conecte-se conosco


Política Nacional

Prêmio Darcy Ribeiro de Educação será entregue na terça-feira

Publicado

A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados entrega o Prêmio Darcy Ribeiro de Educação 2019 na próxima terça-feira (29). A premiação é concedida anualmente, com entrega de diploma de menção honrosa e outorga de medalha com a efígie de Darcy Ribeiro, a três personalidades ou entidades cujos trabalhos ou ações mereceram especial destaque na defesa e promoção da educação no Brasil.

A premiação está marcada para as 15 horas, no Salão Nobre.

Receberão o prêmio neste ano:
– o Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE), que reúne 35 entidades nacionais do campo educacional e acompanha a implementação dos planos nacionais, estaduais, distritais e municipais de educação;
– o professor Jayse Antônio da Silva Ferreira, que ficou entre os 50 finalistas da edição deste ano do Global Teacher Prize, prêmio internacional criado para valorizar o trabalho de professores no mundo. Jayse Ferreira é professor de artes na Escola de Referência em Ensino Médio Frei Orlando (Erem), Itambé (PE).
– a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), entidade que congrega os dirigentes municipais de educação.

Leia Também:  Governo inaugura usina solar flutuante no reservatório de Sobradinho

Prêmio Ex-senador, o antropólogo Darcy Ribeiro (1922-1997) foi um dos fundadores da Universidade de Brasília (UnB). No seu último ano de vida, dedicou-se especialmente a organizar a Universidade Aberta do Brasil, com cursos de educação a distância; e a Escola Normal Superior, para a formação de professores de 1º grau.

Da Redação – MB

Fonte: Agência Câmara Notícias
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política Nacional

Toffoli aciona PGR sobre pedido de Flávio Bolsonaro para suspender investigação

Publicado

source
Dias Toffoli arrow-options
Will Shutter/ Câmara dos Deputados – 2.7.19

Toffoli se absteve de decidir sobre mérito de pedido

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) , Dias Toffoli , pediu neste sábado que a Procuradoria-Geral da República  (PGR) se manifeste sobre o pedido do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) para suspender investigações em andamento no Ministério Público do Rio de Janeiro  (MP-RJ) sobre a suspeita da prática de “rachadinha” em seu gabinete quando atuou como deputado estadual no Rio. Com o pedido, Toffoli absteve-se de decidir sobre o mérito do pedido. Como a partir deste domingo o vice-presidente do STF, Luiz Fux , passa a responder pelo plantão da Corte, é ele quem passa a ter prerrogativa de decidir sobre o caso que envolve o filho do presidente Jair Bolsonaro .

O pedido de Flávio Bolsonaro foi protocolado no último dia de trabalhos no STF antes do recesso. O relator do caso é o ministro Gilmar Mendes , que inicialmente pediu informações ao MP-RJ e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) . No despacho deste sábado, Toffoli entendeu que diante das respostas recebidas seria necessário ouvir a PGR, que é comandada por Augusto Aras . Como assumirá o plantão a partir deste domingo, Fux poderá decidir sobre o caso mesmo antes da manifestação da Procuradoria, aguardar o posicionamento para decidir ou mesmo deixar o caso em aberto até a volta dos trabalhos no Judiciário em fevereiro.

Leia Também:  Bolsonaro cancela viagem a Nova York

Leia também: Decisão de Toffoli sobre juiz de garantias pode afetar casos de Flávio e Lulinha

O MP investiga a prática de “rachadinha” no gabinete de Flávio quando ele era deputado estadual no Rio de Janeiro. Os promotores afirmam que ele nomeava assessores orientados a devolver parte de seus salários para o grupo; que o ex-policial militar Fabrício Queiroz fazia toda a operação de recolhimento da remuneração dos funcionários; e que a loja de chocolates de Flávio num shopping e negócios imobiliários do senador serviam para lavar o dinheiro. Em dezembro passado, uma operação solicitada pelo MP e autorizada pela 27ª Vara Criminal do Rio, cujo titular é o juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau, cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços relacionados a Queiroz e ex-assessores. A loja de chocolates do senador foi um dos alvos.

Foi após essa operação que o filho do presidente recorreu novamente ao STF. A defesa não deu detalhes do pedido, mas em posicionamentos anteriores há uma reclamação de que o sigilo bancário do senador teria sido quebrado de forma indevida por meio do repasse de relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras  (Coaf) . O caso veio à tona com um relatório do órgão identificando movimentação milionária de Queiroz. No decorrer das investigações foram quebrados pela justiça os sigilos de Flávio Bolsonaro, Queiroz e outras pessoas e empresas que estão no alvo da investigação.

Leia Também:  Decisão do STF sobre 2ª instância pode afetar 4,9 mil presos, diz CNJ

Leia também: Toffoli suspende portaria de Moro que criava regras para PRF atuar em operações

Flávio Bolsonaro já conseguiu por duas vezes paralisar as investigações por meio de recursos ao STF. Na primeira, ainda antes de tomar posse no Senado, ele alegou que devido ao cargo para o qual tinha sido eleito deveria ter foro privilegiado. O ministro Luiz Fux acatou o pedido em janeiro de 2019, mas a decisão foi revertida pelo ministro Marco Aurélio Mello no mês seguinte. Em julho, outro pedido da defesa foi acatado, desta vez por Toffoli.

Ele paralisou as investigações até que a Corte se posicionasse sobre a legalidade no compartilhamento de informações de órgãos de controle como o Coaf. Em dezembro, o processo foi concluído pelo STF considerando não haver necessidade de autorização judicial prévia para o repasse de dados do Coaf para o MP e a polícia. Com isso, as investigações que envolvem Flávio Bolsonaro voltaram a tramitar.

Fonte: IG Política
Continue lendo

Política Nacional

Proposta extingue o pagamento de honorários de sucumbência a advogados públicos

Publicado

O Projeto de Lei 6381/19 extingue o pagamento de honorários de sucumbência a advogados públicos. A proposta revoga dispositivo do Código de Processo Civil com tal previsão. Honorários de sucumbência são os honorários advocatícios pagos pela parte vencida do processo ao advogado da parte vencedora.

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Van Hattem alega que a norma é inconstitucional

O autor da proposta, deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS), alega que a norma contraria a Constituição, na Segundo Van Hattem, os advogados públicos são servidores públicos e não poderiam usufruir de direitos garantidos à advocacia privada.

“Não se pode permitir esse absurdo concedido a uma categoria de servidores apenas porque se aproveitaram da situação de serem advogados (que, aliás, têm como clientes a própria cidadania, que já paga por seus vencimentos) com o propósito de distribuir vantagens inconstitucionais”, diz o parlamentar.

Tramitação O projeto, que tramita em caráter conclusivo, será analisado pela comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Ana Chalub

Leia Também:  Presidente Bolsonaro está no quarto e bem-humorado, diz filho

Fonte: Agência Câmara Notícias
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana