conecte-se conosco


Economia

Polícia investiga aumento abusivo nos preços de materiais de construção em Cuiabá

Publicado

Cimento, tijolo e ferro tiveram aumento de preço significativo nos últimos meses [Foto – Polícia Civil]

Uma ação conjunta da Polícia Civil, através da Delegacia Especializada de Consumidor (Decon), em parceria com o Procon Municipal realizou na manhã desta terça-feira (22), a fiscalização em três lojas de materiais de construção com o objetivo de verificar possível prática de aumento de preços abusivos.

Durante os trabalhos foi realizada a fiscalização dos preços de produtos essenciais relacionados a obras de construção, como cimento, tijolo, ferro e que tiveram aumento de preço significativo nos últimos meses.

Conforme o delegado da Decon, Rogério Ferreira, o disparo no preço de insumos no período de pandemia, onerou a construção civil, porém a ação conjunta visa identificar eventuais pessoas e empresas que possam estar se aproveitando da situação de crise para aumentar suas margens de lucro.

“A ação é semelhando a da semana passada em que realizamos a fiscalização do aumento de preços de produtos da cesta básica. Nesse tipo de caso, em sofre são os consumidores sob a alegação de que se trata apenas de um movimento natural do mercado, ocasionado pela pandemia.”, explica o delegado.

Desde o início da pandemia causada pelo coronavírus, a Polícia Civil e os Procons Municipal e Estadual estão realizando diversas ações integradas, para coibir e reprimir o aumento abusivo no preço de produtos, como o álcool em gel 70º INPM e a ivermectina, resultando na abertura de dezenas de procedimentos investigatórios preliminares e a responsabilização administrativa e criminal de empresários que tentaram se aproveitar da situação de desabastecimento.

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

ASL Airlines converte Boeing 737 para voos cargueiros

Publicado


source

Contato Radar

undefined
Guilherme Dotto

ASL Airlines converte Boeing 737 para voos cargueiros

A ASL Airlines, operadora irlandesa de serviços regulares de frete, tem planos de operar seu Boeing 737-800BCF em nome da Amazon Prime Air, a gigante dos serviços de e-commerce. A companhia irlandesa se tornaria a primeira companhia aérea da Europa a operar sua aeronave pintada com as cores da Amazon.

Antes de voar pela ASL, o EI-DAD voava transportando passageiros pela Ryanair, companhia irlandesa de baixo custo. A aeronave voou de 2002 até dezembro de 2019 transportando pessoas, até que em 2020 foi convertido para carga.

Com 18 anos de idade, o Boeing passou a ser o primeiro avião de carga versão -800 da ASL Airlines. Atualmente esta é a única aeronave 737-800BCF em sua frota, e são esperadas mais duas aeronaves em um futuro próximo.

Assim como seu antecessor, os jatos matriculados como EI-DAF e EI-DAC, terão a mesma história de conversão. Ambos voaram para a Ryanair no período de 2002-2019 e 2003-2020 respectivamente, e ao serem modificados, serão transferidos para a ASL Airlines.

Conforme o passar do tempo, a empresa continua a expandir seus negócios, onde junto à Boeing, foi assinado um acordo para o recebimento de 20 aeronaves B737-800BCF.

Com a finalidade de firmar mais sua relação com a Amazon, o acordo incluiu 10 pedidos firmes com 10 direitos de compra da aeronave.

Para ficar por dentro das notícias do mundo da aviação, acesse o Contato Radar ( CLIQUE AQUI ).

O post ASL Airlines converte Boeing 737 para voos cargueiros apareceu primeiro em Contato Radar – Notícias de aviação .

Continue lendo

Economia

“Operação Miopia” identifica R$ 6 milhões sonegados por óticas em Minas Gerais

Publicado


source

Brasil Econômico

Viaturas paradas na rua
Receita Estadual/MG

Operação Miopia inicia investigação para recuperar R$ 6 milhões em sonegação de imposto


A Receita Estadual e o Ministério Público iniciaram, nesta quinta-feira (22), a ” Operação Miopia”  que combate um esquema de sonegação de impostos de empresários de óticas , em Montes Claros, região norte de Minas Gerais. Ao todo, seis mandados de busca e apreensão foram cumpridos, sendo dois deles em endereços comerciais e quatro em residências.


Segundo os primeiros levantamentos feitos por auditores da Receita Estadual, a empresa, que vende produtos em Minas Gerais e em outros estados, maquiava o balanço contábil, e não recolhia os impostos . Só nos últimos cinco anos, não foram recolhidos R$ 6 milhões em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

A investigação também revelou que a fraude era sofisticada, incluindo pedido de recuperação judicial da empresa que é alvo da operação e criando outras de fachada, abertas por “laranjas”.

Segundo Saulo Siqueira, superintendente regional da Fazenda em Montes Claros, “nossas equipes identificaram que, para estabelecer concorrência desleal, prejudicar fornecedores e, principalmente, deixar de recolher o ICMS , a empresa montou uma verdadeira teia de irregularidades com o propósito de enganar a Receita Estadual”. 

O superintendente também explicou que todo o material apreendido será analisado pelos auditores fiscais e que há possibilidade de o valor sonegado ser ainda maior.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana