conecte-se conosco


Nacional

RJ: policial preso é transferido após suspeita de ligação com ataques de milícia

Publicado


source
Pulgão foi preso em 2018
Reprodução

Pulgão foi preso em 2018

Um inspetor condenado e preso por chefiar uma  milícia da Zona Oeste do Rio foi transferido após suspeita de envolvimento nos ataques que deixaram, na última quinta-feira, pelo menos dois mortos e sete van incendiadas em bairros da região. Rafael Luz Souza, o Pulgão, saiu da Cadeia Pública Constantino Cokotós, em Niterói, e foi levado para a Penitenciária Laércio da Costa Pellegrin, nesta sexta-feira. Na unidade de segurança máxima, conhecida como Bangu 1, em Gericinó, Pulgão foi colocado numa cela solitária, sem contato com outros detentos.

Pulgão era desafeto de Wellington da Silva Braga, o Ecko, morto em junho deste ano . Ele é apontado como chefe do bando que controla a Carobinha, em Campo Grande — única comunidade do bairro que não pertence ao maior grupo paramilitar do estado. Pulgão e Ecko disputavam a tiros o controle da região. Após a morte do irmão, Luis Antônio da Silva Braga, o Zinho, herdou o comando e começou uma guerra com Danilo Dias Lima, o Tandera, que chefia uma quadrilha que atua em Seropédica, Itaguaí e em outros pontos da Baixada Fluminense. Em meio a essa disputa, Tandera tem o apoio de Pulgão.

A transferência entre cadeias foi solicitada em julho deste ano, mas a saída de Niterói para Bangu 1 ocorreu apenas após os recentes ataques. Na época, o pedido destacava os riscos de fuga após a morte de Ecko. “Esta unidade não goza de segurança adequada para uma possível tentativa de resgate ou fuga. O interno, considerado inimigo do Estado, está sendo vinculado a uma possível assunção da liderança da narcomilícia da Zona Oeste. De acordo com denúncias, Pulgão está sendo vinculado a homicídios na Zona Oeste e Baixada.”

Segundo Pulgão, sua cabeça valia R$ 500 mil

Enquanto estava solto, Pulgão usou o aparato da Polícia Civil para enfraquecer rivais e, assim, garantir o domínio de uma comunidade. Em depoimento à Justiça, contou que, ao longo de quatro anos, atuou como colaborador de duas delegacias especializadas, passando informações que levaram seus rivais à prisão ou à morte — e, de quebra, abriram brecha para o crescimento de sua milícia. Mas, de acordo com ele, sua atuação “vazou” após ter participado da operação que terminou com a morte de Carlinhos Três Pontes, em abril de 2017.

O inspetor foi preso em julho de 2018, ao ser flagrado por agentes da Corregedoria da Polícia Civil saindo de uma boate, na Barra da Tijuca, Zona Oeste, com cinco fuzis e uma metralhadora antiaérea. Pulgão disse aos agentes que “estava aliviado” por ter sido capturado pela corregedoria, já que tinha o receio de cair nas mãos de Ecko.

No final de seu depoimento, ele diz que teve a cabeça colocada a prêmio com recompensa de alta quantia. “Valia R$ 500 mil”, relatou.

Leia Também

O inspetor negou integrar a milícia da Carobinha, mas a investigação que culminou com sua prisão reuniu diversas provas do envolvimento com a quadrilha. Uma delas é um áudio gravado por um homem que delatou policiais civis ligados a um esquema de extorsão de dinheiro na Zona Oeste. O policial foi condenado em 2019, mas recorreu da sentença. No ano passado, a 2ª Câmara Criminal manteve a decisão.

Pulgão figura como réu em mais dois processos. Num deles, responde pelo homicídio de Wagner Luís Ribeiro Adão, em novembro de 2017. Segundo o Ministério Público, o policial civil ordenou o assassinato “por vingança, pelo fato de a vítima não ter aceitado proposta para fazer parte da milícia da qual é líder”. No outro processo, é acusado de integrar uma quadrilha de policiais especializada em “botes” — abordagens que são organizadas com o objetivo de extorquir dinheiro.

Guerra de Zinho e Tandera por cobranças de taxas

O ataque às vans não foi um ato isolado na guerra de dois grupos rivais de milicianos que disputam o controle da exploração de negócios irregulares na região . Uma das hipóteses investigadas pela polícia é a de que Danilo Tandera , apoiado por Pulgão, esteja de olho na cobrança de taxas de motoristas dos bairros de Santa Cruz, Campo Grande e Paciência, que são recebidas atualmente pelo bando chefiado por Zinho. A polícia estima lucro de até R$ 2 milhões.

O Portal dos Procurados oferece R$ 5 mil por informações que ajudem a prender o miliciano Tandera, de 37 anos, foragido da Justiça desde novembro de 2016 e suspeito de lavar dinheiro de atividade criminosa da milícia, adquirindo mansões, cavalos de raça e carros. Com a morte de Ecko , Tandera é o criminoso mais procurado do Rio de Janeiro.

Hoje em guerra com Tandera, Zinho era o operador financeiro do bando e encarregado de lavar o dinheiro da milícia antes da morte de Ecko. Contra ele, há pelo menos três mandados de prisão expedidos pela Justiça do Rio. O Disque-Denúncia (2253-1177) oferece uma recompensa de R$ 1 mil por informações que levem à sua captura.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nacional

Sexta-feira ensolarada em São Paulo

Publicado


source
Previsão do tempo em São Paulo
Governo do Estado de São Paulo

Previsão do tempo em São Paulo

O tempo continua frio pela manhã, mas a chegada do sol ajuda a elevar as temperaturas nesta sexta-feira (22). O Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) divulgou que a mínima será de 13ºC e a máxima de 25ºC. 

Apesar da nebulosidade no começo do dia, o sol prevalece em São Paulo. Além disso, não há previsão de chuva e a umidade do ar em São Paulo deve oscilar entre 40% e 90% nesta sexta.


Continue lendo

Nacional

Laudo indica que autor de ataque a creche em SC tinha “plena consciência” do ato

Publicado


source
Creche ficou isolada pelos Bombeiros e Polícia Militar após o ataque
Divulgação/Corpo de Bombeiros

Creche ficou isolada pelos Bombeiros e Polícia Militar após o ataque

Uma perícia constatou que o autor do atentado a uma creche em Saudades (SC) em 4 de maio, que deixou três crianças e duas funcionárias mortas , tinha “plena capacidade de entender o caráter criminoso do fato”, de acordo com o Ministério Público.

Após  assassinar as vítimas a facadas na Escola Municipal Infantil Pró-Infância Aquarela, o autor do crime também deu golpes de faca no próprio corpo e foi levado em estado gravíssimo a um hospital da região. 

O responsável, um  jovem de 18 anos identificado como Fabiano Kipper Mai, não tinha passagem pela polícia e está preso desde o ocorrido.

O laudo feito pelo IGP-SC (Instituto Geral de Perícias de Santa Catarina) concluiu que Fabiano tem um distúrbio mental, mas que é capaz de entender as consequências de seus atos.

Caso a Justiça aceite o resultado apontado no documento, ele poderá ser julgado pelo crime. A perícia também informou que  Fabiano apresentava estado mental, emocional e de comportamento “congruentes com capacidades cognitivas à época”.

O laudo foi anexado ao processo nessa terça-feira (19) e, agora, cabe à Justiça determinar se Fabiano será ou não julgado pelo Tribunal do Júri, como foi solicitado pelo Ministério Público.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana