conecte-se conosco


Saúde

Remédios para varíola dos macacos não estão disponíveis no Brasil

Publicado

source
Vírus da 'varíola dos macacos'
Foto: Centro de Controle de Doenças/Divulgação – 20/05/2022

Vírus da ‘varíola dos macacos’

Os medicamentos existentes para o tratamento da varíola não estão disponíveis para comercialização no Brasil. Remédios como brincidofovir, tecovirimat e cidofovir não têm aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o que impede o seu uso e venda no país.

Não há casos registrados da doença no Brasil até agora, mas o Ministério da Saúde já criou uma sala de situação para monitorar a evolução dos casos pelo mundo e os riscos da entrada da varíola do macaco no Brasil.

Segundo a Anvisa, o registro mais recente de medicamento contra a doença expirou em 2010 — era o antiviral cidofovir. A falta de tratamentos aprovados pode expor a população a riscos caso a doença, já confirmada em 19 países, chegue ao Brasil. Integrantes da agência ouvidos em caráter reservado pelo GLOBO afirmaram monitorar a situação, mas, por ora, nenhuma decisão foi tomada.

Questionada pelo GLOBO, a Anvisa afirmou que só existe autorização para um medicamento indicado para uso em um outro tipo de varíola, que não serviria para a variante dos macacos. “Não há medicamentos com indicação pra tratamento de varíola no Brasil. Existe registro para a substância doxiciclina que é indicada para ‘varíola por riquétsia’, que se trata de uma outra variação da doença. Não há registro de brincidofovir (ou só o cidofovir) e tecovirimat. Para cidofovir já houve registro, mas está caduco desde 2010”, diz a nota.

A autorização para uso emergencial, modalidade criada pela Anvisa para acelerar a análise durante a pandemia, se restringe a vacinas e a remédios contra a Covid-19. Esse cenário, contudo, pode mudar diante da avaliação do cenário epidemiológico e das possibilidades de enfrentamento à varíola dos macacos, sustenta a agência.

Segundo o Ministério da Saúde, não há casos suspeitos ou confirmados no Brasil. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que há mais de 250 infecções confirmadas e suspeitas de varíola dos macacos no mundo. A maioria se concentra na Europa, mas existem registros nos Estados Unidos, no Canadá, na Austrália, em Israel e nos Emirados Árabes Unidos. República Tcheca e Eslovênia relataram os primeiros diagnósticos nesta terça-feira.

Segundo especialistas, as vacinas disponíveis contra a varíola humana, que teve a erradicação declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1980, também fornecem proteção contra essa versão da doença. Os Orthopoxvirus — nos quais se inclui o Varíola vírus — são capazes de promover a chamada imunidade cruzada, quando o sistema imunológico usa defesas prévias desenvolvidas contra um micro-organismo para combater outro parecido. Não há, contudo, um imunizante específico contra a varíola dos macacos.

Endêmica na África, o espalhamento da doença por países que não tiveram contato com o continente ainda é um mistério para cientistas. Possíveis surtos podem ser controlados por medicamentos

A transmissão ocorre, geralmente, de animais para pessoas em florestas da África Central e Ocidental. Entre humanos, o ministério aponta que o contágio é considerado moderada e ocorre, sobretudo, por meio do contato com secreções respiratórias, lesões de pele ou objetos contaminados. Quanto a gotículas respiratórias, deve haver maior proximidade com o paciente. Além disso, há a possibilidade de infectar através de fluidos corporais.

Fonte: IG SAÚDE

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Saúde

Mortes por covid-19 caem 83% no 1º semestre na comparação com 2021

Publicado

Número de mortes por covid no Brasil pode ter sido 18% maior em 2020, estimam cientistas
Mariana Alvim – @marianaalvim – Da BBC News Brasil em São Paulo

Número de mortes por covid no Brasil pode ter sido 18% maior em 2020, estimam cientistas

Mais de dois anos após o início da pandemia, o Brasil enfrenta uma nova onda de Covid-19, causada pelo avanço das subvariantes da Ômicron. Embora a média móvel de mortes esteja em um período de crescimento, com índices acima de 200 nos últimos dias, o número de óbitos registrados no país pela doença no primeiro semestre deste ano é seis vezes menor do que o total do mesmo período de 2021.

Levantamento feito pelo GLOBO, com base em dados do consórcio de veículos de imprensa, mostra que nos primeiros seis meses de 2021, 323.270 pessoas perderam a vida em decorrência de complicações da Covid-19. No mesmo período deste ano, foram confirmadas 52.387 mortes. Isso corresponde a uma redução de 83,79% no número de óbitos.

A queda expressiva no número de óbitos pela Covid-19 é creditada à vacinação, que teve início na segunda quinzena de janeiro do ano passado, mas só engrenou a partir de junho.

“Em comparação com as ondas anteriores, há menor necessidade de leitos de terapia intensiva. Também não estamos vendo muitos óbitos”, disse o infectologista Júlio Croda, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), em uma entrevista publicada no início de junho, sobre o assunto.

Apesar de a Ômicron e suas subvariantes conseguirem escapar da proteção conferida pelas vacinas e por infecções prévias, especialistas são unânimes em dizer que a vacinação permanece altamente eficaz para doenças severas, hospitalizações e óbitos. Para isso, é preciso estar com a imunização em dia. Já é consenso que para a Ômicron, o chamado esquema básico de vacinação é composto por três doses. Mesmo assim, apenas 44,27% dos brasileiros habilitados receberam uma dose de reforço. Para as faixas etárias mais vulneráveis, o segundo reforço já está liberado.

Até sexta-feira, 83,37% da população brasileira estava imunizada com ao menos uma dose. A segunda dose da vacina, por sua vez, foi aplicada em 78% da população nacional. A vacinação infantil ainda caminha a passos lentos. Apenas 63,26% das crianças de 5 a 11 anos já receberam a primeira dose contra a Covid-19. Para a segunda dose, a taxa é de 38,57%.

O número de casos, por outro lado, foi semelhante nos dois períodos: 10.883.383 no primeiro semestre de 2021 e 10.073.078 nos seis primeiros meses deste ano. Vale ressaltar ainda que especialistas estimam que o número de infectados atualmente é ainda maior que o oficial, dado que muitas pessoas recorrem aos autotestes, cujos resultados não são contabilizados pelos dados oficiais, ou não se testam.

Desde fevereiro de 2020, quando o primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus foi registrado no Brasil, 32.434.200 pessoas foram diagnosticadas com Covid-19 e 671.764 perderam a vida para a doença.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Covid-19: Brasil registra 284 óbitos e 76 mil casos em 24 horas

Publicado

As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 75.139 novos casos de covid-19 e confirmaram 284 mortes por complicações associadas à doença nas últimas 24 horas em todo o país. Os dados estão na atualização divulgada nesta sexta-feira (1º) pelo Ministério da Saúde. Segundo a pasta, o estado do Mato Grosso do Sul não enviou o balanço de óbitos nesta sexta.

Com as novas informações, o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus durante a pandemia soma 32.434.063.

O número de casos de covid-19 em acompanhamento está em 888.681. O termo é dado para designar casos notificados nos últimos 14 dias em que não houve alta, nem óbito.

Com os números de hoje, o total de mortes desde o início da pandemia chegou a 671.700. Ainda há 3.241 óbitos em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação se a causa foi covid-19 ainda demanda exames e procedimentos complementares.

Até agora, 30.873.682 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a 95,3% dos infectados desde o início da pandemia.

Boletim epidemiológico da covid-19 Boletim epidemiológico da covid-19

Boletim epidemiológico da covid-19 – Ministério da Saúde

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, o estado que registra mais mortes por covid-19, até o momento, é São Paulo, com 170.994 óbitos. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro, com 74.157; Minas Gerais, com 62.170; Paraná, com 43.803; e Rio Grande do Sul, com 40.040.

Os estados com menos óbitos resultantes da doença são: Acre, com 2.004; Amapá, com 2.140; Roraima, com 2.153; Tocantins, com 4.168; e Sergipe, com 6.359.

Vacinação

Até o momento, foram aplicadas 453.678.213 doses de vacinas contra a covid-19, sendo 178,2 milhões como primeira dose, 161,1 milhões como segunda dose e 4,9 milhões como dose única. A dose de reforço já foi aplicada em 94,8 milhões de pessoas e a segunda dose extra, ou quarta dose da vacina, 10,1 milhões.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana