conecte-se conosco


Policial

Polícia Civil cumpre 15 mandados contra suspeitos de facilitar a entrada de celulares na PCE

Publicado

Assessoria |PJC-MT

A Polícia Civil de Mato Grosso cumpre. na manhã desta terça-feira (18.06). sete mandados de prisão e 8 ordens de busca e apreensão, na operação “Assepsia”, deflagrada após investigações da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) sobre a entrada de aparelhos celulares em unidades prisionais do Estado.

Os mandados de prisão foram decretados  cinco servidores públicos e dois internos da Penitenciária Central do Estado (PCE). As 15 ordens judiciais são pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá, e foram expedidas depois de representação dos delegados e manifestação favorável do Ministério Público Estado, via o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO).

Os detalhes da operação serão apresentados às 10h30, desta manhã, em entrevista coletiva no auditório da sede da Diretoria Geral da Polícia Civil, na Avenida Tenente Coronel Duarte, bairro Bandeirantes, em Cuiabá, com a presença dos delegados da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) e outras autoridades policiais.

No dia 6 de junho, na Penitenciária Central do Estado (PCE), foram localizados 86 aparelhos celulares, dezenas de carregadores, chips e fones de ouvido.  Todo o  material estava acondicionado dentro da porta de um freezer, que foi deixado naquela unidade para ser entregue a um dos detentos.

Equipes da GCCO estiveram na PCE e verificaram que não havia nenhum registro de entrada ou mesmo informações acerca da entrega do referido eletrodoméstico.  Diante dos fatos e da inconsistência das informações, todos os agentes penitenciários presentes foram conduzidos até a Gerência e questionados sobre os fatos. No mesmo dia, a autoridade policial determinou a apreensão das imagens do circuito interno de monitoramente da unidade, que foram extraídas por meio da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec).

Por meio dos depoimentos, da análise das imagens e conteúdo de aparelhos celulares apreendidos e ainda, da realização de diversas diligências, foi possível identificar e comprovar de maneira robusta, que três policiais militares, dentre eles um oficial de carreira, foram os responsáveis pela negociação e entrega do freezer recheado com os celulares. 

Com a ciência do diretor e do subdiretor da unidade, os militares enviaram o aparelho congelador que era destinado a um dos líderes de uma facção criminosa atuante no Estado.

Ao longo das investigações, a Polícia Civil conseguiu comprovar que nomesmo dia, duas horas antes do freezer ser interceptado, os três militares e os diretores da unidade, participaram de uma reunião a portas fechadas com o preso líder da organização criminosa, por mais de uma hora, dentro da sala da direção. “Toda a dinâmica dos fatos foi registrada pelas imagens da unidade prisional”, aponta o relatório da investigação.

No decorrer das investigações, ficou constado ainda que o veículo utilizado para a entrega do freezer, na unidade, pertence a outro reeducando, que também é considerado uma das lideranças da mesma facção. Esse reeducando divide cela com o destinatário do equipamento.

Além das prisões preventivas dos servidores públicos e dos líderes da facção criminosa, serão cumpridas medidas de busca e apreensão nas dependências da Penitenciária Central do Estado.

O inquérito será concluído nos próximos 10 dias. Os investigados poderão responder pelos crimes de integrar organização criminosa, corrupção passiva e ainda por facilitação de entrada de celulares em estabelecimento prisional. 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Policial

Combate ao tráfico resulta em 5,5 toneladas de drogas incineradas e 73 prisões em operações na região metropolitana

Publicado


Camila Molina/Polícia CivilMT

As ações de combate ao tráfico deflagradas com base em denúncias feitas pela população e a destruição de drogas apreendidas marcaram o primeiro semestre de atuação da Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE). Nos seis primeiros meses do ano, a unidade especializada contabilizou 73 presos em operações policiais e mais de 5,5 toneladas de drogas incineradas.

A repressão ao comércio de drogas e outras substâncias ilícitas resultou em 748 inquéritos policiais instaurados, 758 concluídos, 259 Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs) lavrados e 150 representações encaminhadas ao Poder Judiciário. 

Outro ponto de atenção especial no primeiro semestre foram as incinerações de drogas, com 5,5 toneladas de entorpecentes destruídas, entre maconha, pasta base, cocaína, drogas sintéticas e anabolizantes, apreendidos em ações das forças de segurança do Estado. 

A delegada titular da DRE, Juliana Chiquito Palhares, que assumiu a especializada no mês de março deste ano, disse que grande parte das prisões realizadas no primeiro semestre está relacionada ao atendimento de demandas recebidas da sociedade, que através das denúncias fornece informações sobre o tráfico e pontos de venda de drogas nos bairros.

Do tráfico formiguinha ao interestadual 

Em relação aos inquéritos instaurados e concluídos, os números foram expressivos e demonstram o trabalho constante das instituições de segurança no combate ao tráfico, com prisões e apreensões de drogas, armas e dinheiro e investigações qualificadas que atingem a capacidade financeira de organizações criminosas, por meio de bens apreendidos e valores bloqueados.

“O combate ao tráfico de drogas deve ser entendido e planejado desde a pequena boca de fumo do bairro que incomoda a comunidade até as grandes organizações criminosas que lucram com essa atividade ilícita e fomentam outros crimes, como os homicídios, a violência doméstica, furtos, roubos”, disse a delegada. 

Juliana explica que a DRE também vem trabalhando em investigações qualificadas de combate ao tráfico, com foco na identificação e desarticulação de grupos criminosos envolvidos com a distribuição de entorpecentes em grandes quantidades e que atendem várias cidades de Mato Grosso e fora do estado.  

“Essas investigações demoram um tempo maior de maturação para estarem prontas para deflagrar operações e trazer resultados efetivos. É importante frisar que a DRE continua com o mesmo foco das gestões anteriores, seguindo em 2021 com a mesma garra e atuação bastante determinada no combate ao tráfico que causa tanto mal às famílias e à sociedade”, enfatizou a delegada. 

Incinerações 

Outro ponto que ganhou destaque no primeiro semestre foi a quantidade de entorpecente incinerada. A primeira queima realizada pela DRE foi em março de 2020, ocasião em foram autorizadas pela 9º, 13º Varas de Cuiabá e 3ª Vara da Comarca de Várzea Grande, a destruição de duas toneladas de drogas. 

No mês de maio, foram mais três toneladas de drogas destruídas, superando o montante de cinco toneladas destruídas. A terceira incineração do semestre ocorreu em junho, na operação Narco Brasil, quando a DRE encaminhou para incineração mais uma tonelada de drogas. 

Juliana Palhares afirma que a destruição da grande quantidade de entorpecentes era uma necessidade da especializada, uma vez que o volume de drogas apreendidas na unidade era muito grande e o processo para destruição é demorado, passando por várias etapas, dependendo de ordem judicial, perícia da Politec, e da disponibilidade da empresa para a queima da droga.

“Além da readaptação da mudança de gestão, o trabalho da DRE foi focado nas incinerações que precisavam ser realizadas, em razão do excelente trabalho das forças de segurança em ações de combate ao tráfico de substâncias ilícitas, havendo um acumulo considerável de drogas apreendidas na unidade”, explicou.

“O volume de droga incinerada demonstra que a cada ano, as polícias vêm apreendendo mais entorpecentes, representando também um grande prejuízo para o tráfico de drogas, atividade cruel que tira vidas, dissemina famílias e que apenas os grandes traficantes saem lucrando com a venda do entorpecente”, completou.

Operações interestaduais

O apoio em operações policiais deflagradas por Polícias Civis de outros estados também marcou os trabalhos realizados pela DRE no primeiro semestre de 2021. A especializada deu apoio a três operações fora de Mato Grosso, sendo duas da Polícia Civil de Pernambuco e uma da Polícia Civil de Goiás, além da participação na Operação Nacional Narco Brasil. 

Na operação “Calcanhar de Aquiles” deflagrada pela Polícia Civil de Pernambuco, em abril, a DRE cumpriu 11 ordens judiciais, entre prisão e busca e apreensão. A operação foi desencadeada depois da investigação iniciada em julho de 2020, para desarticular uma organização criminosa voltada ao tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

A DRE também atuou no cumprimento oito mandados judiciais em apoio à operação Déja Vu, da Polícia Civil de Goiás, para desarticular uma organização criminosa envolvida com o tráfico interestadual. A investigação da Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos (Denarc) do estado vizinho iniciou em janeiro de 2020 e revelou um sofisticado esquema de transporte e distribuição de cocaína pura, pasta base de cocaína e skunk. 

Em junho, a especializada de repressão a entorpecentes também participou da operação do Ministério da Justiça e Segurança Pública em todo país, quando as forças de segurança retiraram mais de duas toneladas (2.371 kg) de drogas de circulação durante o mês de junho. No período, foram feitas 95 diligências, 1.654 blitzes e barreiras, 32.538 abordagens a pessoas e 15.444 veículos fiscalizados. A Operação Narco em Mato Grosso resultou ainda em 269 Autos de Prisão em Flagrante (APFs) lavrados, e apreensões de 134 armas, 380 munições, R$ 52.554,00 e 64 veículos.

Fonte: PJC MT

Continue lendo

Policial

Combate ao tráfico resulta em 5,5 toneladas de drogas incineradas e 73 prisões em operações

Publicado

As ações de combate ao tráfico deflagradas com base em denúncias feitas pela população e a destruição de drogas apreendidas marcaram o primeiro semestre de atuação da Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE). Nos seis primeiros meses do ano, a unidade especializada contabilizou 73 presos em operações policiais e mais de 5,5 toneladas de drogas incineradas.

A repressão ao comércio de drogas e outras substâncias ilícitas resultou em 748 inquéritos policiais instaurados, 758 concluídos, 259 Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs) lavrados e 150 representações encaminhadas ao Poder Judiciário.

Outro ponto de atenção especial no primeiro semestre foram as incinerações de drogas, com 5,5 toneladas de entorpecentes destruídas, entre maconha, pasta base, cocaína, drogas sintéticas e anabolizantes, apreendidos em ações das forças de segurança do Estado.

A delegada titular da DRE, Juliana Chiquito Palhares, que assumiu a especializada no mês de março deste ano, disse que grande parte das prisões realizadas no primeiro semestre está relacionada ao atendimento de demandas recebidas da sociedade, que através das denúncias fornece informações sobre o tráfico e pontos de venda de drogas nos bairros.

 Do tráfico formiguinha ao interestadual 

Em relação aos inquéritos instaurados e concluídos, os números foram expressivos e demonstram o trabalho constante das instituições de segurança no combate ao tráfico, com prisões e apreensões de drogas, armas e dinheiro e investigações qualificadas que atingem a capacidade financeira de organizações criminosas, por meio de bens apreendidos e valores bloqueados.

“O combate ao tráfico de drogas deve ser entendido e planejado desde a pequena boca de fumo do bairro que incomoda a comunidade até as grandes organizações criminosas que lucram com essa atividade ilícita e fomentam outros crimes, como os homicídios, a violência doméstica, furtos, roubos”, disse a delegada.

Juliana explica que a DRE também vem trabalhando em investigações qualificadas de combate ao tráfico, com foco na identificação e desarticulação de grupos criminosos envolvidos com a distribuição de entorpecentes em grandes quantidades e que atendem várias cidades de Mato Grosso e fora do estado.

“Essas investigações demoram um tempo maior de maturação para estarem prontas para deflagrar operações e trazer resultados efetivos. É importante frisar que a DRE continua com o mesmo foco das gestões anteriores, seguindo em 2021 com a mesma garra e atuação bastante determinada no combate ao tráfico que causa tanto mal às famílias e à sociedade”, enfatizou a delegada.

 Incinerações 

Outro ponto que ganhou destaque no primeiro semestre foi a quantidade de entorpecente incinerada. A primeira queima realizada pela DRE foi em março de 2020, ocasião em foram autorizadas pela 9º, 13º Varas de Cuiabá e 3ª Vara da Comarca de Várzea Grande, a destruição de duas toneladas de drogas.

No mês de maio, foram mais três toneladas de drogas destruídas, superando o montante de cinco toneladas destruídas. A terceira incineração do semestre ocorreu em junho, na operação Narco Brasil, quando a DRE encaminhou para incineração mais uma tonelada de drogas.

Juliana Palhares afirma que a destruição da grande quantidade de entorpecentes era uma necessidade da especializada, uma vez que o volume de drogas apreendidas na unidade era muito grande e o processo para destruição é demorado, passando por várias etapas, dependendo de ordem judicial, perícia da Politec, e da disponibilidade da empresa para a queima da droga.

“Além da readaptação da mudança de gestão, o trabalho da DRE foi focado nas incinerações que precisavam ser realizadas, em razão do excelente trabalho das forças de segurança em ações de combate ao tráfico de substâncias ilícitas, havendo um acumulo considerável de drogas apreendidas na unidade”, explicou.

“O volume de droga incinerada demonstra que a cada ano, as polícias vêm apreendendo mais entorpecentes, representando também um grande prejuízo para o tráfico de drogas, atividade cruel que tira vidas, dissemina famílias e que apenas os grandes traficantes saem lucrando com a venda do entorpecente”, completou.

Operações interestaduais

O apoio em operações policiais deflagradas por Polícias Civis de outros estados também marcou os trabalhos realizados pela DRE no primeiro semestre de 2021. A especializada deu apoio a três operações fora de Mato Grosso, sendo duas da Polícia Civil de Pernambuco e uma da Polícia Civil de Goiás, além da participação na Operação Nacional Narco Brasil.

Na operação “Calcanhar de Aquiles” deflagrada pela Polícia Civil de Pernambuco, em abril, a DRE cumpriu 11 ordens judiciais, entre prisão e busca e apreensão. A operação foi desencadeada depois da investigação iniciada em julho de 2020, para desarticular uma organização criminosa voltada ao tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

A DRE também atuou no cumprimento oito mandados judiciais em apoio à operação Déja Vu, da Polícia Civil de Goiás, para desarticular uma organização criminosa envolvida com o tráfico interestadual. A investigação da Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos (Denarc) do estado vizinho iniciou em janeiro de 2020 e revelou um sofisticado esquema de transporte e distribuição de cocaína pura, pasta base de cocaína e skunk.

Em junho, a especializada de repressão a entorpecentes também participou da operação do Ministério da Justiça e Segurança Pública em todo país, quando as forças de segurança retiraram mais de duas toneladas (2.371 kg) de drogas de circulação durante o mês de junho. No período, foram feitas 95 diligências, 1.654 blitzes e barreiras, 32.538 abordagens a pessoas e 15.444 veículos fiscalizados. A Operação Narco em Mato Grosso resultou ainda em 269 Autos de Prisão em Flagrante (APFs) lavrados, e apreensões de 134 armas, 380 munições, R$ 52.554,00 e 64 veículos.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana