conecte-se conosco


Educação

Rede estadual de ensino do Rio retorna às aulas 100% presenciais

Publicado


A rede estadual de ensino do Rio de Janeiro retornou hoje (25) às aulas 100% presenciais. Desde março, o sistema de ensino na Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) estava híbrido, com aulas presenciais e remotas. No ano passado, as aulas foram apenas remotas por causa da pandemia de covid-19.

Em coletiva de imprensa, o secretário estadual de Educação, Alexandre Valle, informou que a direção das escolas tem procurado os estudantes que não estão frequentando as aulas e que a Seeduc anunciará nos próximos dias um grande programa de busca ativa para evitar a evasão escolar.

“As nossas diretoras, a todo momento, trabalharam em busca ativa para que nossos alunos retornassem às nossas salas de aulas, por meio de e-mails, de mensagens, de telefonemas, e, principalmente, indo buscar os alunos em sua residência. A partir dos próximos dias, o governo do estado apresentará um grande programa de busca ativa que envolverá aproximadamente 9 mil mulheres e 1,5 mil assistentes sociais”.

Valle lembrou que faltam apenas cerca de 60 dias para o fim do ano letivo, mas que esse período será importante para a secretaria identificar e corrigir problemas gerados pela pandemia.

“São 60 dias muito importantes onde faremos o diagnóstico da realidade atual dos nossos alunos, onde poderemos traçar medidas pontuais e cirúrgicas pra que cada vez mais tenhamos esse resultado que todos nós desejamos, alcançamos a educação do Rio de Janeiro, com investimentos em reforço, em recuperação, onde possamos fazer com que, apesar de 60 dias apenas, o aluno possa ter o melhor aproveitamento”, explicou.

Segundo o secretário estadual da Saúde, Alexandre Chieppe, o cenário epidemiológico da pandemia está favorável para o retorno às aulas presenciais.

“O cenário epidemiológico da covid-19 hoje no Rio de Janeiro é bastante tranquilizador. Isso muito por conta da vacinação, que vem avançando de forma satisfatória no estado. Hoje, nós já temos em torno de 60% da população vacinada com as duas doses e mais de 75%, com uma dose. Isso já reflete na queda dos indicadores. A tendência é que essa queda se consolide e se reflete no Mapa de Risco que a gente divulga semanalmente. Pela primeira vez, todas as regiões do estado estão em amarelo, temos somente dois municípios em laranja. No próximo mapa, poderemos ter alguns em verde”.

De acordo com ele, os protocolos sanitários não preveem o fechamento da escola em caso de registro de covid-19 entre estudantes ou professores.

“A primeira recomendação é: não se fecha escola, caso aconteça algum caso. Identifica-se o aluno, isola-se o aluno, ele é encaminhado para o posto de Saúde, e essa equipe do posto começa o monitoramento daqueles indivíduos próximos daquele aluno. Obviamente, caso aconteça um surto, com vários casos secundários naquela escola, outras medidas poderão ser adotadas. Desde a suspensão daquela turma especificamente e o monitoramento dela, até a modificação de algum protocolo, que pode ter havido algum erro”, disse.

Sindicato

O Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ) apresentou na semana passada para a Seeduc questionamentos sobre o retorno às atividades presenciais. O Sepe argumenta que a pandemia não acabou e que ainda existe risco de contágio, apesar do avanço na vacinação.

“A direção questionou, ainda, os problemas estruturais de muitas escolas que não têm espaço físico adequado para receber um grande contingente de pessoas na atual situação sanitária”, informa o Sepe-RJ. O sindicato questionou a interrupção abrupta da plataforma virtual, sendo que há garantias para que os servidores com comorbidades permaneçam no trabalho remoto até o final de 2021.

O sindicato argumenta também que os estudantes ainda não completaram o ciclo de vacinação e que a decisão de retornar ou não à escola deve ser da família, e não uma imposição da Seeduc. Segundo o Sepe-RJ, a direção do sindicato volta a se reunir com a secretaria no dia 28 e uma assembleia está marcada para o dia 30.

Rede municipal

Na rede municipal de ensino do Rio de Janeiro, o retorno das aulas presenciais sem rodízio de alunos começou no dia 18, com as turmas de pré-escola, 1º, 2º, 5º e 9º anos do ensino fundamental e programa Carioca II.

A segunda fase da retomada das aulas presenciais começou hoje (25), com o retorno das creches, classes especiais, Educação de Jovens e Adultos (EJA) e 3º, 4º, 6º, 7º e 8º anos do ensino fundamental.

Por causa da pandemia de covid-19, as aulas presenciais vinham ocorrendo em sistema de rodízio, com metade da lotação das turmas em cada semana.

Edição: Valéria Aguiar

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

MG: prazo para fazer cadastro escolar de 2022 termina na sexta

Publicado


Os estudantes interessados em uma vaga em 2022 na rede pública de ensino de Minas Gerais devem fazer a inscrição no Sistema Único de Cadastro e Encaminhamento para Matrícula (Sucem) até sexta-feira (10). 

O cadastro é destinado aos alunos que vão ingressar na rede pública, que precisam mudar de escola no próximo ano, ou que não renovaram sua matrícula. Também devem se inscrever os estudantes que pretendem ingressar em cursos da educação profissional em uma escola da rede estadual, na Educação de Jovens e Adultos (EJA), no Ensino Médio em Tempo Integral (EMTI), além daqueles que desejam retomar os estudos.

A inscrição deve ser feita no site cadastroescolar.educacao.mg.gov.br.

Os candidatos devem apresentar informações como nome completo, data de nascimento, endereço, CEP, número da carteira de identidade, CPF, filiação ou nome do responsável legal, entre outros.

Quem não tem acesso ao site pode comparecer às escolas estaduais e/ou municipais na sua cidade, para fazer a inscrição. Nesse caso é preciso seguir o protocolo de uso de máscaras e distanciamento social.

A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais elaborou um documento com as principais dúvidas sobre o Sucem.

*matéria atualizada para correção de título. As inscrições terminam na sexta-feira (10) e não hoje (8)

Edição: Graça Adjuto

Continue lendo

Educação

Publicada medida provisória que cria o Programa Internet Brasil

Publicado


Com objetivo de promover o acesso gratuito à internet em banda larga móvel aos alunos da educação básica da rede pública de ensino integrantes de famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais, o governo federal cria o Programa Internet Brasil. A Medida Provisória nº 1077, de 7 de dezembro de 2021, que institui o programa está publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (8).

De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência da República, o Internet Brasil será “implementado de forma gradual, observada a disponibilidade orçamentária e financeira, e poderá alcançar outras pessoas físicas, beneficiárias de políticas públicas instituídas pelo Poder Executivo federal nas mais diversas áreas”.

Diz ainda que acesso gratuito à internet em banda larga móvel poderá ser realizado, sem prejuízo de outros meios, por intermédio da disponibilização de chip, pacote de dados ou dispositivo de acesso, além de poder ser concedido a diferentes alunos integrantes da mesma família.

Caberá ao Ministério das Comunicações, entre outras medidas, a gestão e coordenação das ações, monitorar e avaliar os resultados, assegurar a transparência na divulgação de informações e estabelecer as características técnicas e a forma de disponibilização do serviço de acesso gratuito à internet em banda larga móvel.

Para a implementação do programa, o ministério poderá ainda fazer contratos de gestão com organizações sociais, realizar parceria com organizações da sociedade civil de interesse público e dispor de outros instrumentos de parceria com organizações da sociedade civil, previstos em lei. Poderão ser firmadas também parcerias com entidades privadas para a consecução dos objetivos do Internet Brasil, desde que haja interesse comum na execução do programa.

A medida provisória prevê também que os órgãos e as entidades da administração pública federal, estadual, distrital e municipal poderão aderir ao Internet Brasil, devendo, para tanto, celebrar instrumento próprio, se houver repasse ou transferência de recursos financeiros.

*Com informações da Secretaria-Geral da Presidência da República

Edição: Aécio Amado

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana