conecte-se conosco


Economia

Previsão de crescimento da economia brasileira cai pela nona semana seguida

Publicado

Mapa do Brasil composto por moedas
iStock

Previsão de crescimento da economia brasileira caiu pela nona semana seguida

Analistas de instituições financeiras reduziram, pela nona vez seguida, a estimativa para o crescimento da economia brasileira neste ano, passando de 1,71% a 1,70%. O apontamento consta no Boletim Focus, relatório semanal do Banco Central (BC) com integrantes do mercado, divulgado nesta segunda-feira (29).

Leia também: Bolsonaro desmente chefe da Receita: “nenhum novo imposto será criado”; assista

O levantamento foi feito na semana passada com mais de 100 instituições financeiras, e ajuda a medir a evolução da economia brasileira , mensurada pelo Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país.

As quedas das expectativa para crescimento do PIB meste ano começaram após a divulgação do resultado consolidado do ano passado, quando a economia avançou apenas 1,1% , de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na última revisão do Orçamento, o Ministério da Economia projetou um crescimento de 2,2% para 2019, valor bem acima dos 1,70% esperados pelo mercado. Para os próximos dois anos, as expectativas das instituições financeiras e do próprio Banco Central permaneceram estáveis, em 2,50%.

De acordo com os economistas do mercado financeiro, a expectativa de inflação permaneceu  estável em 4,01%. A meta central deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância do sistema de metas varia entre 2,75% e 5,75%.

Fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), a meta de inflação é ajustada com elevações ou reduções da taxa básica de juros da economia, a Selic , que permanece em 6,5%, o menor valor da série histórica. Para o fim de 2020, a previsão seguiu em 7,5% ao ano, portanto deve haver alta dos juros no ano que vem.

Para o ano que vem, a previsão para a inflação está alinhada entre o mercado financeiro e a meta central estipulada pela CMN. Ambos preveem o índice em 4% no ano que vem, ou seja, meta terá sido oficialmente cumprida se a inflação oscilar entre 2,5% e 5,5% no período, já que a tolerância é de 1,5 ponto percentual, para mais ou para menos.

Leia também: Onyx mantém previsão de que reforma da Previdência será aprovada no 1º semestre

Outras estimativas para a economia brasileira apresentadas no Focus

dolares
Reprodução

Dólar deve terminar cotado a R$ 3,75 neste ano, segundo estimativas do mercado financeiro para a economia brasileira


  • Dólar: A projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim deste ano seguiu em R$ 3,75 por dólar . Para o fim do ano que vem, a previsão recuou de R$ 3,80 para R$ 3,79 por dólar, apesar da alta recente da moeda norte-americana, que está cotada em torno de R$ 3,93 nesta segunda-feira;
  • Balança comercial: A previsão para o saldo da balança comercial, que calcula o resultado do total de exportações menos as importações, permaneceu estável em US$ 50 bilhões, com resultado superavitário. Para o ano que vem, a estimativa também seguiu inalterada, em US$ 46 bilhões; e
  • Investimento estrangeiro: A previsão para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil neste ano subiu de US$ 81,89 bilhões para US$ 82 bilhões, e a tendência de alta segue para 2020; os analistas passaram a prever alta de US$ 84,68 bilhões, ante os US$ 83,38 bilhões previstos anteriormente. A alta indica otimismo em relação a economia brasileira .
publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tom agressivo de Bolsonaro afasta investimento da China

Publicado


source
Comentários agressivos sobre a China têm impactos negativos em negócios dos dois países
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Comentários agressivos sobre a China têm impactos negativos em negócios dos dois países

As falas agressivas de Bolsonaro contra a China têm provocado um afastameto dos investimentos do maior parceiro comercial do país: a China. Um dos impactos mais importantes para o cenário de combate à pandemia é o envio de insumos para a fabricação de vacinas contra a Covid-19. 

Além disso, novos investimentos em setores de energia, transporte e tecnologia também podem ser afetados pelas falas do presidente. Reuniões já foram canceladas em câmaras de comércio, que é a instância de parceria comercial entre os dois países, após acusações de que o país asiático estaria tirando proveito da pandemia para alavancar a própria economia. 

Ao Uol , o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China (CCIBC) , Charles Tang , disse que as transações dependem de órgãos reguladores e de financiamento. Acrescentou que, a cada cometário de Bolsonaro sobre os chineses, surge uma insegurança sobre os negócios. 

“Se tem negócio suspenso por causa das posições do governo sobre a China? Vou responder dando um exemplo. O mundo inteiro está correndo para ajudar a Índia. A China mandou milhões de vacinas para a Índia. A China não está correndo para ajudar o Brasil. Por que ajudou a Índia e não o Brasil?”, indagou, em entrevista ao Uol.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil, que, em 2020, fechou com saldo positivo de US$ 35,4 bilhões em exportações para o país da Ásia. Registrou redução nos gastos com importação, sendo 2,7% a menos (US$ 34,6 bilhões), e aumento nas exportações de 7,3% (US$ 70,08) bilhões, saldo maior que as vendas para os EUA.

Continue lendo

Economia

Caixa começa a pagar neste domingo segunda parcela do auxílio emergencial

Publicado

Trabalhadores informais nascidos em janeiro recebem hoje (16) a segunda parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a quatro semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta-corrente.

Na última quinta-feira (13), a Caixa anunciou a antecipação do pagamento da segunda parcela. O calendário de depósitos, que começaria hoje e terminaria em 16 de junho, será aberto hoje e acabará em 30 de maio.

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

CALENDÁRIO DA SEGUNDA PARCELA DO AUXÍLIO EMERGENCIAL 2021 CALENDÁRIO DA SEGUNDA PARCELA DO AUXÍLIO EMERGENCIAL 2021

CALENDÁRIO DA SEGUNDA PARCELA DO AUXÍLIO EMERGENCIAL 2021 – Divulgação Governo Federal

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da primeira parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 16. O auxílio emergencial somente será pago quando o valor for superior ao benefício do programa social.

A Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o auxílio emergencial. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão os critérios para receber o benefício, a regularização do CPF e os critérios de desempate dentro da mesma família para ter acesso ao auxílio.

Calendário de pagamento do Bolsa Família - ano 2021 Calendário de pagamento do Bolsa Família - ano 2021

CALENDÁRIO DE PAGAMENTOS DO BOLSA FAMÍLIA 2021 – MINISTÉRIO DA CIDADANIA/DIVULGAÇÃO

Edição: Nádia Franco

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana