conecte-se conosco


Agro News

Presidente do Codex Alimentarius garante a segurança dos alimentos produzidos no Brasil

Publicado

Os alimentos produzidos no Brasil são controlados, testados e aprovados. Quando há resíduos, estão muito abaixo do que é permitido pelos códigos internacionais. A afirmação é do presidente do Codex Alimentarius, o brasileiro Guilherme Costa, em entrevista divulgada nesta terça-feira (13) pelo projeto Agrosaber.  

Costa é veterinário e auditor fiscal federal agropecuário e trabalha como adido Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em Bruxelas, na Bélgica.

O Brasil segue os padrões internacionais na produção de alimentos em relação ao código alimentar (Codex Alimentarius) da FAO/OMS?

Guilherme Costa – Sim. O Brasil é membro do Codex Alimentarius desde 1968. Tem trabalhado de forma robusta na elaboração de normas, códigos de práticas e diretrizes que garantam a inocuidade e as práticas leais de comércio dos alimentos, os dois pilares principais dessa Organização das Nações Unidas. Ademais, o país busca, cada vez mais, harmonizar a sua regulamentação nacional nessas áreas, com base nos padrões internacionais estabelecidos pelo Codex Alimentarius. O Brasil é um dos atores principais e mais ativos do Codex e de 2014 a 2017 ocupou uma das três vice- -presidências da organização. A partir de 2017, passou a ocupar, pela primeira vez, tanto para o país como para a América do Sul, a presidência, após processo eletivo, com reeleições em 2018 e 2019.

Quais são esses padrões?

Esses padrões são normas, códigos de práticas e diretrizes desenvolvidos pelo Codex Alimentarius. Para a efetiva aplicação desses padrões, eles devem ser incorporados, no todo, ou em parte, à legislação nacional do país membro. Os padrões do Codex podem ser de caráter geral ou específico. Os textos básicos do Codex se aplicam a todos os produtos e categorias de produtos. Esses textos normalmente estabelecem diretrizes horizontais para temas como práticas higiênicas com os alimentos, rotulagem, aditivos, inspeção e certificação, nutrição, resíduos de medicamentos veterinários e produtos fitossanitários (defensivos agrícolas). As normas do Codex para produtos referem-se a um produto específico, embora, atualmente, tais normas estabeleçam, cada vez mais, padrões para grupos de produtos, por exemplo, um padrão geral para sucos e néctares de frutas em vez de um para cada fruta.

Leia Também:  Ministra participa de lançamento de projeto para conservação da Bacia do Rio Araguaia

Como o Codex avalia a qualidade dos produtos agrícola brasileiros?

O Codex Alimentarius não tem a função de avaliar a qualidade de produtos agrícolas de quaisquer dos seus países membros. Entretanto, é facilmente detectável o alto grau de qualidade dos produtos agrícolas brasileiros em razão do nível de conformidade com as regras internacionais, como aquelas do Codex Alimentarius. O Brasil tem uma larga experiência teórica e prática, equivalente aos países mais desenvolvidos do mundo, tanto no setor privado quanto no governamental, no exercício dos elementos básicos para a garantia da qualidade dos produtos agrícolas. Dentre outros elementos, podemos mencionar: controle de contaminantes em alimentos, utilização de aditivos, higiene dos alimentos, sistemas de inspeção e certificação, controle de exportações e importações, rotulagem, métodos de análises laboratoriais e amostragem, nutrição, controle de produtos fitossanitários, controle de medicamentos veterinários, etc.

Há excesso de resíduo de agrotóxico nos alimentos produzidos no Brasil?

Não. Isso é uma comunicação de risco sem qualquer fundamentação científica, de caráter alarmante, não profissional e prejudicial aos interesses do país e dos consumidores dos nossos produtos, seja no mercado interno ou externo. As recomendações de defensivos têm uma base científica construída com fatores de segurança rigorosos para avaliação dos riscos à saúde dos agricultores e dos consumidores. Nossos alimentos são controlados, testados e aprovados. Quando há resíduos, estão muito abaixo do que é permitido pelos códigos internacionais. Os alimentos produzidos no Brasil são exportados para 160 países, controlados e verificados tanto antes da sua saída do nosso país, quanto reinspecionado na entrada em outros países. Quando analisamos dados da FAO, por exemplo, identificamos um ranking sobre o uso de defensivos agrícolas por hectare cultivado (kg/ha). O Brasil está atrás de países como Holanda (9,38), Bélgica (6,89), Itália (6,66), Montenegro (6,43), Irlanda (5,78), Portugal (5,63), Suíça (5,07) e Eslovênia (4,86). Os números de utilização, no nosso país, são 4,31 kg/ha

Leia Também:  Circuito Tecnológico etapa milho começa na próxima semana

Fonte: MAPA GOV
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Agro News

Armazena MT 2019 reúne mais de 300 pessoas

Publicado

Política Agrícola e Logística

Armazena MT 2019 reúne mais de 300 pessoas

Participaram produtores rurais, estudantes, indústrias e agentes bancários

23/08/2019

Mais de 300 pessoas participaram da segunda edição da Feira de Negócios Armazena MT, realizada pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), nesta sexta-feira (23) no Cenaruim Rural, em Cuiabá. O encontro reuniu produtores rurais, agentes bancários, indústrias do setor, estudantes, técnicos na área e autoridades. Dentre os assuntos debatidos e apresentados nas palestras, destaca-se os dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), que mostram que um déficit de armazenagem de 38,5 milhões de toneladas.

Superintendente do Imea, Daniel Latorraca, mostrou durante apresentação que a capacidade estática para cobrir a produção mato-grossense é de apenas 57,8% de toda produção do Estado, que é a maior do país. Além disso, conforme estudos do Instituto, que acompanha o crescimento da produção estadual, em 2028 será necessário ter uma capacidade de armazenagem para 123,4 milhões de toneladas.

O representante do Imea falou ainda sobre as vantagens e importância de o produtor rural possuir armazém na propriedade, a principal delas é o custo final da produção. “Nossa apresentação foi na linha de demonstrar aos produtores a viabilidade de possuir um armazém na sua propriedade e os benefícios que isso pode trazer pra ele, dentre eles garantir maior qualidade nos produtos, diminuir custos e ter condições de aguardar os melhores momentos e maneiras para negociar”, disse Latorraca.

Leia Também:  Brasil sediará reunião da Comissão Interamericana de Agricultura Orgânica em 2020

A deficiência na capacidade de armazenagens de grãos é uma preocupação antiga dos produtores rurais, bem como as entidades representativas. De acordo com vice-presidente Norte da Aprosoja Mato Grosso, Zilto Donadello, o Armazena MT tem com um dos objetivos fomentar o aumento dos armazéns dentro das propriedades, que representa uma diminuição no custo da produção.

“É um evento extremamente importante para o produtor rural, pois reúne todos os atores do processo, os interessados na aquisição do armazém, as indústrias e os agentes financeiros. Este é um evento que realmente vale a pena o produtor participar, já que essa questão da armazenagem nos preocupa muito há anos. Tivemos a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre linhas de crédito, novos produtos de mercado e também sobre a importância e benefício de possuir armazém na propriedade”, avaliou Zilto Donadello.

Um dos parceiros na realização do evento é a Caixa Econômica Federal. Superintendente regional, Moacyr do Espirito Santo, explicou que o banco tem a intensão de aumentar os investimentos no agro mato-grossense. “É uma enorme satisfação para a Caixa participar de um evento de grande magnitude como esse. Muitos produtores passando por aqui para falar e conhecer mais, especificamente de armazéns.  A participação da Caixa representa um grande marco, pois nossa intenção é participar de forma efetiva do financiamento desses projetos, avançar no mercado do agronegócio e auxiliar no desenvolvimento do setor aqui em Mato Grosso”, enfatizou.

Leia Também:  Ministra participa de lançamento de projeto para conservação da Bacia do Rio Araguaia

Para realização do evento a Aprosoja Mato Grosso contou ainda com a DGStark, AGI Brasil, Construtora Lindóia, Construtora Imasa, Motomco, GSI, Engedelta, Jhonrob, Banco do Brasil, Bradesco, Triunfo Soluções, Norte e Frio, Kepler Weber e Sicredi.

 

Fonte: Ascom Aprosoja

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA
Continue lendo

Agro News

Curso vai capacitar servidores em negociações internacionais

Publicado

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Ministério das Relações Exteriores (MRE) promovem curso de capacitação em negociações internacionais  para servidores não pertencentes à carreira diplomata. O encontro acontecerá na semana que vem, de 26 a 30 de agosto, para servidores das secretarias de Comércio e Relações Internacionais, Agricultura Familiar e Cooperativismo e Inovação, Desenvolvimento Rural do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

“É uma mistura de arte e técnica, é claro que se aprende a negociar na prática, mas, muitas vezes, é importante que tenhamos as ferramentas e os instrumentos já consagrados para que possamos de uma forma muito profissional promover os interesses brasileiros no exterior. E, no caso do Ministério da Agricultura, isso é fundamental, pois as negociações agrícolas são muito complexas e tem um impacto muito substantivo na sociedade brasileira como um todo”, diz o secretário adjunto da SCRI, Flávio Bettarello. 

O curso, que acontecerá no auditório do Instituto Rio Branco, em Brasília, será preparado com estratégias, táticas, ferramentas e instrumentos de negociação para que os alunos possam desempenhar um trabalho mais efetivo em prol da agricultura, da pecuária, da aquicultura e da pesca brasileira.

Leia Também:  Armazena MT 2019 reúne mais de 300 pessoas

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
Inez De Podestà
[email protected]

Fonte: MAPA GOV
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana