Oeste, com 6,7 mil vagas.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC
Continue lendo

Economia

Acordo com países do Efta ampliará mercado para produtos brasileiros

Publicado

O acordo entre o Mercosul e o bloco de países europeus da Associação Europeia de Livre Comércio (Efta) vai ampliar mercados para produtos brasileiros e aumentar a competitividade da economia nacional. O governo brasileiro manifestou essa expectativa hoje (24) em nota conjunta dos ministérios das Relações Exteriores, da Economia e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Nesta sexta-feira (23), após 10 rodadas de negociações, iniciadas em 2017, os dois blocos chegaram a um acordo comercial, que terá de ser votado pelos parlamentos dos países-membros para entrar em vigor. 

Na nota conjunta, os três ministérios afirmam que o mercado brasileiro terá facilidade de acesso ao bloco formado por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein, que tem Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 1,1 trilhão e população de 14,3 milhões de pessoas. 

“O acordo ampliará mercados para produtos e serviços brasileiros, promoverá incremento de competitividade da economia nacional, ao reduzir custos produtivos e garantir acesso a insumos de elevado teor tecnológico com preços mais baixos. Os consumidores serão beneficiados com acesso a maior variedade de produtos a preços competitivos”.

Leia Também:  Governo pode desistir de recorrer em ações de segurados contra INSS; entenda

De acordo com os ministérios, após entrar em vigor, o acordo permitira acesso preferencial para produtos agrícolas exportados pelo Brasil, por meio isenção de tarifas ou cotas, e a abertura de oportunidades comerciais a diversos produtos, como carne bovina, carne de frango, milho, farelo de soja, melaço de cana, mel, café torrado, frutas e sucos de frutas.

“Segundo estimativas do Ministério da Economia, o acordo Mercosul-Efta representará um incremento do PIB brasileiro de US$ 5,2 bilhões em 15 anos. Estima-se um aumento de US$ 5,9 bilhões e de US$ 6,7 bilhões nas exportações e nas importações totais brasileiras, respectivamente, totalizando um aumento de US$ 12,6 bilhões na corrente comercial brasileira. Espera-se um incremento substancial de investimentos no Brasil, da ordem de US$5,2 bilhões, no mesmo período”,diz a nota. 

O anúncio do acordo foi feito ontem pelo presidente Jair Bolsonaro e ocorreu menos de dois meses após o Mercosul concluir o maior acordo comercial de sua história, fechado com a União Europeia em junho. 

 

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC
Leia Também:  ANP aprova resoluções para transparência de preços
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana