conecte-se conosco


Política MT

‘Puxador de votos’, Júlio Campos cita eleição sem coligação partidária e quer disputar vaga na AL

Publicado

Líder democrata defende que legenda tenha chapa forte para eleger até quatro deputados estaduais [Foto – O Documento]

O ex-governador de Mato Grosso, Júlio Campos (DEM), afirmou ao portal O Documento que nunca deixou de fazer política e que está colocando seu nome à disposição do partido para disputar uma cadeira de deputado estadual nas eleições de 2022.

“Na política eu nunca parei, recentemente disputei a suplência de senador na chapa de Nilson Leitão. É claro que não tivemos sucesso, saímos em terceiro lugar, o Nilson Leitão, mas meu nome sempre foi bem visto perante o eleitorado de Mato Grosso, principalmente junto às bases do Democratas”, disse o ex-governador.

A decisão de disputar, segundo Júlio Campos se deve, também, às novas regras eleitorais. “Preocupado em como vai ser a eleição do ano que vem, ou seja, não vai haver coligação partidária, o partido precisa ter uma chapa forte, com vários candidatos, são 36 candidatos, 26 homens e dez mulheres, para poder eleger três deputados estaduais”, disse.

Júlio Campos recordou que hoje o DEM tem dois deputados estaduais, Eduardo Botelho e Dilmar Dal Bosco. “A nossa meta é tentar trabalhar para chegar de 3 a 4 estaduais na próxima eleição. Precisava de nomes expressivos e com a possibilidade do deputado Botelho, que é aqui da Baixada Cuiabana, que é de Várzea Grande, ir para o Tribunal de Contas na próxima vaga, um grupo de amigos, companheiros aqui da Baixada Cuiabana manifestaram desejo de que meu nome fosse colocado à disposição do partido para uma cadeira da Assembleia Legislativa, já que eu nunca fui deputado estadual, já fui federal, senador, governador, prefeito”, destacou.

Para Júlio Campos, essa disputa será uma experiência a mais em sua vida. “É uma experiência nova, diferente para mim. Como eu não estou deficiente, estou bem fisicamente, mentalmente, com pique, 74 anos com pique de um garoto de 60, pronto para exercer qualquer função pública eleito pelo povo, meu nome está à disposição”, declarou.

Júlio disse que já conversou com o senador Jaime Campos, com o governador Mauro Mendes e com o suplente de senador Fábio Garcia, presidente regional do partido em Mato Grosso, sobre o assunto.

 

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política MT

Mauro Carvalho rebate críticas e cobra deputado para que deixe as redes sociais e trabalhe por Mato Grosso

Publicado

Chefe da Casa Civil lamenta que prefeito não tenha trabalhado para trazer benefícios para MT

Em entrevista na rádio CBN Cuiabá (95,9 FM), nessa segunda-feira (20), o secretário-chefe da Casa Civil de Mato Grosso, Mauro Carvalho (DEM), criticou a postura do deputado federal José Medeiros (Podemos), de promover acusações infundadas, de ‘baixo nível’ nas redes sociais contra o Governo do Estado.

“É lamentável, vejo com tristeza. Se o deputado Medeiros pegasse toda essa energia que ele tem nas redes sociais e se dedicasse a ajudar o povo de Mato Grosso, realmente as coisas estariam diferentes. Eu pergunto: o que o deputado José Medeiros fez?”, questionou o secretário-chefe da Casa Civil.

O secretário acrescentou que Medeiros destinou poucos recursos para o estado de Mato Grosso no combate da pandemia, e fez questão de destacar que todos os parlamentares da Bancada Federal e da Assembleia Legislativa também destinaram. “O que ele fez de diferente? Então pegue toda essa energia e traga em benefício”, disse Mauro Carvalho.

Sobre o fato de o parlamentar federal ter declarado que a compra da vacina russa, a Sputnik, pelo governador Mauro Mendes (DEM), é uma jogada política, o secretário Mauro Carvalho afirmou que “espero que ele ajude Mato Grosso a realmente adquirir e ficar com essas vacinas, que interfira junto ao presidente Jair Bolsonaro, junto às Embaixadas, ajude Mato Grosso. Porque se ele pegar toda essa energia no sentido de ajudar, com certeza vai ser diferente, mas ele usa toda essa energia para criticar, vir com coisinhas baixas, para fazer embate sem valor nenhum, sem conteúdo nenhum”, disparou Carvalho.

Continue lendo

Política MT

Projeto de lei incentiva vacinação em empresas privadas

Publicado


Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

O Projeto de Lei 249/2021 cria o programa “Empresa Livre de Covid” para incentivar a vacinação de trabalhadores no setor privado de Mato Grosso. Mas vincula a implantação da proposta à oferta de vacina para aquisição na rede particular, em hospitais e clínicas.  

Conforme o autor da proposição, o deputado estadual Dr. Gimenez (PV), o objetivo é estimular o envolvimento de todos os setores da economia na disponibilização da vacina contra a Covid-19, pois esta é uma das únicas maneiras de vencer efetivamente a pandemia.

“Sabemos que os empreendedores sofreram um forte abalo econômico em razão de medidas restritivas impostas pelos governos estaduais e municipais, por isso o programa propõe atuar na solução do problema ao permitir que as empresas credenciadas voltem a funcionar normalmente”.

O projeto de lei não desobriga os empregadores, empregados e clientes de adotarem as demais medidas de prevenção à Covid-19, como a utilização de máscaras, álcool em gel, distanciamento social e redução da capacidade de atendimento. “Essa é uma forma de cuidar da saúde, mas também manter emprego e renda à população”.

Entre os setores que poderão se beneficiar da nova legislação estão: comércio atacadista, supermercados, bares e restaurantes, serviços de saúde, construção, bancos e lotéricas, abastecimento e logística, combustíveis, autopeças, hotelaria, indústria, transporte de passageiros, telecomunicações, serviço de beleza, lavanderia, funerários, limpeza, segurança pública e privada, academias, entre outros.

“As micro e pequenas empresas respondem por mais de 30% do PIB do país, são as que geram mais da metade dos empregos diretos. Mas ao contrário das grandes corporações, não possuem capital de giro suficiente para manter o negócio aberto durante as restrições de funcionamento, por isso precisamos encontrar um meio de ajudá-las”, afirma Dr. Gimenez.

Números – No Brasil, desde o início da pandemia, mais de 30% dos bares e restaurantes decretaram falência, o que, segundo um levantamento feito pela Associação Nacional dos Restaurantes (ANR), soma mais 300 mil estabelecimentos, dos quais 75 mil lojas. Com a segunda onda da pandemia, esse percentual deve aumentar em 2021 e acentuar a crise.

Fonte: ALMT

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana