conecte-se conosco


Política MT

Prefeitos e vereadores citam economia de R$ 3 bilhões para o país e defendem unificação de mandatos

Publicado


Assunto foi debatido em encontro na AMM

A unificação do processo eleitoral no país foi o principal tema discutido  nesta quinta-feira (30), em Cuiabá, durante o 1º Encontro Municipalista “Unificação das Eleições – Uma causa em prol do Brasil”. O evento foi promovido pela União das Câmaras de Mato Grosso – UCMMAT e Associação Mato-grossense dos Municípios – AMM, com o apoio da União dos Vereadores do Brasil-UVB e da Confederação Nacional dos Municípios-CNM. O encontro  contou com a participação de prefeitos e vereadores de todo o estado, além de deputados federais, estaduais, juristas, entre outros.

         O presidente da AMM, Neurilan Fraga, disse que a unificação dos mandatos será benéfica ao país.  A economia significativa aos cofres públicos é uma das principais vantagens apontadas pelos defensores da proposta. Estima-se uma economia de cerca de R$ 3 bilhões caso as eleições do ano que vem sejam adiadas e prorrogadas para 2022.

Fraga disse que é necessária uma grande mobilização para colocar em votação o relatório do deputado federal Valtenir Pereira, que é o relator da Proposta de Emenda Constitucional 56/2019, que propõe a unificação das eleições gerais e municipais no país. “Precisamos nos mobilizar e pressionar o Congresso Nacional para a aprovação dessa matéria”, assinalou, destacando que toda a bancada federal de Mato Grosso está comprometida com a proposta.

Neurilan disse que na próxima semana, nos dias 4 e 5 de junho, os presidentes de entidades municipalistas, juntamente com os parlamentares que integram a Frente Parlamentar em Defesa dos Municípios e do Pacto Federativo, vão  pressionar o presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania – CCJ da Câmara, Felipe Francischini, para que coloque a PEC 56/2019 em votação na CCJ. “Se o deputado Felipe Francischini não colocar a proposta em votação vamos realizar uma grande mobilização nacional com a participação das entidades municipalistas, prefeitos e vereadores”, frisou.

O deputado Valtenir Pereira disse que PEC é constitucional, de acordo com o regimento da Câmara dos Deputados. O parlamentar disse que a primeira etapa para que a PEC avance no Congresso é a aprovação na Comissão de Constituição e Justiça. Ele  também destacou a economia de R$ 3 bilhões para o país. “Seria possível construir no Brasil, no mínimo, mais 1.500 creches e mais de três mil PSFs”, afirmou.

 O presidente da UCMMAT, vereador Edclay Coelho, também apontou outras áreas onde os recursos poderiam ser aplicados. “Esses recursos poderiam ser investidos em infraestrutura, na área social, entre outros setores. A unificação dos mandatos é uma luta dos prefeitos e vereadores de Mato Grosso e do Brasil”, assinalou.

O presidente da União dos Vereadores do Brasil, Gilson Conzatti, também defendeu a proposta e disse que os prefeitos e vereadores estão andando lado a lado na defesa das propostas em prol dos municípios e da população. Além da PEC da unificação dos mandatos, Gilson lembrou outras lutas municipalistas, como a distribuição de recursos da arrecadação do Imposto sobre Serviços – ISS e a partilha dos royalties do petróleo.

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

Publicado

A ex-deputada estadual Zilda Pereira Leite (PSB), pré-candidata a vereadora nas eleições de 2020 em Várzea Grande, que participa da elaboração do plano de governo do pré-candidato a prefeito, o empresário Flávio Vargas, presidente do partido, argumenta que a estratégia é trabalhar um plano que contemple toda a cidade, com destaque para os que mais precisam do Poder Público.

“Trabalhar centrado em cima de verificar, em primeiro lugar, como está a cidade. O centro está bem, mas muita coisa precisa ser melhorada. Estamos levantando a real situação da cidade”, diz a ex-deputada que é promessa de ser um dos nomes para puxar votos na chapa pura do PSB à Câmara de Vereadores.

A expectativa do partido, que tem o deputado Max Russi, primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, no comando do Diretório Regional, é garantir quatro cadeiras na Câmara de Vereadores para o próximo mandato.

“Nossa expectativa é eleger quatro vereadores. O PSB tinha três cadeiras na Câmara de Vereadores, hoje tem a do vereador Garcia. Temos nomes fortes para garantir uma boa votação. Entre os nomes estão também suplentes da atual legislatura”, diz a ex-deputada. Conforme a pré-candidata à vereança, “bons nomes, aliado ao fato de que temos um forte candidato na disputa majoritária, ajuda a puxar vereadores”.

“Estou participando da elaboração do plano de governo do nosso pré-candidato a prefeito, o Flávio Vargas. Nossa expectativa é trabalhar um plano com foco na melhoria de vida de toda a população, com ênfase aos que mais precisam do poder público, a periferia, por exemplo         “, destacou.

Segundo Zilda Leite, as discussões ainda estão muito prematuras. “Não estamos nos reunindo presencialmente, por conta da pandemia, apenas algumas reuniões virtuais, tudo on line”, disse.

A pré-candidata afirmou ainda que pretende atuar com rigor, caso eleita vereadora. “Se eleita vereadora, vou atuar com rigor na missão maior do Legislativo, que é elaborar leis e fiscalizar o Executivo. Pretendo focar também na fiscalização da própria Câmara. Em relação ao prefeito, independente de quem seja eleito, vamos acompanhar passo a passo a questão da aplicação dos recursos públicos”, completou.

Zilda Pereira Leite ocupou a cadeira de vereadora da Câmara de Várzea Grande no período de 88 a 92. Em 94, elegeu-se deputada estadual. Com dois anos de mandato, em 96, Zilda Leite, que militou por muitos anos no PDT, concorreu ao cargo de prefeita da cidade, inclusive contra Jaime Campos (DEM), atual senador, que venceu a eleição.

Continue lendo

Política MT

Na TV, Mauro Mendes volta a exortar a união dos prefeitos para o sucesso no combate à pandemia

Publicado

O governador Mauro Mendes reforçou que o momento é de união entre Estado e municípios para salvar vidas e combater o coronavírus. Ele citou as parcerias firmadas com as prefeituras para abertura de mais leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) como exemplo dessa união.

“Muitos prefeitos estão com dificuldade para abrir UTIs, seja para comprar os equipamentos – e essa é uma dificuldade em todo o país – seja para contratar profissionais. Por isso, o Estado tem trabalhado para a abertura conjunta dos leitos. O município habilita a UTI e o governo vai ajudar a custear essa Unidade, junto com o Ministério da Saúde. Serão R$ 2 mil pagos por dia por UTI para as prefeituras”, disse Mendes nesta sexta-feira (03.07), durante entrevista no MTTV 1ª edição, da TV Centro América.

“O governo também está ajudando com os equipamentos que já conseguimos comprar e entregando aos municípios, como no caso dos respiradores que entregamos para que Cuiabá e Rondonópolis possam abrir mais leitos e ainda contratar profissionais de saúde para reforçar o quadro nos hospitais estaduais. Mas o certo é que todos precisam trabalhar juntos para que possamos vencer essa doença”, completou o governador.

Mauro Mendes acredita que as parcerias firmadas pelas administrações estadual e municipais vão garantir a melhora na rede de saúde de Mato Grosso, uma vez que nas próximas semanas pelo menos mais de 150 leitos de UTI serão abertos em todo o Estado.

“Este é um momento de todos trabalharem juntos, como estamos fazendo, nos empenharmos na abertura de leitos e nos ajudarmos naquilo que for necessário”, declarou.

Ele argumentou ainda que todos os gestores, estadual e municipais, têm ainda responsabilidades para diminuir a propagação da Covid-19 e que uma das medidas é a adoção de um isolamento social mais restritivo, que deve ser decidido pelos prefeitos, porém, com total apoio do Estado.

“Já determinei que a Polícia Militar atue ostensivamente no apoio às medidas restritivas adotadas pelos municípios e reforce a fiscalização para garantir que as decisões por eles tomadas sejam cumpridas. Nesse momento, temos que fazer o que é certo para salvar vidas”, afirmou.

Ainda durante a entrevista, o chefe do Executivo Estadual alertou para que todos os mato-grossenses procurem um médico logo que sentirem os primeiros sintomas da doença, para que sejam medicados no início, evitando o agravamento da situação e a necessidade de internação.

“Para isso, estamos comprando os remédios que fazem parte do tratamento da Covid-19 e vamos entregar aos prefeitos para que o paciente saia do posto de saúde, de qualquer município, já medicado. Esse protocolo vai salvar muitas vidas em Mato Grosso”, disse.

 

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana