conecte-se conosco


Internacional

Putin ordena que vacinação em massa contra Covid-19 comece semana que vem

Publicado


source
Sputnik, vacina da Rússia contrra Covid-19
Reprodução: BBC News Brasil

Sputnik, vacina da Rússia contrra Covid-19, deve começar a ser aplicada na próxima semana

O presidente da Rússia, Vladimir Putin , ordenou nesta quarta-feira (2) seja iniciada na próxima semana a vacinação em massa da população russa , começando por médicos e professores.

Em evento online de abertura os centros médicos multifuncionais do Ministério da Defesa, o presidente detalhou que cerca de 2 milhões de doses da vacina russa Sputnik V terão sido produzidas em breve, tornando possível o início da vacinação em larga escala da população.

“Gostaria de pedir para que organizem o trabalho de tal forma que até o final da próxima semana prossigamos com a vacinação em larga escala”, disse o governante, dirigindo-se à vice-primeira-ministra Tatyana Golikova.

Tatyana Golikova afirmou que o país já tem “o potencial de iniciar a vacinação em massa em dezembro”, e disse que os grupos prioritários estão sendo avaliados. “Dois deles serão médicos e professores”, anunciou.

“Sei que, no geral, tanto a indústria quanto a rede (de hospitais nas regiões) estão preparadas para isso. Vamos dar este primeiro passo”, disse Putin.

O Centro Nacional de Pesquisa em Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, que desenvolveu a Sputnik V, e o Fundo para Investimentos Diretos da Rússia (RDIF, na sigla em inglês), informaram na semana passada que a vacina tem uma eficácia acima de 95% e um preço de aproximadamente US$ 20 para as duas doses necessárias. 

Fonte: IG Mundo

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Internacional

Covid-19: mortes batem recorde e Portugal pode ter ajuda internacional

Publicado


O governo de Portugal foi estimulado a transferir pacientes de covid-19 para fora do país. As mortes pela doença atingiram uma alta recorde e o sistema de fornecimento de oxigênio de um grande hospital na região de Lisboa falhou em parte por conta do uso excessivo.

As fatalidades por covid-19 nas últimas 24 horas chegaram ao recorde de 291, elevando o total do país para 653.878 casos e 11.012 mortes. O país agora tem a maior média semanal de casos e mortes por milhão de pessoas, de acordo com o ourworldindata.org.

O hospital no município de Amadora teve de transferir 48 de seus pacientes para outras unidades de saúde na capital na noite de terça-feira (26), pois a pressão de oxigênio não era suficiente para um grande número de pacientes. 

“Houve a necessidade de diminuir o consumo de oxigênio, então os pacientes foram transferidos”, informou o hospital, que quase não tem leitos livres. “Eles nunca estiveram em perigo.”

Reportagens mostraram ambulâncias apressadas passando pelos portões principais do hospital para pegar os pacientes, enquanto algumas deixaram o local escoltadas pela polícia.

Pacientes transferidos

Vinte pacientes foram transferidos para o maior hospital de Lisboa, o Santa Maria, que, na terça-feira, instalou dois refrigeradores do lado de fora de seu necrotério com capacidade para 30 corpos, afirmou o porta-voz do hospital.

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em entrevista coletiva, que não havia necessidade de criar “alarme” sobre a ideia de ajuda internacional, mas acrescentou: “sabemos que há disponibilidade de países amigos para ajudar.”

A ministra da Saúde, Marta Temido, disse à emissora RTP: “O governo português está buscando todos os mecanismos disponíveis, incluindo no quadro internacional, para garantir a melhor assistência aos doentes.”

Ela observou que as transferências de pacientes seriam limitadas pela localização de Portugal na extremidade ocidental da Europa, especialmente porque outras nações da União Europeia também estão sob pressão.

Continue lendo

Internacional

Tremores na Espanha causam inquietação; primeiro-ministro pede calma

Publicado


Mais de meio milhão de pessoas que vivem em Granada, no Sul da Espanha, acordaram hoje inquietas, depois do sobressalto causado durante a noite por três tremores de magnitude superior a quatro graus, seguidos de 30 réplicas menores.

“Vários sismos fizeram tremer Granada de novo esta noite. Compreendo a preocupação de milhares de pessoas. É tempo de manter a calma e seguir as indicações dos serviços de emergência”, disse o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, em mensagem no Twitter.

As televisões espanholas mostram imagens, publicadas por populares nas redes sociais, de pessoas com casacos por cima de pijamas que saíram no meio da noite para as ruas, apesar do recolher obrigatório na região por causa da pandemia de covid-19.

Os três tremores de terra quase consecutivos tiveram o seu epicentro na localidade de Santa Fé, a cerca de 10 quilômetros de Granada, e magnitude de 4,2 graus, 4,2 e 4,5, de acordo com o Instituto Geográfico Nacional espanhol.

No sábado passado (23) um tremor de terra de 4,4 graus de magnitude já tinha sido sentido nas localidades de Atarfe e Santa Fé.

Desde o início de dezembro do ano passado, ocorreram cerca de 300 sismos na região, explica o Instituto Geográfico, dos quais cerca de 40 foram sentidos pela população”.

O sismo de sábado apenas causou alguns danos, como pequenas fendas ou queda de objetos (livros, pratos) no epicentro, segundo a instituição.

O Instituto Geográfico espanhol informou que essa atividade sísmica “é habitual” na região, “especialmente dentro da zona central da Cordilheira Bética”, um maciço montanhoso no sul da Espanha, que tem a maior atividade sísmica da Península Ibérica, devido à “convergência entre a placa africana e a placa euroasiática”.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana