conecte-se conosco


Opinião

ROSANA LEITE BARROS – Difícil recuo

Publicado

A violência doméstica e familiar acontece em várias famílias, não é segredo para ninguém. Aliás, ela, essa violência, ocorre onde se espera, e, também, onde menos se espera. Não há raça, credo, condição financeira, religião e grau de escolaridade que possam a conter. E, porque, muitas mulheres resolvem não seguir à diante, quando procuram ajuda?

O diagnóstico do gênero feminino que passa a sofrer violência doméstica é visível. A mudança de comportamento delas é um sinal mais que evidente. Mesmo assim, muitos e muitas presenciando a alteração repentina da vítima, resolvem se omitir. Percebe-se que elas estão sendo premidas de muitas situações, porém, a sociedade é cruel nessas situações. “Ora, vou intrometer, e depois eles ficam juntos?” E tem mais a famosa: “Briga de marido e mulher…”. “Ruim com ele, pior sem ele”.

É… Triste… As frases acima tem deixado mulheres serem vítimas de cruéis assassinatos todos os dias. A taxa de feminicídio no Brasil é a 5ª maior do mundo, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde. Foi um dos crimes que mais aumentou no ano de 2019. A maioria deles incide dentro de casa. De dez mulheres mortas, oito advieram diante de filhos e filhas.

E elas morrem dentro de casa, em delitos cometidos por seus “Amores” ou “Ex-amores”. E aqueles e aquelas que podiam fazer algo para evitar essas mortes, sintam-se culpados e culpadas, quando sabem da existência de relacionamento abusivo, e nada fazem. Acham que estão a ajudar em não se intrometer. Todavia, vidas poderiam ter sido salvas, com conselhos e demonstrações a elas de que vivem de maneira tóxica os relacionamentos. Óbvio que a vontade da mulher em continuar o relacionamento é opção dela, pois, essa é insubstituível. No entanto, mostrar que está vivendo perigosamente é obrigação de todos e todas.

Existe grande desafio em fazê-las entender, muitas vezes, que estão vivendo a violência doméstica. Entretanto, a omissão é muito grave. A imprensa noticiou, dias atrás, a agressão que a vítima Milena Bemfica foi submetida. Ela é esposa do jogador de futebol do São Paulo, conhecido como Jean. Ele foi preso nos Estados Unidos por referida agressão, em que oito socos foram desferidos no rosto dela diante das filhas. Pelo noticiado midiaticamente, a mulher preferiu não seguir com a ação, dizendo que isso acontece mesmo em família. Pelo visto, Milena deixou de representar formalmente contra o jogador, ainda que gravemente ferida na face. Várias razões, dentre algumas: para não prejudicar as filhas e a carreira do jogador.

A realidade de Milena não é diferente de tantas outras mulheres. Diariamente elas resolvem desistir das medidas protetivas de urgência, ou, ainda, renunciar ao direito de representação. No Brasil, em havendo lesão corporal, o processo criminal seguirá, independentemente da vontade delas. Parece mentira, mas elas são coagidas por diversas pessoas conhecidas dele e dela para manifestarem a vontade de extinção do processo.  A compreensão é pequena de que atitudes como essa podem ocasionar feminicídios.

O enfrentamento é primordial! Frases a desencorajá-las nutrindo o ciclo da violência doméstica e familiar pode custar a vida de muitas. 

ROSANA LEITE ANTUNES DE BARROS é defensora pública estadual.

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Opinião

DIRCEU CARDOSO – Coronavíruus exige atenção e racionalidade

Publicado

A presença entre nós do coronavírus já é uma realidade. Além do primeiro caso confirmado em São Paulo, espalham-se suspeitos por todo o território nacional, inclusive em cidades do interior. São quase 200 notificados, o que leva à expectativa de que existam ao redor de 300 brasileiros sob suspeita e os não identificados com a possibilidade de estarem transmitindo o mal às pessoas ao seu redor. Seria uma irresponsabilidade ignorar ou subnotificar o problema, pois isso criaria o ambiente ideal para a ocorrência da epidemia. Mas também é importante não se alarmar a ponto de promover a histeria e principalmente a corrida aos insumos supostamente inibidores do mal. As autoridades de saúde têm o dever de informar o verdadeiro quadro, através de comunicados oficiais e pelos meios de divulgação.

Não contribuirá em nada a circulação de boatos, ainda que com alguma feição de verdade, que levem a população a correr para comprar todo o estoque de máscaras, álcool gel e outros produtos ditos preservadores da saúde em relação ao vírus. O correto é que, conhecendo a extensão dos riscos, cada indivíduo esteja em condições de adotar suas precauções discretamente e, com isso, contribuir para a sanidade da população. Nada de mascarados, aloprados que higienizam as mãos a cada minuto ou adotam práticas restritivas mas continuam circulando para lugares desnecessários onde, aí sim, podem encontrar o corona. Esse quadro de pânico serviria apenas para os aproveitadores aumentarem os preços das máscaras, do álcool e de tudo o mais que se disser ser adequado para o momento.

O mundo ainda não sabe com certeza qual será a progressão do coronavírus, oficialmente denominado Covid-19. O certo é que ele surgiu em dezembro na China e hoje está em 47 países (inclusive aqui), já infectou 83 mil pessoas, da quais 2.858 morreram. Em contrapartida, 36 mil já se recuperaram. A maior parte dos casos está no hemisfério norte, onde é frio desde que o mal foi identificado. Não se sabe como ele se comporta no calor, que hoje vivemos no hemisfério sul e se prolongará pelo menos até o final de abril. Mesmo assim, as autoridades brasileiras estão mobilizadas e já determinaram a antecipação da vacinação contra a gripe, além de fazer o controle dos casos que começam a surgir, trazidos por brasileiros que viajaram ao exterior e por aqueles que com eles tiveram contato.

Toda epidemia assusta. Já tivemos até um presidente da República – Rodrigues Alves – morto por uma epidemia, a gripe espanhola, de 1918. Depois dela vieram dezenas de outras que o país enfrentou adequadamente e até hoje mantém controles, como a vacinação anal dos grupos de risco. Espera-se que o corona seja apenas a repetição dos males que, de tempo em tempo, varrem o mundo. Vigilância, empenho e racionalidade são os requisitos básicos para fechar as portas ao mal maior.  Isso sem esquecer da dengue, febre amarela, zika, chikungunya, gripe A, leishmaniose e outros males que também matam e são endêmicos em nosso país…

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) [email protected]                                                                                                     

 

Continue lendo

Opinião

JOÃO EDISOM – Que mundo é esse?

Publicado

Estamos entrando para a segunda década do século XXI e precisamos entender urgentemente o mundo em que vivemos. A era da internet, da informatização, dos apps, redes sociais e da globalização das notícias e informações destruiu todos os conceitos econômicos e políticos que conhecíamos e os novos ainda estão em construção.

Quem nasceu no pós 1999, portanto tem 21 anos ou menos, desconhecem o mundo pelo qual os cinquentões tanto falam ao ponto de brigar, que é o mundo da direita ou da esquerda (Guerra Fria não existe mais). Para quem está com menos de 21 estes conteúdos nem fazem sentido.  A nova massa humana vive em outras vertentes, onde a relação capital e trabalho já não são as mesmas e nem sempre se interagem. Para as pessoas dos vinte e uns abaixo os desejos são outros.

As teorias econômicas e políticas até aqui desenvolvidas não deram conta de solucionar os velhos e eternos problemas das desigualdades e de cansaço envelheceram, veja os casos:

O comunismo surgiu do movimento socialista da Europa do século XIX. Com Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Engels (1820-1895), fundadores do chamado “socialismo científico”.
O liberalismo começou a alcançar notoriedade ainda durante o Iluminismo, quando se tornou popular entre filósofos e economistas.  Estamos falando do século XVI e XVII. O liberalismo econômico veio de Adam Smith e François Quesnay no ainda século XVIII.
A socialdemocracia remonta à década de 1860, com a ascensão do primeiro grande partido operário da Europa, a Associação Geral dos Trabalhadores Alemães (ADAV), fundada por Ferdinand Lassalle. Ressurgiu no século XX no pré-grande guerra e foi influenciada pelo socialismo e a defesa do bem estar social.
O neoliberalismo surgiu na década de 30 do século passado. Tratava-se de uma doutrina econômica que emergiu entre acadêmicos liberais europeus e que tentava definir uma denominada “terceira via” capaz de resolver o conflito entre o liberalismo clássico e a economia planificada coletivista.
Nenhuma destas teorias quando colocada em prática destruiu a desigualdade social e econômica. Portanto, se você tem cinquenta anos ou mais vivenciou elas todas como sendo as grandes soluções, mas hoje já são passado e fracassadas. E não esqueça que os seus quase ou mais de 50 anos fazem com que você já tenha “mais passado que futuro para viver” (frase do jornalista Onofre Ribeiro), logo o futuro não é mais só seu.
Portanto, os modelos de governos que estão em vigência são para os que já viveram e não servem em nada para os que ainda vão viver. O conteúdo profissional e filosófico que as escolas ensinam são para empregar pessoas e o momento já é do trabalho, portanto, a cada dia que passa teremos menos emprego e mais trabalho.
Temos que parar de se digladiar pelo que passou e entender que momento é esse. Precisamos urgentemente entender o novo mundo para não morrer de exaustão de passado ou inanição de futuro!

João Edisom de Souza é professor universitário e analista político em Mato Grosso.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana