conecte-se conosco


TCE MT

Proponente cultural não presta contas e terá que devolver R$ 20 mil ao erário

Publicado

Assunto:
Tomada de Contas
Interessado Principal:
Secretaria de Estado de Cultura
ISAÍAS LOPES DA CUNHACONSELHEIRO INTERINO
DETALHES DO PRECESSO
INTEIRO TEOR
VOTO DO RELATOR
ASSISTA AO JULGAMENTO

Por omissão no dever de prestar contas, o proponente cultural Geraldo Kaunda Assuine foi condenado pela Segunda Câmara do Tribunal de Contas de Mato Grosso a restituir o erário, com recurso próprios, em R$ 20 mil, devidamente atualizados. A referida Câmara também decidiu pela aplicação de multa ao proponente de 10% sobre o valor atualizado do dano.

Em sessão ordinária no dia 03/04, a Segunda Câmara julgou irregulares as contas relativas ao Termo de Concessão de Auxílio nº 006/2014, celebrado entre a Secretaria de Estado de Cultura (SEC) e Geraldo Kaunda Assuine para realização do projeto “Viva Tereza de Benguela” Símbolo da Resistência em MT – Amostra de Artes e Culturas Africanas”.

O prazo de vigência do presente termo de concessão de auxílio foi de 180 dias, contados a partir da data do recebimento do recurso, que ocorreu em 22/07/2014. Ele deveria apresentar a prestação de contas dos recursos 30 dias após a conclusão do projeto cultural, ou seja, dia 02/05/2010. “No entanto, o convenente ao final desse prazo, mesmo notificado diversas vezes pela Secretaria, não apresentou a prestação de contas, razão pela qual foi instaurada a Comissão de Tomada de Contas Especial, para apurar eventuais irregularidades na aplicação dos recursos recebidos para realização do projeto cultural”, diz trecho do voto do relator.

Diante das evidências de prejuízo ao erário, o conselheiro Isaías Lopes da Cunha ainda determinou à atual gestão da Secretaria de Estado de Cultura que Geraldo Kaunda Assuine seja considerado inabilitado, pelo prazo de cinco anos, junto à SEC para receber benefícios. Cópia dos autos foi encaminhada ao Ministério Público Estadual, para adoção das providências que entender cabíveis.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

TCE MT

Reforma administrativa no TCE mostra avanços, redução de custos e enquandramento à LRF

Publicado

Principal compromisso do presidente do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT), conselheiro Guilherme Antonio Maluf, para o biênio 2020/2021, a reforma administrativa saiu do papel e trouxe resultados importantes como a redução nas despesas. Com intenso trabalho de enxugamento, o órgão de controle externo conseguiu se enquadrar novamente na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que limita o máximo de gastos com pessoal.

“No discurso de posse, disse que enquadraria o TCE-MT na LRF novamente, mas imaginava e trabalhávamos para alcançar esse objetivo no final do segundo ano. Para minha satisfação, com as medidas austeras que adotamos, já conseguimos enquadrar o TCE-MT na LRF e hoje estamos abaixo do limite prudencial. A instituição que cobra isso dos fiscalizados, precisa dar exemplo. Agora, vamos continuar avançando na nossa reforma administrativa para alcançar mais objetivos no próximo ano”, afirmou Maluf.

No TCE-MT, o limite prudencial é 1,17% da receita corrente líquida. Após intenso trabalho de redução da despesa com pessoal, a Corte de Contas passou de 1,36%, dados do segundo quadrimestre de 2019, para 1,26% no terceiro quadrimestre de 2019 e para 1,20% no primeiro quadrimestre deste ano. No segundo quadrimestre de 2020, o TCE-MT conseguiu ficar abaixo do limite prudencial, com 1,08% da receita corrente líquida.

Ao avaliar o primeiro ano de gestão à frente do TCE-MT, mesmo em ano de pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o presidente Guilherme Maluf considerou extremamente positivo, destacando também a modernização da Tecnologia da Informação com a criação do Protocolo e Vista Virtual, a doação de 100 computadores para o Sistema Prisional de Mato Grosso, e 500 computadores que serão doados para as escolas municipais.

“Avançamos muito na Tecnologia da Informação. Criamos o Protocolo Virtual, que democratizou o acesso, onde o fiscalizado não precisa mais ir até a sede da Corte de Contas pessoalmente, podendo fazer de forma virtual o protocolo. Também estamos criando a manifestação prévia, que é uma forma de relacionamento com o nosso controle externo que vai diminuir o tempo das ações de controle externo, o tornando mais ágil. As parcerias também foram muito importantes, como a estabelecida com o desembargador Orlando Perri, governador Mauro Mendes e secretário de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, onde cedemos 100 computadores para equipar o sistema prisional, propiciando que as ações judiciais sejam feitas de forma mais ágil, não precisando transportar presos, gerando economia ao Estado”, avaliou Maluf.

Outras conquistas da gestão do TCE-MT em 2020 elencadas por Maluf, foram as recém-criadas Secretaria de Recursos e a Assessoria Parlamentar (Aspar), que vai ser um elo do TCE-MT com a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).

Continue lendo

TCE MT

Médico, presidente do TCE diz que problema com UTIs já existia e defende educação e telemedicina contra pandemia

Publicado

O presidente do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, conselheiro Guilherme Maluf, em live de debate sobre a pandemia do coronavírus, com a participação do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), e do presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios, Neurilan Fraga, disse que o Estado apresenta hoje uma das piores curvas ascendentes, proporcionalmente, de mortes por coronavírus.

“Temos hoje uma das piores curvas ascendentes, proporcionalmente, do País. Mato Grosso vem tendo sim um prejuízo muito grande com o Covid. Se fosse uma vida seria muito ruim, mas nós estamos perdendo muitas vidas. E todos nós não podemos parar de trabalhar para reverter essa posição do nosso Estado”.

Conforme o conselheiro, é preciso tirar o foco da discussão, neste momento, só da questão dos leitos de UTIs. “Nós temos que tirar um pouco o foco da questão de só leitos de UTIs. É preciso, sim, atuar também nas unidades básicas de saúde. A questão de leitos de UTIs já era um problema muito antes do Covid. Eu discordo em municipalizar mais as UTIs. Neste momento, infelizmente, não dá para pensar nisso. Porque nós não temos equipes multidisciplinares uma doença complicada como o Covid nos municípios de Mato Grosso”.

Segundo Maluf, “não adianta abrir UTI no Araguaia, turbinar muitos números de leitos. A  ineficiência, a falta de capacitação, enquanto lá vai levar 40 dias para você tirar um paciente da UTI, aqui em Cuiabá tira em 20 dias. Essa ineficiência tem que ser observada pelo poder público”, disse.

Maluf argumentou que “neste momento vamos ter recursos escassos, grande demanda e não dá para fazer política. Segundo o conselheiro, “o Estado precisa implementar a telemedicina. Só assim podemos levar especialistas para o interior, levar protocolo e, mais do que tudo, nós podemos supervisionar como essas UTIs estão se comportando. A eficiência do tratamento tem que ser prioridade”, afirmou.

O conselheiro adiantou que o Tribunal de Contas “sabe da sua responsabilidade de fazer o controle de contas. Por isso, neste momento, estamos trabalhando muito na área pedagógica, na área técnica, explicando aos municípios, para o Estado, como atuar, de que forma podemos todos trabalhar e combater o vírus para que as políticas públicas possam ser aplicadas ao Covid”.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana