conecte-se conosco


Policial

Policiais civis desarticulam ponto de venda de droga no bairro Residencial Magnólia

Publicado

Mais um ponto de venda de entorpecentes funcionando em Rondonópolis (212 km ao sul de Cuiabá), foi desarticulado pela Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) do município, na terça-feira (10.05).

Um suspeito foi preso em flagrante por tráfico de drogas, associação para o tráfico e corrupção de menores. No local foram apreendidos porções de droga, dinheiro e vários materiais usados para embalar o entorpecente.

Durante diligências investigativas os policiais civis da Derf de Rondonópolis, identificaram uma residência no bairro Residencial Magnólia utilizada para o comércio de substância ilícita, razão pela qual o endereço passou a ser monitorado.

Conforme apurado havia na casa intensa movimentação de indivíduos usuários, entre eles portadores de tornozeleira eletrônica, entrando e saindo rapidamente do imóvel.

Na terça-feira (10) a equipe avistou o momento em que uma pessoa sai da residência segurando suspeito na mão. Ato contínuo foi realizada a abordagem e localizado uma porção de maconha.

Com base nos fatos os policiais civis foram até o imóvel vigiado, onde um rapaz ao perceber a presença dos investigadores empreendeu fuga carregando uma sacola na mão.

Já no interior do imóvel havia outro traficante que estava na posse de porções de maconha, cocaína e dinheiro, além da presença de uma mulher e um adolescente.

Em checagem foi constatado que o suspeito possui várias passagens por tráfico de drogas, ameça, bem como faz uso de tornozeleira eletrônica.

Ainda na abordagem o mesmo jogou o aparelho celular no chão que ficou danificado. No local havia uma mulher e um menor de idade, irmão do suspeito.

O suspeito foi conduzido até a Derf de Rondonópolis, junto com todo material apreendido, interrogado e autuado em flagrante delito. Após a confecção dos autos o preso foi colocado à disposição da Justiça.

Fonte: PJC MT

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Policial

Motorista de aplicativo foi atraído por mulher para emboscada e morto por facção

Publicado

Vítima tinha 38 anos e foi alvo de uma emboscada de facção criminosa, segundo o delegado

A Polícia Civil investiga o assassinato de Flávio Deluque de Freitas, de 38 anos, que trabalhava como motorista por aplicativo e foi morto na noite desta terça-feira (16), em Cáceres (a 250 km de Cuiabá).

Segundo o delegado Marlon Nogueira, as investigações apontam que o crime foi praticado por integrantes de uma facção criminosa e não há indícios de que a vítima tenha ligação com o grupo ou quadrilha rival. “Ele foi atraído por uma mulher que ele já conhecia para um encontro amoroso. Quando chegou ao local, os executores estavam esperando por ele”, relatou o delegado.

A mulher de 22 anos foi presa em flagrante na Vila Irene, a uma quadra de onde aconteceu o crime, e autuada por homicídio qualificado – por meio de emboscada e impossibilidade de defesa da vítima, segundo a polícia. Ela confessou o crime. A motivação está sendo investigada e diligências tentam localizar outros envolvidos no crime.

O assassinato aconteceu por volta das 23h30. Conforme a polícia, as viaturas encontraram a vítima dentro do próprio carro, que havia batido em um muro e derrubado uma árvore. Ela tinha um ferimento a tiro na coxa, foi socorrida e levada ao Hospital Regional, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Freitas era técnico de agropecuária formado em 2001 pelo Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) e filho de uma servidora da instituição.

 

Continue lendo

Policial

PF prende quadrilha que lucrou R$ 500 mi enviando droga à Europa; mandados são cumpridos em VG

Publicado

Também são cumpridos mandados em São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná [Foto – Polícia Federal]

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (17), a “Operação Efeito Cascata”, voltada à repressão do crime organizado, tráfico transnacional de drogas e lavagem de dinheiro.

Policiais cumprem 29 mandados de prisão preventiva, 34 mandados de busca e apreensão, ordens de bloqueio de ativos financeiros de R$500 milhões, bloqueio de veículos e sequestro de, pelo menos, 18 imóveis com valor estimado superior a R$ 25 milhões.

Também foi determinada a suspensão da atividade econômica de um contador e 19 empresas, com ordem de lacração dos estabelecimentos. As diligências ocorrem em São Paulo/SP, Baixada Santista, Rio de Janeiro/RJ, Maringá/PR e Várzea Grande/MT.

A investigação foi iniciada em julho de 2020 e deu ensejo à apreensão de 7.736 Kg de cocaína em dez eventos, nos estados de Sergipe, São Paulo, Mato Grosso e Rio de Janeiro, além de 28 veículos (caminhões, semirreboques e automóveis). Ao todo, 21 pessoas foram presas em flagrante por crime de tráfico de drogas no período da investigação.

No curso dos trabalhos investigativos também foi possível identificar movimentações bancárias milionárias.

A organização criminosa atuava no transporte rodoviário de cargas de droga em meio a mercadorias lícitas. Da fronteira boliviana, as drogas seguiam em compartimentos ocultos de caminhões até São Paulo e Rio de Janeiro, de onde eram transportadas em veículos utilitários para regiões portuárias, notadamente Santos/SP e Itaguaí/RJ, visando posterior embarque em navios para a Europa.

Uma carga de 1.200 Kg de cocaína apreendida na Bélgica em dezembro de 2020, oculta em bags de cimento, também está sendo investigada.

Dentre as apreensões, destacam-se 652 Kg de cocaína localizados em Comodoro/MT, próximo à fronteira boliviana, em setembro de 2020; 2.466 Kg de cocaína em Duque de Caxias/RJ, em dezembro de 2020; e 641 Kg de cocaína em Itaguaí/RJ, em setembro de 2021, em meio a uma carga de mangas.

A Receita Federal, com autorização da Justiça, contribuiu para a investigação, compartilhando informações em tempo real sobre empresas, cargas, itinerários, contêineres e movimentação portuária. Também foi solicitada cooperação jurídica internacional.

Os presos ficarão à disposição da Justiça Federal de São Paulo. Eles serão indiciados pelos crimes de organização criminosa, tráfico transnacional de drogas, associação para o tráfico e lavagem de dinheiro. As penas cominadas podem ultrapassar 59 anos de reclusão.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana