conecte-se conosco


Internacional

Rússia não vai mais fornecer gás à Finlândia após negociação com Otan

Publicado

source
Presidente da Rússia, Vladimir Putin
Reprodução / Record News – 31.03.2022

Presidente da Rússia, Vladimir Putin

Nesta sexta-feira (20), a operadora de gás da Finlândia informou que a Rússia não vai mais fornecer o produto ao país a partir deste sábado (21). Trinta por cento do consumo de gás de toda a Europa é provido por Moscou.

“A Gazprom [estatal russa] informou à Gasum [estatal finlandesa] que todo o fornecimento de gás natural para a Finlândia previsto em contrato será cortado a partir das 04h de sábado (21)”, divulgou a companhia em nota.

De acordo com a empresa, com as reservas atuais, ainda será possível manter o combustível pelos próximos meses. Conforme o comunicado, o país governado pelo  presidente Vladimir Putin preparou represálias devido aos flertes com o ocidente e após a Finlândia fazer a solicitação para entrar na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) .

“Já estávamos nos preparando para esta situação e não haverá interrupção na transmissão de gás aos consumidores, por isso seremos capazes de continuar fornecendo gás pelos próximos meses”, acrescentou a nota.

Na última segunda-feira (16),  Putin disse que não tem “problemas” com Finlândia e Suécia e que sua provável adesão à aliança militar não cria ameaças para Moscou.

“A expansão da Otan é artificial”, afirmou o líder russo. “A Rússia não tem problemas com Finlândia e Suécia, sua possível adesão à Otan não cria qualquer ameaça direta para a Rússia”, acrescentou.

O líder russo afirmou, no entanto, que a resposta de Moscou à adesão e à expansão da Otan vai depender de como ocorrerá a instalação de infraestruturas militares nos dois países escandinavos. “Vamos ver o que vai acontecer com base nas ameaças que serão criadas para nós. Na verdade, o problema está surgindo do nada”, disse o presidente. 

Em meio à tensão de uma possível ofensiva russa, nesta semana a Noruega, Dinamarca e Islândia informaram que vão dar apoio à Finlândia e à Suécia caso os países sofram represálias da Rússia .

“Juntamente à Dinamarca e à Islândia, a Noruega está pronta para ajudar seus vizinhos nórdicos por todos os meios necessários caso sejam vítimas de agressão em seu território antes de obterem a adesão à Otan”, disse o primeiro-ministro da Noruega, Jonas Gahr Stoere.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Internacional

Embaixador da China alerta Reino Unido sobre aproximação com Taiwan

Publicado

Zheng Zeguang, embaixador da China no Reino Unido
Divulgação/Embaixada Chinesa no Reino Unido

Zheng Zeguang, embaixador da China no Reino Unido

O embaixador da China no Reino Unido, Zheng Zeguang, afirmou que o país europeu pode sofrer “sérias consequências” caso  siga os passos dos Estados Unidos e realize movimentos de aproximação junto a Taiwan.

A afirmação foi feita em um artigo publicado nesta terça-feira (16) no jornal britânico The Guardian. De acordo com o embaixador chinês, o Reino Unido não deve cruzar uma “linha vermelha” nas relações com Taiwan.

“Qualquer movimento que viole o princípio de Uma Só China e as disposições do comunicado conjunto, ou cruze a linha vermelha do lado chinês, trará sérias consequências para as relações bilaterais. Não deve haver nenhum erro de cálculo sobre isso”, enfatizou Zheng Zeguang.

A autoridade chinesa ressaltou ainda que apelos que tenham o objetivo de ajudar a ilha a se defender são “irresponsáveis e prejudiciais”.

“A questão de Taiwan é uma questão importante de princípio. Não há razão para o Reino Unido ignorar esse fato e seguir os passos dos EUA. Apelos para ‘ajudar Taiwan a se defender’ e similares são extremamente irresponsáveis ​​e prejudiciais”, afirmou.

Zeguang argumentou que China e Reino Unido assinaram um comunicado conjunto em 1972, quando começaram a trocar embaixadores. Neste acordo, os britânicos também oficializaram o fechamento do seu consulado em Taipei, capital de Taiwan.

O Reino Unido reconheceu, no mesmo acordo, que o governo da República Popular da China como é o único governo legal da China, prometendo manter uma relação não oficial com Taiwan.

“Sob tais circunstâncias, a China e o Reino Unido devem fortalecer, em vez de enfraquecer, sua cooperação. Os dois lados devem seguir os princípios de respeito mútuo, igualdade e não interferência nos assuntos internos de cada um, engajar-se no diálogo e na cooperação e dar as mãos para enfrentar os desafios comuns”, completou o embaixador chinês.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Internacional

EUA: Força Aérea anuncia teste de míssil nuclear de longo alcance

Publicado

EUA anunciam que testaram míssil nucelar de longo alcance
Ansa

EUA anunciam que testaram míssil nucelar de longo alcance

Os  Estados Unidos testaram um míssil nuclear de longo alcance nesta terça-feira (16), informou o Comando de Ataque Global da Força Aérea.

O teste havia sido adiado no último dia 4 por conta da tensão causada com a China por conta da visita da presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, a Taiwan.

O míssil Minuteman III foi lançado da base da aeronáutica em Vandenberg, na Califórnia, às 4h49 (hora local), e viajou cerca de 6,7 mil quilômetros em direção a um campo de testes norte-americanos nas Ilhas Marshall. Segundo a nota oficial do Comando, “esse foi um teste de rotina para demonstrar que o arsenal nuclear dos EUA está pronto”.

“Esses testes ocorreram mais de 300 vezes antes e não é o resultado dos eventos mundiais atuais”, acrescenta ainda a Força Aérea.

A referência é para tentar não acentuar ainda mais a crise diplomática que ocorre com Pequim desde que a líder democrata decidiu viajar ao território – considerado uma “província rebelde”, mas parte da “China Única”.

Desde que Pelosi foi à ilha, os chineses fizeram os maiores exercícios militares na região e acusaram os EUA de “traição”.

Por sua vez, Washington disse que visitas de políticos norte-americanos ao local são rotineiras e que não mudou sua postura em reconhecer Taiwan como parte da China.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana