conecte-se conosco


Nacional

Prefeitura de São Paulo entrega 108 moradias do Residencial Lidiane II

Publicado

Conjunto Lidiane, na zona norte ganha mais 108 unidades habitacionais
Reprodução

Conjunto Lidiane, na zona norte ganha mais 108 unidades habitacionais


Prefeitura de São Paulo entregou na manhã desta quarta-feira (20), 108 unidades habitacionais do Residencial Lidiane III, no bairro do Limão, zona norte da capital.

As moradias, fruto de uma parceria com o Governo do Estado com R$ 84 milhões investidos, fazem parte de mais uma etapa do Programa de Urbanização de Favelas da Secretaria Municipal de Habitação (Sehab) que tem como objetivo a integração e acessibilidade, buscando melhorar as condições de habitabilidade e reforçar a estratégia de inclusão desta comunidade à chamada cidade formal.

O prefeito Ricardo Nunes garantiu que retorna ao Residencial Lidiane até o fim de 2022 para entregar mais 20 unidades habitacionais. “A gente deseja que todos possar ter um teto, dignidade, educação, acesso a um serviço de saúde e que vivam numa cidade com segurança”, disse.

As obras para a construção das unidades habitacionais são fruto de uma parceria entre Prefeitura e Governo do Estado e contam com recursos da Secretaria Municipal de Habitação (Sehab), do Governo do Estado, por intermédio da Companhia de Desenvolvimento Habitacional Urbano (CDHU) e dos fundos FMSAI e FUNDURB. Foram investidos um total de R$ 84 milhões.

“Essa é mais uma obra que muita gente não acreditava que ia sair. Essa obra começou em 2010 e nós conseguimos entregar ela quase na sua totalidade hoje depois de muito sacrifício”, afirmou o secretário de Habitação, João Farias.

A implantação do Projeto de Urbanização na área Lidiane, considerando os aspectos urbanísticos e a dinâmica social da favela, incluindo a implantação do Empreendimento Lidiane III, busca impulsionar a criação de espaços públicos de qualidade, que possam trazer melhorias para todo o entorno da comunidade.

As intervenções foram iniciadas em 2010 e consistem em três etapas. Na primeira fase foram entregues 113 unidades nos blocos A e B. Nesta segunda fase foram concluídas mais 108 unidades, respectivamente nos blocos C e D.


Na terceira e última fase serão mais 20 unidades, também do bloco C. Todos os apartamentos possuem o mesmo padrão, Com 48m², distribuídos em sala, cozinha, banheiro, dois quartos e área de serviço. A área comum conta playground, quadra poliesportiva, espaço de lazer e convivência.

“É uma alegria que quase não cabe no peito. Foram muitos anos de espera, muita luta e finalmente consegui a minha moradia”, disse Maria Edilene da Silva, uma das novas moradoras.

As famílias que serão atendidas no empreendimento foram removidas da área e inseridas no auxílio aluguel até a entrega da unidade habitacional.

Dados de Habitação De 2017 até o momento foram entregues mais de 33 mil moradias à população paulistana, em parceria com os governos Estadual e Federal e iniciativa privada. Entre 2021 e 2022 foram entregues mais de 4.427 unidades habitacionais, outras 12 mil unidades em construção.

Programa Pode Entrar A criação da Lei do Programa Habitacional Pode Entrar, permite ao município impulsionar a habitação na cidade com a construção de empreendimentos habitacionais de interesse social, a requalificação de imóveis urbanos e aquisição de unidades habitacionais da iniciativa privada.

O Pode Entrar é o maior Programa Habitacional já lançado no município que conta com recursos exclusivos da Prefeitura e institui importantes ferramentas para a redução do déficit habitacional facilitando a casa própria para famílias de baixa renda.

A Prefeitura em parceria com a iniciativa privada vai adquirir 45 mil unidades habitacionais até dezembro de 2024, com um investimento de R$ 8 bilhões. No dia 1º de julho, 71 entidades assinaram o termo da adesão ao Programa que têm previsão de produzir 14 mil unidades habitacionais até 2024. Nesta modalidade, as entidades que aderirem ao programa poderão ter recursos para financiar projetos habitacionais que estavam parados e até então seriam financiados pelo Governo Federal. Serão investidos mais de R$ 1 bilhão.

As ações têm como objetivo atender a política de habitação social do município com aquisições em grande quantidade e em um curto período, possibilitando maior celeridade no atendimento das demandas habitacionais.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nacional

Delegado da Polícia Federal pede apreensão do celular de Aras e Guedes

Publicado

Procurador-geral da República, Augusto Aras
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Procurador-geral da República, Augusto Aras

Responsável por inquéritos sensíveis ao governo de Jair Bolsonaro, o delegado de  Polícia Federal Bruno Calandrini solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) duas medidas que geraram mal-estar em integrantes da corporação. 

A primeira foi um pedido de busca e apreensão do telefone celular do procurador-geral da República Augusto Aras e do ministro da Economia Paulo Guedes, já negado pelo ministro Luís Roberto Barroso, que não viu elementos para justicar tais ações. 

A segunda foram diligências contra a própria cúpula da PF, que está sob análise da ministra Carmen Lúcia.

O pedido de diligências contra a cúpula da PF foi revelado no sábado pelo portal “Metrópoles” e seria motivado por suspeitas de interferência de diretores da PF na investigação sobre o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. Os alvos dessas diligências e o teor estão mantidos sob sigilo.

O caso deflagrou uma crise interna na atual gestão do diretor-geral Marcio Nunes de Oliveira. A avaliação entre integrantes do órgão é que foi uma tentativa do delegado Bruno Calandrini para se blindar da sindicância aberta após ele acusar que houve interferência na investigação do ex-ministro Milton Ribeiro.

Calandrini foi notificado para prestar depoimento sobre o caso, mas até agora não compareceu. Segundo interlocutores, há um receio do delegado que a sindicância seja usada para puni-lo pela atuação no caso.

O delegado Calandrini chegou a escrever, em mensagem a seus colegas, que houve interferência para impedir a transferência do ex-ministro para Brasília após sua prisão. Mas a direção da PF argumentou que não houve tempo nem disponibilidade de aeronave para realizar o deslocamento.

No pedido de busca e apreensão contra Aras e Guedes, Calandrini também havia pedido medidas contra o advogado do ministro, Ticiano Figueiredo.

O requerimento tinha como base a divulgação de um diálogo entre Aras e Ticiano no qual o advogado pedia que o procurador-geral intercedesse para suspender um depoimento de Guedes à PF em uma investigação sobre desvios no fundo de pensão dos Correios, o Postalis. Guedes havia sido citado em um depoimento. Barroso, entretanto, considerou que não havia elementos para autorizar a medida e arquivou o pedido.

Os pedidos provocaram descontentamento na PF. Os delegados que integram a atual gestão avaliam que havia poucos elementos para justificar as medidas. Calandrini não consultou seus superiores ao apresentar os pedidos e os protocolou diretamente no STF.

Procurada, a PF não comentou. A assessoria de Aras afirmou que não iria se manifestar porque o caso já havia sido arquivado.

O advogado Ticiano Figueiredo, que defende o ministro Paulo Guedes, afirmou em nota: “Se isso for verdade mesmo, esse é um ato que se revela autoritário, odioso e destoa do trabalho relevante dos delegados da Polícia Federal. Causa perplexidade, já que exercer, de forma plena, o direito de defesa dos clientes, é um dos pilares do Estado Democrático de Direito e não pode, jamais, ser criminalizado por quem quer que seja”.

Também procurado, Calandrini não respondeu aos contatos da reportagem.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

Continue lendo

Nacional

Aeronave cai sobre casa na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro

Publicado

Aeronave cai sobre casa na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro
Reprodução/Twitter

Aeronave cai sobre casa na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro

Um avião caiu na tarde de hoje no bairro da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. As primeiras informações apontam que duas pessoas estavam dentro da aeronave e teriam sido levadas ao hospital. Não há informações sobre mortos. 

Não há informações sobre a causa do acidente até o momento.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento em que um homem recebe atendimento médico ao lado da aeronave, perto de uma piscina. 

*Mais informações em instantes.

Fonte: IG Nacional

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana