conecte-se conosco


Policial

Polícia Civil prende duas pessoas por tráfico e apreendem drogas e dinheiro

Publicado

Assessoria | PJC-MT

Intensificando o combate ao comércio de drogas no município de Juína (735 km a Noroeste de Cuiabá), a Polícia Judiciária Civil efetuou a prisão de dois homens, durante ações distintas realizadas na terça-feira (08.10). Além das prisões, os trabalhos resultaram na apreensão de drogas e dinheiro.

Na primeira diligência no final da manhã de terça-feira (08), Claudiney Damazio de Oliveira, 34, conhecido como “Nei”, foi autuado em flagrante pelo crime de tráfico de drogas. Ele possui extensa ficha criminal e integra uma organização criminosa.

O suspeito foi preso no bairro Módulo 02 e com ele foram apreendidas uma porção grande e duas médias de pasta base de cocaína, durante diligências para averiguar algumas denúncias de que uma pessoa estava vendendo drogas nas proximidades da rodoviária da cidade.

Durante a abordagem, Claudiney conduzia uma motocicleta, na companhia de sua esposa, que não tinha conhecimento do crime praticado pelo companheiro. No bolso do investigado foram apreendidas três porções de entorpecente.

Leia Também:  Polícia Civil prende estelionatária e criminoso com várias passagens em Rondonópolis

Conforme informado pela mulher, seu companheiro não estava trabalhando, mas saía a todo tempo dizendo que ia resolver algum assunto, além de sempre haver pessoas o chamando na frente de residência. 

O homem foi conduzido à Delegacia de Juína, interrogado e autuado pelo crime de tráfico de drogas.

Outra prisão

O segundo pessoa presa, Vitor Gabriel de Oliveira Mocelin, 19, conhecido como “Mano VG”, foi detido pelos policiais civis na tarde de terça-feira (08) e autuado em flagrante por tráfico de drogas.

Os investigadores da Delegacia Regional em diligências para localizar o jovem, que vinha sendo monitorado desde a operação “Crazy Boy” por envolvimento com o comércio de entorpecentes na região, conseguiram localizar o rapaz no bairro Módulo 06.

O suspeito foi detido logo após realizar a venda de entorpecente para um usuário. Diante das evidências, Vitor Gabriel afirmou que em sua residência havia mais drogas, onde foi encontrada uma porção média de maconha.

Em checagens na delegacia foi verificado que Vitor já teve apreensão, em 2016, por roubo. Já em 2018 respondeu ato infracional de tráfico de drogas, oportunidade em que veio a Cuiabá para buscar 20 tabletes de maconha. Depois de ser ouvido, Vitor Gabriel foi autuado em flagrante pelo crime de tráfico de drogas.

Leia Também:  Corregedoria da Polícia Militar investiga oficiais alvos de operação do Gaeco por adulteração de armas

Após a confecção dos autos, ambos foram colocados à disposição do Poder Judiciário.

Fonte: PJC MT
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Policial

Integrantes de facção criminosa suspeita de assassinatos e desaparecimentos são presos durante operação em MT

Publicado

A operação “Abaddon” prendeu 15 pessoas acusadas de vários crimes. Vítimas seriam integrantes do grupo que teriam descumprido ‘regras impostas pela facção’

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) deflagrou na manhã de quarta-feira (16), em Mirassol D´Oeste (a 300 km de Cuiabá) a operação “Abaddon” na Região Integrada de Segurança Pública (Risp 6). A ação teve como alvo um grupo criminoso atuante na região oeste do Estado nos crimes de homicídios, tráfico de drogas, associação criminosa armada e posse e porte de arma de fogo.

Os mandados judiciais, cumpridos na cidade, foram representados pela Polícia Civil, com a prisão de 15 pessoas, sendo duas delas foram conduzidas para averiguação. Com base nas investigações da Polícia Civil, a Justiça também decretou 19 mandados de busca e apreensão domiciliar, nos endereços dos investigados, de familiares e de outras pessoas que tem relação com o grupo criminoso.

Foram apreendidos ainda quatro armas de fogo, entre elas um revólver, uma pistola, duas carabinas e seis quilos de maconha e pasta base de cocaína, além quatro veículos.

Leia Também:  Polícia Civil elucida latrocínio ocorrido em Cuiabá e cumpre mandado de prisão

O grupo criminoso é investigado há cerca de dois meses pela Polícia Civil, tendo o trabalho iniciado após a ocorrência de uma série de homicídios ocorridos em Mirassol D’Oeste, em que foram identificadas a autoria do grupo criminoso.

Segundo as investigações, o grupo foi responsável por, pelo menos, quatro homicídios, ocorridos entre os dias 8 a 19 de setembro, tendo como vítimas Roni Alvarenga da Silva, Joelson Adivinei Alves de Sá, Amarildo Gomes Gonçalves e Cleber da Silva Ribas.

Duas pessoas que estão desaparecidas do município também são apontadas como possíveis vítimas da facção criminosa.

Todas as vítimas seriam integrantes do grupo que teriam descumprido regras impostas pela facção e que tiveram a morte como pena. Além dos homicídios, a facção também aplica penas de tortura a integrantes que descumpre as regras impostas.

O delegado Alexandre Silva Nazareth, destacou que essa é a primeira fase da operação e que a partir das apreensões será possível aprofundar as investigações. “Além dos mandados contra os integrantes do grupo já identificados, o objetivo da operação era a apreensão de aparelhos telefônicos e outros documentos que auxiliem a chegar a outros membros da facção, assim como identificar outros crimes praticados por ela”, destacou.

Leia Também:  Operação da Polícia Civil do DF prende funcionário de empresa e apreende veículos em Rondonópolis

O comandante do 6º CR, tenente-coronel PM, Antônio Nivaldo de Lara Filho, destacou o trabalho integrado e disse que o saldo da operação foi positivo.  “Foi uma operação muito importante para deter a criminalidade na fronteira. Os resultados obtidos fazem parte do trabalho conjunto das unidades policiais de Mato Grosso para a repressão da criminalidade na região de fronteira”, enfatizou.

A operação integrada contou com a participação de cerca de 90 agentes entre policiais civis, militares, do Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron)/ Canilfron, Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) e Sistema Prisional.
 

Continue lendo

Policial

PRF auxilia no resgate de trabalhadores em condição de escravos em MT

Publicado

Operação da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) percorreu fazendas na região Norte do Estado

Sete pessoas que eram submetidas a condições análogas à de trabalho escravo foram resgatadas de uma fazenda, em Mato Grosso, durante uma operação da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT), com apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF).
Também participaram da ação membros da Defensoria Pública da União (DPU) e do Ministério Público do Trabalho (MPT). A operação foi realizada entre os dias 8 e 18 pelo Grupo Especial de Fiscalização Móvel, pertence à Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo (DETRAE) da SIT.
Os agentes percorreram fazendas na região Norte de Mato Grosso, mais especificamente nos municípios de Santa Carmem, Feliz Natal e Nova Guarita. Em uma das fazendas, em Santa Carmem, foram resgatados sete trabalhadores submetidos a condições análogas à de escravo. Eles catavam raízes em área destinada ao plantio de soja e acampavam em barracos de lona, sem condições de higiene e sanitárias, nem água potável havia.
O empregador foi localizado e autuado pelos auditores-fiscais. Ele teve que pagar as verbas rescisórias, além de danos morais aos trabalhadores. O fazendeiro também firmou Termo de Ajuste de Conduta – TAC com o Ministério Público do Trabalho para pagar danos morais coletivos no valor de R$ 40 mil, que serão revertidos ao Projeto Ação Integrada de Mato Grosso.
Os trabalhadores resgatados foram encaminhados para órgãos assistenciais e terão direito ao recebimento de seguro desemprego.
Já em uma propriedade rural, em Nova Guarita, foi localizada uma região de garimpo em que havia denúncia de trabalho escravo. Duas frentes de trabalho com cerca de garimpeiros foram descobertas, sem irregularidades aparentes, pois havia estrutura adequada de alimentação, trabalho e higiene. Foram realizadas buscas a ilícitos como armas de fogo, mas nada foi encontrado.
A PRF, que possui compromissos assumidos por meio das ações constantes do 2º Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo, participou como equipe de segurança da operação, dando condições para que os fiscais pudessem trabalhar. Não houve necessidade de uso da força durante a operação.

Leia Também:  Policiais trocam experiências em reunião na Diretoria Geral

Neocleciana Gonçalves – NUCOM PRF MT

Fonte: PRF MT
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana