conecte-se conosco


Mato Grosso

Preços de hortifrúti apresentam queda em junho

Publicado

Os preços das principais hortaliças comercializadas no atacado em Cuiabá e Várzea Grande apresentam queda nesse início de junho, em relação ao mês passado. É o que aponta o levantamento realizado pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), divulgado nesta quinta-feira (06.06). De acordo com o comparativo da 1ª semana de maio com o mesmo período desse mês, a redução nos preços das principais frutas, verduras e legumes comercializados na Central de Abastecimento de Cuiabá foi percebida em 35 dos 66 itens pesquisados.

Entre os produtos que tiveram os preços diminuídos estão a vagem, a acelga, a batata e o maxixe. Nesse último item o índice de queda chegou a 62% em apenas 30 dias. De R$ 80, a caixa com 16 kg de maxixe está sendo vendido a R$ 30. Já a batata que hoje custa R$ 160 a saca com 50 kg, no início de maio era vendida a R$ 195. Queda de 18% no valor de comercialização do tubérculo. De R$ 50 a caixa com 13 kg da acelga caiu para R$ 35, representando uma redução de 30% no valor, e a vagem teve redução de 15% no preço, passando de R$ 70 para R$ 60 a caixa com 12 kg.

Leia Também:  Policiais recebem homenagem por serviços prestados e atos de coragem

De acordo com o engenheiro agrônomo da Seaf, Luiz Henrique Carvalho, a oferta elevada desses produtos no atacado é a causa para a redução nos preços. “Pela pesquisa percebemos ainda que 14 produtos permaneceram com os mesmos valores, e apenas 17 tiveram”, comenta o técnico da Seaf.

Entre os itens que apresentaram acréscimo nos preços estão o tomate, o milho, a pimenta de cheiro, o quiabo e o alho. A alta mais expressiva foi notada no preço da pimenta de cheiro, que dobrou de preço. De R$ 60 a caixa com 8 kg passou para R$ 120. O milho subiu 40% neste mês, passando de R$ 50 para R$ 70 a saca com 45 kg. Já o tomate, um dos principais legumes consumidos pelos brasileiros, aumentou 20%, saltando de R$ 100 para 120 a caixa com 20 kg. O quiabo encareceu 60% e o alho 15%.

Cotação

A cotação de preços dos principais produtos da agricultura familiar é realizada semanalmente, toda terça-feira, a partir 5h, por técnicos da Seaf, Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e Prefeitura de Cuiabá. A pesquisa de preço é realizada na Central de Abastecimento de Cuiabá, levando em conta o preço mínimo, mais comum e o preço máximo dos produtos encontrados nas barracas em três horários distintos durante o período matutino.

Leia Também:  Polícia Civil cumpre buscas em fraudes de fiscalização, comércio e transporte de madeiras

Além disso, o índice de preço médio dos 66 principais produtos da agricultura familiar em 21 estados brasileiros podem ser conferidos no site http://www.prohort.conab.gov.br/

Fonte: GOV MT
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Mato Grosso

Três alunas chegam ao topo da classificação geral do ensino médio em Escola Militar

Publicado

Heloíse, Novack e Dayelle conquistaram as melhores notas na classificação geral do Ensino Médio da Escola Militar Tiradentes de Cuiabá. Ás vésperas da formatura, as três jovens se destacam não apenas pela pontuação, mas pela dedicação aos estudos e a forte representativa feminina no ranking de melhores alunas da instituição.

Do bairro Despraiado, Heloíse Bastos, de 18 anos, entrou na escolar militar por meio de processo seletivo há seis anos. A aluna 01 do ensino médio, alcançou a primeira colação com 9,33 pontos. Depois da formatura, Heloíse vai usufruir das férias, e em seguida volta aos estudos para entrar na faculdade de Engenharia da Computação.

“Entrei na Escola Militar no 7º ano, aprendi a ter uma rotina de estudo, abri mão de alguns lazeres para estudar. Fui me adaptando o sistema avaliativo da escola, não imaginava conquistar a primeira colocação e ainda mais dividir esse ranking com mais duas mulheres. É muito bom saber que estamos conquistando espaços de representatividade e empoderamento feminino”, diz orgulhosa Heloíse. 

Natalia Novack, de 17 anos reside no bairro Morada do Ouro e, para ela, estudar na escola militar é a realização de um sonho. Após a formatura, ela continuará firme nos estudos para conquistar uma vaga no curso de Medicina.  A estudante relembra que para alcançar as boas notas se apegou a uma rotina de estudos.

Leia Também:  Setasc entrega Plano de Assistência Social inédito ao Ministério da Cidadania

“Sempre gostei de ter boas notas, quando cheguei ao ensino médio tive que pegar mais pesado nos estudos. É muito bom ver nossa evolução na escola. O topo dessa colocação ao longo do ano estava sendo ocupado por meninas, então nos dedicamos muito para vencer esse desafio, não contra os outros, mas de algo com a gente mesmo, de saber que se nos dedicássemos íamos encerrar o ano nessa classificação”, explica Novack.

Do bairro CPA, Dayelle Barros, de 18 anos, ingressou na escola no 1º ano, ela conta que o seu bom desempenho e de suas colegas é o reflexo da qualificação dos professores da instituição. A estudante que pretende cursar Direito conta que o ensino militar contribui na formação de grandes cidadãos.

“Um dia li um livro que diz que por trás de toda pessoa excepcional, existe grandes professores excepcionais, é assim que vejo essa instituição que tanto colabora com a minha formação. Os professores nos inspiram a cada aula”, ressalta a Dayelle. 

As três jovens destacam que a escola militar ajuda a sociedade a construir cidadãos líderes e autoconfiantes. Depois da solenidade de formatura, as três iniciam um novo ciclo de vida com mais estudos só que agora voltados para vestibulares e Enem. Ao deixarem a escola militar, elas concordam que carregam para toda a vida os princípios ensinados pela instituição. Heloíse diz que aprendeu a ser uma pessoa autoconfiante.

Leia Também:  Policiais recebem homenagem por serviços prestados e atos de coragem

“Nós aprendemos a nos tornarmos líderes, é muito fácil falar por trás de uma tela de celular, mas se comunicar com respeito e autoconfiança é algo que aprendemos ao cuidar de um pelotão na escola, zelar pelo nosso uniforme e principalmente respeitar todas as pessoas”, explica a estudante.

Há dez anos, a mulheres lideram a classificação geral do ensino médio da Escola Tirandentes de Cuiabá. Para a diretora da insituição, tenente-coronel Evandra Caroline Taques, é gratificante ver as mulheres se empenhando e se dedicando.

Na próxima segunda-feira (16.12), a Escola Estadual Tiradentes de Cuiabá realizará no pátio do Comando Geral da Polícia Militar, a tradicional solenidade de formatura de 235 estudantes da instituição com troca de fiel dos alunos formandos do 9º ano, que ingressarão no nível médio e a colação de grau do 3º ano.

Diretora da Escola Militar Tiradentes, tenente-coronel Evandra destaca a dedicação aos estudos das jovens

Fonte: GOV MT
Continue lendo

Mato Grosso

Alunos indígenas mostram resultado de pesquisa sobre a própria etnia

Publicado

Alunos das salas anexas da aldeia Afukuri, da etnia Kuikuro, localizada no município de Gaúcha do Norte (a 595 quilômetros ao Norte da Capital) encerraram o 1º Seminário de Conhecimento Cultural Afukuri nesta terça-feira (10.12), no centro da aldeia, que parou para as festividades do evento.

Os alunos apresentaram danças com cantos tradicionais, atrações valorizadas pela comunidade indígena e, principalmente, pelos mais velhos. Entre os destaques, um trabalho sobre a festa com a tinta tradicional de urucum e a canoa de jatobá.

Para a produção das pesquisas, os alunos tiveram aulas de informática e, com isso, conseguiram fazer a edição de todo o material que passa a ser armazenado digitalmente.

Segundo o professor não-indígena Douglas Wiliam, o evento mostrou na prática, um trabalho de pesquisa realizado pelos alunos do ensino médio. Desde o primeiro semestre, os alunos do segundo ano e do primeiro ano iniciaram as pesquisas cujo término era para o final do ano letivo. Os professores do ensino fundamental também contribuíram ao fazer pesquisa com os alunos das séries finais.

Leia Também:  Pesquisa nacional aponta Cuiabá entre as capitais que reduziram homicídios no País

“Cada aluno escolheu um tema da cultura da etnia Kuikuro. Fizeram uma busca por algum traço da cultura deles, tudo que fosse relevante, incluindo os animais da região, o que enriqueceu as pesquisas. Foi um ótimo trabalho de resgate da história deles”, observa o professor.

No entendimento do professor, o retorno dos Kuikuro foi positivo em relação à pesquisa, sendo aprovado pelo cacique e pelos mais velhos, pois a busca de informações aproximou os alunos com toda a tribo.

“É um trabalho de conhecimento cultural, realizando suas pesquisas, escrevendo seus projetos. Isso é muito bom para os alunos”, destaca.

Fonte: GOV MT
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana