conecte-se conosco


Política Nacional

Por divergências com Aras, coordenador da Lava Jato na PGR pede demissão

Publicado

source
José Adonis Callou de Araújo Sá arrow-options
Gil Ferreira/Agência CNJ

José Adonis Callou de Araújo Sá

O coordenador do grupo da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República ( PGR ), subprocurador José Adônis Callou de Araújo Sá , pediu demissão do cargo nesta quinta-feira (23). Indicado para o posto pelo atual PGR, Augusto Aras , ele estava na posição desde outubro do ano passado e faz o pedido por divergências e insatisfação com a gestão de Aras.

O procurador havia prometido total autonomia para Adônis tocar os casos da Lava Jato, o que incluiria atuar diretamente no Supremo Tribunal Federal (STF) neste casos, sem necessidade de uma assinatura de Aras nas peças e documentos das investigações. De acordo com fontes da PGR, no entanto, esta autonomia não se concretizou e Aras estava interferindo nos trabalhos do grupo.

Leia também: Lava Jato denuncia empresa que fez propaganda ilícita para Dilma

O coordenador da Lava Jato na PGR tem como função coordenar coleta de depoimentos, de provas, coordenar audiências, requisitar informações, e participar de negociações sobre acordos de delação premiada.

Adonis, que também é subprocurador-geral da República, voltará a atuar em processos de tribunais superiores.

Fonte: IG Política
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política Nacional

Marco do Saneamento deve ser discutido no Senado após carnaval

Publicado

O Senado começa a analisar depois do Carnaval a proposta do Novo Marco Regulatório do Saneamento Básico. O texto, aprovado pela Câmara dos Deputados no final de dezembro, pretende unificar as regras do setor sob o guarda-chuva da Agência Nacional de Águas (ANA).  O principal objetivo do projeto é abrir o mercado para a iniciativa privada, de modo a garantir recursos para a universalização do abastecimento de água e da coleta e tratamento do esgoto. Essa abertura de mercado é justamente o que tem travado as negociações que começaram em 2018.

Hoje, prefeitos e governadores podem optar pela licitação ou por firmar termos de parceria diretamente com as empresas estatais. Caso a nova regra seja aprovada, após a publicação da lei, será proibido as empresas estatais firmarem novos contratos para a prestação do serviço. Parlamentares de oposição temem que a mudança na regra prejudique os municípios mais pobres, uma vez que eles não atrairiam os investimentos do setor privado. Eles também argumentam que o prazo para entrada em vigor da concorrência pode levar a aumentos nas tarifas de água no país.

Divergências

Na Câmara, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ) é um entusiasta a da proposta, o governo também. Para parlamentares de oposição, a exigência de licitações e as metas de desempenho para contratos tenderão a prejudicar e alienar as empresas públicas. Além disso, o projeto de lei estabelece prioridade no recebimento de auxílio federal para os municípios que efetuarem concessão ou privatização dos seus serviços. O receio dos contrários ao texto é que a mudança na regra prejudique os municípios mais pobres, uma vez que eles não atrairiam os investimentos do setor privado.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse na última semana que está em busca de um entendimento para agilizar a votação da matéria. A ideia é que a proposta não receba mudanças de mérito, para que não seja necessário o retorno para a Câmara dos Deputados. Para ele, o projeto é fundamental para expandir o saneamento básico. Na visão de Davi, “não se trata apenas de levar água e esgoto para os milhões de brasileiros que não têm, significa, também, novos investimentos no Brasil”.

“Estamos buscando uma conciliação para que seja um texto que contemple o Brasil. Eu acredito que, logo após o carnaval, esse entendimento já estará construído e iremos votar rapidamente essa pauta”, garantiu o senador.

Relator

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) será o relator do PL 4.162/2019. A proposta é bem parecida com as medidas provisórias que o antecederam, MP 844/2018 e MP 868/2018 (que perderam a validade), e ao do PL 3.261/2019 de autoria de Tasso e foi arquivado. Além de centralizar a regulação dos serviços de saneamento na esfera federal, o PL institui a obrigatoriedade de licitações e regionalizar a prestação a partir da montagem de blocos de municípios.

Mudanças

A principal novidade introduzida pelo projeto é o fim dos contratos de programa, pelos quais os municípios transferem a execução dos seus serviços de saneamento para empresas públicas dos governos estaduais. Os contratos contêm regras de prestação e tarifação, mas permitem que as estatais assumam os serviços sem concorrência. A ideia é substituí-los por licitações, envolvendo empresas públicas e privadas. Os contratos de programa que já estão em vigor serão mantidos e, até março de 2022, poderão ser prorrogados por 30 anos, mas deverão comprovar viabilidade econômico-financeira.

Os contratos também deverão se comprometer com metas de universalização a serem cumpridas até o fim de 2033: cobertura de 99% para o fornecimento de água potável e de 90% para coleta e tratamento de esgoto.

Não interrupção dos serviços, redução de perdas e melhoria nos processos de tratamento também estão entre os critérios exigidos. O cumprimento das metas será verificado periodicamente e as empresas que estiverem fora do padrão poderão sofrer sanções do órgão regulador. O texto também diz que as empresas não poderão distribuir lucros e dividendos, caso tenham essa prática. Para viabilizar economicamente a prestação para cidades menores, mais isoladas ou mais pobres, o projeto determina que os estados componham blocos de municípios, que contratarão os serviços de forma coletiva. Municípios de um mesmo bloco não precisam ser vizinhos e a adesão ao grupo é voluntária.

Histórico

Segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), na média brasileira, 83,5% da população é servida por rede de água e apenas 52,4% tem o esgoto coletado, dos quais apenas somente 46% são tratados, conforme os dados mais recentes do divulgados em fevereiro. Esses percentuais pouco subiram nos últimos anos, ligando o alerta para a impossibilidade de se cumprir as metas de universalização até 2033, conforme o Plano Nacional de Abastecimento (PlanSab), de 2013.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Política
Continue lendo

Política Nacional

Damares diz que carnaval desrespeita fé cristã e promete ações governamentais

Publicado

source
Ministra Damares Alves arrow-options
Marcos Corrêa/PR

Damares Alves, ministra dos Direitos Humanos

Em evento realizado na sede da ONU em Genebra (Suíça), a ministra Damares Alves criticou o desrespeito à fé cristã e prometeu ações governamentais para combater violações religiosas .

LEIA MAIS: Mais de 1,3 mil pessoas foram presas durante carnaval de SP

“Exatamente hoje, o Brasil está vivendo seus dias de carnaval. O que estamos vendo nas festas, infelizmente, é uma afronta e um desrespeito à fé cristã ”, disse ela. 

Damares também propõe campanhas de conscientização, e afirma que cristãos estão sendo ridicularizados de forma vil, em nome da arte, da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa. 

As críticas da ministra surgem após a escola de samba Mangueira, vencedora do Carnaval do Rio em 2019, gerar polêmica ao encenar a trajetória de Jesus com rosto negro, sangue índio e corpo de mulher.

LEIA MAIS: Marcelo Adnet imita Bolsonaro no carnaval e diverte a web

O presidente Jair Bolsonaro também criticou o enredo da Mangueira em suas redes sociais, considerando o tema como “um desacato às religiões”. De acordo com ele, a representação de Cristo sendo enquadrado pela polícia seria uma provocação. “Faz uma vinculação comigo, estão buscando uma imagem no Rio para me atingir”, disse ele. 

Fonte: IG Política
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana