conecte-se conosco


Nacional

Presidente de ONG deixa o país e denuncia ameaças de morte após palestra no TSE

Publicado


source
Presidente da SaferNet, Thiago Tavares
Agência Senado

Presidente da SaferNet, Thiago Tavares

O presidente e fundador da SaferNet, organização que monitora crimes e violações dos direitos humanos na internet, Thiago Tavares, informou à empresa na segunda-feira que decidiu se exilar na Alemanha por conta de ameaças e sequestro relâmpago de um funcionário.

Ele afirma ter chegado a Berlim no último sábado, e que “o auto-exílio é medida extrema — e jamais aplicada desde a fundação da instituição em 2005”. A providência é tomada quando a segurança pessoal de qualquer funcionário, colaborador ou diretor da SaferNet é colocada em risco.

Em carta distribuída aos funcionários e colaboradores, Tavares relatou que as intimidações começaram após um seminário internacional realizado pelo  Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 26 de outubro. Ele participou da mesa “Como se estruturam as campanhas de ódio e desinformação”, assunto do qual é especialista.

A partir de então, diz ele, surgiram as ameaças, inclusive de morte. Até ali restrita ao âmbito digital, a situação escalou quando outro funcionário da SaferNet sofreu um sequestro relâmpago em Salvador por quatro criminosos armados, que roubaram seu celular e laptop funcionais. Tavares estava “a apenas 800 metros do local onde aconteceu a abordagem”, diz a carta.

A SaferNet diz ter coletado evidências, em 2 de dezembro, de invasão do MacBook Pro de Tavares pelo malware Pegasus, que vem sendo usado para perseguir jornalistas e defensores de direitos humanos em diversos países, inclusive no Brasil. Tavares relata na carta que, na mesma tarde, uma parente sofreu traumatismo cranioencefálico ao desembarcar de um Uber em Salvador e precisou ser internada em UTI.

“A proximidade dos fatos, somado às ameaças que já vinha recebendo, não deixou alternativas a Tavares a não ser deixar o país, temporariamente, até que as circunstâncias dos fatos sejam totalmente esclarecidas e sejam restabelecidas as condições de segurança pessoal para o desempenho de suas atividades profissionais e acadêmicas no Brasil, seja como defensor dos direitos humanos, seja como especialista em tecnologia”, diz a carta.

Leia Também

Procurada pelo GLOBO, a SaferNet informou que Tavares não tem interesse em dar entrevistas.

Pegasus

Em julho, uma investigação jornalística conduzida por 17 veículos de comunicação ao redor do mudou revelou que milhares de jornalistas, empresários, defensores de direitos humanos, líderes religiosos e até chefes de Estado de dezenas de países tornaram-se potenciais alvos de espionagem. O meio utilizado para o ataque era um programa chamado Pegasus.

Produzido por uma empresa israelense, a NSO Group, trata-se de um equipamento (software mais hardware) capaz de invadir um telefone celular à distância, sem que o alvo perceba, e captar absolutamente tudo que houver no aparelho. Não há criptografia de ponta a ponta que resista.

O Pegasus identifica e recolhe sorrateiramente desde o histórico de conversas do WhatsApp e do Telegram até os lugares por onde o alvo passou, quanto tempo permaneceu em cada um, sua localização exata, além do som e das imagens do ambiente por meio da ativação de microfone e câmera feita remotamente e em tempo real.

O laboratório interdisciplinar Citizen Lab, da Universidade de Toronto, no Canadá, pioneiro na busca por evidências do uso do software, definiu o Pegasus como “um espião digital silencioso em seu bolso”.

Quando o vírus do Pegasus infecta um telefone, os dados coletados são enviados para servidores que ficam registrados na internet. Ao rastrear esses servidores, o Citizen Lab descobriu que o Pegasus foi utilizado em 45 países, incluindo o Brasil. Seis países (Cazaquistão, Bahrain, México, Marrocos, Arábia Saudita e Emirados Árabes) tinham histórico de uso de softwares de espionagem contra civis.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nacional

Brasil: chuva e altas temperaturas marcam a previsão deste domingo

Publicado


source
Previsão do tempo
Reprodução

Previsão do tempo

O tempo permanece quente e chuvoso em grande parte das capitais brasileiras neste domingo (16). Segundo o portal Climatempo, deve chover nas regiões Sudeste, Sul, Nordeste e Norte. O Centro-Oeste permanece sem previsão de chuva. 

Confira a previsão: 

Região Sudeste

São Paulo (SP) – Mínima de 19ºC e máxima de 31ºC

Previsão de sol pela manhã e pancadas de chuva durante à tarde e à noite.

Rio de Janeiro (RJ) – Mínima de 23ºC e máxima de 35ºC

Previsão de sol durante a manhã. Ocorrerá pancadas de chuva durante à tarde.

Belo Horizonte (MG) – Mínima de 19ºC e máxima de 32ºC

Sol e aumento de nuvens durante a manhã. Previsão de pancadas de chuva à tarde.

Vitória (ES) – Mínima de 22ºC e máxima de 32ºC

Previsão de sol pela manhã e pancadas de chuva durante à tarde e noite.

Região Sul

Curitiba (PR) – Mínima de 18ºC e máxima de 26ºC

Previsão de sol com algumas nuvens e chuvas ocasionais durante o dia e à noite.

Florianópolis (SC) – Mínima de 21ºC e máxima de 29ºC

Sol pela manhã com aumento de nuvens. Pancadas de chuva à tarde e à noite.

Porto Alegre (RS) – Mínima de 24ºC e máxima de 37ºC

Sol durante a manhã e pancadas de chuvas durante à tarde e à noite.

Região Centro-Oeste

Goiânia (GO) – Mínima de 18ºC e máxima de 31ºC

Previsão de sol entre as nuvens. Não chove.

Brasília (DF) – Mínima de 17ºC e máxima de 29ºC

Sol entre as nuvens o dia todo. Não há previsão de chuva.

Campo Grande (MS) – Mínima de 23ºC e máxima de 34ºC

Previsão de sol com algumas nuvens e sem previsão de chuva.

Cuiabá (MT) – Mínima de 24ºC e máxima de 34ºC

Sol durante todo o dia. Não há previsão de chuva.

Região Nordeste

Salvador (BA) – Mínima de 23ºC e máxima de 29ºC

Sol com algumas nuvens durante o dia. Chove à noite.

Maceió (AL) – Mínima de 23ºC e máxima de 30ºC

Leia Também

Sol entre as nuvens durante a manhã. Previsão de chuva à tarde e à noite.

Fortaleza (CE) – Mínima de 24ºC e máxima de 30ºC

Sol entre nuvens. Chove durante o dia e à noite.

Aracaju (SE) – Mínima de 23ºC e máxima de 30ºC

Sol entre as nuvens durante o dia. Previsão de chuva a qualquer hora.

Natal (RN) – Mínima de 24ºC e máxima de 29ºC

Sol com algumas nuvens. Chove durante o dia e à noite.

Teresina (PI) – Mínima de 23ºC e máxima de 33ºC

Sol entre as nuvens e chuvas rápidas durante o dia e a noite.

São Luís (MA) – Mínima de 24ºC e máxima de 30ºC

Previsão de sol durante o dia e chuva rápida à tarde e à noite.

Recife (PE) – Mínima de 25ºC e máxima de 30ºC

Sol com algumas nuvens. Chove rápido durante o dia e à noite.

João Pessoa (PB) – Mínima de 24ºC e máxima de 29ºC

Sol com algumas nuvens e chuva passageira durante o dia.

Região Norte

Rio Branco (AC) – Mínima de 22ºC e máxima de 31ºC

Sol com aumento de nuvens. Previsão de chuva à tarde e à noite.

Macapá (AP) – Mínima de 23ºC e máxima de 32ºC

Sol entre as nuvens e pancadas de chuva durante à tarde e à noite.

Manaus (AM) – Mínima de 24ºC e máxima de 30ºC

Sol com previsão de chuva rápida durante o dia e à noite.

Belém (PA) – Mínima de 23ºC e máxima de 30ºC

Previsão de sol com pancadas de chuva à tarde e à noite.

Porto Velho (RO) – Mínima de 24ºC e máxima de 30ºC

Sol com algumas nuvens. Chove rápido durante o dia e à noite.

Boa Vista (RR) – Mínima de 23ºC e máxima de 34ºC

Sol pela manhã e chuva durante à tarde e à noite.

Palmas (TO) – Mínima de 21ºC e máxima de 32ºC

Previsão de sol pela manhã e pancadas de chuva durante à tarde e à noite.

Continue lendo

Nacional

Bolsonaro, Câmara e Senado devem explicar assédio à imprensa, diz STF

Publicado


source
Rosa Weber deu prazo de dez dias para que partes apresentem argumentos
O Antagonista

Rosa Weber deu prazo de dez dias para que partes apresentem argumentos

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, determinou que o presidente Jair Bolsonaro (PL), a Câmara dos Deputados e o Senado prestem explicações sobre assédio judicial praticado contra a imprensa. Segundo o processo, movido pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), os sucessivos processos contra uma pessoa ou causa podem ser considerados assédio judicial contra o trabalho da imprensa.

No entendimento da ministra, a matéria tem “relevância e especial significado para a ordem social”. Rosa Weber deu prazo de dez dias para as partes prestarem as informações.

No despacho assinado na sexta-feira (14), a ministra ainda pediu um parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) e para a Procuradoria-Geral da República (PRG). Ambas terão cinco dias para enviar seus relatórios após os argumentos das partes.

A Abraji pede para que processos envolvendo reparação de danos por exercício da liberdade de imprensa sejam julgados em conjunto para resguardar a ampla defesa e da redução de tramitação do processo.

A associação ainda solicita que processos sejam distribuídos para o foro de domicílio do réu. Atualmente, a vítima pode escolher o local em que o processo terá sua tramitação.

Rosa Weber ainda é responsável por outros processos que envolvem a liberdade de imprensa. As informações prestadas ainda podem ser usadas para basear outras ações em tramitação do STF e cortes inferiores.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana