conecte-se conosco


Geral

Polícia Civil prende empresários por esquema de furto e adulteração de cargas de soja de R$ 22,5 milhões

Publicado

Os crimes têm como vítima um terminal ferroviário de cargas, principal polo de infraestrutura logística de Mato Grosso, responsável pelo escoamento de boa parte da safra estadual [Fotos – PJC-MT]

A Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Rondonópolis e da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), deflagrou, na manhã desta quinta-feira (28), a Operação Grãos de Areia, para cumprimento de 88 ordens judiciais com o objetivo de desarticular uma organização criminosa, voltada para crimes de furto qualificado, estelionato e fraude na entrega de cargas na região sul do estado.

Na operação, são cumpridos 25 mandados de prisão preventiva, 32 mandados de busca e apreensão domiciliar, além de 31 ordens de sequestro de bens. Os mandados, expedidos pela Sétima Vara Criminal de Cuiabá, são cumpridos em Rondonópolis, Pedra Preta, Diamantino e na Capital.

A operação é fruto da terceira fase de investigação, iniciada pela DERF Rondonópolis no mês de março de 2021, quando 10 pessoas foram presas pelos crimes de receptação, roubo e adulteração de cargas de soja, farelo de soja e milho.

Na ocasião, o grupo criminoso foi surpreendido com a posse de uma carga de farelo de soja avaliada em mais de R$ 130 mil, sendo constatado que o grupo pretendia transformar a carga roubada em diversas outras, adulteradas, que seriam entregues no terminal ferroviário de Rondonópolis.

Na ação, foram mobilizados mais de 110 policiais das Delegacias de Rondonópolis, Itiquira, Guiratinga, Alto Araguaia, Jaciara e Diamantino e do GCCO, com o apoio das equipes de unidades da Diretoria de Atividades Especiais (Defaz, Deccor, GOE, DRE, Dema e Polinter), Diretoria Metropolitana (Derf Cuiabá, Derf Várzea Grande, DERRFVA, Diretoria de Inteligência, Delegacia de Estelionato), Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), além do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) de Rondonópolis.

Investigações

A investigação, conduzida pela Derf Rondonópolis com apoio da GCCO, apurou a atuação de um grupo envolvido em furto e adulteração de cargas de soja e farelo de soja na cidade de Rondonópolis, tendo como vítima o terminal ferroviário de cargas, principal polo de infraestrutura logística de Mato Grosso, responsável pelo escoamento de boa parte da safra estadual.

Com o prosseguimento das investigações, apurou-se a existência de uma verdadeira organização criminosa atuante na cidade de Rondonópolis, composta por empresários do ramo de transporte e comércio de grãos, agenciadores, motoristas de caminhão e funcionários da empresa vítima, num total de 30 pessoas identificadas envolvidas.

As investigações apontaram que o grupo criminoso investigado vem atuando em Rondonópolis desde 2020, contando com a participação de empresários, motoristas de caminhão e funcionários da empresa vítima, tendo desviado aproximadamente R$ 9 mil toneladas de soja e farelo de soja entre os meses de janeiro a março de 2021 (correspondente ao período investigado), com valor estimado de R$ 22,5 milhões), com indícios de que não houve cessação da atividade criminosa.

Para prática dos crimes, foram constituídas empresas do ramo de transporte e comércio de grãos, a fim de que pudessem realizar o transporte, adulteração das cargas e posterior comércio da mercadoria desviada com aparência de licitude. Foram identificadas oito pessoas jurídicas envolvidas no esquema.

Modo de ação

No primeiro tipo de crime, o farelo de soja era carregado em uma empresa em Primavera do Leste, com destino ao terminal de cargas em Rondonópolis. Então, era feita a clonagem de outro caminhão com a mercadoria adulterada nas empresas da organização criminosa.

O caminhão clonado adentrava no pátio da empresa, com a conivência de funcionários envolvidos no esquema, e a mercadoria adulterada era descarregada. O caminhão com a carga sem adulteração retornava à empresa do investigado, onde era descarregada e posteriormente comercializada por valores abaixo do preço de mercado, gerando um lucro aproximado de R$ 100 mil por carga desviada.

Em outra frente criminosa, com foco nos produtos soja a granel e farelo de soja, era realizado o aliciamento dos motoristas de caminhão e as cargas sem adulteração, provenientes de várias regiões do estado, eram levadas até a empresas dos investigados, onde eram adulteradas com areia para serem entregues no terminal ferroviário

Foram identificados oito empresários, nove motoristas, seis funcionários da empresa vítima, além de sete outras pessoas, responsáveis pelo agenciamento, contabilidade e comércio das cargas desviadas.

A organização criminosa oferecia grande quantidade de dinheiro aos funcionários da empresa vítima coniventes com as fraudes – quando não conseguiam cooptar, proferiam ameaças de morte para intimidá-los.

Segundo o delegado da Derf Rondonópolis, Santiago Rozendo Sanches, o grupo criminoso aproveitava da grande quantidade de grãos transportados pelo terminal de cargas (média de mil caminhões por dia) para a consumação dos crimes. “Após a descarga dos vagões de trem e a mistura do produto, é difícil constatar que se trata de material adulterado”, explicou o delegado.

O delegado titular da GCCO, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, destacou que o objetivo da operação é a desestabilização da organização criminosa e cessação dos crimes praticados pelo grupo, “As investigações seguem em andamento para apuração da responsabilidade dos receptadores (pessoas que adquiriram os grãos), além de possíveis crimes tributários e de lavagem de dinheiro”, disse.

Nome da operação

A operação foi batizada de Grãos de Areia, em razão do principal insumo utilizado para adulteração de cargas. Um dos investigados e líder do grupo criminoso adquiriu, em três meses, areia suficiente para construir um prédio de 30 andares, mesmo não atuando no ramo da construção civil, restando apurado que se tratava da matéria prima utilizada nos crimes.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Geral

MT registra mais um caso e chega a nove confirmações da varíola dos macacos

Publicado

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) confirmou, nesta quarta-feira (17), mais um caso positivo do vírus monkeypox, popularmente conhecido como varíola dos macacos. O caso notificado foi em Nova Xavantina (651 km de Cuiabá). Com isso, o número total de casos chegou a nove em Mato Grosso.

No total, são 25 pessoas que estão em isolamento. Elas são consideradas casos suspeitos e aguardam resultados de exames.

Em Cuiabá, são quatro casos e sete suspeitas que estão sendo monitoradas pela equipe de Vigilância Epidemiológica do município. Em Várzea Grande, são três registros positivos e quatro suspeitos. Em Sorriso, há um caso confirmado sendo acompanhado.

Segundo a SES, dois casos suspeitos foram descartados nos municípios de Alta Floresta e Nossa Senhora do Livramento.

Além da capital e região metropolitana, as suspeitas da doença são monitoradas em Rondonópolis (3), Sorriso (1), Barra do Garças (2), Comodoro (1), Diamantino (1), Campo Verde (1), Porto Esperidião (2), Tangará da Serra (2) e um morador de Araputanga é observado em Rio Branco, no Acre.

A partir desta quarta-feira, a SES passa a divulgar a situação epidemiológica desta doença diariamente, de segunda à sexta-feira.

 

Continue lendo

Geral

Em 24 horas, MT registra duas mortes e 421 novos casos de covid; 50% dos leitos de UTI estão ocupados

Publicado

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) registrou até a tarde desta quarta-feira (17) duas mortes por covid-19 nas últimas 24 horas e 421 novas infecções pela doença. O estado totaliza, agora, 15.204 óbitos desde o início da pandemia. Os casos confirmados da doença são 829.213. Desses, 811.375 estão recuperados.

A taxa de ocupação de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) adulto está em 50.56%. Os leitos de enfermaria exclusivos para a covid têm 6% de ocupação.

Orientações

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;
– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;
– Evitar contato próximo com pessoas doentes;
– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;
– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana