conecte-se conosco


Nacional

Polícia indicia e pede prisão preventiva do empresário Saul Klein

Publicado

source
Saul Klein
Reprodução TV

Saul Klein

A Polícia Civil de São Paulo indiciou e pediu a prisão preventiva do empresário Saul Klein, nesta quinta-feira (28), por crimes sexuais contra 14 mulheres. Outras 12 pessoas suspeitas de envolvimento nos crimes também foram indiciadas . A informação foi antecipada pelo UOL e confirmada pelo GLOBO.

Segundo a polícia, Klein foi indiciado por nove crimes: organização criminosa, redução à condição análoga à escravidão, tráfico de pessoas, estupro , estupro de vulnerável, casa de prostituição, favorecimento à prostituição ou qualquer tipo de exploração sexual, favorecimento à prostituição ou qualquer tipo de exploração sexual de criança, ou de adolescente, ou de vulnerável, falsificação de documento público.

No relatório final, ao que o GLOBO teve acesso, Priscila Camargo, delegada da Mulher de Barueri, ressalta que foram reconhecidos quatro núcleos da organização criminosa: aliciamento e seleção; falsificação de documentos; segurança e logística interna; médico. Segundo o documento, Klein atuava na coordenação dos grupos. O relatório diz ainda que o inquérito tramita por mais de 15 meses e ainda há um “rol extenso de pessoas a serem indiciadas”. Segundo as vítimas, o filho do fundador das Casas Bahia criou um esquema de aliciamento de jovens, que ocorria por meio de uma marca de biquíni, que contratava modelos para irem até Barueri para uma suposta entrevista de trabalho. Ali já aconteciam os primeiros abusos.

Em nota, o advogado André Boiani e Azevedo, que atua na defesa de Klein, reafirmou que o cliente “nunca cometeu crime algum”. Disse ainda que o “indiciamento e o pedido de prisão são atos discricionários da autoridade policial, que não vinculam os demais atores processuais”. “Tanto Saul Klein quanto sua Defesa Técnica respeitam o posicionamento da Delegada Titular da Delegacia de Defesa da Mulher de Barueri, mas entendem que a análise atenta e isenta dos elementos colhidos na investigação levará o Ministério Público e o Judiciário a concluírem por sua inocência”, escreveu. Em entrevistas anteriores, Azevedo negou as acusações contra o cliente e afirmou que as relações com essas mulheres foram consensuais.

O caso está em segredo de Justiça e vai agora para análise do Ministério Público (MP). Se o MP apresentar uma denúncia e a Justiça aceitar, Klein se tornará réu.

Denúncias

Em setembro de 2020, 14 jovens procuraram a promotora de Justiça Gabriela Manssur para denunciar Klein por estupro, lesão corporal e transmissão de doenças venéreas, entre outros crimes.

Depois de coletar os depoimentos, Gabriela encaminhou as vítimas ao projeto Justiceiras, criado por ela e liderado pela advogada Luciana Terra Villar. As mulheres receberam acolhimento psicológico e orientação jurídica e suas denúncias foram encaminhadas para a Delegacia de Defesa da Mulher de Barueri.

Leia Também

Gabriela lembra que, em decorrência da pandemia, todos os depoimentos foram colhidos por teleconferência e que a equipe enfrentou diversos obstáculos até que as vítimas ganhassem credibilidade.

“Fiquei super feliz com esse desfecho, com a promoção da Justiça, porque já estava meio desacreditada. Isso serve para a sociedade entender que a Justiça funciona, que o MP fez seu trabalho” comemora.

Luciana ressalta que a investigação não ocorreu conforme esperado, houve a troca de quatro delegados e que as vítimas acabaram julgadas.

“As vítimas estavam sendo julgadas e o Saul saindo como inocente. A defesa dele colocou a tese do suggar dady, como se fosse uma parceria entre as partes. Mas o que ocorreu foi que elas foram ludibriadas, enganadas e introduzidas no sistema de prostituição” diz.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram  e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

Fonte: link

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nacional

Silveira receberá medalha dada para quem contribui com a literatura

Publicado

Daniel Silveira
Divulgação: Câmara dos Deputados – 30/03/2022

Daniel Silveira

O deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) vai receber da Biblioteca Nacional a medalha da Ordem do Mérito do Livro, tradicionalmente dada pela instituição a pessoas que contribuem com a literatura. A informação foi dada inicialmente pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

A cerimônia de entrega da homenagem está marcada para as 15h30 desta sexta-feira (1). Antes, às 10h30, ex-funcionários da biblioteca também vão receber a medalha. Em seu site oficial, a Biblioteca Nacional informou que o prédio da instituição ficará fechado nesta sexta-feira “por motivos de força maior”.

Acadêmicos, escritores e intelectuais como o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade e o sociólogo e escritor pernambucano Gilberto Freyre já receberam a medalha da Ordem do Mérito do Livro. Neste ano, a medalha será entregue, ao todo, para 200 personalidades por conta do Bicentenário da Independência.

O GLOBO tentou falar com o presidente da Biblioteca Nacional, Luiz Carlos Ramiro Junior, e com Daniel Silveira, mas até o momento não obteve sucesso. Ramiro já exercia o cargo de coordenador-geral do Centro de Pesquisa e Editoração da BN, para onde foi levado por Rafael Nogueira, seu antecessor. Ele é graduado em Ciências Sociais (UFRJ) e Direito (UFF) e mestre e doutor em Ciência Política pela UERJ.

Em abril, Daniel Silveira foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal a 8 anos e 9 meses de prisão por agressões verbais a ministros da Corte e por tentar impedir o livre exercício dos Poderes. No dia seguinte, o presidente da república, Jair Bolsonaro, publicou um indulto presidencial perdoando a pena do parlamentar. O STF também havia suspendido o mandato de Silveira e de seus direitos políticos enquanto durassem os efeitos da condenação. No mês passado, a Procuradoria Geral da República pediu ao STF a extinção da pena do deputado, bem como a revogação de todas as medidas cautelares contra ele.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

Continue lendo

Nacional

Investigado, ‘sheik das criptomoedas’ tem duas mansões e um jatinho

Publicado

Francis da Silva é conhecido como
Reprodução

Francis da Silva é conhecido como “sheik”, no Paraná

Sem esperar pela conclusão do inquérito da Polícia Federal do Paraná, advogados dos  clientes lesados pela Rental Coins estão levantando o patrimônio milionário acumulado pelo dono da empresa de criptomoedas, Francisley Valdevino da Silva, o Francis da Silva, como prefere ser chamado. Na relação, aparecem duas mansões – uma em Angra dos Reis, na Costa Verde fluminense, e outra em Governador Celso Ramos, no litoral catarinense, um jatinho e três embarcações, entre outros bens listados.

Nas ações já ajuizadas no Tribunal de Justiça do Paraná, que variam de pedidos de execução de dívida a indenização por danos morais e materiais , os advogados pediram o arresto dos bens em tutela antecipada. Mas alegam que o patrimônio de Francis, chamado pelos amigos de faraó, é bem maior do que os bens identificados. Um levantamento mais completo depende de varredura em mais de uma centena de CNPJs vinculados ao nome do empresas ou a sua rede de empresas.

Um dos bens listados é uma aeronave Cessna Aircraft Company, modelo 680, prefixo PP-BST. No cadastro da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), consta que o jatinho foi transferido em 2019 para o nome da ITX Administradora de Bens, cujos sócios são Rauny Pedro Ribeiro Chagas Proencio, Claudete Ribeiro Chagas Proencio e Francis da Silva. No mesmo cadastro, aparece ainda um gravame indicando bloqueio judicial do bem.

O modelo da ITX é um Cessna Citation Sovereign, jato executivo americano com capacidade para até 12 passageiros. Lançado em 2002 e fabricado até 2013 pela Cessna, custava US$ 18 milhões (quase R$ 100 milhões pela cotação desta quinta-feira), segundo um site especializado, quando retirado de fábrica. No caso de Francis, era usado pelo empresário principalmente nas pontes aéreas Curitiba-São Paulo e Curitiba-Rio, além das viagens para Governador Celso Ramos.

Outra expressão da riqueza de Francis, acumulada desde 2018, quando começou a operação de aluguel de bitcoins, é uma mansão erguida no ano passado no condomínio Porto Frade, em Angra dos Reis. De acordo com uma fonte que acompanhou as obras, a propriedade tem 1 mil metros de área construída, seis suítes e dois quartos, sala com pé direito duplo, piscina, sauna e píer exclusivo.

Amigos mais próximos também conheceram a mansão de Francis no balneário de Governador Celso Ramos, município do litoral catarinense vizinho a Florianópolis, com mais de 50 praias. Vídeo registrado por um visitante, passageiro de uma aeronave que pousou no heliponto da mansão, mostra um completo residencial no topo de uma colina. O autor da imagem sustenta que a mansão tem sete pavimentos.

Na lista de bens rastreados pelos advogados, aparece ainda uma conta de Francis no Fifth Third Bank, em Orlando, além de imagens de dois baús recheados de ouro, em barras e em pedra de 33,33 gramas, usadas pelo sheik, segundo testemunhas, para convencer os clientes a investir no aluguel de criptomoedas.

“Estamos em busca de bens. Já encontramos aeronaves, mas as contas pessoais de Francis e das das empresas dele estão zeradas. Mas o levantamento vai prosseguir. Já fomos procurados por pilotos que operaram aeronaves de Francis. A justiça vai ser feita”, promete Jeferson Brandão, advogado que representa um grupo de clientes lesados.

No caso das ações de execução, os advogados pedem o imediato ressarcimento dos investimentos com base em confissões de dívida assinadas por Francis:

“Temos a assinatura dele em 450 confissões. No meu caso, são mais de R$ 9 milhões em dívidas acumuladas”, disse o advogado Artêmio Picanço.

Até o momento, após procurado pelo GLOBO, divulgou até o momento uma nota de esclarecimento. Ele informou que os pagamentos serão restabelecidos em outubro, depois de uma reestruturação na Rental Coin.

Segue a íntegra da nota:

Eu, Francisley Valdevino da Silva, venho a público, novamente, com intuito de efetivar a política de transparência sempre adotada, manifestar esclarecimentos essenciais acerca das últimas notícias veiculadas pela imprensa. Circulou na mídia, na data de 28.06.2022, através de matéria do jornal “O GLOBO”, notícia sobre as empresas Intergalaxy, Interag e RentalCoins, a qual alude expor minha trajetória como empresário. Clique aqui para visualizar a matéria.

A princípio, é importante elucidar os fatos descritos na reportagem. Como já é do conhecimento de todos, o ano de 2022 está sendo um período movido pela extrema necessidade de processo turnaround do Grupo empresarial que está sob minha gestão, devido a anormalidades internas verificadas ainda em outubro do ano anterior.

Sendo assim, o grupo Interag iniciou uma reorganização de gestão administrativa, financeira e tecnológica, devido à identificação de falhas que necessitaram de medidas estratégias para soluciona-las.

Os erros cometidos por gestões passadas, que inclusive causaram enorme abalo às estruturas, ocasionaram atrasos nos pagamentos e inadimplementos contratuais. Com isso, foram tomadas medidas urgentes para atenuar os impactos causados aos clientes.

Aos nossos clientes, o alicerce de todo sucesso anterior as falhas, as empresas apresentaram planos de pagamento totalmente realistas e sólidos, que foram criados baseando-se no atual cenário em que o Grupo se encontra e, caso não se verifique a ocorrência de fatos externos e imprevisíveis, serão integralmente cumpridos. Estamos no momento com 9.445 clientes que aceitaram o plano reestrutural e continuam recebendo seus rendimentos de cessão de criptoativos; 4.533 clientes decidiram rescindir seus contratos por meio de acordos extrajudiciais e 702 clientes usufruíram de atendimento jurídico presencial ao longo deste ano, contemplando a totalidade de 13.978 soluções positivas.

O cuidado e atenção despendidos pelas empresas desde o início deste ano aos clientes são claramente demonstrados com os números abaixo apresentados: 1. Ampliação nos canais de atendimento aos franqueados home-based e franquias agência: equipe responsável pelo atendimento de 1519 (mil quinhentas e dezenove) demandas entre os meses de Abril de 2022 e Junho de 2022, com tempo médio de resolução de 3 (três) dias úteis; atendimento direto através de sistema de atendimento via “chat” (franqueados home-based) para estes franqueados sem suporte oriundo das agências às quais possuem vínculo. Foram atendidos 486 franqueados homebased, com TMA (tempo médio de espera para atendimento) de 13 minutos; 2. Time responsável por prestar atendimento direto às franquias InterAg: atendimento de 85 demandas, com uma porcentagem de resolução de 96%; 3. AFAG (Associação dos Franqueados da InterAg): até o momento 116 (cento e dezesseis) demandas vindas da AFAG e efetivamente resolvidas dentro das atribuições da Gestão Comercial; 4. Franqueados InterAg: a Gestão Comercial dentre as suas equipes foi responsável, entre os meses de Abril e Junho de 2022, por realizar 128 (cento e vinte e oito) treinamentos, presenciais ou em modalidade vídeo-chamada, com estes franqueados; foram realizadas 658 (seiscentas e cinquenta e oito) ligações de contato direto com franqueados de todo o Brasil;

Ainda dentro desta operação (turnaround) — a principal no que se refere ao atendimento direto e especializado a clientes e locadores —, foram registrados os seguintes números de atendimentos (RentX e Rental Coins): 1. Março de 2022: 25.581 (vinte e cinco mil, quinhentos e oitenta e um), com TMA (tempo médio de espera para atendimento) de 1h19min; 2. Abril de 2022: 19.585 (dezenove mil, quinhentos e oitenta e cinco), com um TMA de (tempo médio de espera para atendimento) de 1h56min; 3. Maio de 2022: 15.024 (quinze mil e vinte e quatro), com TMA (tempo médio de espera para atendimento) de 18 minutos; 4. Junho de 2022: 6256 (seis mil duzentos e cinquenta e seis), com (tempo médio de espera para atendimento) de 9 minutos; Observa-se, portanto, que progressivamente após a instituição do Lessor Center e inserção desta operação dentro da Gestão Comercial, o atendimento direto a clientes e locadores ganhou velocidade, efetividade de resolução e maior dinamismo em seu funcionamento.

Ademais, demonstrando a credibilidade e possibilidade de continuação das atividades empresariais, através de expertise própria, adquirida ao longo da existência das empresas, desenvolvemos projetos totalmente “In House”, com tecnologia e mão de obra técnica altamente qualificada dentro do próprio grupo, em um setor unicamente dedicado às soluções e desenvolvimento de projetos de T.I, com os seguintes projetos: 1) Para os franqueados home-based e franquias agência, foi lançada em 2022 uma nova plataforma de trabalho on-line mais completa, intuitiva e com ainda mais dados acerca do mercado e dos locadores; 2) Dentro da Rental Coins, os aprimoramentos tiveram início em Janeiro de 2022, tão logo foi concretizada a parceria com a exchange RentX. Junto à nova plataforma para locadores, também vieram novas soluções. Tais como: realocação automática facilitada, saque de rentabilidades em cripto, atendimento personalizado dentro da plataforma, FAQ’s e videos tutoriais acessíveis e atualizados; 3) Na exchange RentX foi instituída a possibilidade de pagamento em BRL (Real) direto da própria exchange para a conta bancária do usuário, possibilitando que os próprios clientes operacionalizem como melhor desejarem os seus criptoativos, inclusive permitindo a opção de “compra rápida” de criptoatvos de maneira intuitiva e segura. Cumpre esclarecer que o processo de reestruturação já foi finalizado, sendo que os dados apurados estão sendo tratados e organizados por meio de auditoria interna, já também em fase final. Neste ínterim, fixou-se o mês de outubro de 2022 para retomada dos pagamentos pertinentes, sendo este o prazo hábil para solução de todos as falhas anteriormente encontradas, possibilitando a regular continuação das atividades das empresas.

Voltando a enganosa matéria, um total desserviço à seriedade que o ramo jornalístico necessita, ainda apresenta foto de um momento particular em uma festa à fantasia, na qual a vestimenta está caracterizada com o enredo da confraternização. A imagem foi usada para tentar criar um personagem midiático capaz de impulsionar o teor enganoso, incitando a criação de um cenário totalmente inverídico sobre minha trajetória empresarial. O conteudo divulgado é contrário a toda transparência demonstrada pelas empresas do Grupo, inclusive ao que tange aos riscos que permeiam o volátil mercado de criptoativos.

Os contratos pactuados efetivaram-se através da aceitação de Termo de Risco que os integram, cabendo ao clientes mensurá-los e não somente a empresa. Portanto, diante de todo o exposto, na qualidade de representante das empresas do Grupo, fico à disposição para esclarecer e sanar quaisquer dúvidas e desacordos existentes, pautado sempre pelo bem-estar e satisfação de todos os clientes.

Sem mais para o momento, Francisley Valdevino da Silva

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana