conecte-se conosco


Internacional

Rússia acusa EUA de ‘desestabilização global’ por relação em Taiwan

Publicado

Presidente Vladimir Putin disse que adesão dos países à Otan não representa ameaça à Rússia
Reprodução / Twitter – 10.05.2022

Presidente Vladimir Putin disse que adesão dos países à Otan não representa ameaça à Rússia

Uma porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia acusou Washington de “desestabilizar” o mundo em meio a relatos de que a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, deve visitar Taiwan, apesar da oposição de Pequim.

Sem a divulgação de anúncios oficiais e com informação sem a identificação das fontes, vários meios de comunicação de Taiwan informaram que Pelosi chegaria à ilha na terça-feira. Ela se tornaria a mais alta autoridade eleita dos EUA a visitar a ilha em mais de 25 anos, se realmente fizer a viagem.

Mas a China alertou que a visita de Pelosi à ilha autogovernada é uma manobra ao qual os Estados Unidos “pagarão o preço por minar a soberania e os interesses de segurança da China”.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, acusou os EUA de boicotar a segurança global ao observar o descontentamento de Pequim sobre a possível visita. 

“Washington está trazendo desestabilização para o mundo. Nem um único conflito resolvido nas últimas décadas, mas muitos provocados”, disse ela em um post no Telegram na terça-feira.

Pequim vê as visitas de autoridades americanas a Taiwan como um sinal encorajador de pró-independência na ilha. Washington não tem laços diplomáticos oficiais com Taiwan, porém os EUA fornecem à ilha ‘meios para se defender’, de acordo com sua constituição. 

O presidente chinês Xi Jinping alertou o presidente norte-americano Joe Biden que Washington deve respeitar o princípio de uma só China e “aqueles que brincam com fogo perecerão por ele”.

Biden respondeu a Xi que a política dos EUA para Taiwan não mudou e que Washington se opõe fortemente aos esforços unilaterais para mudar o status quo ou minar a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Internacional

EUA: Secretário de Justiça diz que aprovou operação na casa de Trump

Publicado

Merrick Garland diz que aprovou pessoalmente batida na casa de Trump
Reprodução

Merrick Garland diz que aprovou pessoalmente batida na casa de Trump

Três dias após a operação de busca e apreensão na casa do ex-presidente Donald Trump , o secretário de Justiça dos Estados Unidos, Merrick Garland, rompeu o silêncio e disse que aprovou pessoalmente a varredura. 

Em resposta às críticas republicanas de que o governo do presidente Joe Biden estaria aparelhando o Judiciário, solicitou ainda que o sigilo do mandado que deu origem à batida do FBI seja derrubado.

Garland não deu maiores detalhes sobre o que motivou a operação, mas as autoridades investigam se Trump teria levado consigo documentos sigilosos ao deixar a Casa Branca ao invés de entregá-los ao Arquivo Nacional, como demanda a lei. O silêncio do secretário, que evita os holofotes, deixava o governo Biden sob pressão para explicar a batida policial.

Nunca antes um antigo ocupante da Casa Branca havia sido alvo de uma operação deste tipo — ineditismo que, por si só, acendeu o alerta de críticos. Havia dúvidas não apenas sobre a necessidade da operação, mas também sobre quem havia dado o aval para que ela acontecesse.

“Eu aprovei pessoalmente a decisão de recorrer a um mandado de busca”, afirmou o secretário, ressaltando que o mandado foi autorizado pela Justiça. 

“O Departamento não toma tais decisões levianamente. Quando possível, é prática padrão buscar formas menos intrusivas como uma alternativa para a busca e limitar o escopo de qualquer busca que ocorra.”

Garland fazia uma referência à informações que vieram à tona horas antes de sua fala nesta quinta de que o Departamento havia recorrido a formas menos intrusivas para obter os documentos antes do mandado de busca. 

Aos jornais americanos, fontes afirmaram que o presidente havia sido alvo de uma intimação em junho, e chegou a receber funcionários do integrante da Justiça em sua casa em Mar-a-Lago, na Flórida.

Sob ameaça de ação judicial, Trump já havia devolvido à Justiça em janeiro 15 caixas com documentos que levou irregularmente consigo após deixar a Casa Branca. Não demorou, contudo, para que as autoridades suspeitassem que itens haviam ficado para trás.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Internacional

Ex-ministro Andrea Matarazzo se candidata a vaga no Senado da Itália

Publicado

Empresário e ex-ministro Andrea Matarazzo
Matheus Valadão Lopes

Empresário e ex-ministro Andrea Matarazzo

O ex-ministro Andrea Matarazzo lançou sua candidatura ao Senado na Itália. As informações são do Estadão . O político e empresário foi embaixador do Brasil em Roma entre os anos 2001 e 2002 e agora visa tornar-se representante da América do Sul no Senado italiano.

Segundo a reportagem, a eleição para a vaga foi antecipada após Mario Draghi renunciar ao cargo de primeiro-ministro. Após a decisão, o presidente italiano, Sergio Mattarella, dissolveu o Parlamento e antecipou o pleito para o dia 25 de setembro. 

A comunidade italiana no Brasil, no entanto, poderá votar em um representante pelo correio a partir do dia 21 de agosto. 

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana