conecte-se conosco


Economia

Preço da gasolina avançou 45% nos últimos 12 meses, aponta Ticket Log

Publicado


source
Preço da gasolina avançou 45% nos últimos 12 meses, aponta Ticket Log
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Preço da gasolina avançou 45% nos últimos 12 meses, aponta Ticket Log

De acordo com o último Índice de Preços Ticket Log (IPTL), os preços médios da gasolina e do etanol voltaram a avançar em maio, em relação ao mês anterior.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, a gasolina está 44,77% mais cara, e foi comercializada nos postos a R$ 5,798. Já o etanol avançou 50,40% nos últimos 12 meses e foi encontrado a R$ 4,822.

“Em abril, ambos os combustíveis haviam registrado redução nos preços. No início de maio, porém, o cenário já apontava ser de alta, o que foi comprovado com os valores médios por litros registrados ao considerar todo o mês. O preço médio da gasolina avançou 1,73% em relação a abril, e o etanol apresentou alta de 5,64%”, pontua Douglas Pina, Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil.

Você viu?

A gasolina mais barata e a mais cara do País foram encontradas na Região Norte. No Amapá, o combustível foi comercializado pelo menor preço médio, a R$ 5,318. Já no Acre, o valor mais alto, a R$ 6,325, após aumento nos postos acreanos de 1,09%. O Amazonas, outro estado nortista, registrou a maior redução nos preços, de 2,46% na comparação com abril.

O maior aumento de preços da gasolina em maio foi registrado em Santa Catarina, de 3,97%. Outro estado da Região Sul, o Rio Grande do Sul apresentou o etanol mais caro do País, a R$ 5,450, valor médio nos postos após alta de 3,18%.

Para entender a alta de preços e saber mais, leia a  matéria completa em 1Bilhão Educação Financeira .

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

O verdadeiro prêmio do Big Brother Brasil (a Globo não fala!)

Publicado


source
O verdadeiro prêmio do Big Brother Brasil (a Globo não fala!)
Felipe Moreno

O verdadeiro prêmio do Big Brother Brasil (a Globo não fala!)

R$ 1,5 milhão não é pouco dinheiro – muito pelo contrário! A maior parte dos brasileiros não chega perto disso durante a vida toda. Mas ele não é o verdadeiro prêmio do Big Brother Brasil, na verdade, ele é irrisório perto do verdadeiro prêmio. Tanto que o Gil do Vigor é um dos maiores vencedores da história do programa, mesmo tendo sido quarto colocado na edição passada.

E nem todos os mimos de todas as patrocinadoras do programa chegam perto do que é a verdadeira razão para entrar no BBB. Gente com muito mais de R$ 10 milhões na conta resolve participar do BBB. Os Projotas, Karols com K, Naiaras Azevedos, netos do Sílvio Santos e Manú Gavassis da vida, estão lá para alavancar uma coisa: influência.

E isso, meu caro leitor, vale muito mais do que R$ 1,5 milhão.

Virou meme uma comparação que uma TV americana fez recentemente entre Tik Tokers e executivos de grandes empresas listadas na bolsa de lá: os influenciadores ganhavam MAIS do que os executivos. Influência hoje é uma das coisas que mais dão dinheiro, sem nenhum pingo de dúvida.

Ir para o BBB é conseguir alavancar a carreira de influenciador, mesmo quando você é um anônimo como era o Gil do Vigor – um grande perfil do Twitter questionou: “vão botar isso contra o Projota? Sei não, eim”. O rapper saiu queimado do programa e hoje ostenta 3,8 milhões de seguidores no Instagram, enquanto Gil passou dos 14,7 milhões.

Juliette, que também era desconhecida, tem 33,1 milhões de seguidores – mais que a população de Peru, Equador, Bolívia, Uruguai. Com essa quantidade de seguidores, o mercado publicitário estima que ela consiga ganhar cerca de R$ 50 milhões por ano. POR ANO. Não é mais um prêmio de R$ 1,5 milhão que compra um apartamento confortável em São Paulo e só.

Leia Também

É um dinheiro que transforma a vida de cabo a rabo.

O poder de se tornar influenciador gera muito dinheiro. Kerline, a primeira eliminada do BBB 21 e hoje com 1,5 milhão de seguidores, já virou milionária. Alguns anos atrás, os primeiros eliminados de cada edição do BBB caíam no ostracismo.

Entre nos nossos grupos de WhatsApp! Lá você vai receber todos os nossos conteúdos – matérias, relatórios, e-books, testes, ferramentas, guias -, e se você entrar em algum reality show, prometemos que vamos torcer por você! É só clicar aqui .

Dois comerciais pagam o prêmio

Leia Também

Para a Globo, o Big Brother é uma máquina de fazer dinheiro. Só o programa, que dura três meses, gera a mesma quantidade de receitas que o SBT inteiro por um ano. A estimativa é de uma receita de R$ 1 bilhão. Menos de 1% de tudo que o BBB gera vai para o prêmio. Na verdade, o prêmio é pago com menos de 60 minutos de comerciais entre um bloco e outro.

Para o participante, a chance de ganhar fama e virar influenciador gera muito mais do que os R$ 1,5 milhão. Ninguém nem reclama que o prêmio é o mesmo há mais de uma década – e uma década em que a inflação esteve bem chata no Brasil.

Saiba mais lendo a matéria completa em 1Bilhão , parceiro do iG.

Continue lendo

Economia

Mourão sobre reajuste para policiais: “Não tem espaço para isso”

Publicado


source
Vice-presidente Hamilton Mourão afirma que
Bruno Batista /VPR

Vice-presidente Hamilton Mourão afirma que “martelo não está batido” sobre reajuste aos servidores

O vice-presidente, Hamilton Mourão (PRTB), admitiu nesta terça-feira (18) não haver espaço para reajustar salários de policiais neste ano. A declaração foi dada em conversa com jornalistas na entrada do Palácio do Planalto.

Mourão lembrou das negociações do presidente Jair Bolsonaro (PL) com o Congresso Nacional para viabilizar o aumento salário, mas ressaltou os protestos de outros servidores, como do Banco Central e Receita Federal, além do alerta de escassez de verba do Ministério da Economia. Segundo o vice de Bolsonaro, o martelo ainda não está batido.

“Sabe-se muito bem que não tem espaço no Orçamento para isso”, afirmou.

“Nem sei se o presidente vai conceder isso ai. Vamos aguardar. O presidente não bateu o martelo nisso ainda”, concluiu.

Leia Também

Em dezembro, Bolsonaro pediu ao ministro da Economia, Paulo Guedes, um espaço nas contas do país para reajustar salários de policiais federais, rodoviários e agentes penitenciários. O Congresso, então, aprovou a folga de R$ 1,7 bilhão para o pagamento dos vencimentos.

Entretanto, o governo enfrenta uma crise com servidores comissionados do Banco Central e Receita Federal, que pedem reajuste de 26% em seus salários. Alguns funcionários em cargos de diretoria pediram demissão em protesto a atitude do Palácio do Planalto.

Nesta terça-feira, um grupo de servidores realizaram uma mobilização em frente a sede do BC. Segundo o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), cerca de 50% dos comissionados já entregaram seus cargos e participaram da concentração. O BC informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não irá comentar a manifestação.

Servidores de outras categorias também deverão se reunir em frente ao Ministério da Economia nesta tarde. A concentração está marcada para às 14h e deve se estender até às 16h, horário em que Guedes se reúne com o secretário especial da Receita Federal, Júlio César Vieira.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana