conecte-se conosco


Política Nacional

Privatização causa polêmica em audiência com presidente da Petrobras

Publicado

O processo de desinvestimento com venda de ativos que vem sendo conduzido pela Petrobras foi questionado por senadores da Comissão de Infraestrutura (CI) durante audiência com o presidente da companhia, Roberto Castello Branco, nesta terça-feira (13). Também foi alvo de críticas a política de preços praticada pela empresa desde 2016, baseada no preço de paridade internacional (PPI), que teria elevado os custos ao setor produtivo e aos consumidores em geral.

Os senadores Jean Paul Prates (PT-RN), Eduardo Braga (MDB-AM) e Jaques Wagner (PT-BA) questionaram o fato de a Petrobras, voluntariamente, ter fechado um acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) visando à venda de refinarias. Para Jean Paul, a atual diretriz da Petrobras “vai na contramão do mercado internacional”, pois as grandes empresas do setor buscam controlar a cadeia produtiva “do poço ao posto”.

— Não é uma tendência no mercado internacional que as empresas se desfaçam da sua característica vertical. Muito pelo contrário, a maior parte das companhias de petróleo sonha em ser verticalizada. Algumas não conseguem, por isso se especializam em um nicho ou outro. Mas a maior parte delas sonha em ser do poço à petroquímica, ou do poço ao posto. No caso do mercado de gás, do poço de gás ao acendedor do fogão. As grandes empresas desse setor são integradas, porque as grandes variações no preço dos barris de petróleo e do câmbio tornariam seus lucros instáveis — ponderou.

Mostrando balanços da Petrobras desde 2015, o senador ainda reclamou que a Petrobras vem se desfazendo de ativos valiosos. O setor de refino, por exemplo, lucrou mais de R$ 30 bilhões entre 2015 e 2018. A BR Distribuidora, que teve seu controle acionário passado ao capital privado recentemente, também apresenta sempre lucros superiores a R$ 3 bilhões por ano. O senador ainda citou a venda da Nova Transportadora Sudeste (NTS) para a Brookfield em 2017, cujo contrato de transporte de gás feito com a própria Petrobras fará com que o que foi pago retorne ao comprador “em poucos anos”. Ele acredita que o mesmo está ocorrendo na venda recente da Transportadora Associada de Gás (TAG) para a francesa Engie.

— Os contratos são do tipo ship or pay, em que a Petrobras obriga-se a pagar pela capacidade de transporte contratada, independentemente do volume transportado. É uma quantia certa, as receitas são 4,5 vezes superiores aos custos. A TAG tinha receitas em torno de R$ 5 bilhões para custos de R$ 1 bilhão. A NTS foi vendida por U$ 4,2 bilhões (cerca de R$ 12 bilhões na época), e desde então a Petrobras gasta R$ 1 bilhão por trimestre no aluguel de seus dutos. Ou seja, em menos de quatro anos a Petrobras repaga à Brookfield pela compra — alertou Jean Paul.

Leia Também:  Agenda da semana

Eduardo Braga também questionou “o sentido” de privatizar refinarias que estão no auge da sua capacidade de funcionamento e com margens de lucro substanciais. Já Jaques Wagner também disse não ver sentido no fato de a companhia, na prática, ter assumido um crime perante o Cade sem qualquer conclusão investigativa que apontasse isso.

— Só numa empresa pública alguém pode dizer que abre mão de um monopólio em nome da democracia. Não conheço nenhuma empresa privada que abra mão de algum monopólio estabelecido. O que a Petrobras está fazendo é como se o McDonald’s tivesse todas as lojas de fast food numa cidade e resolvesse vender a metade para estimular a concorrência. É muito estranho que uma empresa cujo maior acionista é a sociedade brasileira resolva agir desta forma — criticou.

Ponderações desse tipo também foram feitas por Kátia Abreu (PDT-TO), que garantiu ser uma defensora do livre mercado, mas que compreende que existem setores marcados por monopólios naturais, em que a gestão estatal torna-se justificável. Ela também reclamou da política da Petrobras em relação ao QAV (querosene da aviação), hoje responsável por um terço do custo das passagens aéreas.

Defesa

Nas respostas aos senadores, Castello Branco argumentou que a Petrobras foi vítima de esquemas de corrupção e má gestão durante anos, que resultaram num endividamento superior a US$ 100 bilhões. O endividamento é o dobro do verificado hoje nas majors do setor, e o serviço anual da dívida ainda corresponde a 300% da geração de caixa.

Essa condição fiscal, disse o gestor, também fez com que os custos de capital para a Petrobras hoje sejam bem superiores aos verificados para as demais companhias. A venda dos ativos faz parte de uma estratégia macro procurando diminuir o endividamento e atrair mais investimentos para a cadeia total do setor, em virtude das dificuldades da Petrobras para investir, justificou.

— Fomos ao Cade porque queremos uma verdadeira indústria de gás natural no Brasil. Estamos focando agora em ativos de águas profundas e ultraprofundas. E ainda vamos investir US$ 21 bilhões na revitalização da Bacia de Campos. Nossa grande fonte de crescimento será o pré-sal. O domínio de 98% do mercado de refino proporcionou uma performance muito ruim. Cada barril de petróleo produzido gera US$ 33,50 de caixa, já cada barril de petróleo refinado gera US$ 6 — argumentou Castello Branco, detalhando que a empresa será “cada vez mais e mais” uma empresa exploradora de petróleo e gás em águas profundas.

Leia Também:  Meia-entrada a doadores frequentes de sangue vai à Câmara, salvo recurso até dia 2

Falando especificamente sobre a venda da TAG, Castello Branco explicou que ela está ligada diretamente aos custos de capital da Petrobras. A TAG oferece hoje uma taxa de retorno de 6,8%, enquanto os campos do pré-sal podem atingir até 20% de retorno, por isso recebem hoje a prioridade visando a novos investimentos.

— Não estamos desmontando a Petrobras, estamos tornando-a melhor. Não precisamos ser donos da infraestrutura toda, precisamos da garantia de uso, onde entram os contratos de longo prazo ship or pay. As outras empresas têm hoje custos de capital mais adequados para estes investimentos, que possam fazê-lo — acrescentou.

Por fim, Castello Branco garantiu que as novas diretrizes da empresa como um todo levarão a um “renascimento” da indústria petrolífera e de gás em diversos estados do país.

Preços altos

Em relação aos custos de combustível mais altos para o setor produtivo e aos consumidores em geral, o gestor reconheceu que isso foi um problema sério entre 2015 e 2018, mas que hoje os preços praticados estariam abaixo da média internacional. Ele defendeu o modelo de paridade de custos (PPI), pois avalia que a manipulação desse mercado, como teria sido praticada no passado, foi uma das responsáveis por mecanismos de má gestão que levaram ao endividamento da Petrobras e por aumentos exagerados nos anos de 2015 e 2017.

Sobre os custos do querosene de aviação, Castello Branco ainda garantiu que não houve reajustes em 2019. Portanto, a disparada no preço das passagens aéreas estaria mais ligada à falência da Avianca, segundo ele.

A atual gestão da Petrobras foi elogiada pelo presidente da CI, senador Marcos Rogério (DEM-RO), e pelo líder do governo, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). Ambos destacaram que a empresa voltou a apresentar lucros sustentáveis. Bezerra Coelho acrescentou que a companhia planeja investir US$ 100 bilhões nos próximos anos, enquanto o desinvestimento gira em torno de US$ 35 bilhões.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política Nacional

Bolsonaro diz não ter problemas com Moro e afirma “ingerência” em ministérios

Publicado

source

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado (24) que não tem “problema nenhum” com o ministro da Justiça, Sergio Moro , após desautorizá-lo em público  na última semana . De acordo com Bolsonaro, houve outras tentativas de criar atritos com ministros, como Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil). 

Sergio Moro participou de transmissão ao vivo com Jair Bolsonaro arrow-options
Carolina Antunes/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou ‘não ter problema’ com o ministro da Justiça Sergio Moro e que possui ‘poder de veto’

“Não tenho problema nenhum com o Moro. Cada hora levantam alguma coisa (contra um ministro). Era Marcelo Alvaro Antonio, era o Onyx também”, afirmou. Questionado se o Moro tinha “carta branca”, Bolsonaro destacou que tem “ingerência” em todos os ministérios. Quando convidou Moro para ser ministro, o presidente havia prometido “liberdade total”.

“Olha, carta branca… Eu tenho poder de veto. Se não, não sou presidente. Todos os ministros têm essa ingerência minha e eu fui eleito para mudar, ponto, mudar”, disse. 

De acordo com informações da Agência O Globo, o abalo da relação entre Bolsonaro e Sergio Moro  atingiu seu ápice com as declarações do presidente de que é ele, e não o ministro, quem manda na Polícia Federal.

Leia Também:  Câmara reúne sugestões para aprimorar a Lei de Incentivo ao Esporte

A tensão começou crescer depois que Moro pediu ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, uma revisão da decisão em que restringiu o compartilhamento de relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) com os ministérios públicos e a PF. Desde então,  Bolsonaro decidiu inviabilizar a presença do ministro no governo. 

Fonte: IG Política
Continue lendo

Política Nacional

Marido de Flordelis dispensou carro blindado na madrugada de seu assassinato

Publicado

source
Pastor Anderson e Flordelis arrow-options
Reprodução/Facebook

Marido de Flordelis preferiu sair com carro de seu filho, que não tinha proteção

O pastor Anderson do Carmo de Souza dispensou o seu carro blindado para sair com a mulher, Flordelis dos Santos, na madrugada em que foi assassinado, e pegou o veículo de um de seus filhos, que não tinha a proteção. A atitude do pai causou estranheza em Daniel dos Santos de Souza, filho que trocou de carro com o pai.

Em depoimento à polícia, Daniel contou que havia saído com a namorada em seu Honda Acord, que não é blindado. Por volta das 23h, recebeu uma ligação de seu pai pedindo que ele voltasse para casa, em Pendotiba, Niterói, e trocasse de carro com ele. O pastor Anderson disse ao filho que sairia com Flordelis . Daniel voltou para a casa, por volta de meia noite, com o intuito de fazer a troca. Ele pegou o carro blindado de seu pai, uma Caravan, e deixou o seu veículo com o pastor.

Daniel afirmou à polícia que era comum o pai pedir para fazer a troca de carros, mas isso sempre acontecia com planejamento e nunca naquele horário. Em um de seus depoimentos à polícia, Flordelis afirmou que foi um pedido de Anderson sair no carro de Daniel, que não era blindado.

Ao chegar ao Hospital Niterói D’Or para socorrer Anderson, Flávio dos Santos Rodrgiues, filho biológico de Flordelis que está preso por suspeita da morte do padrasto, frisou que a mãe sempre anda no veículo blindado . “Não sei o que houve, cara. Ela saiu sem carro blindado. Não sei se foi assalto”, afirmou ele no balcão de atendimento do hospital.

Em seu depoimento, Flordelis contou que na madrugada do dia 16 de junho, ela o marido foram até a Praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio. Após comerem petiscos em um bar, eles pararam o carro num local ermo e ficaram namorando. Em seguida, voltaram para casa, em Pendotiba. Eles chegaram ao local por volta das 3h30.

Leia Também:  Câmara reúne sugestões para aprimorar a Lei de Incentivo ao Esporte

Flordelis entrou em casa e subiu para o quarto de um dos filhos. Anderson, segundo a deputada ficou na garagem. O pastor foi morto a tiros logo em seguida, ao lado do carro do filho. Ele já estava fora do veículo no momento do assassinato .

Logo após o crime, Flordelis afirmava que o marido havia sido vítima de criminosos e chegou a afirmar que ele tinha morrido defendendo a família. Em um de seus depoimentos, a deputada narrou ter percebido que ela e o marido estavam sendo perseguidos por um motoqueiro. Mesmo após a Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo afirmar não acreditar na versão de que Anderson havia sido vítima de um latrocínio (roubo com resultado morte), Flordelis continuou insistindo na versão.

No Hospital Niterói D’Or, Flávio chegou a falar para um dos médicos que o padrasto havia sido vítima de um assalto. Flávio é réu pela morte do pastor junto com o irmão Lucas Cézar dos Santos, filho adotivo de Flordelis e Anderson.

Fonte: IG Política
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana